user preferences

New Events

Iberia

no event posted in the last week

[Portugal] Caderno Luta Social Nº1: Editorial

category iberia | workplace struggles | opinião / análise author Friday February 01, 2008 17:12author by Colectivo Luta Socialauthor email iniciativalutasocial at gmail dot com Report this post to the editors

LUTA SOCIAL: Balanço de três anos de percurso

Uma aposta nossa é a horizontalidade. Todos os membros têm igual peso na tomada de decisão. Outra aposta é a abertura; estamos disponíveis para colaborar com outros colectivos ou associações, sempre que houver convergência de propósitos, até mesmo quando ela seja limitada a alguns domínios.


LUTA SOCIAL: Balanço de três anos de percurso

Caderno Luta Social Nº1: Editorial


O Colectivo Luta Social surgiu em finais de 2004, após a Conferência Libertária de Setúbal, da qual algumas pessoas que vieram a fundar o Colectivo, foram organizadoras e participantes.

Os pressupostos do Colectivo foram, desde logo, anti-capitalistas e anti-autoritários, para realizar trabalho centrado nas lutas sociais.

Desde o início do seu percurso (Março de 2005), o Colectivo Luta Social diagnosticou a óbvia necessidade, no panorama português, de um sindicato de cariz anti-autoritário e anti-capitalista, que possa renovar o sindicalismo e apresentar-se como alternativa ao sindicalismo burocrático reformista.

Não foi portanto por acaso que surgiu o primeiro sindicato de base, após o 25 de Abril de 74 em Portugal, mas antes pela acção do Colectivo, cujos membros decidiram fundar a Associação de Classe Interprofissional (AC-Interpro) em Junho de 2006.

Tinha este grupo de militantes já participado na fundação, um ano antes, de um núcleo da FESAL-E, a Federação Europeia de Sindicalismo Alternativo, ramo Educação. Pensou-se, um ano depois, que estavam reunidas as condições para a criação de um sindicato de cariz anti-autoritário.

Após a Assembleia fundacional, em Junho de 2006, levou-se cabo a tarefa da legalização do sindicato, tendo havido necessidade de uma mudança dos estatutos para ficarem conformes à lei. A sua aprovação ocorreu em finais de Outubro de 2006 e a publicação no boletim do Ministério do Trabalho em Novembro do mesmo ano, veio legalizar este sindicato de base.

Paralelamente, o sindicato ia iniciando a sua actividade:

  • Tomou posição, em vários comunicados, face às questões que afectam os trabalhadores portugueses e também fez divulgação de informação sobre as lutas sociais em Portugal e no mundo;

  • Realizou reuniões com militantes e simpatizantes para definir a sua estratégia;

  • Efectuou Jornadas Interprofissionais, ainda em 2006, com debates públicos sobre precariedade laboral, privatização da educação e globalização da luta de classes;

  • No ano de 2007, realizou um seminário, em Lisboa, sobre «violência na escola, violência na sociedade», por iniciativa do seu sector da Educação;

  • Em Abril-Maio de 2007, a AC-Interpro participou na conferência de Paris i07, que contou com sindicatos revolucionários e autónomos dos 5 continentes.
Mas, desde cedo, surgiram dificuldades diversas:

As reuniões eram, por vezes, pouco participadas. A organização horizontal necessita da participação activa de todos os interessados; a ausência de hierarquias implica a assunção das responsabilidades, por parte de todos.

Um obstáculo imprevisto foi a acção do Ministério Público contra a AC-Interpro, em Janeiro de 2007, com o intuito de a extinguir, alegando que os estatutos não estavam conformes com a lei.

Os argumentos eram de duvidosa pertinência. No entanto, por falta de capacidade financeira, não se podia contratar advogado, envolvendo o sindicato num processo que poderia ser ruinoso e de desfecho incerto. Optou-se por não contestar a acção. A sentença acabou por ser decretada pelo tribunal e o sindicato foi legalmente extinto em finais de 2007.

O Colectivo Luta Social reconstituiu-se. Os seus militantes actuais são, na sua maioria, ex-membros do sindicato AC-Interpro. Mas desta vez, assumindo-se como Colectivo autónomo e sem procurar satisfazer exigências jurídicas destinadas a abafar quaisquer veleidades de contestação ao sistema instituído. A menos que tenhamos um número relativamente grande de activistas, a organização de um sindicato, que corresponda minimamente aos nossos anseios, no quadro da legalidade instituída, não se nos afigura possível de momento em Portugal.

Agora, com estatutos renovados e com novo «visual», quer do sítio Internet, quer na lista de discussão a ele associado (*), o Colectivo estará em condições de aproveitar a experiência acumulada e continuará a desenvolver um trabalho de intervenção, seguindo os mesmos princípios, adaptando-os às circunstâncias concretas que vai encontrando.

Uma aposta nossa é a horizontalidade. Todos os membros têm igual peso na tomada de decisão.

Outra aposta é a abertura; estamos disponíveis para colaborar com outros colectivos ou associações, sempre que houver convergência de propósitos, até mesmo quando ela seja limitada a alguns domínios.

É com esse espírito que lançámos estes «Cadernos Luta Social», apostando nas colaborações. Queremos que boa parte do seu conteúdo seja da autoria de terceiros, pessoas e entidades amigas do Colectivo, de Portugal ou do estrangeiro, que queiram contribuir pela reflexão e análise, para lançar ou aprofundar o debate, num vasto leque de temas:

  • A luta de classes não se extinguiu, mas assume novas formas. Quais os desafios que se nos colocam, quer no plano das tácticas quer da organização?

  • À internacionalização do capital não corresponde uma internacionalização da solidariedade actuante dos explorados e oprimidos. Que caminhos se abrem a uma cooperação directa entre os povos, nas suas lutas?

  • Há muitas causas transversais, como a igualdade de géneros, o combate ao racismo e à xenofobia, a luta pela preservação do ambiente e outras, que deveriam ser confluentes com e fortalecimento do campo não reformista, o campo anti-capitalista e anti-autoritário. Como agirmos para que isso ocorra?

  • A cultura e a educação verdadeiras são uma troca horizontal, não hierarquizada. Como nos organizarmos para produzirmos a nossa própria cultura, em ruptura com a esquizofrénica sociedade de consumo mas, não isolados da generalidade das pessoas, não encerrados num gueto.
Estamos bem cientes de que apenas podemos começar a dar respostas a estas e noutras questões, agindo em solidariedade e cooperação no terreno social.

Não temos soluções «prontas a servir», nem achamos de interesse apresentar receituários, ou modelos.

Tenhamos a inteligência crítica para perceber que não é possível aprendermos com as experiências alheias, mormente no terreno social, a não ser que partilhemos as suas práticas construtivas. Apelamos -por isso - à cooperação e entreajuda permanentes, no nosso campo.

(*) Sítio Internet: http://www.luta-social.org
Lista de discussão: http://groups.google.com/group/iniciativalutasocial

Related Link: http://www.luta-social.org

This page has not been translated into Norsk yet.

This page can be viewed in
English Italiano Deutsch
E

Front page

The experiment of West Kurdistan (Syrian Kurdistan) has proved that people can make changes

[Chile] EL FTEM promueve una serie de “jornadas de debate sindical”

Ukraine: Interview with a Donetsk anarchist

The present confrontation between the Zionist settler colonialist project in Palestine and the indigenous working people

Prisões e mais criminalização marcam o final da Copa do Mundo no Brasil

An Anarchist Response to a Trotskyist Attack: Review of “An Introduction to Marxism and Anarchism” by Alan Woods (2011)

هەڵوێستی سەربەخۆی جەماوەر لە نێوان داعش و &

Contra a Copa e a Repressão: Somente a Luta e Organização!

Nota Pública de soldariedade e denúncia

Üzüntümüz Öfkemizin Tohumudur

Uruguay, ante la represión y el abuso policial

To vote or not to vote: Should it be a question?

Mayday: Building A New Workers Movement

Anarchist and international solidarity against Russian State repression

Argentina: Atentado y Amenazas contra militantes sociales de la FOB en Rosario, Santa Fe

Réponses anarchistes à la crise écologique

50 оттенков коричневого

A verdadeira face da violência!

The Battle for Burgos

Face à l’antisémitisme, pour l’autodéfense

Reflexiones en torno a los libertarios en Chile y la participación electoral

Mandela, the ANC and the 1994 Breakthrough: Anarchist / syndicalist reflections

Melissa Sepúlveda "Uno de los desafíos más importantes es mostrarnos como una alternativa real"

On Sectarianism

Iberia | Workplace struggles | pt

Wed 03 Sep, 03:00

browse text browse image

textComunicado da AC-Interpro sob a greve geral 15:35 Wed 23 May by Associação de Classe Interprofissional 0 comments

Apenas uma greve activa, ou seja organizada desde a base, pode ser instrumento eficaz de luta contra o poder do governo e patronato.

textAC-INTERPRO adopta resolução relativa ao processo de extinção colocado pelo ministério público 02:15 Wed 14 Feb by Associação de Classe Interprofissional [Portugal] 0 comments

A Assembleia Geral de Sócios da AC-Interpro, reuniu-se no dia 10 de Fev. 2007

text[Portugal] Lutemos contra as farsas do poder. 19:11 Sat 13 Jan by AC-Interpro (Portugal) 0 comments

Primeiro exigiram que nós estivéssemos dentro dos cânones formais da lei. Nós cumprimos, mas as nossas propostas eram demasiado «ousadas» para eles. Então, eles decidiram inventar «razões» que lhes permitissem decretar a extinção da nossa Associação.

text«Luta Social» N. 19: «CRÓNICA DA GUERRA DE CLASSES» 02:14 Thu 28 Sep by AC-Interpro 0 comments

Lê o desenvolvimento destas e doutras notícias em: http://luta-social.blogspot.com

textPortugal: Comunicado da A.C. Interprofissional* 21:04 Tue 04 Jul by AC Interpro 0 comments

"A.C. Interprofissional"
Sede (provisória): Largo Jaime Pereira Roque , nº8
2775 - 099 Parede, Portugal

text[Portugal] Adere ao Sindicato de base! ACInterpro! 22:54 Thu 01 Jun by Comissão administrativa provisória 0 comments

Governo e “maioria” do P”S” querem escravizar-nos AINDA MAIS

Os professores portugueses mais uma vez traídos

textFundação da Associação de Classe Interprofissional 04:50 Mon 22 May by Manuel Baptista 0 comments

Mais um passo na caminhada para a construção de um instrumento da luta de classes e pela emancipação social em Portugal

textComunicado sobre a anunciada greve de professores 17:14 Fri 04 Nov by Colectivo «Luta Social» 0 comments

Greves decretadas desde o cimo, como se viu nos efeitos desastrosos da greve de docentes de Junho passado, em vez de unirem e aumentarem a combatividade dos docentes são um mero mecanismo de "válvula de escape"... para o sistema continuar a funcionar.

textSALAMANCA : CIMEIRA DA HIPOCRISIA IBERO-AMERICANA 02:19 Tue 18 Oct by Manuel Baptista & Comrades 0 comments

A Europa dos trabalhadores está cada vez mais hostil a Barroso e à ‘comissão imperial de Bruxelas’; aos governos, às suas más políticas, como foi visível nas ruas de Salamanca; os média corporativos já não o conseguem esconder.

textFESAL – PORTUGAL ESTÁ NO TERRENO E PROMETE LUTA 02:10 Sun 25 Sep by Luta Social 0 comments

A “FESAL”, Federação Europeia de Sindicalismo Alternativo realizou um encontro a nível europeu, no fim de semana de 17-18 de Setembro, em Lisboa na Biblioteca Museu da República e Resistência.

more >>

textA luta dos 150 mil professores e os sindicatos Apr 30 by Manuel Baptista 0 comments

Uma breve análise do momento político sindical da luta dos professores

textPrecariedades May 24 by Colectivo Anti-autoritário de Luta de Classes 0 comments

Editorial

textJUNTEMO-NOS PARA FORMAR A LIVRE E AUTÓNOMA ASSOCIAÇÃO. May 20 by Manuel Baptista 0 comments

Uma contribuição para o debate que está a decorrer entre os membros fundadores da Associação de Classe Interprofissional (nome provisório, do primeiro sindicato de base e alternativo, desde que foram extintos por Salazar, em 1932, os últimos sindicatos livres em Portugal, inspirados pelo sindcalismo revolucionário).

textCrónica da Guerra de Classes Oct 26 by Manuel Baptista 0 comments

Artigo de Luta Social, No.8 Outoubro 2005

textComunicado da AC-Interpro sob a greve geral May 23 0 comments

Apenas uma greve activa, ou seja organizada desde a base, pode ser instrumento eficaz de luta contra o poder do governo e patronato.

textAC-INTERPRO adopta resolução relativa ao processo de extinção colocado pelo ministério público Feb 14 AC-Interpro 0 comments

A Assembleia Geral de Sócios da AC-Interpro, reuniu-se no dia 10 de Fev. 2007

text[Portugal] Lutemos contra as farsas do poder. Jan 13 Associação de Classe Interprofissional 0 comments

Primeiro exigiram que nós estivéssemos dentro dos cânones formais da lei. Nós cumprimos, mas as nossas propostas eram demasiado «ousadas» para eles. Então, eles decidiram inventar «razões» que lhes permitissem decretar a extinção da nossa Associação.

textPortugal: Comunicado da A.C. Interprofissional* Jul 04 Associação de Classe Interprofissional 0 comments

"A.C. Interprofissional"
Sede (provisória): Largo Jaime Pereira Roque , nº8
2775 - 099 Parede, Portugal

text[Portugal] Adere ao Sindicato de base! ACInterpro! Jun 01 ASSOCIAÇÃO DE CLASSE INTERPROFISSIONAL 0 comments

Governo e “maioria” do P”S” querem escravizar-nos AINDA MAIS

Os professores portugueses mais uma vez traídos

more >>
© 2005-2014 Anarkismo.net. Unless otherwise stated by the author, all content is free for non-commercial reuse, reprint, and rebroadcast, on the net and elsewhere. Opinions are those of the contributors and are not necessarily endorsed by Anarkismo.net. [ Disclaimer | Privacy ]