user preferences

New Events

Iberia

no event posted in the last week

[Portugal] Caderno Luta Social Nº1: Editorial

category iberia | workplace struggles | opinião / análise author Friday February 01, 2008 18:12author by Colectivo Luta Socialauthor email iniciativalutasocial at gmail dot com Report this post to the editors

LUTA SOCIAL: Balanço de três anos de percurso

Uma aposta nossa é a horizontalidade. Todos os membros têm igual peso na tomada de decisão. Outra aposta é a abertura; estamos disponíveis para colaborar com outros colectivos ou associações, sempre que houver convergência de propósitos, até mesmo quando ela seja limitada a alguns domínios.


LUTA SOCIAL: Balanço de três anos de percurso

Caderno Luta Social Nº1: Editorial


O Colectivo Luta Social surgiu em finais de 2004, após a Conferência Libertária de Setúbal, da qual algumas pessoas que vieram a fundar o Colectivo, foram organizadoras e participantes.

Os pressupostos do Colectivo foram, desde logo, anti-capitalistas e anti-autoritários, para realizar trabalho centrado nas lutas sociais.

Desde o início do seu percurso (Março de 2005), o Colectivo Luta Social diagnosticou a óbvia necessidade, no panorama português, de um sindicato de cariz anti-autoritário e anti-capitalista, que possa renovar o sindicalismo e apresentar-se como alternativa ao sindicalismo burocrático reformista.

Não foi portanto por acaso que surgiu o primeiro sindicato de base, após o 25 de Abril de 74 em Portugal, mas antes pela acção do Colectivo, cujos membros decidiram fundar a Associação de Classe Interprofissional (AC-Interpro) em Junho de 2006.

Tinha este grupo de militantes já participado na fundação, um ano antes, de um núcleo da FESAL-E, a Federação Europeia de Sindicalismo Alternativo, ramo Educação. Pensou-se, um ano depois, que estavam reunidas as condições para a criação de um sindicato de cariz anti-autoritário.

Após a Assembleia fundacional, em Junho de 2006, levou-se cabo a tarefa da legalização do sindicato, tendo havido necessidade de uma mudança dos estatutos para ficarem conformes à lei. A sua aprovação ocorreu em finais de Outubro de 2006 e a publicação no boletim do Ministério do Trabalho em Novembro do mesmo ano, veio legalizar este sindicato de base.

Paralelamente, o sindicato ia iniciando a sua actividade:

  • Tomou posição, em vários comunicados, face às questões que afectam os trabalhadores portugueses e também fez divulgação de informação sobre as lutas sociais em Portugal e no mundo;

  • Realizou reuniões com militantes e simpatizantes para definir a sua estratégia;

  • Efectuou Jornadas Interprofissionais, ainda em 2006, com debates públicos sobre precariedade laboral, privatização da educação e globalização da luta de classes;

  • No ano de 2007, realizou um seminário, em Lisboa, sobre «violência na escola, violência na sociedade», por iniciativa do seu sector da Educação;

  • Em Abril-Maio de 2007, a AC-Interpro participou na conferência de Paris i07, que contou com sindicatos revolucionários e autónomos dos 5 continentes.
Mas, desde cedo, surgiram dificuldades diversas:

As reuniões eram, por vezes, pouco participadas. A organização horizontal necessita da participação activa de todos os interessados; a ausência de hierarquias implica a assunção das responsabilidades, por parte de todos.

Um obstáculo imprevisto foi a acção do Ministério Público contra a AC-Interpro, em Janeiro de 2007, com o intuito de a extinguir, alegando que os estatutos não estavam conformes com a lei.

Os argumentos eram de duvidosa pertinência. No entanto, por falta de capacidade financeira, não se podia contratar advogado, envolvendo o sindicato num processo que poderia ser ruinoso e de desfecho incerto. Optou-se por não contestar a acção. A sentença acabou por ser decretada pelo tribunal e o sindicato foi legalmente extinto em finais de 2007.

O Colectivo Luta Social reconstituiu-se. Os seus militantes actuais são, na sua maioria, ex-membros do sindicato AC-Interpro. Mas desta vez, assumindo-se como Colectivo autónomo e sem procurar satisfazer exigências jurídicas destinadas a abafar quaisquer veleidades de contestação ao sistema instituído. A menos que tenhamos um número relativamente grande de activistas, a organização de um sindicato, que corresponda minimamente aos nossos anseios, no quadro da legalidade instituída, não se nos afigura possível de momento em Portugal.

Agora, com estatutos renovados e com novo «visual», quer do sítio Internet, quer na lista de discussão a ele associado (*), o Colectivo estará em condições de aproveitar a experiência acumulada e continuará a desenvolver um trabalho de intervenção, seguindo os mesmos princípios, adaptando-os às circunstâncias concretas que vai encontrando.

Uma aposta nossa é a horizontalidade. Todos os membros têm igual peso na tomada de decisão.

Outra aposta é a abertura; estamos disponíveis para colaborar com outros colectivos ou associações, sempre que houver convergência de propósitos, até mesmo quando ela seja limitada a alguns domínios.

É com esse espírito que lançámos estes «Cadernos Luta Social», apostando nas colaborações. Queremos que boa parte do seu conteúdo seja da autoria de terceiros, pessoas e entidades amigas do Colectivo, de Portugal ou do estrangeiro, que queiram contribuir pela reflexão e análise, para lançar ou aprofundar o debate, num vasto leque de temas:

  • A luta de classes não se extinguiu, mas assume novas formas. Quais os desafios que se nos colocam, quer no plano das tácticas quer da organização?

  • À internacionalização do capital não corresponde uma internacionalização da solidariedade actuante dos explorados e oprimidos. Que caminhos se abrem a uma cooperação directa entre os povos, nas suas lutas?

  • Há muitas causas transversais, como a igualdade de géneros, o combate ao racismo e à xenofobia, a luta pela preservação do ambiente e outras, que deveriam ser confluentes com e fortalecimento do campo não reformista, o campo anti-capitalista e anti-autoritário. Como agirmos para que isso ocorra?

  • A cultura e a educação verdadeiras são uma troca horizontal, não hierarquizada. Como nos organizarmos para produzirmos a nossa própria cultura, em ruptura com a esquizofrénica sociedade de consumo mas, não isolados da generalidade das pessoas, não encerrados num gueto.
Estamos bem cientes de que apenas podemos começar a dar respostas a estas e noutras questões, agindo em solidariedade e cooperação no terreno social.

Não temos soluções «prontas a servir», nem achamos de interesse apresentar receituários, ou modelos.

Tenhamos a inteligência crítica para perceber que não é possível aprendermos com as experiências alheias, mormente no terreno social, a não ser que partilhemos as suas práticas construtivas. Apelamos -por isso - à cooperação e entreajuda permanentes, no nosso campo.

(*) Sítio Internet: http://www.luta-social.org
Lista de discussão: http://groups.google.com/group/iniciativalutasocial

Related Link: http://www.luta-social.org
This page can be viewed in
English Italiano Deutsch

Front page

Reflexiones sobre la situación de Afganistán

Αυτοοργάνωση ή Χάος

South Africa: Historic rupture or warring brothers again?

Declaración Anarquista Internacional: A 85 Años De La Revolución Española. Sus Enseñanzas Y Su Legado.

Death or Renewal: Is the Climate Crisis the Final Crisis?

Gleichheit und Freiheit stehen nicht zur Debatte!

Contre la guerre au Kurdistan irakien, contre la traîtrise du PDK

Meurtre de Clément Méric : l’enjeu politique du procès en appel

Comunicado sobre el Paro Nacional y las Jornadas de Protesta en Colombia

The Broken Promises of Vietnam

Premier Mai : Un coup porté contre l’un·e d’entre nous est un coup porté contre nous tou·tes

Federasyon’a Çağırıyoruz!

Piştgirîye Daxuyanîya Çapemenî ji bo Êrîşek Hatîye li ser Xanîyê Mezopotamya

Les attaques fascistes ne nous arrêteront pas !

Les victoires de l'avenir naîtront des luttes du passé. Vive la Commune de Paris !

Contra la opresión patriarcal y la explotación capitalista: ¡Ninguna está sola!

100 Years Since the Kronstadt Uprising: To Remember Means to Fight!

El Rei està nu. La deriva autoritària de l’estat espanyol

Agroecology and Organized Anarchism: An Interview With the Anarchist Federation of Rio de Janeiro (FARJ)

Es Ley por la Lucha de Las de Abajo

Covid19 Değil Akp19 Yasakları: 14 Maddede Akp19 Krizi

Declaración conjunta internacionalista por la libertad de las y los presos politicos de la revuelta social de la región chilena

[Perú] Crónica de una vacancia anunciada o disputa interburguesa en Perú

Nigeria and the Hope of the #EndSARS Protests

© 2005-2021 Anarkismo.net. Unless otherwise stated by the author, all content is free for non-commercial reuse, reprint, and rebroadcast, on the net and elsewhere. Opinions are those of the contributors and are not necessarily endorsed by Anarkismo.net. [ Disclaimer | Privacy ]