user preferences

New Events

Brazil/Guyana/Suriname/FGuiana

no event posted in the last week

Ir ao Povo: As Tarefas do Proletariado e dos Anarquistas diante da ofensiva neoliberal - I

category brazil/guyana/suriname/fguiana | miscellaneous | other libertarian press author Saturday May 16, 2009 11:06author by Unipa - União Popular Anarquista - UNIPA - Brasil Report this post to the editors

Ir ao Povo: As Tarefas do Proletariado e dos Anarquistas diante da ofensiva neoliberal”

Resoluções do III Congresso da UNIPA

Julho de 2007

“Ir ao Povo: As Tarefas do Proletariado e dos Anarquistas diante da ofensiva neoliberal”

Resoluções do III Congresso da UNIPA

Julho de 2007

Apresentação

Pensar e Fazer a Revolução:

o III Congresso da UNIPA no contexto da luta de classes no Brasil

O III Congresso da UNIPA, realizado em julho de 2007, visou estabelecer uma análise teórica anarquista sobre o desenvolvimento capitalista brasileiro. Para realizar essa tarefa, foi preciso simultaneamente realizar um balanço teórico do pensamento anarquista, especificando o conteúdo de seu método e de suas principais teses sobre a sociedade.

O I Congresso aconteceu em março de 2003, o II Congresso em fevereiro-março de 2004. Nesse período a organização conseguiu consolidar sua proposta e criar seu pequeno, mas real espaço no movimento sindical e popular. O desafio do III Congresso foi avançar na teoria e prática da revolução brasileira de uma perspectiva anarquista.

O tema do III Congresso é “Ir ao Povo: as tarefas dos anarquistas e do proletariado diante da ofensiva neoliberal”. A palavra de ordem “ir ao povo” foi cunhada por Bakunin no século XIX, para designar a tarefa dos anarquistas russos. Esses deveriam se dedicar ao trabalho político junto às massas camponesas. Começar mesmo que “do zero” um trabalho de propaganda e organização que deveria ter como meta a revolução social.

Nesse sentido, a palavra de ordem hoje ganha também um significado histórico fundamental. Trata-se de aplicar no contexto brasileiro, a linha política revolucionaria anarquista. Ir ao povo, à classe trabalhadora, para participar de suas lutas, é o primeiro e principal dever do revolucionário. Ir ao povo no atual contexto, marcado pela ofensiva neoliberal (que faz parte de um processo de transição a uma nova etapa de desenvolvimento do capitalismo mundial) significa participar das lutas de resistência da classe contra as reformas estatais e medidas de reestruturação produtiva.

Essa orientação política geral só ganha importância à luz da aplicação do bakuninismo a análise das relações de classe no Brasil e no mundo. E esse trabalho de aplicação teórica, de produção de uma sociologia – no sentido que Bakunin defendia – da revolução, é uma contribuição anarquista ao processo de constituição do proletariado enquanto classe. “Pensar a revolução” é uma das dimensões da do fazer revolucionário.

Por isso o I Congresso da UNIPA tinha indicado como tarefa a elaboração de uma teoria anarquista da revolução brasileira. E o III Congresso representa um momento importante, pois apresentamos uma síntese teórica acerca do desenvolvimento do capitalismo brasileiro e mundial a partir das teses bakuninistas, encerrando assim a etapa de trabalho iniciada em 2003. Afirmamos inicialmente que era possível criar uma teoria a partir de Bakunin. Agora apresentamos os traços gerais de tal teoria em teses especificas.

O III Congresso representa ao mesmo tempo um ponto de chegada – para o processo de produção teórica iniciado em 2003 – e o ponto de partida para uma nova fase. Fase esta em que esperamos dar continuidade a construção de uma sociologia revolucionária bakuninista. Paralelamente a construção nacional da UNIPA e expansão de suas frentes de massa. É um trabalho inovador em termos de Brasil e coloca mais desafios agora.

O debate acerca da revolução proletária e socialista em geral, e da revolução brasileira em particular, encontra-se estagnado. Não poderia ser de outra maneira já que o próprio movimento revolucionário e proletário encontra-se em crise no Brasil e no mundo. Nesse sentido, a formulação de uma teoria anarquista da revolução brasileira é uma tarefa essencial da reconstrução do anarquismo e quiçá do movimento proletário.

A nossa principal tarefa teórica é contrapor a “teoria etapista da revolução”, de cunho comunista e social-democrata, pela “teoria da revolução integral” (econômica, política e social), característica do anarquismo. Bakunin apontou nos anos 1860 que a teoria da revolução em etapas dos social-democratas representava um projeto de “revolução burguesa” e que por isso abria campo para a aliança com a burguesia e abdicação da própria idéia da revolução em nome de “reformas”. Assim, definia-se na realidade todo o campo de oposições entre Bakunin e Marx.

A recusa da teoria etapista implicava na recusa de uma “fase de transição” entre a sociedade de classes e a sociedade sem classes, marcada pelo papel do Estado e pela “ditadura do poletariado”. A teoria etapista da revolução estava amparada numa teoria geral da sociedade – o materialismo histórico – que supunha a evolução e sucessão de modos de produção no tempo, da qual o comunismo seria o estágio mais avançado. Essa teoria por sua vez tinha um pilar – a determinação da economia em ultima instancia sobre todas as dimensões da vida social. O determinismo econômico estabeleceu papéis fixos para a burguesia e para o “proletariado industrial”.

A idéia da “revolução socialista” ficou atrelada então ao desenvolvimento do capitalismo, da qual seria um produto. Para que a revolução socialista pudesse se realizar, seria necessário “o desenvolvimento do modo de produção capitalista” até certo ponto. Essa base teórica permitiu que a defesa do desenvolvimento do capitalismo se tornasse uma bandeira política da social-democracia e comunismo internacionais.

Bakunin criticou firmemente tal teoria da historia, questionou o “determinismo econômico”, e consequentemente a teoria das classes e do papel do Estado. Essa critica estava amparada numa concepção materialista, mas um materialismo distinto do materialismo histórico de Marx e Engels (que supõem o determinismo econômico). Ao mesmo tempo, Bakunin elaborou uma teoria acerca do “estatismo”, ou seja, uma análise da evolução do capitalismo a partir da perspectiva do desenvolvimento do Estado. E adotou a teoria das forças coletivas como base da critica econômica do capitalismo. Qualquer revolução que não resolva o problema da exploração das forças coletivas dos trabalhadores será uma revolução burguesa, e por isso, uma contra-revolução.

O ponto central da luta teórica no Brasil permanece o mesmo. A revolução brasileira terá um confronto entre os adeptos da teoria da revolução por etapas (que inclui todo o marxismo, maoísmo, trotskismo, leninismo, stalinismo) e os adeptos da teoria da revolução integral. Ao mesmo tempo, essa luta passa por uma luta de interpretações sociológicas sobre a estrutura de classes e o desenvolvimento capitalista no Brasil.

O capitalismo brasileiro apresenta uma série de características que mostra a sua transição para um tipo de capitalismo ultramonopolista (neoliberal e toyotista). A reestruturação produtiva e as reformas do Estado levam a uma mudança da estrutura de classes (decorrente da mudança do papel do Brasil e América Latina na divisão internacional do trabalho e do sistema imperialista). Essa mudança implica na ampliação quantitativa do proletariado marginal (os proletários não integrados ao mercado de trabalho ou integrados na sua esfera inferior), e na mudança do seu papel qualitativo. Esse proletariado passará a ser o “tipo padrão” nos diversos ramos e setores da produção e circulação capitalista.

Ao mesmo tempo, a estrutura de classes se diversifica e vemos uma relativa ascensão do setor primário-exportador que ocupa cada vez mais importância na economia brasileira. É o marco de uma nova expansão do capitalismo na agricultura que irá agravar as contradições já existentes.

A política revolucionária deve levar em conta as mudanças da dinâmica do desenvolvimento capitalista e da estrutura de classes no Brasil. Qualquer política que ignore isso não dará conta das tarefas da revolução proletária. E essas são apenas algumas das questões teóricas que temos de enfrentar. Os principais problemas sociais (Questão Econômico-Política, Questão Agrária, Questão Urbana e etc) serão agravados por conta da transição neoliberal no desenvolvimento dependente brasileiro.

Por isso, as teses apresentadas ao nosso III Congresso (que serão publicadas em breve) visam ser um passo inicial e uma contribuição, mesmo que modesta, ao trabalho teórico de interpretação dessa nova realidade e de construção de uma nova política popular revolucionaria.

O pensamento político e cientifico de Bakunin constituiu a base central para a estruturação do trabalho teórico de analise e crítica do capitalismo na atual conjuntura. As análises e teses de outros pensadores, também fundamentais a análise, foram apropriadas a partir dos critérios estabelecidos pelo pensamento de Bakunin e sempre em concordância com suas teses.

As resoluções aqui apresentadas foram deliberadas a partir de um conjunto de teses produzidas pela organização: 1) um bloco dedicado à caracterização do pensamento bakuninista; 2) um segundo bloco que partindo desse pensamento, realizou análises objetivas do processo de desenvolvimento capitalista mundial e brasileiro. A experiência prática da luta política (e as análises parciais produzidas em comunicados e textos) também foi elemento fundamental da produção.

Esse duplo movimento, de identificação e caracterização da teoria anarquista-bakuninista e de análise a partir de tal pensamento de situações concretas, exigiu uma análise critica da teoria comunista-marxista e das suas diferentes interpretações. Exigiu também a critica das teorias econômicas “burguesas” que prevalecem ainda hoje em diversos aspectos. O trabalho teórico impôs um movimento de definição de identidades, de diferenciação da teoria anarquista de outras teorias (liberal, comunista, nacionalista). Assim o trabalho teórico é também uma luta teórica baseada na contradição e no enfrentamento de idéias entre si e com a realidade objetiva, sendo este o único critério de validação das teorias.

Sabemos que o trabalho teórico apresentado no III Congresso da UNIPA representa um passo importante, mas ainda assim, apenas um passo dentro de uma longa marcha. O trabalho e a luta teórica devem caminhar lado a lado com o trabalho político, numa relação dialética com a luta de classes. Pensar a revolução é uma dimensão do fazer revolucionário. É impossível fazer a revolução sem pensá-la. As analises e resoluções aqui publicadas constituem então parte desse processo de intervenção anarquista na luta de classes.

Anarquismo é Luta! Bakunin Vive e Vencerá!

Parte I - Resoluções sobre a Teoria e a Prática Revolucionária

1 – Vigência do pensamento bakuninista: rumo a uma nova revolução!

“É-nos muito importante libertar as massas da superstição religiosa (...). Mas só podemos alcançar por dois meios: a ciência racional e a propaganda socialista (...). As hipóteses da ciência racional se distinguem das metafísicas, visto que esta última, deduzindo as suas como conseqüências lógicas de um sistema absoluto, pretende forçar a natureza a aceitá-las; enquanto que as hipóteses da ciência racional, saídas não de um sistema transcendente, mas de uma síntese que nunca é outra coisa senão o resumo ou a expressão geral de uma quantidade de fatos demonstrados pela experiência, jamais podem ter este caráter imperativo obrigatório, sendo, ao contrário, sempre apresentadas de maneira a que se possa retirá-las tão logo sejam desmentidas por novas experiências”. (Bakunin, Federalismo, Socialismo, Anti-teologismo).

1) O anarquismo enquanto uma teoria revolucionária compreende um método materialista de análise do mundo natural e social. Esse método materialista está ligado dialeticamente a uma ideologia socialista revolucionária, com a qual constitui uma totalidade indivisível. A teoria materialista e ideologia socialista revolucionária anarquista encontram sua unidade e significado no pensamento de Bakunin.

2) Tal resolução significa a afirmação da vigência do pensamento bakuninista, ou seja, da sua atualidade e da sua capacidade de produzir análises teóricas criticas da sociedade que possam orientar a prática revolucionária. O bakuninismo é a teoria anarquista da revolução e essa teoria pode dar uma contribuição fundamental para que a luta de classes se desenvolva “rumo a uma nova revolução” – que conduza efetivamente a destruição da sociedade de classes.

3) Mas para afirmar a vigência do pensamento bakuninista, é preciso desmontar uma série de “mitos”[i] e deformações historiográficas, que ocultam o conteúdo teórico e o significado histórico da teoria experiência anarquista da revolução, e suas diferenças para as diferentes teorias burguesas para a teoria comunista.

4) Uma análise da extensa obra de Bakunin joga por terra todas essas deformações, mostrando não só que o anarquista russo foi o maior teórico revolucionário do século XIX, mas também definiu a luta teórica como fundamental para a construção da Revolução Social, ou seja, Bakunin propôs e iniciou a elaboração de uma teoria sociológica e materialista à serviço dos interesses da classe trabalhadora e, conseqüentemente, em oposição às ideologias e às ciências burguesas [ii].

5) Na perspectiva epistemológica de Bakunin está presente a dialética e o materialismo, pois as teorias científicas são produzidas pela dialética experiência-síntese-hipótese-novas experiências. E a experiência é a experiência coletiva, pois é impossível para um indivíduo apreender toda a complexidade e dinamismo da natureza e da sociedade. Portanto, somente recorrendo ao trabalho coletivo contemporâneo e do passado daqueles que se dedicaram à investigação científica é possível, dentro dos limites da própria ciência, desenvolver interpretações válidas sobre a dinâmica e sobre as estruturas das sociedades.

6) Ao recusar todas as formas de teologismo (religião, liberalismo, individualismo, metafísica, etc), porque têm como única função falsear a realidade e/ou justificar o status quo, Mikhail Bakunin elege o método materialista e sociológico de investigação científica. Materialista porque considera as relações sociais concretas, circunscritas em determinadas condições materiais de existências estabelecidas no tempo e no espaço. Sociológico porque considera a totalidade das relações estabelecidas em sociedade, em suas dimensões econômicas, políticas, culturais e sociais estabelecidas no tempo e no espaço.

7) Diferentemente do materialismo histórico marxista, que está preso ao determinismo econômico, o materialismo bakuninista parte de um processo dialético e ininterrupto de ação e reação. Considerando efetivamente o princípio da dialética, não existe um fator determinante, mas sim multi-causalidades. Portanto, a sociedade (o mundo social) é entendida com uma totalidade constituída de múltiplos processos dialéticos: ação-idéia; economia-política; cultura-sociedade; entre outros. Nesse processo dialético a totalidade é simultaneamente produto e produtora dessas multi-causalidades, para citar um exemplo, ao mesmo tempo que determinadas relações econômicas estão circunscritas dentro de uma certa totalidade social que as determinam, tais relações econômicas também são determinantes para a estrutura e a dinâmica da totalidade social.

2 – As forças coletivas e a luta de classes.

8) O materialismo de Bakunin e o seu entendimento da totalidade social colocam em lugar central a ação dos sujeitos sociais concretos, enquanto produto e produtores da sociedade em que estão inseridos. A pedra fundamental da sociedade capitalista é a propriedade privada garantida à burguesia pela centralização política do estatismo. Enquanto classe dominante, a burguesia detém a violência organizada do Estado, além do seu sistema jurídico-político, o que lhe permite explorar a força coletiva do proletariado. Portanto, a dinâmica política e social do sistema capitalista é determinada pela sua estrutura econômica e política que opõe o proletariado e a burguesia.

9) A perspectiva sociológica de Proudhon e Bakunin coloca as práticas e o trabalho coletivo acima da pratica e do trabalho individual, isto é, o trabalho coletivo é superior a soma dos trabalhos individuais, ou seja, vários trabalhadores isolados são incapazes de realizar as tarefas que coletivamente os trabalhadores concluem. Portanto, o trabalho não pode ser pago individualmente sob a forma de salário. Só a coletivização da propriedade, dos meios de produção e do que é produzido pela força coletiva dos trabalhadores garante que os próprios trabalhadores tenham domínio sobre suas próprias atividades e tenham acesso aos frutos de seu trabalho.

10) Considerando as teorias desenvolvidas pelos revolucionários anarquistas, a analise sociológica sintetizada na noção de força coletiva baseia-se na seguinte premissa: o trabalho, especialmente sob a forma de “força coletiva” é que produz o valor. Há uma sob produção capitalista uma contradição permanente entre o direito de ganho derivado da propriedade privada e a produção baseada na força coletiva, motor da contradição de classes sociais.

11) Sob produção capitalista, a força coletiva jamais será remunerada e o salário individual será mantido sempre no valor socialmente necessário à reprodução física do trabalhador, isso porque a propriedade privada (enquanto fato econômico e jurídico) tem sua origem não na ocupação (do território) ou no trabalho, mas (assim como o Estado) na conquista ou em contratos baseados em desigualdade de poder, possibilitando uma expropriação diária e cotidiana dos trabalhadores e sua força coletiva, através da qual se dá a acumulação burguesa capitalista.

12) Em termos históricos, a propriedade foi constituída sob a base do direito romano, como “direito de uso e abuso” ou direito de “domínio”. A “propriedade privada” foi transformada pela Revolução Francesa, em princípio do direito e do governo (da gestão da sociedade) e a Revolução Francesa instituiu ao mesmo tempo o Estado Moderno e a Economia Moderna (capitalistas), sendo a propriedade privada e as relações de exploração derivadas da dialética existente entre “domínio” e direito de “ganho”. A existência da propriedade privada e capitalista engendra uma taxa crescente de desigualdade e da miséria (entre os trabalhadores).

13) Resumidamente, partindo da crítica das noções burguesas de igualdade e liberdade, constata-se que a sociedade burguesa não somente é desigual, como a desigualdade tenderia a se agravar; e que a liberdade, relativa à burguesia, é inexistente para o proletariado enquanto classe, nos seus locais de trabalho e atividade social, e, sob o sistema da propriedade privada, a liberdade seria exclusividade da burguesia.

3 – O Estatismo e a luta contra o Estado.

14) O conceito bakuninista de estatismo designa um processo: o de extensão do Estado e formação de uma “razão do Estado” e de diversas doutrinas de sua legitimação (teoria do direito divino dos reis, contratualismo, nacionalismo). O conceito de estatismo supõe uma análise histórica em que o Estado Moderno antecede a formação do capitalismo, e a tomada deste Estado pela burguesia consolida a transformação econômica capitalista da sociedade feudal. Por outro lado e dialeticamente, este Estado Moderno surgido da Reforma Protestante, Estado emancipado da Igreja e que a subordinou, foi condicionado pelas mudanças econômicas e sociais, como as transformações do feudalismo, expansão comercial, que antecederam a possibilitaram a reforma religiosa.

15) Considerando a dialética entre estrutura e relações sociais concretas, o Estado, enquanto estrutura jurídico-política, é o produto de relações desiguais entre as classes, mas também reproduz e produz relações sociais desiguais. Assim, o Estado possui uma importante dinâmica estruturante responsável pela produção e reprodução de novas relações de exploração e opressão.

16) Enquanto etapa histórica, o estatismo recobre duas tendências distintas; em primeiro lugar, e de maneira fundamental, a relação de correspondência ou dialética entre centralização estatal e monopolismo econômico, de maneira que uma alimenta e reforça a outra. É impossível então pensar o estatismo sem pensar o aumento das taxas de exploração e das formas de extração de mais valia absoluta. Ao mesmo tempo, essa dialética centralização/monopólio é expressão e conseqüência do caráter que o Estado Moderno assumiu com o desenvolvimento do estatismo, ou seja, um caráter burguês (apesar de que nas suas primeiras manifestações, houve um “estatismo” relacionado a uma classe dominante nobiliárquica e clerical). Sendo assim, o Estado Moderno não foi apenas um epifenômeno do desenvolvimento da produção capitalista, mas se constituiu enquanto uma condição intrínseca e, inclusive, um agente econômico e político fundamental para o surgimento, expansão e consolidação do capitalismo por todo o mundo nos séculos seguintes.

17) Decorre desse caráter burguês do Estado capitalista e da economia, que o próprio sistema de Estados se paute numa competição entre os Estados pela hegemonia, e mesmo pela supremacia, que caberá sempre ao Estado mais vasto, que conseguir controlar territórios (comércio exterior), mares e povos. A centralização de poderes no Estado levará também no sistema de Estados a uma centralização de maiores poderes nos maiores Estados, que assumirão então a forma de Impérios – que se torna o conceito para exprimir e descrever Estados que são potências militares e geopolíticas. O Império é um tipo particular de Estado que consegue a hegemonia numa região e que disputa a supremacia no sistema mundial de Estados. O desenvolvimento do estatismo sempre leva à formação, no sistema internacional de Estados, pela lógica de competição e conquista que lhe é inerente, de um Império que detém a supremacia sobre outros Impérios e Estados rivais.

4 – Teoria da Revolução: revolução integral X revolução por etapas.

18) A Teoria da Revolução Proletária de Bakunin é a Teoria da Revolução Social, isto é, da transformação radical violenta da sociedade capitalista com a abolição da propriedade privada e a destruição do Estado. Trata-se de uma revolução integral, onde a estrutura econômica (a propriedade privada) e a estrutura política (o Estado) são simultaneamente destruídas, eliminando a exploração econômica e a opressão política. A Revolução Social é Proletária porque é protagonizada pelas massas urbanas e camponesas, que, lavando o antagonismo com a burguesia às últimas conseqüências, organizam o levante insurrecional para a destruição do poder burguês: as forças repressivas (forças armadas e policiais), o poder jurítico-político do Estado e a propriedade provada. Os organismos da classe trabalhadora também são os responsáveis pela defesa da revolução, ou seja, são responsáveis pela organização do Exército Popular na guerra contra a contra-revolução burguesa, e pela construção do Poder Popular, que dizer, pela organização das instâncias da classe trabalhadora que assumem a gestão política e econômica da sociedade socialista.

19) A teoria anarquista da revolução – das condições necessárias à realização de uma insurreição geral – foi estabelecida a partir da análise de um processo histórico particular, o desenvolvimento das revoluções francesas, e da crítica da tese que afirmava que a revolução burguesa como etapa anterior e necessária da revolução socialista (teoria etapista da revolução). Ao realizar uma análise sociológica do conflito de classes e da crise política francesa desencadeada pela guerra franco-prussiana de 1870, Bakunin realizou um exercício de aplicação de seu método materialista e de demonstração de suas teses acerca do estatismo e da propriedade privada, bem como do papel das classes sociais e partidos diante de cada situação política possível. Assim, a análise da sociedade é construída a partir da análise da dinâmica entre “revolução X reforma” e “revolução X contra-revolução”, ou seja, entre revolução burguesa e revolução proletária. Aquilo que seria estabelecido como estratégia e programa político anarquista (a greve geral de massas, a insurreição geral campo-cidade, o boicote à democracia burguesa, a aliança operário-camponesa e a defesa da federação das comunas socialistas) seriam conclusões políticas extraídas dessa análise sociológica de base essencialmente coletivista, e do materialismo filosófico que lhe sustenta. E as teses principais acerca da economia e sociedade seriam firmadas a partir da análise de fatos sociais e da experiência histórica.

20) Devemos entender a oposição entre a teoria bakuninista da revolução integral e a teoria marxista da revolução em etapas (revolução democrático-burguesa;; fase de transição socialista até o comunismo) a partir das concepções sociológicas divergentes entre as referidas teorias. Pois para o marxismo o processo revolucionário é o resultado do desenvolvimento das forças produtivas e o “Estado Operário” continua com essa mesma função, ou seja, desenvolver as forças produtivas até o comunismo. Portanto, o marxismo nega o protagonismo da classe trabalhadora no processo revolucionário e na direção da sociedade pós-revolução. A teoria bakuninista, ao contrário, coloca o protagonismo na classe trabalhadora do campo e da cidade, pois são as forças coletivas do proletariado que devem assumir o processo revolucionário e a gestão da sociedade socialista.

5– A função dos anarquistas na revolução socialista: organização política, de massas e internacional.

21) A teoria anarquista do Partido Revolucionário está pautada em diferentes tipos de princípios: ideológicos; teóricos; organizativos, programáticos e estratégicos. Os princípios ideológicos são aqueles que expressam os interesses e aspirações do partido revolucionário e sua relação orgânica com a classe trabalhadora; os princípios teóricos são as bases intelectuais e cognitivas que orientam as teses fundamentais acerca da sociedade e da realidade em geral; os princípios programáticos são os objetivos gerais permanentes, os interesses que a organização pretende representar e atender, através da sua ação; os princípios estratégicos como os meios concretos postulados para realizar os objetivos; e os princípios organizativos são as regras que regulam a ação e a estrutura de funcionamento da organização política.

22) Todos os princípios têm caráter permanente, ou seja, são bases fixas, que não devem ser alteradas para que a organização exista enquanto tal. No sentido teórico-ideológico, os princípios do partido revolucionário anarquista se expressam: 1) na defesa do federalismo e do anti-estatismo, como forma de organização política e de governo, e do socialismo como organização econômica. concepção de sociedade; 2) na defesa do direito de auto-determinação dos povos e direito à alteridade; 3) no internacionalismo; e; 4) na adoção do materialismo como cocnpeção teórica filosófica e da categoria “trabalho” como base dos direitos sociais e organização política.

23) A estrutura e as regras organizativas do partido revolucionário anarquista são as seguintes: 1) a organização política deve ser composta por uma dupla estrutura, a organização internacional e a organização nacional, ; 2) que a organização deve combinar dialeticamente a centralização (construção da unidade da luta revolucionária, de baixo para cima) e a localização (descentralização, ou distribuição das forças revolucionárias por diferentes pontos da sociedade e território).

24) Além disso, em razão das características da atividade da organização: 1) os revolucionários devem se organizar de forma combinada, e não excludente, em “associações públicas e secretas”, como defendia Bakunin, com o objetivo de ampliar e de preparar um movimento revolucionário simultâneo no campo e na cidade; 2) adoção de uma forte disciplina revolucionária.

25) Assim, a organização política deve ser estruturada sobre estas bases organizativas, tendo como papel a preparação (iniciação-direção) da revolução, e deve estar coordenada por uma organização internacional, que dirige as organizações nacionais, estabelecida sobre uma disciplina revolucionária e um programa comum.

26) Para realizar tais objetivos, a organização política precisa estar articulada com as organizações sindicais e de massa. A organização de massas também deve ter um caráter internacional. Por isso a “Aliança” (organização política internacional) deveria ter como contrapartida a Associação Internacional dos Trabalhadores/AIT (organização de massas internacional). A organização de massas é organizada especialmente para a mobilização pelos interesses materiais-econômicos, reivindicativos, dos trabalhadores. O desenvolvimento progressivo de suas lutas econômicas deve politizar o movimento no sentido socialista.

27) Essas formas da organização política e sindical/de massas, está associada diretamente à estratégia revolucionaria e à concepção de revolução proletária. O caráter internacional da revolução visa a oposição ao capitalismo como sistema mundial e aliança burguesa internacional, e ao mesmo tempo, combate a política estatista-nacionalista. Está associada à visão de guerra, visto que a revolução é uma guerra civil e que a revolução internacional é necessariamente uma guerra mundial. Ou seja, a organização internacional dos revolucionários e dos proletários visa cumprir a revolução como processo internacional.

28) É sobre estas bases que se colocam os objetivos programáticos e a estratégia para sua realização. Sendo assim, podemos diferenciar as bases programáticas em três tipos: econômicas, políticas e sociais; profundamente inter-relacionadas. As medidas políticas são relacionadas à construção de uma democracia socialista, com liberdade de propaganda, organização e expressão e com igualdade entre os gêneros. A base da democracia socialista é a comuna, inserida dentro de uma federação de comunas revolucionárias. As medidas econômicas principais são a coletivização dos meios de produção e o estabelecimento do trabalho como atividade obrigatória para todos os membros da sociedade.

Related Link: http://www.unipa.cjb.net
This page can be viewed in
English Italiano Deutsch

Front page

Declaración Anarquista Internacional: A 85 Años De La Revolución Española. Sus Enseñanzas Y Su Legado.

Death or Renewal: Is the Climate Crisis the Final Crisis?

Gleichheit und Freiheit stehen nicht zur Debatte!

Contre la guerre au Kurdistan irakien, contre la traîtrise du PDK

Meurtre de Clément Méric : l’enjeu politique du procès en appel

Comunicado sobre el Paro Nacional y las Jornadas de Protesta en Colombia

The Broken Promises of Vietnam

Premier Mai : Un coup porté contre l’un·e d’entre nous est un coup porté contre nous tou·tes

Federasyon’a Çağırıyoruz!

Piştgirîye Daxuyanîya Çapemenî ji bo Êrîşek Hatîye li ser Xanîyê Mezopotamya

Les attaques fascistes ne nous arrêteront pas !

Les victoires de l'avenir naîtront des luttes du passé. Vive la Commune de Paris !

Contra la opresión patriarcal y la explotación capitalista: ¡Ninguna está sola!

100 Years Since the Kronstadt Uprising: To Remember Means to Fight!

El Rei està nu. La deriva autoritària de l’estat espanyol

Agroecology and Organized Anarchism: An Interview With the Anarchist Federation of Rio de Janeiro (FARJ)

Es Ley por la Lucha de Las de Abajo

Covid19 Değil Akp19 Yasakları: 14 Maddede Akp19 Krizi

Declaración conjunta internacionalista por la libertad de las y los presos politicos de la revuelta social de la región chilena

[Perú] Crónica de una vacancia anunciada o disputa interburguesa en Perú

Nigeria and the Hope of the #EndSARS Protests

How Do We Stop a Coup?

Aλληλεγγύη στους 51 αντιφασίστες της Θεσσαλονίκης

No war on China

© 2005-2021 Anarkismo.net. Unless otherwise stated by the author, all content is free for non-commercial reuse, reprint, and rebroadcast, on the net and elsewhere. Opinions are those of the contributors and are not necessarily endorsed by Anarkismo.net. [ Disclaimer | Privacy ]