user preferences

New Events

Brazil/Guyana/Suriname/FGuiana

no event posted in the last week

Entre a razão e o delírio no país em transe

category brazil/guyana/suriname/fguiana | miscellaneous | opinião / análise author Sunday April 05, 2020 01:50author by BrunoL - 1 of Anarkismo Editorial Groupauthor email blimarocha at gmail dot com Report this post to the editors

a imbecilização que chafurda o Brasil

O debate a respeito do isolamento social e os planos macabros da aliança entre um pensamento obtuso e a ação de desmonte na política econômica, estão levando uma parcela do país às raias do delírio.
bolsonaromentiroso.jpg

04 de abril de 2020 - Bruno Lima Rocha
O debate a respeito do isolamento social e os planos macabros da aliança entre um pensamento obtuso e a ação de desmonte na política econômica, estão levando uma parcela do país às raias do delírio. Não abordo aqui a lerda e insuficiente política de emergência econômica, pouco sendo implementada pelo ministro da Economia, o Chicago Boy de carteirinha, Paulo Guedes. Também não vou abordar o fato do enquadramento de Jair Bolsonaro pela alta cúpula das forças armadas, a partir do final de semana de 28 de março de 2020. Faço aqui um breve debate, em que estamos diante de um delírio manipulado, mas que ganhou arraigo no Brasil e grudou no bolsonarismo como uma identificação para além do eleitoral.
Isolamento social e manipulação de massas a favor do capitalismo de desastre
Primeiro é preciso reforçar que temos colegas, profissões, áreas de estudo que se debruçam sobre temas como convivência humana, relações sociais, o inconsciente, níveis de interação e reintegração social. Dito isso reconheço o estudo de especialistas e reforço apenas o que é evidência. Somos uma espécie gregária, que depende das relações sociais e se integra em distintas etapas da vida coletiva. Vivemos de forma coletiva e não individualizada, não atomizada.
Nosso espanto é saber que a ênfase nas atividades remotas, à distância, era muito elogiada pelos entusiastas do capitalismo na etapa da “acumulação flexível”, em trabalhos que podem ser realizados através de mediação cibernética. Logo, nos espantamos diante dessa situação. Precisamos ver a luz do sol, sair às ruas e até tocar nas mercadorias, cujo fetiche tanto fortalece o consumo inconsciente. Ocorre que, neste momento, estamos diante de uma situação de calamidade, precavendo-nos da maior expansão da pandemia, conforme nos orienta corretamente a Organização Mundial da Saúde (OMS).
O impacto do isolamento é ainda maior nas camadas mais vulneráveis e empobrecidas da sociedade. Não é porque estamos diante do isolamento social que, tanto as diferenças sócio-econômicas como as mais variadas formas de exploração e opressão, deixam de existir. Logo, as dificuldades aumentam conforme a posição na, muito injusta, pirâmide social brasileira.
“Não era depressão, era capitalismo”. O isolamento social e a solidão no mundo individualista
Certa vez me perguntaram: “como combater os sentimentos de solidão?”. Não estou apto para responder a uma pergunta como essa. Posso dizer, sem nenhuma sombra de dúvida, que os direitos coletivos devem ser exercidos, defendidos e protegidos. O mesmo se dá no conceito de “felicidade”. É muito importante reconhecermos os saberes que se concentram na área da psicologia social, das terapias, da área da saúde mental, saúde coletiva, educação física, fisioterapia e afins. As relações sociais são muito complexas e devemos nos debruçar também sobre a área das humanidades que estudam a temática, de modo a convivermos com algum grau de harmonia, sempre que as condições materiais e de respeito coletivo sejam preservadas. Assim, respondo que é muito importante reconhecermos o estatuto de “especialistas” para discorrer sobre temas complexos e superarmos os “achismos e senso comum”, marcados pelas notícias falsas. Uma vez que o bolo fecal simbólico foi despejado, estes conteúdos fétidos circulam pela internet.
Logo, além daquilo que pode ser alcançado pela luta auto-organizada, o mais relevante é defendermos tanto o Sistema Único de Saúde (o SUS), quanto estar de guarda alta na defesa incondicional do Sistema Único de Assistência Social (SUAS). Somente as políticas públicas e a organização social podem nos salvar da pressão advinda dos desesperos cotidianos do capitalismo periférico e do entreguismo pós-colonial que chafurda no Brasil.
Isolamento social e a “opinião” a respeito
Outra pergunta que se repete desde o pronunciamento do presidente Jair Bolsonaro, veiculado em 13 de março, é se estão corretas as orientações da Organização Mundial de Saúde (OMS) para conter a pandemia. A resposta que posso tentar desenvolver nestas condições é OPINAR com base científica, seguindo as orientações da OMS, e repetindo experiências históricas de como os países enfrentaram e saíram de situações limite com medidas de planificação da economia e injeção de liquidez para a geração de renda das famílias, trabalhadores/trabalhadoras formais e informais e micro e pequenas empresas.
Qualquer orientação que não repita minimamente aquilo defendido pela OMS (isolamento social), na ONU (renda básica universal) e na área econômica do G20 (menos o Brasil, com ingresso de dinheiro novo e acabando com a falácia do teto de gastos), está errada. Não só errada como reflete a sociopatia de um pequeno número de brasileiros muito privilegiados e que não querem abrir mão de um modelo econômico concentrador, que fragiliza o emprego formal e aumenta a vulnerabilidade do país e das pessoas comuns.
Apontando conclusões
Não sairemos da situação da pós-pandemia se não sobrevivermos como sociedade durante o período pandêmico. É urgente trazer de volta alguma razão no debate coletivo e na esfera pública e, assim, bloquear a estupidez do debate da extrema-direita, retroalimentado pela pregação de fariseus oportunistas. Não custa lembrar que, embora todos e todas queiramos ver milagres e que a fé possa realmente mover montanhas, estamos em um país onde se transmitem, de forma tóxica, a “sessões de curas” feitas por charlatães em TVs abertas, concessões públicas revendidas por mercenários do baronato das comunicações. O efeito dessa sandice é ainda maior do que as pregações absurdas do também charlatão Olavo de Carvalho e seus asseclas cibernéticos.
Longe de mim defender qualquer imposição cientificista, em geral dotadas essas imposições de um elogio velado ao eurocentrismo e ao “mérito”. Mas, diante da pandemia e como o que de menos pior foi gerado nas relações entre Estados e o sistema das Nações Unidas, é necessário seguir as orientações das agências da ONU, tanto no combate à pandemia como na urgente defesa de planos econômicos de tipo keynesianos e alguns Planos Marshall para reconstruir os sistemas produtivos e o tecido urbano mais empobrecido no momento pós-pandemia.
No Brasil é preciso, minimamente, golpear duro a dois inimigos: o delírio da extrema direita e sua manipulação de massas tratadas como o gado da canção de Zé Ramalho, e o modelo econômico sociopata e entreguista de Paulo Guedes e sua trupe de Chicago Boys.
Bruno Lima Rocha é pós-doutorando em economia política, doutor e mestre em ciência política e professor de relações internacionais e jornalismo (blimarocha@gmail.com / canal no Youtube, Estratégia & Análise Blog).

This page can be viewed in
English Italiano Deutsch

Front page

19 de Julio: Cuando el pueblo se levanta, escribe la historia

International anarchist solidarity against Turkish state repression

Declaración Anarquista Internacional por el Primero de Mayo, 2022

Le vieux monde opprime les femmes et les minorités de genre. Leur force le détruira !

Against Militarism and War: For self-organised struggle and social revolution

Declaração anarquista internacional sobre a pandemia da Covid-19

La révolution du Rojava a défendu le monde, maintenant le monde doit défendre la révolution du Rojava!

Anarchist Theory and History in Global Perspective

Trans Rights is a Class Issue

Capitalism, Anti-Capitalism and Popular Organisation [Booklet]

AUKUS: A big step toward war

Reflexiones sobre la situación de Afganistán

Αυτοοργάνωση ή Χάος

South Africa: Historic rupture or warring brothers again?

Declaración Anarquista Internacional: A 85 Años De La Revolución Española. Sus Enseñanzas Y Su Legado.

Death or Renewal: Is the Climate Crisis the Final Crisis?

Gleichheit und Freiheit stehen nicht zur Debatte!

Contre la guerre au Kurdistan irakien, contre la traîtrise du PDK

Meurtre de Clément Méric : l’enjeu politique du procès en appel

Comunicado sobre el Paro Nacional y las Jornadas de Protesta en Colombia

The Broken Promises of Vietnam

Premier Mai : Un coup porté contre l’un·e d’entre nous est un coup porté contre nous tou·tes

Federasyon’a Çağırıyoruz!

Piştgirîye Daxuyanîya Çapemenî ji bo Êrîşek Hatîye li ser Xanîyê Mezopotamya

© 2005-2022 Anarkismo.net. Unless otherwise stated by the author, all content is free for non-commercial reuse, reprint, and rebroadcast, on the net and elsewhere. Opinions are those of the contributors and are not necessarily endorsed by Anarkismo.net. [ Disclaimer | Privacy ]