user preferences

New Events

Brazil/Guyana/Suriname/FGuiana

no event posted in the last week

O Contexto do Congresso de 2008 e o Debate Sobre Organização

category brazil/guyana/suriname/fguiana | movimento anarquista | policy statement author Monday December 01, 2008 19:07author by Federação Anarquista do Rio de Janeiro - FARJ Report this post to the editors
O I Congresso da FARJ foi realizado com o principal objetivo de aprofundar nossas reflexões sobre a questão da organização e formalizá-las em um programa.

ANARQUISMO SOCIAL E ORGANIZAÇÃO

O CONTEXTO DO CONGRESSO DE 2008 E O DEBATE SOBRE ORGANIZAÇÃO

Para teorizar com eficácia é imprescindível atuar.
Federação Anarquista Uruguaia

O I Congresso da FARJ foi realizado com o principal objetivo de aprofundar nossas reflexões sobre a questão da organização e formalizá-las em um programa.

Desde 2003, o debate em torno da organização vem acontecendo dentro de nossa organização. Produzimos materiais teóricos, apuramos nossas reflexões, extraímos ensinamentos de erros e acertos de nossa prática política e foi se tornando cada vez mais necessário aprofundar o debate e formalizá-lo, difundindo este conhecimento, tanto interna quanto externamente.

O trabalho prático de nossas duas frentes – de ocupações e comunitária – foi absolutamente central para as reflexões teóricas que fizemos neste período. Ele contribuiu, inclusive, com a criação, no início de 2008, de nossa terceira frente – a frente agroecológica, chamada Anarquismo e Natureza.

Um ano atrás decidimos realizar, com a necessária profundidade, o debate sobre organização, visando formalizar as conclusões em um documento, que seria validado no Congresso de 2008. Para isso, ainda em 2007, tomamos algumas ações para contribuir com o necessário amadurecimento teórico que seria imprescindível para este caminho que pretendíamos trilhar:

- Ativação da Secretaria de Formação Política
- Realização de Seminários Internos de Formação
- Elaboração de Cadernos de Formação para Militantes

Estas ações buscaram dar a todos os militantes de nossa organização a estrutura, o espaço e o suporte necessários para que este debate pudesse acontecer da maneira mais desejável possível. Tivemos um grande esforço para ler, escrever, debater, retomar materiais já escritos, aprofundar discussões, realizar esclarecimentos; enfim, realizar na plenitude este debate que julgávamos tão necessário.

No entanto, não queríamos somente realizar um fórum de debates. Queríamos chegar a posições mais conclusivas, ou seja, aprofundar a linha política da organização. Como um dos traços do nosso modelo organizacional é a unidade teórica e ideológica, queríamos ter este momento de aprofundamento de algumas questões teóricas e ideológicas e, ao final, chegar a posições concretas, a serem defendidas e difundidas por toda a organização.

Nestes cinco anos, sempre pensamos que para desenvolver uma linha política deveríamos necessariamente pensar na influência mútua que há entre teoria e prática, já que as consideramos inseparáveis. Quando ambas interagem reciprocamente, e de maneira positiva, potencializam os resultados de todos os trabalhos da organização. Com boa teoria se melhora a prática, com boa prática se melhora a teoria. Não há como se pensar a organização anarquista somente com a teoria e sem a prática, ou mesmo desenvolvendo uma teoria e tentando fazer com que a prática se adapte completamente a ela.

Desde o início pensamos ser fundamental não constituir uma organização que, distante das lutas, escrevesse documentos e que depois fosse para a prática, com o objetivo de adaptá-la à teoria. Da mesma forma, nunca nos pareceu possível conceber a organização anarquista somente com a prática e sem teoria, ou mesmo assumindo como teoria tudo o que acontece na prática. Buscamos sempre um equilíbrio que, se por um lado, não tinha por objetivo teorizar profundamente para começar a atuar, por outro, buscava fazer com que a atuação estivesse alinhada com uma teoria, o que, em nosso entender, potencializa o resultado dos esforços militantes, sem perdas de energia desnecessárias.

Neste debate que aconteceu nos últimos dois anos, e que está sendo formalizado neste documento, tivemos a preocupação de desenvolver uma teoria própria, que não fosse simplesmente a repetição de outras teorias desenvolvidas em outros lugares e em outras épocas. Obviamente, toda esta nossa teoria está impregnada, do início ao fim, de outras teorias e de autores que viveram e atuaram em outros contextos. Seria impossível conceber uma teoria anarquista consistente sem a contribuição dos clássicos anarquistas, por exemplo. No entanto, fizemos questão de realizar uma longa reflexão do que – destas teorias e do pensamento destes autores – faz sentido em nosso contexto, ainda nos dias de hoje. Buscamos criar conceitos próprios, visando dar um caráter original à teoria que pretendíamos criar, e, nesta empreitada, julgamos ter tido muito sucesso, já que conseguimos, a nosso ver, construir e formalizar uma teoria coerente, articulando teóricos clássicos, contemporâneos e também nossas próprias concepções. Apesar disso, não acreditamos que esta é uma teoria definitiva. Muitos aspectos podem ser aprofundados, outros podem ser aprimorados, enfim... O mais importante é deixar claro que pensamos estar dando os primeiros passos nesse longo caminho que pretendemos trilhar.

Finalmente, tivemos a preocupação de construir esta discussão e toda a sua formalização de maneira coletiva. Não nos bastava que um ou outro companheiro escrevesse toda a teoria da organização e que os outros simplesmente observassem e seguissem suas posições. Foi por isso que buscamos, ao longo deste período, contemplar todas as posições da organização e não só de um ou outro militante. Isto também, a nosso ver, acrescenta certo valor ao texto. Ele não surge da cabeça de um ou outro intelectual que pensa a política dissociado da realidade, mas, ao contrário, é o resultado de cinco anos de luta e organização do anarquismo em permanente contato com as lutas de nosso tempo e buscando uma transformação social revolucionária rumo ao socialismo libertário. Em suma, é o resultado de cinco anos de atuação prática.

Com o propósito de contribuir com mais uma etapa, de formalizar teoricamente o que se acumulou em nossa curta história, realizamos o I Congresso, que ocorreu junto com a comemoração de cinco anos da FARJ, em 30 e 31 de agosto de 2008, cujas principais reflexões encontram-se registradas a seguir.

Ética, compromisso, liberdade!


Ir para a parte: [ 1 I 2 I 3 I 4 I 5 I 6 I 7 I 8 I 9 I 10 I 11 I 12 I 13 I 14 I 15 I 16 ]

Related Link: http://www.farj.org

This page has not been translated into Kreyòl ayisyen yet.

This page can be viewed in
English Italiano Deutsch

Front page

Declaración Anarquista Internacional: A 85 Años De La Revolución Española. Sus Enseñanzas Y Su Legado.

Death or Renewal: Is the Climate Crisis the Final Crisis?

Gleichheit und Freiheit stehen nicht zur Debatte!

Contre la guerre au Kurdistan irakien, contre la traîtrise du PDK

Meurtre de Clément Méric : l’enjeu politique du procès en appel

Comunicado sobre el Paro Nacional y las Jornadas de Protesta en Colombia

The Broken Promises of Vietnam

Premier Mai : Un coup porté contre l’un·e d’entre nous est un coup porté contre nous tou·tes

Federasyon’a Çağırıyoruz!

Piştgirîye Daxuyanîya Çapemenî ji bo Êrîşek Hatîye li ser Xanîyê Mezopotamya

Les attaques fascistes ne nous arrêteront pas !

Les victoires de l'avenir naîtront des luttes du passé. Vive la Commune de Paris !

Contra la opresión patriarcal y la explotación capitalista: ¡Ninguna está sola!

100 Years Since the Kronstadt Uprising: To Remember Means to Fight!

El Rei està nu. La deriva autoritària de l’estat espanyol

Agroecology and Organized Anarchism: An Interview With the Anarchist Federation of Rio de Janeiro (FARJ)

Es Ley por la Lucha de Las de Abajo

Covid19 Değil Akp19 Yasakları: 14 Maddede Akp19 Krizi

Declaración conjunta internacionalista por la libertad de las y los presos politicos de la revuelta social de la región chilena

[Perú] Crónica de una vacancia anunciada o disputa interburguesa en Perú

Nigeria and the Hope of the #EndSARS Protests

How Do We Stop a Coup?

Aλληλεγγύη στους 51 αντιφασίστες της Θεσσαλονίκης

No war on China

© 2005-2021 Anarkismo.net. Unless otherwise stated by the author, all content is free for non-commercial reuse, reprint, and rebroadcast, on the net and elsewhere. Opinions are those of the contributors and are not necessarily endorsed by Anarkismo.net. [ Disclaimer | Privacy ]