user preferences

Upcoming Events

Economy

No upcoming events.
international / economy Sunday September 13, 2015 07:46 byShawn Hattingh   text 1 comment (last - monday september 14, 2015 02:52)
featured image

It was long ago stated that capitalism came into the world dripping in blood and dirt, from every pore, from head to toe. While it has demonstrated that it won’t simply collapse under its own weight, the recent goings-on around the current capitalist crisis have shown that with age it has become even more hideous. Capitalism is now rank with massive state intervention required to simply keep its rotting body moving: through states propping up the financial sector and deepening the colossal attack on the working class.

The goings-on that have once again highlighted capitalism’s depravity, are the turmoil – starting in China – that has occurred over the last few weeks on stock markets; including the underlying causes that led to it, and the actions that the ruling classes have taken since then to try and end it, or at least alleviate it.

The recent volatility in world stock markets erupted in earnest in June 2015. In June, the Chinese stock markets began a plunge that has frightened the ruling classes (capitalists, top state officials and politicians) across the globe. This plunge has not yet ended, and so far the Shanghai Stock Market has lost 40% of its value. In the wake of this, stock markets from New York to London have reeled; leading to a roller coaster ride of uncertainty.

international / economy Thursday August 13, 2015 02:04 byLucien van der Walt
featured image

Based on a talk given in Kenya, this article argues that, while official minimum wages and other improvements are welcome gains, they are inadequate in an exploiting system based on the rule of the few. It is necessary to pose the more ambitious demand for a 'living wage,' set by the working class, and to enforce this by building powerful, autonomous, self-managed, conscientised class-struggle movements.

Rejecting 'privilege' theories, it argues that all sectors of the working class benefit from demands and campaigns that secure equal rights, equal treatment and equal wages, against divide-and-rule systems, and in which strikers build alliances with communities and users. A 'living wage' movement of this type should be located in a larger project of building a popular counter-power that can resist, and then topple, ruling class power.

[Italiano]

greece / turkey / cyprus / economy Tuesday March 19, 2013 17:38 byPaul Bowman   text 2 comments (last - thursday march 28, 2013 05:38)
featured image

This Saturday morning Cypriot people woke up to the news that they were about to be robbed. In a pre-planned ambush scheduled to coincide with a local bank holiday weekend, Eurozone apparatchiks threatened to bankrupt the Cypriot banking system by immediate withdrawal of the ECB liquidity support.

The "deal" forced on the Cypriots by Frankfurt means a "bail-out" of the banks to the tune of 17 billion euros, roughly equivalent to the annual GDP of the Republic that makes up the EU-recognised part of this divided island. But only 10 billion will be provided by the ECB and IMF, the other 7 billion will be taken by a combination of a 1.4 billion privatisation programme, but in bulk by robbing anyone with a bank account in Cyprus.

[Italiano]

international / Économie Wednesday November 28, 2012 22:45 byRelations Extérieures de la CGA
featured image

Le système capitaliste est en crise. La crise sociale actuelle n'est pas le fruit d'un «complot», ou de la dérive d'un mauvais «capitalisme financier» qui s'opposerait au vertueux « capitalisme industriel ». Ce n'est pas le fruit de la seule «spéculation» qui n'est qu'un des aspects du fonctionnement du capitalisme.

C'est le résultat des contradictions du système capitaliste lui-même, le résultat logique de l'organisation capitaliste de l'économie. Une organisation qui – même dans des conditions de fonctionnement « normales » - institue l'inégalité sociale, rendant inaccessible à l'immense majorité de la population la satisfaction de ses besoins de base, tout en lui rendant la vie insupportable.

[English] [Italiano]

internacional / economia Thursday May 31, 2012 21:40 byBruno Lima Rocha
featured image

Para a imprensa mundial, a chamada crise é resultado dos gastos públicos com direitos e garantias sociais. A revista The Economist tachou de perigosa a candidatura do socialista francês François Hollande. O agora presidente eleito representava, até então, o confronto entre o populismo e a austeridade.

Em setembro de 2008 o mundo informado assistia catatônico ao fenômeno que, nas ruas de Madri, ganhara a alcunha de “farsa com nome de crise”. Então, ao longo dos doze meses anteriores, o que era mais um produto de “risco” dos agentes do cassino financeiro, se transformara na “mãe de todas as bolhas”. A idéia parafraseava a consigna e bravata de Saddam Hussein, quando disse ao ex-presidente George H.W.Bush e, uma dúzia de anos depois, repetira-a para seu filho, afirmando ter o poder de enfrentar a “mãe de todas as batalhas”...

[Italiano]

newsfilter

Economy

Wed 04 May, 00:19

browse text browse image

Esta não é a democracia, é a enganação ilusória com nome de democracia. A democracia nasce da liberdade política e a reivindicação dos direitos coletivos, na forma de movimentos massivos e com plena democracia interna. imageA crise política e possíveis caminhos e descaminhos da democracia brasileira Apr 29 23:06 by BrunoL 0 comments

28 de abril de 2016, Bruno Lima Rocha

Introdução

O Brasil vive um momento bastante interessante do ponto de vista analítico e desesperador para quem deseja transformar a sociedade brasileira do ponto de vista igualitário. Seria uma ilusão não observar que estamos diante de um golpe de Estado consumado dentro dos ritos formais de nosso arcabouço jurídico-institucional. Como vem sendo afirmado a partir de dois pensadores contemporâneos bastante lúcidos na crítica por esquerda – Vladimir Safatle – e por centro-esquerda – caso do hoje fundamental, Jessé Souza – o momento aponta o final do pacto de Golbery do Couto e Silva da abertura política e a meta estratégica é terminar a tarefa dos acordos de regulação social e os direitos avançados na Constituição de 1988. Para tanto, podemos passar pela aventura da direita (a que estava no governo até duas semanas atrás) e a da proponente do impeachment (a que estava na oposição formal), de um golpe com frágeis bases jurídicas e a derrota histórica para o processo de conciliação de classes, base do lulismo como estrutura de governo, pacto este que já fora operacionalizado por José Dirceu e executado pela hoje presidente Dilma Rousseff, quando a mesma substitui ao primeiro na pasta da Casa Civil, garante a consecução das obras do PAC e com isso assegura a reeleição de Lula em 2006.

Desestabilizar um rival em potencial é a regra para manutenção da hegemonia dos EUA na América Latina e, por tabela, diminuir a capacidade de articulação de China, Rússia e Índia. imageA dimensão estratégica internacional do “golpe” branco sendo aplicado no Brasil Apr 25 23:43 by BrunoL 0 comments

23 de abril de 2016, Bruno Lima Rocha

Ao contrário dos argumentos baseados no senso comum, o processo brasileiro de impeachment da presidente Dilma Rousseff, e sua caracterização como um golpe institucional, não formam um fenômeno político essencialmente nacional ou doméstico. Como todas as mudanças de regime ou desestabilizações regionais na América Latina, há uma presença constante, direta ou indireta, de forças oficiais ou oficiosas dos Estados Unidos da América. O senso de humor político aplicado para os momentos mais trágicos nos faz lembrar que: “o risco de golpe de Estado é menor em território soberano dos Estados Unidos porque lá não tem embaixada dos EUA!”.

A democracia liberal é um pato manco de pernas curtas e tortas, e o Brasil vem entrando na escalada de golpes brancos e institucionais na tarde-noite de domingo 17 de abril, ao vivo e a cores, com sensação de espetáculo midiático. imageA política profissional é uma fábrica de traidores. Consumado o golpe paraguaio versão cox... Apr 19 02:01 by BrunoL 0 comments

18 de abril de 2016, Bruno Lima Rocha

Acabou o engodo, terminou a primeira fase da maior farsa jurídico-política-midiática da história do Brasil. A Câmara Federal votou com o seguinte placar, 367 (a favor) X 137 (contra) X 7 (abstenções) X 2 (ausências), totalizando 511 deputados votantes, sendo que maioria absoluta conseguiu aprovar a autorização para o Senado julgar a presidente Dilma Rousseff a partir do pedido de impeachment escrito e encaminhado pelos juristas Miguel Reale Jr., Hélio Bicudo e Janaína Paschoal. Teríamos várias críticas e observações a fazer, mas de forma sucinta aponto ao comportamento da mídia e dos parlamentares neste dia para jamais esquecer e tampouco perdoar na história do Brasil.

Así, no caemos ni en la tentación conciliadora y tampoco en la autoritaria. Pero, tener razón política es poco delante del desafío que está por el frente. imageY la incapacidad de poder de veto de los movimientos populares Apr 19 01:14 by BrunoL 0 comments

18 de abril de 2016, Bruno Lima Rocha

Este texto es más una reflexión en conjunto, que necesariamente un análisis de coyuntura. Traigo la propuesta de que dejemos de lado los cánones de la democracia liberal y de procedimientos, pero tampoco vayamos a caer en la ceguera política, de que lo económico determina todo. Debemos llevar en cuenta, una forma de pensar en la disputa de poder, recursos y legitimidad en Brasil, que sean de una forma compleja. O sea, hacer política en la sociedad brasileña ganó madurez en el mecanismo democrático formal, pero sigue siendo en Brasil y en América Latina, y en la limitada disputa de poder, dentro de un marco de capitalismo liberal-periférico, como sociedad, tenemos limitaciones en cuanto a profundidad de esta disputa.

Não se trata de manual de política ou radicalidade livresca, mas o fato inequívoco é que não se pode governar com a direita a não ser que este governo realmente faça a escolha do co-governo sob pressão das bases sociais. imageO golpe em andamento no Brasil e a incapacidade do poder de veto popular Apr 16 09:31 by BrunoL 0 comments

15 de abril de 2016, Bruno Lima Rocha

Este texto é mais uma reflexão em conjunto do que necessariamente numa análise de conjuntura. Trago a proposta de que deixemos de lado os cânones da democracia liberal e de procedimentos e tampouco venhamos a cair na cegueira política de que o econômico determina ou qualquer outra forma de pensar a disputa de poder, recursos e legitimidade no Brasil que não seja de uma forma complexa. Ou seja, fazer política na sociedade brasileira ganhou maturidade no mecanismo democrático formal, mas em sendo no Brasil e na América Latina, e em sendo a limitada disputa de poder dentro de um marco de capitalismo liberal-periférico, como sociedade, temos limitações quanto a profundidade desta disputa.

Não se trata de manual de política ou radicalidade livresca, mas o fato inequívoco é que não se pode governar com a direita a não ser que este governo realmente faça a escolha do co-governo sob pressão das bases sociais. imageO golpe em andamento no Brasil e a incapacidade do poder de veto popular Apr 16 09:28 by BrunoL 0 comments

15 de abril de 2016, Bruno Lima Rocha

Este texto é mais uma reflexão em conjunto do que necessariamente numa análise de conjuntura. Trago a proposta de que deixemos de lado os cânones da democracia liberal e de procedimentos e tampouco venhamos a cair na cegueira política de que o econômico determina ou qualquer outra forma de pensar a disputa de poder, recursos e legitimidade no Brasil que não seja de uma forma complexa. Ou seja, fazer política na sociedade brasileira ganhou maturidade no mecanismo democrático formal, mas em sendo no Brasil e na América Latina, e em sendo a limitada disputa de poder dentro de um marco de capitalismo liberal-periférico, como sociedade, temos limitações quanto a profundidade desta disputa.

Lo qué ocurre en Brasil desde octubre de 2014, antes del llamado de "venezuelización", ocurre en esta dirección. Nuestro país tuvo una segunda vuelta casi plebiscitaria, siendo que, finalmente, la continuidad del gobierno Dilma Rousseff. imageEl "golpe " en Brasil y su dimensión estratégica internacional Apr 12 10:27 by BrunoL 0 comments

11 de abril de 2016, Bruno Lima Rocha

Al contrario de los argumentos basados en el sentido común, el proceso brasileño de destitución de la presidente Dilma Rousseff, y su caracterización como un golpe institucional, no forman un fenómeno político esencialmente nacional o doméstico. Como todos los cambios de régimen o desestabilizaciones regiones en América Latina, hay una presencia constante, directa o indirecta, de las fuerzas oficiales o no oficiales de los Estados Unidos de América.

Como projeto político o lulismo naufragou, tal como o varguismo. Todo pacto de classes é apenas mais uma etapa de morte anunciada com ventos iniciais de bonança. imageO pacto político rompido, o lulismo ladeira abaixo e a dimensão estratégica do golpe parag... Apr 07 04:15 by BrunoL 0 comments

06 de abril de 2016, Bruno Lima Rocha

"Não adianta o pensamento mágico de que o governo vai dar um giro à esquerda porque não vai. Ou a esquerda restante marca a pauta após derrotar o golpe ou veremos mais uma vez a agenda da legalidade atropelar a defesa dos interesses do povo. No dia seguinte, havendo golpe paraguaio, virá o rolo compressor do Congresso. Caso o governo sobreviva, as medidas anti-populares virão, mas a conta gotas, ainda na euforia da possível – mas hoje pouco provável – derrota do impeachment", constata Bruno Lima Rocha, professor de ciência política e de relações internacionais.

Eis o artigo.

Al día siguiente, con el golpe, viene la maquinaria de la mayoría del Congreso. Si el gobierno sobrevive, las medidas anti-populares vendrán, pero en cuentagotas, incluso en la posible euforia - pero hoy poco probable - la derrota del impeachment. imageEl lulismo en descenso y la dimensión estratégica del golpe en curso Apr 05 06:57 by BrunoL 0 comments

04 de abril de 2016, Bruno Lima Rocha

Introducción: el esfuerzo de caracterización lo más realista posible; "las cosas como son".

Una vez más empiezo este breve análisis, con un esfuerzo concentrado de caracterización del estado actual. Este gobierno es de centro-derecha y está negociando todo, desde noviembre de 2014, a partir de la designación de un “Chicago Boy” - el ex ministro Joaquim Levy - para el Tesoro, a través de la ley de política anti-indígena y antiterrorista.

Vejo que é possível fazer uma profunda crítica por esquerda e fortalecer as lutas populares de resistência diante da retirada de direitos coletivos. imageO que está em disputa é o conceito de democracia. Entrevista especial com Bruno Lima Rocha Apr 02 04:21 by BrunoL 0 comments

01 de abril de 2016, Bruno Lima Rocha

“O fantasma que protagoniza as ideias de fundo é a agenda da embaixada dos EUA, mais especificamente o acionar oficioso das trocas de regime, e, no caso latino-americano, na esteira da reação aos governos de centro-esquerda”, afirma o cientista político.

Em meio à crise que vem se arrastando, “se há alguma novidade” no cenário político brasileiro, “é a chegada de uma espécie de um Tea Party nacional, como expressão dos ultraliberais, através do Partido Novo e também do Partido Social Liberal (PSL, este bem pequeno)”, diz Bruno Lima Rocha à IHU On-Line, fazendo referência ao movimento norte-americano.

Segundo ele, a nova direita segue “ideias de tipo neoliberal, ultraliberal, neoconservadoras, passando como uma linha direta dos think tanks, dos centros de difusão, das fundações de apoio ao Tea Party”, e é “sucessora direta dos grupos neoliberais do Brasil, como o Estudantes pela Liberdade, o Instituto Mises Brasil, a juventude neoliberal vinculada ao Fórum da Liberdade e outras iniciativas difusoras do pensamento econômico neoclássico e da política neoliberal”.

Lo que sorprendió a todo el mundo fue la liberación de grabaciones de Lula - todas autorizadas por la Justicia - y, al parecer, en una interpretación muy flexible tanto de la ley como la ética en la política republicana. imageEn Brasil, algunas dimensiones del golpe institucional en andamiento Mar 29 08:27 by BrunoL 0 comments

28 de marzo 2016, Bruno Lima Rocha y Júlia Kléin

Las grabaciones telefónicas de Lula y compañía – cuando los teléfonos pinchados son el arma de los golpistas

Antes de leer estas palabras, pido a los amigos aquí para recordar que el que escribe se posiciona a la izquierda del gobierno Dilma y antes el de Lula, es crítico de ello y nunca militó en partido electoral y menos aún tomó cargo de confianza o comisión. Es decir, no vengan a buscar ver oficialismo donde no hay. Como se trata de disputas de facciones y proyectos políticos y, en sentido estricto, no estoy vinculado a ninguno de estos sectores, estoy bastante cómodo para armar los comentarios.

Luiz Inácio pode tanto sair preso, como pode terminar tudo em um processo de impeachment, como também – em proporção menor – terminar sendo eleito ou indicando quem sucederá Dilma em 2018. imageAnálise política da semana: o Brasil a caminho de um golpe institucional e o avanço da age... Mar 27 07:48 by BrunoL 0 comments

26 de março de 2016, Bruno Lima Rocha

O vazamento das gravações de Lula e cia. e o arranjo de forças intra-aparelho de Estado

Antes de lerem estas palavras, peço aos amig@s daqui que lembrem que quem escreve está à esquerda do governo, é crítico do mesmo e jamais militou em partido eleitoral e menos ainda assumiu cargo de confiança ou em comissão. Ou seja, não busquem ver governismo onde não há. Como trata-se de disputa de facções e projetos políticos e, estritamente, não estou vinculado a nenhum destes, fico bem à vontade para tecer os comentários.

El juez Sergio Moro ultrapasó un punto sin vuelta, la Rede Globo (el mayor conglomerado de comunicación social del país) también, y lo mismo ocurre con la nueva-vieja derecha ideológica. imageDespués de la operación mediática en contra Lula Mar 23 07:36 by BrunoL 0 comments

21 de marzo 2016, Bruno Lima Rocha

En este corto artículo intento hacer un acercamiento, a lectores y lectoras de habla hispana a respecto de las conversaciones privadas del expresidente Luiz Inácio Lula da Silva con sus correligionarios, incluyendo la actual presidente de Brasil – Dilma Rousseff. Hay que recordar que tales conversaciones fueron difundidas por un juez de primera instancia, Sergio Moro, del estado de Paraná (sur de Brasil) y fueron puestas a público, como una especie de respuesta de Moro al nombramiento de Lula como ministro de Estado, específicamente al frente de la Casa Civil del actual gobierno.

Infelizmente, a direita ideológica avança na base do artifício da desinformação e das manobras midiáticas. O pacto de classes e o peleguismo afastaram quem crê e pratica luta popular. imageAs gravações de Lula e Dilma e cia - comentários 2 Mar 17 10:06 by BrunoL 0 comments

16 de março de 2016, Bruno Lima Rocha

Nesta segunda parte dos comentários, serei mais comedido, trabalhando com relações causais.

Quanto à posição de quem está na rua como lacerdistas: ou a direita que está na rua eleva os níveis de protesto, realizando atos de violência e "vandalismo" (ao menos na Esplanada e em frente ao Palácio do Planalto), intensificando algum grau de conflito também em São Paulo capital e Grande São Paulo, ou não vão gerar a comoção de irracionalidade e sentido de "justiça" que tanto gostam de proclamar. Isso é o que faz a direita escuálida venezuelana, protestos violentos denominados lá de guarimba, e aqui de "vandalismo". Como a TFP estilo fashion week não se dispõe ao risco físico, o frenesi de indignação não deve ultrapassar os limites da gritaria, a não ser em São Paulo e em Brasília.

O teor destas conversas está no mesmo patamar ou ainda menor que os grampos realizados durante o Leilão do Sistema Telebrás com Luiz Barros e Fernando Henrique Cardoso. imageAs gravações de Lula e Dilma e cia - comentários 1 Mar 17 09:45 by BrunoL 0 comments

16 de março de 2016, Bruno Lima Rocha

Antes de lerem estas palavras, peço aos amig@s daqui que lembrem que quem escreve está à esquerda do governo, é critico do mesmo e jamais militou em partido eleitoral e menos assumiu cargo de confiança ou em comissão. Ou seja, não busquem ver governismo onde não há. Como trata-se de disputa de facções e projetos políticos e, estritamente, não estou vinculado a nenhum destes, fico bem à vontade para tecer os comentários.

Logo, não há diferença substantiva entre o Trensalão do Metrô e da CPTM de São Paulo e o Petrolão. Para tristeza da esquerda e alegria de todas as direitas, o PT se transformou - majoritariamente - em um partido de caciques. imageParadoxos da crise Mar 15 03:37 by BrunoL 0 comments

14 de março de 2016, Bruno Lima Rocha

"Estamos realmente diante de um paradoxo. De um lado, o pacto de classes do lulismo está fazendo água, e ao que parece, as frações de classe dominante que acompanhavam a aliança estão sendo pressionadas para deixar a caravela naufragar (reparem que disse caravela e não foi á toa). Ao mesmo tempo, a burocracia de Estado e, em especial, a tecnocracia dos bacharéis, está deitando e rolando", escreve Bruno Lima Rocha, professor de Relações Internacionais.

Segundo ele, "nada disso impede a crítica e o alerta máximo para as manobras da direita que perdeu as urnas e quer levar na marra, mesmo sabendo que o programa de governo de Dilma no segundo mandato, até o momento, peca por austericídio e não por distribuição de recursos".

Eis o artigo.

À medida que aumenta a interdependência entre países, TNCs, Sistema Financeiro mundializado e mercado de câmbio, diminui a capacidade dos países em defender suas respectivas moedas e manter padrões razoáveis de vida materialmente estável para seus povos. imagePor uma geoestratégia dos povos Mar 10 08:24 by BrunoL 0 comments

09 de março de 2016, Bruno Lima Rocha

Nesta série, iniciada no final de 2015, vamos realizar um esforço ensaístico para desenvolver bases teórico-normativas que deem alguma sustentação para o estudo e a intervenção nas Relações Internacionais (RI) a partir de uma perspectiva do poder dos povos em movimento. Ao afirmar esta perspectiva, imediatamente afirmamos que este ensaio assim como o anterior não se destina a projetar o poder dos Estados e menos ainda das Transnacionais (TNCs). O tema fundamental do texto que segue é a soberania popular.

La agencia de “análisis” Standard & *Poor’s ha rebajado la nota brasileña en la mitad de febrero de 2016. Observo y repito que los chantajistas, continúan presionando. imageEn Brasil, la victoria puntual de la Chevron y de los especuladores Mar 07 18:56 by BrunoL 0 comments

07 de marzo 2016, Bruno Lima Rocha

Apertura

La reanudación del receso parlamentario en Brasil, mostro las pautas más ilustrativas, de los efectos dañinos del acuerdo de clases y pacto conservador, cuya marca es el lulismo. Al tiempo que lo Brasil sufre chantajes a través de conocidos mecanismos internacionales como la siempre denunciada revista The Economist, por ejemplo y el tenebroso papel de las agencias de “análisis”, el gobierno de Dilma Rousseff, que sigue contra la pared y como blanco de investigaciones político-criminales, que por veces avanzan el marco de la ley.

Se há um programa de televisão que considero operar como motor de propaganda da Nova Direita é o Globo News Painel. A edição de sábado, 27 de fevereiro, materializou-se como autêntico "brain storm" do impeachment ou da queda do segundo governo Dilma. imageA recessão, os coveiros e o avanço da Nova Direita Mar 05 01:15 by BrunoL 0 comments

04 de março de 2016, Bruno Lima Rocha

"A pregação do austericídio dentro e fora do segundo governo Dilma Rousseff, a fala permanente dos coveiros do caos e o ambiente político forçosamente complicado está levando ao governo atual a fazer as piores escolhas, todo o tempo", destaca Bruno Lima Rocha, professor de ciência política e de relações internacionais.

Segundo ele, "estamos diante de um momento crítico, onde as forças populares estão realmente sem uma base sólida por onde arrancar e ainda pendentes do canto da sereia do eleitoralismo - por dentro e por esquerda do governo -; enquanto o governo Dilma em sua segunda edição é uma soma estranha de um grupo de confiança com aspirações próprias dentro do partido - como Miguel Rossetto e Jaques Wagner - além de uma subordinação à base oligárquica do governo, comandada por Renan Calheiros e Sérgio Cabral Filho, ambos à frente do PMDB que se impõe em escala nacional".

Eis o artigo.

Antes que os leitores e leitoras ainda na base do governo se animem na crítica, digo que esta votação no Senado só saiu vitoriosa pela proposta entreguista porque o Planalto se mobilizou para conseguir fechar algum tipo de acórdão que não ficasse tão mal. imageA vitória pontual da Chevron e dos especuladores – análise de conjuntura da segunda metade... Feb 28 22:53 by BrunoL 0 comments

28 de fevereiro de 2016, Bruno Lima Rocha

Abertura

A retomada do recesso parlamentar no Brasil veio em conjunto das pautas mais ilustrativas dos efeitos danosos do acórdão de classes e pacto conservador cuja marca é o lulismo. Ao mesmo tempo em que o Brasil sofre chantagens através de conhecidos mecanismos internacionais – como a sempre denunciada revista The Economist, por exemplo – e o tenebroso papel das agências de “análise”, o governo de Dilma Rousseff, contra a parede e alvo de investigações político-criminais que por vezes avançam ao arrepio da lei, faz os acordos possíveis para evitar o pior e tentar fazer “as lições de casa”, agora com Nelson Barbosa à frente. Com a agenda política tomada pela ofensiva na Operação Lava Jato – já passando para sua 23ª fase – os recursos políticos do lulismo operam para fidelizar sua base e esta mesma base restante faz pouco ou nada para defender seus próprios interesses.

Antes que os leitores e leitoras ainda na base do governo se animem na crítica, digo que esta votação no Senado só saiu vitoriosa pela proposta entreguista porque o Planalto se mobilizou para conseguir fechar algum tipo de acórdão que não ficasse tão mal. imageA vitória pontual da Chevron e dos especuladores – análise de conjuntura da segunda metade... Feb 28 22:52 by BrunoL 0 comments

28 de fevereiro de 2016, Bruno Lima Rocha

Abertura

A retomada do recesso parlamentar no Brasil veio em conjunto das pautas mais ilustrativas dos efeitos danosos do acórdão de classes e pacto conservador cuja marca é o lulismo. Ao mesmo tempo em que o Brasil sofre chantagens através de conhecidos mecanismos internacionais – como a sempre denunciada revista The Economist, por exemplo – e o tenebroso papel das agências de “análise”, o governo de Dilma Rousseff, contra a parede e alvo de investigações político-criminais que por vezes avançam ao arrepio da lei, faz os acordos possíveis para evitar o pior e tentar fazer “as lições de casa”, agora com Nelson Barbosa à frente. Com a agenda política tomada pela ofensiva na Operação Lava Jato – já passando para sua 23ª fase – os recursos políticos do lulismo operam para fidelizar sua base e esta mesma base restante faz pouco ou nada para defender seus próprios interesses.

O fato é que o pacto de classes do lulismo está se quebrando e temos espaços escancarados à esquerda do PT para, no mínimo, aumentar o poder de pressão sobre os ataques constantes contra o direito adquirido pelas maiorias. imageA dualidade do segundo governo Dilma e do partido de governo em 2016 Feb 25 10:07 by BrunoL 0 comments

Introdução

O ano de 2016 traz uma marca do segundo governo de Dilma, agora tentando de fato governar. Vai transitar pela dualidade. Agradará parcialmente a própria base que salvara nas ruas sua pouca legitimidade e, ao mesmo tempo, fará o possível para assegurar a Federação Brasileira dos Bancos (Febraban) como a corporação empresarial de sustentação do lulismo em fase declinante. Vejamos alguns exemplos.

La publicación inglesa The Economist, en su primera edición del año (de 2 a 8 de enero de 2016) puso a la presidente Dilma Rousseff en la tapa, bajo el título Brazil’s Fall. Inmediatamente después de esta divulgación, hubo enorme repercusión en las redes. imageLos piratas ingleses atacan permanentemente Feb 25 09:12 by BrunoL 0 comments

Introducción

La publicación inglesa The Economist, trae en sus tapas una plantilla de operación, para crear mediáticamente presiones internacionales y ayudar a derrumbar políticas económicas. Sus portadas operan como un mecanismo de chantaje, orquestado por el hilo fuerte en el marco del capital financiero transnacional, operando a partir del eje Nueva York (NYC)-Londres.

tppmickymouse342x350.jpg imageTTP: advierten que Bachelet violaría derecho de pueblos originarios Feb 04 17:13 by Solidaridad 0 comments

El próximo jueves Michelle Bachelet firmará dicho tratado en Nueva Zelanda. ¿Por qué decir no al acuerdo de libre comercio?

textThe Davos Blind Eye: How the Rich Eat the Poor and the World Jan 26 17:07 by John McMurtry 0 comments

The just-released Oxfam Davos report An Economy For the 1% which the mass media have ignored arrestingly shows that 62 individuals (388 in 2010) now own more wealth than 50 per cent of the world's population. More shockingly, it reports from its uncontested public sources that this share of wealth by half of the world's people has collapsed by over 40 per cent in just the last five years.

A defesa dos territórios também inclui a capacidade produtiva onde, supostamente, seria viável desenvolver em pequena escala outros modos de produção desde que aliados com uma ampla luta reivindicativa. imagePílulas de reflexão libertária na América Latina (1), a defesa de uma produção primária em... Jan 22 07:57 by BrunoL 0 comments

20 de janeiro de 2016, Bruno Lima Rocha

Escrevendo de modo mais solto, vou aportar alguns conceitos e categorias por aqui e na sequência, vamos formatando nesta série iniciada de artigos para aumento da difusão. Estamos em período de Fórum Social Mundial – Fórum Social Temático – e o presumido – suposto – contraponto do Fórum Econômico Mundial de Davos. Logo, as energias apontadas para este tipo de evento se desgastam junto do equivocado entusiasmo – já em fase de franco declínio – com governos de turno, cabendo debater a ideia de longo prazo.

Nesta altura do momento político, restam poucas alternativas para quem ainda se posiciona à esquerda do partido de governo e de seus aliados stalinistas e trabalhistas. imageDuplo discurso do PT e a hipocrisia no Fórum Social Mundial de 2016 Jan 21 05:56 by BrunoL 0 comments

19 de janeiro de 2016, Bruno Lima Rocha

Tem horas que mesmo para pessoas experientes – ou pretensamente com experiência política como este analista aqui escrevendo – o cinismo político surpreende. Dizem na Espanha, e entendo ser o dito válido aqui também, é que há uma diferença fundamental entre o Partido Progressistas (PP, a direita política pós-franquista) e o Partido Socialista Operário Espanhol (PSOE) no que tange a ações repressivas e medidas anti-populares. O primeiro, bate e retira direitos sorrindo, com júbilo de prazer recordando o período do generalíssimo Francisco Franco. Já o segundo, de um dos ídolos de Fernando Henrique Cardoso (FHC), o ex-premiê Felipe González, bate e arrebenta assim como retira direitos e pactua com o demônio na forma de capital industrial ou financeiro, mas na frente das câmaras derrama “lágrimas de crocodilo”. No Brasil do lulismo, o PSOE daqui é o Partido dos “Trabalhadores” (PT). O exemplo que trago abaixo, já deveras repercutido em redes sociais da província, materializa a analogia.

América Latina ha estado sufriendo, un nuevo giro a la derecha, dirigida por súbditos del Pos-Consenso de Washington, e ideológicamente, hacia el eje financiero entre Nueva York y Londres. imageAmérica Latina: vuelta a la oposición de la derecha y estratégica Jan 19 07:45 by BrunoL 0 comments

18 de enero 2016, Bruno Lima Rocha

Somos un continente o en parte dominado, por una herencia sangrienta colonial, a través de las familias europeas, criollismo de vice-reinados, cuyo ejemplo más radical es Brasil, donde los restos de esta elite, tiene poca o ninguna identificación con nuestra gente, porque la opción permanente es el Eurocentrismo y específicamente el anglo- Sajón del mundo contemporáneo.

Os fatores de “queda” do segundo mandato Dilma para a revista são justamente o que é relativamente destacável. imageAs capas da revista The Economist e os sistemas de pressão internacional: os piratas ingle... Jan 15 08:01 by BrunoL 0 comments

14 de janeiro de 2016, Bruno Lima Rocha

Introdução

A publicação inglesa The Economist traz em suas capas um modelo de operação de pressões internacionais e ajudam a derrubar políticas econômicas. Suas capas operam como chantagem orquestrada pelo elo forte do capital financeiro transnacional operando a partir do eixo NYC-Londres. Entendo que – de fato e de uma vez por todas – essa bandidagem de Armani e Dior tem de ser desmascarada e perder seu poder de influência em nossos países (da América Latina). O problema é de fundo e já vem sendo por demais debatido nas várias gerações das ciências humanas e sociais do Brasil e dos países hermanos.

La salida de Joaquim Levy es la oportunidad para Dilma salvar su gobierno, delante del llamado austericidio, que estaba minando la baja legitimidad, dentro de sus propios electores. imageReflexión después de la salida de Joaquim Levy del Ministerio de la Economía de Brasil Jan 12 09:29 by BrunoL 0 comments

10 de enero 2016, Bruno Lima Rocha

El viernes 18 de diciembre, concluyo una de las más tensas semanas, de la historia reciente de Brasil, terminó con la salida del ministro de la Hacienda (de Economía), Joaquim Levy. En su lugar asumió lo hasta entonces ministro de la Planificación, Nelson Barbosa. Podemos apostar que a pesar de ese cambio de ministros, aunque el ex-titular del ministerio de la Planificación venga de otra escuela de pensamiento económico (sería “desarrollista” o casi), seguiremos gobernados por el sistema financiero, al menos con algún discurso disonante.

more >>
© 2005-2016 Anarkismo.net. Unless otherwise stated by the author, all content is free for non-commercial reuse, reprint, and rebroadcast, on the net and elsewhere. Opinions are those of the contributors and are not necessarily endorsed by Anarkismo.net. [ Disclaimer | Privacy ]