user preferences

New Events

Internacional

no event posted in the last week

Porquê a crise da dívida soberana dos países periféricos?

category internacional | economia | opinião / análise author Saturday July 02, 2011 22:24author by Manuel Baptista - (A título pessoal) Report this post to the editors

[...] o imperialismo dominante está a afundar os seus «aliados», numa tentativa desesperada de evitar que aumente ainda mais o apelo que tem o euro, o qual tem vindo a ser mais e mais preferido internacionalmente em muitos intercâmbios, financeiros e comerciais.


Porquê a crise da dívida soberana dos países periféricos?


O colapso financeiro de 2007 foi devido a uma sobre-exposição dos bancos a activos «tóxicos». Transformou-se - porém - em crise da dívida soberana dos países europeus, por uma conjugação de factores. Um deles será a sujeição canina dos governos e da comissão europeia aos interesses dos grandes grupos económicos e financeiros.

Porém, outra parte -não desprezível- desta crise das dívidas soberanas dos países periféricos do euro foi friamente programada, usando as três maiores agências de notação dos EUA. Com efeito, há indícios de que elas terão sido incentivadas por Washington. Mas mesmo que não houvesse isso, visto que a sua subsistência depende -em última análise- do «estado de saúde do dólar», elas tinham claramente interesse próprio em especular contra as dívidas soberanas dos países da zona euro. Se o dólar continuar a perder terreno a favor do euro (como tem vindo a acontecer desde há um ano!), estes grupos económicos, que são na realidade estas «agências de notação» irão sofrer!

Portanto, o ataque especulativo contra o euro desenvolveu-se de uma forma «colateral», através da chamada crise das dívidas soberanas desses países periféricos.

O imperialismo USA apenas subsiste porque todo o mundo continua a transaccionar em dólares, numa larga percentagem. A queda do Saddam foi decidida por ele ter anunciado que iria converter em euros as suas reservas em dólares e faria daí por diante transacções internacionais na moeda europeia, deixando de aceitar dólares pelo petróleo exportado. Isto foi o despoletar da invasão.

Aquilo que aconteceu na Líbia, tem algumas semelhanças, pois Kaddafhi tinha um plano - o «dinar de ouro» - que ele submeteu aos outros países da UA (União africana): Esta seria a moeda única do continente africano, na qual seriam transaccionados os bens, nomeadamente matérias primas (petróleo, gás, minerais, produção agrícola...). Era uma forte ameaça para americanos, britânicos e franceses. Assim, rapidamente tomaram eles pretexto (insuflaram?) de uma rebelião para tentar derrubar o dirigente líbio... de novo «persona non grata».

Todos os analistas sérios avisam sobre a iminente e inevitável derrocada do dólar. Isso é inevitável no plano histórico, pois os países «BRICS» não irão continuar a transaccionar por muito mais tempo os seus produtos em dólares. A China deu um sinal disso, há cerca de um ano, pois tinha proposto, numa reunião cimeira, a introdução duma unidade padrão, uma espécie de «moeda contabilística internacional», constituída por uma «cesta» das principais moedas. Tratava-se de uma ameaça demasiado directa ao dólar. A proposta foi imediatamente recusada pelos EUA. Mas eles ficaram conscientes que tinham de agir. Se não fizessem nada, viria muito rápida a queda do dólar, com todas as consequências na economia dos EUA!

A estratégia dos EUA, consiste portanto em sabotar o euro, atacando a credibilidade das economias e dos estados periféricos. Assim, eles estão a cercear a base de confiança na «construção europeia» e no euro, ou seja: o imperialismo dominante está a afundar os seus «aliados», numa tentativa desesperada de evitar que aumente ainda mais o apelo que tem o euro, o qual tem vindo a ser mais e mais preferido internacionalmente em muitos intercâmbios, financeiros e comerciais.

This page can be viewed in
English Italiano Deutsch

Front page

Reflexiones sobre la situación de Afganistán

Αυτοοργάνωση ή Χάος

South Africa: Historic rupture or warring brothers again?

Declaración Anarquista Internacional: A 85 Años De La Revolución Española. Sus Enseñanzas Y Su Legado.

Death or Renewal: Is the Climate Crisis the Final Crisis?

Gleichheit und Freiheit stehen nicht zur Debatte!

Contre la guerre au Kurdistan irakien, contre la traîtrise du PDK

Meurtre de Clément Méric : l’enjeu politique du procès en appel

Comunicado sobre el Paro Nacional y las Jornadas de Protesta en Colombia

The Broken Promises of Vietnam

Premier Mai : Un coup porté contre l’un·e d’entre nous est un coup porté contre nous tou·tes

Federasyon’a Çağırıyoruz!

Piştgirîye Daxuyanîya Çapemenî ji bo Êrîşek Hatîye li ser Xanîyê Mezopotamya

Les attaques fascistes ne nous arrêteront pas !

Les victoires de l'avenir naîtront des luttes du passé. Vive la Commune de Paris !

Contra la opresión patriarcal y la explotación capitalista: ¡Ninguna está sola!

100 Years Since the Kronstadt Uprising: To Remember Means to Fight!

El Rei està nu. La deriva autoritària de l’estat espanyol

Agroecology and Organized Anarchism: An Interview With the Anarchist Federation of Rio de Janeiro (FARJ)

Es Ley por la Lucha de Las de Abajo

Covid19 Değil Akp19 Yasakları: 14 Maddede Akp19 Krizi

Declaración conjunta internacionalista por la libertad de las y los presos politicos de la revuelta social de la región chilena

[Perú] Crónica de una vacancia anunciada o disputa interburguesa en Perú

Nigeria and the Hope of the #EndSARS Protests

© 2005-2021 Anarkismo.net. Unless otherwise stated by the author, all content is free for non-commercial reuse, reprint, and rebroadcast, on the net and elsewhere. Opinions are those of the contributors and are not necessarily endorsed by Anarkismo.net. [ Disclaimer | Privacy ]