user preferences

New Events

Mashriq / Arabia / Iraq

no event posted in the last week
Recent articles by KAF (Fórum Anarquista do Curdistão)
This author has not submitted any other articles.
Recent Articles about Mashriq / Arabia / Iraq Imperialismo / Guerra

The struggle for Palestine Jul 14 21 by Melbourne Anarchist Communist Group

Defend Kurdistan : statement for the international delegation Jun 18 21 by International Delegation for Peace and Freedom

DEFEND KURDISTAN Against Turkish Occupation Jun 18 21 by International delegation for Kurdistan

O que nós pensamos sobre a atual crise no Iraque?

category mashriq / arabia / iraq | imperialismo / guerra | comunicado de imprensa author Sunday August 17, 2014 14:00author by KAF (Fórum Anarquista do Curdistão)author email anarcojo at gmail dot com Report this post to the editors

Uma análise do Fórum Anarquista do Curdistão sobre a atual situação iraquiana

A crise do Iraque já se arrasta há décadas. Tanto o regime Saddam Hussein tanto quanto sob a atual "democracia", desde a invasão de 2003, não há liberdade, justiça social, igualdade e há poucas perspectivas para aqueles que são independentes aos partidos políticos no poder. Além da brutalidade e discriminação contra as mulheres e as minorias, um grande abismo foi criado entre os ricos e os pobres, fazendo com que os pobres ficassem cada vez mais pobres e os ricos mais ricos.
460_0___30_0_0_0_0_0_oabubakralbaghdadi570.jpg

A crise atual não difere muito do que acabamos de descrever. De fato ela é a continuidade da situação que se instala após décadas de conflitos. As únicas diferenças são os nomes e os partidos políticos no poder.

Os políticos e as grandes mídias adoram dizer que as lutas atuais são apenas o prolongamento das velhas lutas e conflitos entre as duas principais doutrinas religiosas islâmicas: o xiismo e o sunismo, que possuem um passado sangrento que data de logo após o nascimento da religião muçulmana.

Mas se nós lembrarmos a história das nações, dos países e de seus povos, elas são ainda hoje a luta daqueles que estão no poder contra aqueles que não estão; a luta dos os exploradores e dos explorados, dos grileiros e do povo dominado, entre o invasor e o povo que se defende dos poderosos, das autoridades e do estado.

Em resumo, a guerra é e foi em nome do capital e do lucro.

O que se produz hoje no Iraque sobre o nome de “Estado Islâmico do Iraque e do Levante (Síria)”, está longe do que as mídias de massa nos descrevem e dizem.

Os fatos são:

Primeiro: o avanço do ISIS é ação de uma pequena minoria ajudada por frações sunitas desiludidas frente à liderança xiitas em BAGDA; assim os lideres tribais sunitas, os membros do partido Bath, os antigos oficiais da armada e das frações dos antigos rebeldes se reuniram para realizar um combate contra o primeiro ministro do Iraque, Nouri Al Maliki. Quando o ISIS marchou contra Mossoul, a terceira maior vila do Iraque, eles eram menos de 2000, enquanto somavam as forças de defesa - os militares e os agentes do serviço secreto ou de segurança - da vila mais de 6000 homens. Esse numeroso exército estava com equipamentos pesados, ajuda aérea, tanques e diferente tipos de armas de alto poder, porém frente ao ISIS e outras facções, ofereceram pouca ou nenhuma resistência.

Segundo: o que ocorre é produto de um plano arquitetado pela Turquia, países do Golfo e pelo Governo Autônomo da Região Curda, em que os EUA e a Grã-Bretanha já estavam avisados.

Terceiro: é muito difícil saber exatamente aonde isso irá chegar, pois os rumos do conflito dependem, a maior parte do tempo, do que os Estados Unidos e os países ocidentais têm como interesse, podendo então ajudar ou não qualquer tipo de levante. Até o presente momento, EUA e a Grã-Bretanha, publicamente afirmam sobre a necessidade de unidade entre os povos. Se considerarmos que os interesses por trás são outros, não terão o menor escrúpulo em dividir o Iraque em três semiestados para cada povo: curdos, sunitas e xiitas.

Quarto: essa situação colocou o Iraque as portas de uma guerra entre as seitas, particularmente após a promulgação de um fatwa pelo Ayatollah Ali Sistani, um dos cléricos mais reverenciados do Islã Sunita, conclamando a tomada em armas e o ingresso no exército.

Quinto: nós temos certeza que há uma agenda escondida sobre todo esse cenário. Nós pensamos que um dos fins dessa essa guerra é cercar e estrangular o movimento democrático da massa do povo curdo no oeste do Curdistão (o Curdistão sírio) e sua administração local. O movimento mostrou que há uma clara alternativa ao Estado nação ao sistema liberal e neoliberal, assim como a seu governo. Assim como provou que o movimento popular não cai necessariamente no que se seguiu, em geral, após a “primavera árabe”, ou seja, estabelecendo governos islâmicos. Além do que, o movimento mostra que a insurreição popular não deve ser sustentada pela União Europeia, EUA ou qualquer um de seus agentes. Prova que a revolução deve começar pelas camadas subalternas da sociedade, não pelo alto, pois aqui foi construída pelos grupos locais que tomavam a maior parte das decisões por si mesmo. O movimento não está no interesse dos políticos e do neoliberalismo, portanto, a etapa seguinte será atacar o Curdistão ocidental e seu movimento de massas.

Em vista do que se aproxima, nós do KAF, denunciamos essa guerra que se lançou e se impôs a população iraquiana e cremos na organização do povo fora dos partidos políticos, fora dos milicianos e fora da instituições do estado e dos governos, acreditamos que é pela organização do povo a partir dos locais de trabalho, dos quartéis, das escolas, das universidades e na rua, que devem se unir e responder contra essa guerra, contra as injustiças, contra a pobreza, contra a fome,contra a desigualdade e para suprimir o que está sendo imposto por esse sistema brutal através do Estado, do comércio,das instituições financeiras, assim como pelas classes médias neoliberais e instituições espiãs com seus respectivos agentes.

Fórum Anarquista do Curdistão

28 junho de 2014-08-07

Traduzido por Marcelo Mazzoni
Revisado por Marcus Vinicius Faria

This page can be viewed in
English Italiano Deutsch

Front page

AUKUS: A big step toward war

Reflexiones sobre la situación de Afganistán

Αυτοοργάνωση ή Χάος

South Africa: Historic rupture or warring brothers again?

Declaración Anarquista Internacional: A 85 Años De La Revolución Española. Sus Enseñanzas Y Su Legado.

Death or Renewal: Is the Climate Crisis the Final Crisis?

Gleichheit und Freiheit stehen nicht zur Debatte!

Contre la guerre au Kurdistan irakien, contre la traîtrise du PDK

Meurtre de Clément Méric : l’enjeu politique du procès en appel

Comunicado sobre el Paro Nacional y las Jornadas de Protesta en Colombia

The Broken Promises of Vietnam

Premier Mai : Un coup porté contre l’un·e d’entre nous est un coup porté contre nous tou·tes

Federasyon’a Çağırıyoruz!

Piştgirîye Daxuyanîya Çapemenî ji bo Êrîşek Hatîye li ser Xanîyê Mezopotamya

Les attaques fascistes ne nous arrêteront pas !

Les victoires de l'avenir naîtront des luttes du passé. Vive la Commune de Paris !

Contra la opresión patriarcal y la explotación capitalista: ¡Ninguna está sola!

100 Years Since the Kronstadt Uprising: To Remember Means to Fight!

El Rei està nu. La deriva autoritària de l’estat espanyol

Agroecology and Organized Anarchism: An Interview With the Anarchist Federation of Rio de Janeiro (FARJ)

Es Ley por la Lucha de Las de Abajo

Covid19 Değil Akp19 Yasakları: 14 Maddede Akp19 Krizi

Declaración conjunta internacionalista por la libertad de las y los presos politicos de la revuelta social de la región chilena

[Perú] Crónica de una vacancia anunciada o disputa interburguesa en Perú

© 2005-2021 Anarkismo.net. Unless otherwise stated by the author, all content is free for non-commercial reuse, reprint, and rebroadcast, on the net and elsewhere. Opinions are those of the contributors and are not necessarily endorsed by Anarkismo.net. [ Disclaimer | Privacy ]