user preferences

New Events

Brazil/Guyana/Suriname/FGuiana

no event posted in the last week

A real ameaça antissemita e a defesa do povo palestino

category brazil/guyana/suriname/fguiana | anti-fascismo | opinião / análise author Thursday January 23, 2020 23:57author by BrunoL - 1 of Anarkismo Editorial Groupauthor email blimarocha at gmail dot com Report this post to the editors

O texto que segue tenta desassociar o combate ao antissemitismo com as críticas ao Estado de Israel. São temas diferentes, mas deveras manipulados para que o povo palestino fique ainda mais isolado.

Já nos países “ocidentalizados”, ter boas relações com governos mais à direita – como Bolsonaro e Trump – e ignorar os apoios de antissemitas declarados que tais governantes têm, forma um tipo de “pragmatismo político” que só ajuda a relativizar os efeitos danosos da laia.
alvim_goebbles.jpg

23 de janeiro de 2020, Bruno Baaklini (Bruno Lima Rocha Beaklini)
Introdução: o antissemitismo manifesto dentro do governo Bolsonaro
No dia 17 de janeiro de 2020, o então secretário especial de Cultura do governo Jair Bolsonaro foi demitido (ver link: https://oglobo.globo.com/cultura/roberto-alvim-demitido-da-secretaria-especial-da-cultura-24196589). O motivo? Descuido. Em vídeo institucional gravado para difundir o Prêmio Nacional das Artes (ver link: https://g1.globo.com/politica/noticia/2020/01/17/secretario-nacional-da-cultura-roberto-alvim-faz-discurso-sobre-artes-semelhante-ao-de-ministro-da-p...ghtml) , o dramaturgo praticamente copiou trecho de seu colega de profissão, o também autor de teatro e criminoso de guerra, o ministro da Informação e Propaganda do III Reich, Joseph Goebbels. Na véspera, 16 de janeiro, Alvim participou da transmissão ao vivo pela internet em companhia do próprio capitão reformado de artilharia (ver link: https://noticias.uol.com.br/politica/ultimas-noticias/2020/01/16/secretario-de-cultura-fala-em-salvar-jovens-com-novo-programa-do-governo.htm), compartilhando a mesa com o secretário nacional da Pesca (aquele que elogiou a inteligência dos peixes para desviarem do óleo contaminando o litoral nordestino). Durante a transmissão, a “genialidade” de Bolsonaro reforçou a confiança no autor de dramaturgia para garantir uma cultura que garanta “o conservadorismo em arte”, para “salvar os jovens” e “dignificar o ser humano”.
Um dia depois, Alvim grava em vídeo a seguinte frase “A arte brasileira da próxima década será heroica e será nacional, será dotada de grande capacidade de envolvimento emocional, e será igualmente imperativa, posto que profundamente vinculada às aspirações urgentes do nosso povo – ou então não será nada.” Já o seu referente afirmara em 1933: “A arte alemã da próxima década será heroica, será ferreamente romântica, será objetiva e livre de sentimentalismo, será nacional com grande páthos e igualmente imperativa e vinculante, ou então não será nada." Logo, a ênfase no páthos, no sentido de uma epopeia da cultura nacional (no caso de Alvim seria uma nação imaginada, um país de invasores “brancos”, pois os povos dos Brasis estão centrados em Palmares e Pindorama) implicaria em algo “grandioso”, como uma queima de livros, execração cibernética, celebrações de pentecostalismo capitalista?! Algo assim, premiado pelo Estado através do governo de turno. Talvez.
Alvim foi demitido porque se descuidou. Como provar? Porque na véspera fora elogiado ao vivo pelo próprio presidente. Com sua exoneração, já é o quarto a ocupar o cargo em um ano de desgoverno. Sua pregação foi antissemita? Sem dúvida. Elogiou, plagiou, repetiu um discurso nazista? Com certeza. Uma das evidências do desconforto com tal discurso veio do próprio embaixador de Israel (ver link: https://jovempan.com.br/noticias/brasil/demissao-roberto-alvim-embaixada-israel.html), que apoiou a demissão do dramaturgo, assim como a nota da Confederação Israelita do Brasil (CONIB, ver link: https://cultura.estadao.com.br/noticias/geral,conib-chama-de-inaceitavel-fala-de-roberto-alvim-e-pede-afastamento-do-secretario,70003162854). Repito: vimos um sintoma, um aspecto tangível, a relação de fascínio da extrema direita protofascista com o nazismo e sua ascensão é permanente. Após a demissão, Roberto Rego Pinheiro (nome de registro de Roberto Alvim) cogitou que todo o evento teria base em alguma “ação satânica” (ver link: https://revistaforum.com.br/politica/roberto-alvim-comeco-a-desconfiar-de-uma-acao-satanica-em-toda-essa-horrivel-historia/). Como não se pode rir dessa situação, só nos resta aumentar ainda mais a indignação.
Essa longa introdução é para trazer à superfície um tema que gera muita confusão e causa discórdias e problemas nas sociedades civis organizadas dos países “ocidentalizados”, assim como nas esquerdas mundiais. O texto que segue tenta desassociar o combate ao antissemitismo com as críticas ao Estado de Israel. São temas diferentes, mas deveras manipulados para que o povo palestino fique ainda mais isolado.
Apresentação, do autor e do primeiro artigo
Esse é o primeiro texto que faço com tamanha exposição pessoal, afirmação étnica e pertença. Não é fácil. Toda estreia é uma sensação nova, que inclui o desafio de falar - conversar – com um público ampliado e ainda assim reforçar vínculos já existentes. Esse é o artigo inaugural abordando explicitamente os temas do Grande Oriente Médio com ênfase especial na libertação da Palestina e nos direitos inalienáveis e indissociáveis com o território e seu povo. Trata-se de texto de opinião, circulando com a temática central no pan-arabismo e na dramática situação em que se encontra a Cisjordânia, Gaza e os demais elementos centrais na construção de uma saída viável que contemple, no mínimo do mínimo, a mais de sete milhões de pessoas. Confesso que a tarefa não é simples e parece ultrapassar minhas possibilidades.
Antes de seguir peço licença para me apresentar. Não sou neófito nas atividades políticas (comecei no engajamento ainda criança, na chamada pré-adolescência na década de ’80 do século passado) e menos ainda no apoio à Causa Palestina. Por parte de pai tenho origem árabe, e como milhões de brasileiros e brasileiras, ascendência libanesa cristã (no meu caso, maronita) embora distante das raízes. Felizmente a formação no tema iniciou muito cedo, quando da Guerra Civil Libanesa (1975-1990), especialmente na segunda invasão de Israel ao Líbano (em 1982). Tive a sorte de aprender sobre a região através de meu falecido avô paterno, um entusiasta defensor da Frente Rejeicionista, do Bloco Árabe-Palestino-Muçulmano e Progressistas. Meu avô era um seguidor – à distância – das ideias do Sheikh Kamal Jumblatt. Curiosa situação, pois não venho de família drusa e sim maronita. Assim, através da escuta sobre as posições do líder histórico Movimento Nacional Libanês, me fiz pan-arabista e pró-palestino desde muito novo.
A politização em temas do Brasil e da América Latina veio mais forte, mas pela via da militância, o desenvolvimento político caminhou junto ao compromisso com a Causa Árabe e Palestina. No final desta década e no início dos anos ’90, participei ainda vivendo no Rio de Janeiro, do Comitê pela Libertação de Lamia Maruf Hassan. Desde então os vínculos – mais emotivos que políticos, mais de memória que orgânicos – não foram interrompidos. A partir de 2013, já doutor em ciência política e dedicado nas tarefas de docente de relações internacionais, ao que era vontade militante se somou com a missão do ofício. Um dos princípios do Direito Internacional, o da autodeterminação dos povos e seus territórios, se tornou um princípio de vida. Logo, não há como correr dos vínculos com o Oriente Médio, no apoio incondicional à Causa Palestina e ao Confederalismo Democrático no Curdistão, assim como no combate aos imperialismos e traições que assolam os países de nossos antepassados. Nos textos que seguem (neste e nos demais), me atenho na relação do pan-arabismo com a tentativa de incidir sobre a colônia e descendentes árabe-brasileiros assim como participar do esforço internacional em solidariedade ao povo palestino. Não é tarefa fácil e muito menos corriqueira. Vamos ao tema do antissemitismo.
Expondo os termos iniciais do debate: o combate ao antissemitismo e a defesa da Palestina
Por mais vínculos que tenhamos com o Grande Oriente Médio, o Arabismo e porque não, o Mundo Islâmico, a trajetória política e intelectual do apoio solidário é marcadamente outra. Somos solidários a uma Causa distante de sociedades que em geral compreendemos pouco. Citando a Edward Said, há que se temer o “orientalismo” mesmo quando esse existe na negação do mesmo. Ou seja, é tão nefasto ver a região como “exótica ou excêntrica”, como também o é ignorando as formações sociais concretas e a vida em sociedade que por lá se desenvolve, com todas as suas mazelas e conflitos de interesse. Assim, vejo como muito, muito importante conhecer com grau de profundidade as relações de poder no Mundo Árabe, os sistemas de governo, as estruturas de dominação, os papeis sociais e, dentro de tudo isso, a luta de classes (quando estas assim existem), a luta dos povos e a presença constante de Impérios Ocidentais (como os cruzados anglo-saxões e os cruzados russo-bizantinos).
Escrevemos a partir do “ocidente periférico”, é sempre bom lembrar. Digo isso porque a relação de alguém como eu, diante das comunidades judaicas, é sempre de alguma dubiedade. Tendo formação política "ocidental" (no pós-iluminismo socialista ainda na 1ª Internacional), e de base libertária, a perseguição às comunidades judaicas europeias em distintos períodos históricos é sempre uma constante. Logo, entendo que é necessária uma garantia para as pessoas de descendência e fé judaicas. Neste sentido concordo com aquilo que foi declarado, de forma genérica pelo mais que respeitado historiador Ilan Pappé. Não é tolerável nenhuma forma de antissemitismo (nem o europeu, contra populações judaicas e tampouco anti-árabes) e sim, entendo que seria necessária uma espécie de território e santuário para a comunidade judaica. Nenhuma tolerância com ideias supremacistas pode ser “tolerada”.
Sendo direto. O combate aos perseguidores do povo judeu não pode em hipótese alguma implicar em nenhum nível de complacência ou relativismo contra a deportação, desterritorialização, ocupação militar e limpeza étnica na Palestina. Como é sabido, ainda na década de ’20 do século passado, a liderança árabe-palestina chegou a cogitar um Estado Binacional, algo solenemente ignorado por Ben Gurion e seus pares. O resultado desta vontade expressa, incluindo a aliança com o imperialismo inglês, depois com EUA e União Soviética, já em 1956 novamente com Inglaterra e França e na sequência o apoio incondicional dos Estados Unidos, todos sabemos no que resultou. Repetindo. Ser contra o antissemitismo não implica, jamais, em parecer aceitável os termos da fundação do Estado de Israel – a Nakba - e menos ainda tendo por base a limpeza étnica anterior e os tipos de ocupação sendo realizadas após 1948.
É importante reforçar o óbvio. No cumprimento do dever, venho de uma tradição onde não se “conversa” ou “dialoga” com o antissemitismo. Não foram poucas vezes em que fomos chamados às últimas consequências com essa laia autodenominada de nazifascista, integralista ou assemelhados. Lutar contra a excrescência não pode ser conivência com a desumanização do povo palestino. Tamanha necessidade histórica (a luta frontal contra a extrema direita) só ganha legitimidade se – no Oriente Médio – essas mesmas pessoas promoverem uma equiparação de direitos com o povo árabe-palestino. Resumindo: a luta contra o antissemitismo não tem “dono” e menos ainda a chancela de ser ou não antissemita pode pertencer aos apoiadores da Ocupação da Cisjordânia e do Cerco à Gaza. Ao mesmo tempo, é urgente não reproduzir o mito de “Israel bastião das ideias mais avançadas” no Oriente Médio, porque o custo e peso desta sociedade liberal capitalista é a dominação de milhões de árabes.
Em números aproximados, são sete milhões só dentro das fronteiras de Israel em 1948 (quase dois milhões de palestinos que Tel Aviv insiste em denominar “árabe-israelense”), Cisjordânia (três milhões) e Gaza (dois milhões). Logo, o que é possível pensar como sendo o “plano estratégico” de Israel para sete milhões de pessoas e mais os seis milhões de refugiados originários na Nakba? Aniquilar estes territórios? Colapsar as mínimas condições sanitárias? Condenar a fome e a inanição os habitantes de Gaza? Anexar – de fato - toda a Cisjordânia, passando por cima do direito internacional? “Comprar” terras no Estado Hachemita da Jordânia e transferir centenas de milhares de famílias? Qual a solução para o não cumprimento dos Acordos de Oslo?
A posição é tão simples como dramática. Lutar contra o antissemitismo no mundo e defender a Causa da Libertação da Palestina. Não há meio termo como lembra John Mearshemier; célebre cientista político realista e co-autor junto a Stephen Walt do livro clássico “The Israel Lobby and US Foreign Policy, 2007. Ou o Apartheid é superado, ou então Israel troca paz por terra e água e restabelece condições concretas para 2 povos e 2 Estados. Isso implicaria, por exemplo, o total recuo dos colonos e assentamentos da Cisjordânia, a distribuição paritária de todos os recursos hídricos, o estabelecimento de um Porto em Gaza, sem bloqueio naval e um aeroporto na Cisjordânia, além das fronteiras abertas e sob controle palestino tanto com a Jordânia como com o Egito. Isso ou um Estado conjunto, pós-apartheid, tal como na África do Sul após 1994. Não para por aí. Israel tem de devolver Golã para a Síria e interromper os "ataques preventivos" de toda e qualquer natureza com o Líbano e a Síria. Esses itens seriam o mínimo do mínimo.
Sem negociar sobre o concreto, o debate do antissemitismo vira uma guerra de inteligência comunicacional e cibernética pelo controle da narrativa. E isso só interessa a quem não quer de fato combater a ascensão da extrema direita no Ocidente e menos ainda mover um centímetro a favor da solução da Questão e da Causa Palestina.
Linhas conclusivas: e o antissemitismo alegado na defesa da Palestina?
Encerro chamando atenção para um tema que vai orientar – literalmente – nosso debate nos próximos artigos. Antissemitismo é crime, profanação de tumbas e apostasia de qualquer natureza também. Contra essa laia, é preciso empregar todos os recursos disponíveis. E, é um crime político atribuir que a defesa dos direitos do povo palestino seja uma forma de antissemitismo. Ser antissemita também é ser anti-árabe, porque semitas somos tanto árabes como hebreus. Logo, ser anti-árabe (e porque não islamofóbico) é ser “orientalista” segundo Said e pró-ocidental e imperialista, além de colonizador cultural. Assim, na atualidade, nada mais anti-árabe do que o cinismo israelense e sua prática de ocupação militar e vigilância através da Shabak (Shin Bet, polícia política) contra toda a população árabe-palestina. Já nos países “ocidentalizados”, ter boas relações com governos mais à direita – como Bolsonaro e Trump – e ignorar os apoios de antissemitas declarados que tais governantes têm, forma um tipo de “pragmatismo político” que só ajuda a relativizar os efeitos danosos da laia. Para quem duvida ou pensa ser exagero, sugiro assistir às “comemorações” da Alt-Rigt (ver link: https://www.youtube.com/watch?v=Uqv7IVDubVY) depois de um ano da Batalha de Charlottesville, em agosto de 2017 (ver link: https://www.youtube.com/watch?v=RIrcB1sAN8I)
Nos próximos meses seguimos com este debate, alinhando-o e entrando nos meandros mais difíceis. Voltaremos.
Obs: a primeira versão desse artigo, sem a Introdução, foi originalmente publicada no Monitor do Oriente (MEMO, versão em português).
Bruno Baaklini (Bruno Lima Rocha no sobrenome materno, blimarocha@gmail.com), árabe-brasileiro de descendência libanesa é cientista político, professor nos cursos de relações internacionais, jornalismo e direito.

This page has not been translated into Kurdî / کوردی yet.

This page can be viewed in
English Italiano Deutsch
George Floyd: one death too many in the “land of the free”
© 2005-2020 Anarkismo.net. Unless otherwise stated by the author, all content is free for non-commercial reuse, reprint, and rebroadcast, on the net and elsewhere. Opinions are those of the contributors and are not necessarily endorsed by Anarkismo.net. [ Disclaimer | Privacy ]