Benutzereinstellungen

Neue Veranstaltungshinweise

Brazil/Guyana/Suriname/FGuiana

Es wurden keine neuen Veranstaltungshinweise in der letzten Woche veröffentlicht

Kommende Veranstaltungen

Brazil/Guyana/Suriname/FGuiana | Imperialismo / Guerra

Keine kommenden Veranstaltungen veröffentlicht

“Cristofobia” ou a simples subserviência: o discurso de Bolsonaro na ONU

category brazil/guyana/suriname/fguiana | imperialismo / guerra | opinião / análise author Donnerstag Oktober 08, 2020 04:50author by BrunoL - 1 of Anarkismo Editorial Groupauthor email blimarocha at gmail dot com Report this post to the editors

Mais uma vez, infelizmente, o Brasil fez, na figura do presidente Jair Bolsonaro, um papel ridículo, colonizado e subalterno.

Mais uma vez, infelizmente, o Brasil fez, na figura do presidente Jair Bolsonaro, um papel ridículo, colonizado e subalterno. Não contente com isso, ainda flertou com a apostasia. Neste artigo abordamos o tenebroso pronunciamento daquele que governa o país, mas se submete, até psicologicamente, aos desígnios do empresário picareta e presidente dos EUA, Donald Trump.
falcia_da_cristofobia_contra_palestinos_cristos_rafael_costa_ilustrao.jpg

Por Bruno Beaklini (Bruno Lima Rocha Beaklini) e ilustração de Rafael Costa
Mais uma vez, infelizmente, o Brasil fez, na figura do presidente Jair Bolsonaro, um papel ridículo, colonizado e subalterno. Não contente com isso, ainda flertou com a apostasia. Neste artigo abordamos o tenebroso pronunciamento daquele que governa o país, mas se submete, até psicologicamente, aos desígnios do empresário picareta e presidente dos EUA, Donald Trump.
Vejamos. Na terça-feira, 22 de setembro, em discurso na Assembleia Geral da Organização das Nações Unidas (em formato virtual), o chefe do Poder Executivo nacional pronunciou um discurso recheado de mentiras (ver na íntegra nesse link: https://noticias.uol.com.br/politica/ultimas-noticias/2020/09/22/leia-a-integra-do-discurso-de-bolsonaro-na-assembleia-geral-da-onu.htm) e potencialmente perigoso, no que diz respeito ao Oriente Médio. Especificamente vamos nos ater a este aspecto, exemplificando com trechos do discurso e comentários.
“Faço um apelo a toda a comunidade internacional pela liberdade religiosa e pelo combate à cristofobia. Também quero reafirmar minha solidariedade e apoio ao povo do Líbano pelas recentes adversidades sofridas.”
O presidente mentiroso, Jair Bolsonaro, citou a tragédia (acidente e negligência, eu diria) do Líbano em seu discurso e o fez logo na sequência da absurda alusão de que o planeta viveria uma onda de “cristofobia”. Ao não se referir à terra dos cedros como um país árabe, a alusão é evidente. A defesa das comunidades “cristãs” libanesas – maronitas, ortodoxas, melquitas e antioquinas como sendo um “bastião do Ocidente”, obviamente ao lado de Israel, fiel representante dos cruzados, mas agindo com seus próprios interesses. Como é de se esperar, trata-se de mais desinformação e propaganda chauvinista.
Indo nas raízes no Movimento Nacional Árabe é central o papel de jovens militantes oriundos de famílias de credo e organização social cristã do oriente. Ao contrário da disputa por adeptos, como nos países ocidentalizados, as comunidades são autocentradas e a ausência de uma sociedade civil “clássica” não permite facilmente a conversão. Logo, não se trata de defesa de sistemas de crenças, operando o pertencimento mais como identidade do que religiosidade.
Já a defesa da cristandade é uma blasfêmia profanadora da herança do Jesus histórico, e do papel fundamental que a Teologia da Libertação e a Teologia da Missão Integral, o movimento de Fé e Política e do ecumenismo radical têm para as lutas populares da América Latina. No Mundo Árabe, a afirmação é absurda, considerando também o elevado grau de perseguição que Israel promove contra a população palestina cristã (mais de 13% dos que residem nos Territórios Ocupados de 1948 e de 1967).
Em termos de alinhamento, ao afirmar que “é preciso combater a cristofobia”, automaticamente Bolsonaro se perfila com a direita pentecostal do cinturão bíblico dos EUA. Não bastasse se referenciar a Donald Trump em pleno discurso, o presidente do Brasil se coloca como defensor dos maiores financiadores dos assentamentos ilegais. Considerando que os Estados Unidos estão em plena corrida eleitoral e que o mandatário da Casa Branca pode perder o pleito, trata-se de, no mínimo, uma temeridade por parte da diplomacia brasileira.
O problema da alegação de “combater a cristofobia” no planeta coloca a luta dos povos em escala de cruzada reacionária, excrescência do pacto neoconservador e entre os tele evangelistas (pacto neocon-telecon de início dos anos ’90, reeditando as duas cruzadas conservadoras de Nixon e Reagan), e coloca o Brasil na periferia de um conflito que, definitivamente, não nos diz respeito. Ao citar no discurso “O Brasil está preocupado e repudia o terrorismo em todo o mundo” ao que necessariamente ele se refere? Ao terrorismo de Estado e apartheid israelense? Estaria denunciando as redes de inteligência dos Emirados e sauditas financiando células salafistas, muitas delas compostas por presidiários que permutam suas penas por engajamento no estrangeiro? Evidente que não.
Ou o discurso de “combate ao terrorismo” é apenas um prolongamento da chamada “Guerra ao terror” (GWOT na sigla em inglês), dando autorização tácita aos Estados Unidos para promoverem operações em todo o planeta? Se for isso então, na prática, Bolsonaro e seus assessores diretos apoiam a realização de ataques com aeronaves não tripuladas assassinando centenas de pessoas? Para quem estuda a política doméstica dos Estados Unidos, fica óbvia a correlação. A extrema direita do Partido Republicano, entre maluquices manipuladoras e o cinturão bíblico, tende a apoiar incondicionalmente as guerras dos EUA, incluindo as duas invasões ao Iraque e a do Afeganistão.
Na guerra narrativa tudo estaria justificado em termos de mentiras massificadas, alegando que se trata de “combater a cristofobia” em todos os níveis. Na prática é uma posição pró-EUA, alimentando a direita bíblica apoiadora do sionismo e a anexação da Cisjordânia e o cerco à Gaza, que resulta na versão mais recente de posições anti-árabes e islamofóbicas. Deste modo, o protofascista aliado de fariseus sonegadores repete conspirações “globalistas” e se posiciona em controversas posições “conspirativas”, sem base analítica alguma.
Ao contrário do que afirmou, “O Brasil é um país cristão e conservador”, nosso país é pluriétnico (sendo mais de 16 de milhões de pessoas árabe-brasileiras), com diversidade de gênero, de maioria afro-brasileira e pertence à América Latina e ao Sul Global. Não é a primeira vez que ouvimos uma estupidez neocolonial da boca do presidente e, pelo visto, está longe de ser a última.
Além da subserviência e o elogio da apostasia (islamofóbica), a fala de Jair Messias atende a um público interno – composto de fariseus sonegadores à frente de empresas de exploração da fé alheia –, bem como se coloca de forma igualmente subalterna ao gabinete do premiê israelense, Bejamin Netanyahu e seus comparsas criminosos da “guerra de 2012 e 2014”, incluindo o famigerado general Benny Gantz. O argumento da “cristofobia” é a ausência de política externa soberana, apenas copiando a justificativa doméstica de Donald Trump para promover sua política agressiva e beligerante.
É evidente que, se fosse ler um texto como esse, Bolsonaro entenderia pouco ou nada, ainda que, com petulância, discordasse de tudo. Como o Itamaraty tem excelentes quadros de carreira, suponho que existam boas almas para explicar ao presidente que o mundo é mais complexo do que a varanda de sua casa no condomínio. Também deveriam se esforçar para que o país cometa menos vexames internacionais e juras de obediência colonial a cada vez que o presidente ou seu chanceler se pronunciam.
Bruno Beaklini (Bruno Lima Rocha Beaklini), é militante socialista libertário de origem árabe-brasileira e editor dos canais do Estratégia & Análise, a análise política para a esquerda mais à esquerda.
Rafael Costa apoia a Causa Palestina, é desenhista e cartunista (E-mail- Rafael.martinsdacosta@yahoo.com.br. Instagram- @chargesecartuns)
Contato: blimarocha@gmail.com | facebook.com/blimarocha
Blog: www.estrategiaeanaliseblog.com
facebook.com/estrategiaeanaliseoficial
Twitter: twitter.com/estanalise
YouTube: Estratégia e Análise Blog
Telegram: t.me/estrategiaeanalise
A versão original desse texto foi publicado primeiramente no Monitor do Oriente Médio (monitordooriente.com)

This page can be viewed in
English Italiano Deutsch
George Floyd: one death too many in the “land of the free”

Brazil/Guyana/Suriname/FGuiana | Imperialismo / Guerra | pt

Sa 31 Okt, 21:19

browse text browse image

Sorry, no stories matched your search, maybe try again with different settings.

imageO ocaso da Escola de Defesa Sul americana, um fracasso planejado da integração regional em âmbito se... Okt 18 by BrunoL 0 comments

No início deste século, quando da conjunção de governos social-democratas e nacional-desenvolvimentistas fomentados pela Venezuela chavista e Aliança Bolivarian (ALBA), nossos países experimentaram um momento superior de aproximação e conjunção. De novo, longe estávamos de formar exércitos populares, como o republicano liberal-radical que enfrentou a invasão gringa, a ditadura de Santa Anna, fizeram a Guerra da Reforma e expulsaram os invasores franceses, mas era um passo relevante, em especial para os estamentos que formam a espinha dorsal das instituições castrenses. Neste sentido e com todos os “senões” a Escola de Defesa Sul Americana (EDSA) foi um dos passos mais audaciosos de integração regional na área de Defesa e Segurança já realizados.

imageO entreguismo fardado no Governo Bolsonaro: um projeto político. Sep 13 by BrunoL 0 comments

Essa campanha, de forte teor popular e participação direta – ainda que instrumentalizada pelo trabalhismo do governo eleito de Vargas - deu origem à decisão do Estado Brasileiro em criar a Petrobrás, em 1953[1]. De maneira geral, o entreguismo é caracterizado pela defesa da abdicação do uso dos recursos (naturais ou artificiais) que o país possui em prol do direito de uso destes mesmos recursos por uma potência estrangeira e suas empresas. Tal fenômeno é associado com algumas forças políticas. No período entre o final do Estado Novo e o golpe de 1º de abril de 1964, o partido político caracterizado como o mais entreguista era a União Democrática Nacional (UDN, abril de 1945-outubro de 1965). Dentro da extrema direita militar no período da Guerra Fria antes do golpe, havia um amplo setor Entreguista, meio caricato, para além da geração histórica da Escola Superior de Guerra (ESG).

imageDebatendo uma política externa anti-imperialista através do Sul Global Apr 14 by BrunoL 0 comments

Introdução: nas palavras que seguem, de maneira pontual e com modesta pretensão, apresenta-se um debate que julgo urgente. A reorganização da política externa brasileira e o tipo de inserção no Sistema Internacional que nosso país deveria ter. Trata-se de um aporte concreto, com metas viáveis, ainda que ousadas. Esperamos com isso não apenas abrir um debate e travar polêmicas com o entreguismo lacaio, mas também marcar uma posição consequente, anti-imperialista e pelo Sul Global que tanto defendemos e onde o Brasil tem um protagonismo a conquistar e cumprir.

imageO front de Rojava e o complexo teatro de operações da revolução social curda Dez 12 by BrunoL 0 comments

Bruno Lima Rocha, 10 de dezembro de 2014

A análise é relativamente complexa e a resultante aparenta ser simples. As forças sociais de Rojava se encontram cercadas na retaguarda pelo fechamento da fronteira com a Turquia. Antes da libertação da parcela síria do Curdistão, as linhas de traficantes de armas e abastecimento logístico dos jihadistas era alimentada (tolerada) pelo Estado Turco. Após julho de 2012, o YPG, milícia de autodefesa organicamente vinculada ao TEV-Dem (composição de forças sociais hegemonizadas pelo PYD (Partido da União Democrática) e que organiza a sociedade local) começou a fechar a fronteira na busca de uma autonomia regional. [Italiano] [Castellano]

imageCoréias, conflito permanente e beligerância incompleta Mai 08 by Bruno Lima Rocha 0 comments

O conflito entre as duas Coréias é uma permanência do período da Guerra Fria que se mantêm nos dias atuais; para sair da encruzilhada em duas arenas simultâneas, a metade Norte precisa continuar pressionando Seul e Washington.

more >>
Sorry, no press releases matched your search, maybe try again with different settings.
© 2005-2020 Anarkismo.net. Unless otherwise stated by the author, all content is free for non-commercial reuse, reprint, and rebroadcast, on the net and elsewhere. Opinions are those of the contributors and are not necessarily endorsed by Anarkismo.net. [ Disclaimer | Privacy ]