user preferences

Search words: Rusga Libertária

[Brasil] MANIFESTO - Rusga Libertária

category brazil/guyana/suriname/fguiana | movimento anarquista | news report author Sunday May 07, 2006 07:35author by Rusga Libertária - Cuiabá - Mato Grosso - Brasilauthor email rusgalibertaria at yahoo dot com dot br Report this post to the editors

A Rusga Libertária é uma organização política anarquista que tem como objetivo maior a construção de uma sociedade socialista e libertária. Acreditamos que é a população oprimida e explorada (trabalhadores, estudantes, desempregados) organizada que será capaz de transformar a sociedade.


MANIFESTO
Rusga Libertária



A Rusga Libertária é uma organização política anarquista que tem como objetivo maior a construção de uma sociedade socialista e libertária. Acreditamos que é a população oprimida e explorada (trabalhadores, estudantes, desempregados) organizada que será capaz de transformar a sociedade. Sobre os princípios de ação direta, democracia direta, federalismo, internacionalismo, classismo e ética libertária que a nossa organização surge no início do ano de 2006, fruto de um longo processo de discussão e reflexão entre os anarquistas cuiabanos que têm a intenção de retomar o anarquismo social e militante que tanto impulsionou a luta do povo oprimido no passado. No início do século XX o anarquismo conquistou grande força no movimento operário brasileiro e influenciava o pensamento e a organização dos trabalhadores do período. A perseguição política violenta aos militantes e o sindicalismo pelego reduziram a presença dos anarquistas e de suas propostas nas organizações dos trabalhadores. No entanto, as desilusões com o modelo de socialismo autoritário soviético e a crítica a democracia burguesa deram novo fôlego às idéias anarquistas, sendo que no final da década de 60 estas voltaram a influenciar alguns setores da sociedade.

No Brasil, já a alguns anos, os anarquistas vem consolidando experiências de inserção social e sentem a necessidade de se organizar. Nesse contexto hoje estamos participando do FAO (Fórum do Anarquismo Organizado), uma instancia nacional que busca construir uma organização anarquista com a participação de grupos de todo o país.

Uma organização nacional é necessária por que a nossa luta se dá dentro de uma conjuntura nacional. Dentro do país sofremos com os mesmos problemas econômicos, sociais e políticos: a miséria, a violência, o desemprego, a falta de participação e a desigualdade. O governo Lula, dito de “esquerda”, implementou uma política de recessão e corte de gastos, seguindo as imposições dos organismos financeiros internacionais, que só piora a situação do país, a população fica cada vez mais pobre e os banqueiros com lucros cada vez maiores.

A grande maioria das entidades que tradicionalmente mobilizavam os trabalhadores e estudantes para lutar por melhoria de vida não estão mais nas ruas e não são mais instrumentos de luta. Os movimentos sociais que acreditaram que o governo iria solucionar os problemas acabaram se desmobilizando e foram cooptados pelo poder institucional. As estruturas centralistas destes movimentos dificultam a participação direta dos trabalhadores nas decisões, gerando um distanciamento entre os trabalhadores e seus “representantes”. Para que possamos transformar a nossa sociedade é preciso movimentos fortes que sejam capazes de mobilizar estudantes, trabalhadores, desempregados. Reivindicamos os movimentos sociais autônomos e combativos que façam resistência ao projeto da classe dominante e construam alternativas populares.

Na história do país muitos trabalhadores se levantaram contra as injustiças, lutaram e morreram, defendendo a sua terra, fugindo da escravidão, formando quilombos, organizando movimentos reivindicatórios e de revolta. Em Cuiabá, temos o exemplo da Rusga. A Rusga foi um movimento, que ocorreu em Cuiabá (no século XIX) organizado contra os privilégios dos comerciantes portugueses. Apesar de não propor transformações radicais nas estruturas econômicas e políticas, foi uma revolta popular que saiu do controle das lideranças liberais, que haviam se aproveitado do movimento para subir ao poder.

Nas últimas décadas, Mato Grosso recebeu um grande fluxo populacional de migrantes de outras regiões do país, fruto de uma política de colonização que teve como efeito o extermínio de muitas sociedades indígenas e a expulsão de posseiros.

O nosso estado é marcada pelo contraste da riqueza dos grandes latifundiários e da miséria do povo, a economia caracterizada pela monocultura mecanizada (soja e algodão) exclui os pequenos camponeses expulsos de suas terras pela violência e pela lógica perversa do mercado. Apesar desta dura realidade, atualmente vemos alguns movimentos se levantarem para lutar por uma vida mais digna. Os trabalhadores rurais querem terra e buscam condições de sobreviver no campo, nas periferias das cidades as pessoas reivindicam melhorias nos serviços, infra-estrutura dos bairros e buscam alternativas de renda.

Queremos uma outra Rusga, uma Rusga Libertária que através da mobilização da população e movimentos fortes e combativos, construam uma alternativa de poder popular que forme uma sociedade mais justa e fraterna.

This page has not been translated into 한국어 yet.

This page can be viewed in
English Italiano Deutsch
Employees at the Zarfati Garage in Mishur Adumim vote to strike on July 22, 2014. (Photo courtesy of Ma’an workers union)

Front page

ANARCHISM, ETHICS AND JUSTICE: THE MICHAEL SCHMIDT CASE

SAFTU: The tragedy and (hopefully not) the farce

Στηρίζουμε την εργατική πορεία

Σημειώσεις για τις ταραχές στο Μενίδι

Ni El Decreto Ni Los Palos Detendrán La Lucha Popular

IN MEMORIA DI MAURIZIO GIARON

Book Review: Raymond B. Craib, The Cry of the Renegade. Politics and Poetry in Interwar Chile (Oxford University Press, 2016)

IN MEMORIA DI UN OPERAIO ASSASSINATO

(Video) La Revolución en Kurdistán y las mujeres de armas tomar

Anarquistas sabotean con explosivos torniquetes de metro en Atenas; "el transporte debe ser para el pueblo"

Ayutla de los Libres se regirá sin partidos políticos y por la autonomía; es hora de que los pueblos se autogobiernen

Slaughterers of the Palestinian people

Absolute boy - The Youth Revolt that led Corbyn to a victory of sorts

Who Are the Anarchists and What Is Anarchism?

Entre la guerra y la paz [Parte I]

Livorno: Donne Contro - intervista a 10 donne anarchiche, marxiste e femministe nella Rivoluzione Spagnola

Una tragedia putumayense en tres actos: entrando al “post-conflicto”

"Έφυγε" η συντρόφισσα Ευγενία Β.,

Καμία ανοχή στις μαφιόζικες πρακτικές

The First International and the Development of Anarchism and Marxism

Απαιτούμε αξιοπρεπή ζωή

Grupo paramilitar asesina a 6 personas y deja 3 menores heridos para despojar territorios en Cacahuatepec, Guerrero

Campaña internacional de video-mensajes en solidaridad con la Confederación de Mujeres de Rojava

Fuelling the fires: South Africa in class war

© 2005-2017 Anarkismo.net. Unless otherwise stated by the author, all content is free for non-commercial reuse, reprint, and rebroadcast, on the net and elsewhere. Opinions are those of the contributors and are not necessarily endorsed by Anarkismo.net. [ Disclaimer | Privacy ]