user preferences

Uma semana de revolta contra a injustiça social

category frança / bélgica / luxemburgo | community struggles | comunicado de imprensa author Friday November 11, 2005 00:25author by Alternative Libertaire - ALauthor email international at alternativelibertaire dot org Report this post to the editors

Uma semana de revolta contra a injustiça social. Tradução para o português.


Uma semana de revolta contra a injustiça social

Em uma semana, o motim iniciado em Clichy-sous-Bois pela morte de Ziad e Banou tem se propagado por todos os subúrbios parisienses, o resultado inevitável dos últimos cinco anos de Sarko-Show (referência ao ministro do interior Nicolas Sarkosky), 8 anos de reforçamento da segurança e mais de 30 anos de degradação social.

Ziad e Banou morreram fulminantemente pela descarga de um transformador da EDF e tem um terceiro, menor de idade, em estado grave. Pensavam em escapar da polícia. Saber-se-á se foi efetivamente ou se os policiais são culpados de não dar assistência a pessoas em perigo? Quais as circunstancias das mortes desses dois jovens, isto foi a faísca. A raiva dos subúrbios está saturada de rancor contra um estado que, faz anos, só aparece em forma de brutalidade policial, julgamentos e sempre com prisões.

Nos bairros populares, o habitante vive com medo, por si e por seus filhos, pelos controles de identidade humilhantes, pelas prisões arbitrárias, impunidade com a violência policial, acusações falsas feitas por policiais que perseguem pessoas dos subúrbios. Notícias recentes provam que não existe respeito pelos principais direitos por parte da polícia.

E o que dizer da provocação do ministro do interior, mas sobre tudo a arrogância de uma política que considera a periferia com um território de ocupação, conseqüência de uma prática colonial e militar de defesa da ordem pública?

Agora bem, voltando à violência – que responde a violência ilegítima do estado – se expressa com mais força de volta e paradoxalmente contra eles, desde os bairros-guetos, em resposta a violência estatal e patronal. A lógica desta rebelião espontânea se manifesta na destruição de veículos, ônibus, escolas que não ensinam nada para a maioria da população, pois não podem ser compreendidas.

Neste momento, é necessário recordar a resposta do Estado diante do problema juvenil e de suas famílias com métodos seletivos, ou as denuncias contra a policia que nunca obtiveram resultados, (recordamos a marcha da associação “Bouge qui Buoge” em Dammarie-le-Lys*), ou aquela marcha em solidariedade com os árabes na década de 80, que cria uma crise ao Governo Socialista da época e gera a recuperação do SOS Racismo.

Na revolta contra a injustiça, o sentimento de solidariedade popular é o elemento de reflexão da maioria dos jovens, estes são valores de nossa defesa. Compreendemos bem o estado de necessidade e a motivação da ação direta que anima nestes momentos a nossos bairros populares. Esta semana demonstrou o desespero da parte mais marginalizada de uma geração privada de perspectivas.

Junto com a estratégia de tensão do Governo e a atual repressão aos movimentos sociais (no transporte, hospitais, movimento estudantil e a oposição ao OGM) o qual se manifesta a tensa inseguridade social.

Nós não reclamamos um retorno à política de “a polícia na comunidade” ou a construção de ginásios onde os jovens se acabam em silêncio. Se Crê seriamente resolver assim a tensão social causada pela violência política e social dos poderosos?

Igualmente não pedimos a demissão do ministro do interior, como quer uma parte da esquerda. Esta é uma questão secundária, miseravelmente política, escandalosa se se recorda que a centro-esquerda instituiu de igual forma a política de seguridade e hoje segue sem desviar o modelo liberal de seguridade dominante.

Sem redistribuição do trabalho e da riqueza, e se a regressão social, o racismo e a exclusão social continuam estas explosões de raiva estão destinadas a se reproduzir.

Nem a prevenção, nem a religião, nem a repressão podem parar isso.
Só a justiça e a igualdade econômica e social constituem uma resposta.


Secretariado Federal De Alternative Libertaire,
05 de Novembro de 2005.


Traduzido para o português por montim – Coletivo Pró Organização Anarquista em Goiás. proorganarquista_go@riseup.net


by Alternative libertaire - AL
international@alternativelibertaire.org address: Alternative libertaire BP 295 75921 Paris Cedex 19 phone: 08-70-23-19-36

Related Link: http://www.alternativelibertaire.org
This page can be viewed in
English Italiano Deutsch

Front page

Declaración Anarquista Internacional: A 85 Años De La Revolución Española. Sus Enseñanzas Y Su Legado.

Death or Renewal: Is the Climate Crisis the Final Crisis?

Gleichheit und Freiheit stehen nicht zur Debatte!

Contre la guerre au Kurdistan irakien, contre la traîtrise du PDK

Meurtre de Clément Méric : l’enjeu politique du procès en appel

Comunicado sobre el Paro Nacional y las Jornadas de Protesta en Colombia

The Broken Promises of Vietnam

Premier Mai : Un coup porté contre l’un·e d’entre nous est un coup porté contre nous tou·tes

Federasyon’a Çağırıyoruz!

Piştgirîye Daxuyanîya Çapemenî ji bo Êrîşek Hatîye li ser Xanîyê Mezopotamya

Les attaques fascistes ne nous arrêteront pas !

Les victoires de l'avenir naîtront des luttes du passé. Vive la Commune de Paris !

Contra la opresión patriarcal y la explotación capitalista: ¡Ninguna está sola!

100 Years Since the Kronstadt Uprising: To Remember Means to Fight!

El Rei està nu. La deriva autoritària de l’estat espanyol

Agroecology and Organized Anarchism: An Interview With the Anarchist Federation of Rio de Janeiro (FARJ)

Es Ley por la Lucha de Las de Abajo

Covid19 Değil Akp19 Yasakları: 14 Maddede Akp19 Krizi

Declaración conjunta internacionalista por la libertad de las y los presos politicos de la revuelta social de la región chilena

[Perú] Crónica de una vacancia anunciada o disputa interburguesa en Perú

Nigeria and the Hope of the #EndSARS Protests

How Do We Stop a Coup?

Aλληλεγγύη στους 51 αντιφασίστες της Θεσσαλονίκης

No war on China

© 2005-2021 Anarkismo.net. Unless otherwise stated by the author, all content is free for non-commercial reuse, reprint, and rebroadcast, on the net and elsewhere. Opinions are those of the contributors and are not necessarily endorsed by Anarkismo.net. [ Disclaimer | Privacy ]