preferenze utente

cerca nell'archivio del sito Cerca cerca nell'archivio del sito


Search comments

ricerca avanzata

Nuovi eventi

Internacional

nessun evento segnalato nell'ultima settimana

Prossimi eventi

Internacional | Imperialismo / Guerra

nessun evento corrispondente!

Retomando o debate sobre o conceito de imperialismo

category internacional | imperialismo / guerra | opinião / análise author lunedì agosto 26, 2019 07:34author by BrunoL - 1 of Anarkismo Editorial Groupauthor email blimarocha at gmail dot com Segnalare questo messaggio alla redazione

existe imperialismo e existem potências - no plural sim - imperialistas.

Preciso começar esta nova série (creio eu) em função de algumas razões óbvias. A primeira e a mais sensível das razões porque os conceitos são reais, ou ao menos intentam interpelar, interpretar o real vivido como experiência concreta e não apenas o universo imaginário (que também forma o real vivido). Ou seja, isso existe, existe imperialismo e existem potências - no plural sim - imperialistas.
imperialismo_globo.jpg

25 de agosto de 2019, Bruno Lima Rocha
Preciso começar esta nova série (creio eu) em função de algumas razões óbvias. A primeira e a mais sensível das razões porque os conceitos são reais, ou ao menos intentam interpelar, interpretar o real vivido como experiência concreta e não apenas o universo imaginário (que também forma o real vivido). Ou seja, isso existe, existe imperialismo e existem potências - no plural sim - imperialistas.
Algumas potências são também herdeiras do colonialismo, e talvez por isso o general Villas Bôas, no seu arroubo nacionalista circunstancial, tenha citado Ho Chi Mihn para atingir a imagem do presidente francês, o banqueiro Emmanuel Macron. Também existem impérios tardios que se alastra na esteira do Império matriz, tal é o caso dos EUA, o alvo da acusação de imperialismo de nove entre dez militantes das esquerdas (onde me incluo). Óbvio que do Império dos Gringos o mesmo general nada fala. Porque será?!
Outra razão prática do debate sobre o imperialismo é reconhecer as formas contemporâneas e sair da vala comum da caricatura. Imperialismo não é apenas uma invasão de fuzileiros navais gringos, mas também é isso, até hoje. O imperialismo é a forma superior do capitalismo, e nisso até o Lênin está correto - ao menos na análise - mas não só. A União Soviética foi imperialista no Afeganistão, seguindo a trajetória da disputa imperial anglo-russa nesta mesma região. A relação da China com o Vietnã recém-unificado e liberto da invasão dos EUA, isso após combater franceses e japoneses, foi horrorosa. Neste caso, Deng Xiao Ping disse a que veio em todas as áreas.
Mas, infelizmente, no século XXI, as capacidades de projeção imperialistas, ao menos no campo da economia, reproduzem formas de capitalismo. Hoje, EUA, China, Rússia e União Europeia (empatadas as últimas duas), Índia, Irã e Turquia em segundo plano, podem exercer pressões em alguma escala, gerando excedentes de poder de modo a violar soberanias e internalizar interesses externos para além de suas fronteiras e áreas de influência direta. Por seu peso relativo, podemos incluir sem dúvida alguma a Israel e Arábia Saudita nesta lista também.
São sistemas políticos, formas de governo e regimes distintos, mas em termos de Economia Política Internacional, a soma da concertação estratégica de frações de classe dominante com elite dirigente reproduz uma dimensão imperialista. Observemos a corrida ao "eldorado africano", uma das bases do renascimento de nosso continente co-irmão: China, França, Turquia e até o Brasil (em um belo exercício de cooperação, mas nunca sem críticas) disputam ou disputaram espaços importantes, além dos EUA de sempre.
Igualmente é válido debater o tema, pois quase sempre o modelo do século XIX, onde há um conjunto de alianças locais que se beneficia da pressão externa - ou da desnacionalização das riquezas e da perda de soberania popular - ainda existe e se reproduz. E, pasmem, os interesses são muitas vezes de motivação original ideológica - sentido de pertencimento - e caminham lado a lado com a mesquinharia típica de quem muito tem, quer mais ainda, e se julga com um mérito bem superior ao da maioria.
Cabe também observar que a complexidade do tema pede um debate à altura de sua ameaça, incluindo versões muito atuais, como os efeitos quase sempre nefastos da Cooperação Jurídica Internacional; da interpenetração de redes sociais e grupos de desinformação (o Brasil e a relação com neopentecostais e ultraliberais da escória do Partido Republicano exemplificam o problema) e também da loucura mal intencionada como da transloucada e perigosa tese da "conspiração globalista".
Por fim, conspiração e presença externa assim como espionagem e guerras híbridas são assuntos tão evidentes e sérios que não podemos ser irresponsáveis ao confundir esta seriedade com absurdas e delirantes "teorias conspiratórias totalizantes sem evidências nem conceitos". O debate urge e os prazos correm (no meu caso, literalmente). Este perfil e adjacências aceita (aceitam) sugestões e críticas.
A primeira etapa pós Guerra Fria até o auge posterior ao 11 de setembro de 2001
O mais evidente deste conceito é a presença militar, especificamente dos EUA, operando nove comandos combatentes permanentes. A projeção de excedentes de poder pela via da força não é exclusividade do Império Gringo, mas a dimensão e o volume em que isso ocorre sim. No período pós-Guerra Fria e pré 11 de setembro, o Pentágono inaugura uma etapa que vai atender pelo Guerra Total ao Terror (GWOT da sigla em inglês). Há controvérsias se esta inicia após o primeiro atentado contra as Torres Gêmeas (em 26 de fevereiro de 1993) ou derivados da explosão simultânea das embaixadas estadunidenses em Nairóbi, capital do Quênia e também em Dar es Salaam, na Tanzânia (em 07 de agosto de 1998). A escala ganha por estas operações após o 11 de setembro é enorme, mas a doutrina já estava estabelecida antes. Ou seja, começa com o governo Bill Clinton (Partido Democrata) e segue no governo eleito através de fraude, com Bush Jr (Partido Republicano) derrotando a Al Gore.
A concepção de um inimigo multipresente, e de fato, antagônico aos "impérios infiéis" como Estados Unidos, Rússia (no Cáucaso) e China (no Turquestão Leste), indica a enorme capacidade da Superpotência (através também de seus aliados na Europa, através da OTAN) e das potências em ascensão, de projetar seus interesses militares além fronteiras. A agressividade das forças especiais dos EUA e da "Guerra ao Terror" - com sequestros ilegais em países estrangeiros, cárcere não processado em Guantánamo e campos de concentração como em Abu Ghraib (Iraque) e Bagram (Afeganistão) - é a marca dos primeiros dez anos pós-11 de setembro.
Outra marca está nas chamadas revoluções coloridas dos antigos Estados soviéticos, como a Rosa na Geórgia (2003-2004), Laranja na Ucrânia (2004) e Tulipa no Quirguistão (2005).É importante ressaltar que ao mesmo tempo que há incidência através da manipulação cidadã via internet e meios de comunicação, também existe, sempre existe, maior ou menor demanda social legítima e processos reivindicativos realmente existentes. Como dizem os uruguaios "só se organiza o que existe", mesmo que seja com a pior das intenções. O tema da Primavera Árabe como "revolução colorida", afora o emprego da internet, não vejo como uma aplicação válida. No "movimento verde do Irã", ou "revolução verde iraniana", após a eleição de Mahmoud Ahmadinejad e derrota dos "moderados" Mir-Houssein Moussavi e Mehdi Karroubi, é evidente que houve tratativa de apoio ocidental, mas a disputa cultural entre a interpretação da Pérsia e a sofisticação das camadas urbanas iranianas é tema muito antigo.

Dei estes exemplos para verificarmos um esforço que modestamente faço para retirar os rótulos e o "debate de lacração" os quais as parcelas politizadas e mal formadas de nossa gente estão expostas e irmos além das denominações por conveniência.
Se a Guerra ao Terror e as "revoluções coloridas" inauguram o imperialismo estadunidense no pós-11 de setembro, a avalanche das redes sociais é a marca globalizada de manipulação da esfera pública de países inteiros. As evidências são escancaradas com o caso Edward Snowden em 2013, já passados cinco anos do estouro da "Farsa com nome de Crise OU da Fraude com nome de Bolha" imobiliária e seus derivativos mundo afora. A interconexão das consciências, o ataque da esfera pública, a criação de fantoches na sociedade civil que podem vir a se massificarem é a marca deste período, radicalizando o processo na subjunção das novas direitas às pautas marcadas pelas direitas ainda mais à direita dos EUA. O processo que leva à eleição de Trump e sua repercussão globalizada refletem esta nossa afirmação.
Bruno Lima Rocha (blimarocha@gmail.com / t.me/estrategiaeanalise) é pós-doutorando em economia política, doutor e mestre em ciência política e professor nos cursos de relações internacionais, comunicação social e direito. É membro do Grupo de Pesquisa Capital e Estado (https://www.facebook.com/capetacapitaleestado/)

This page can be viewed in
English Italiano Deutsch
© 2001-2019 Anarkismo.net. Salvo indicazioni diversi da parte dell'autore di un articolo, tutto il contenuto del sito può essere liberamente utilizzato per fini non commerciali sulla rete ed altrove. Le opinioni espresse negli articoli sono quelle dei contributori degli articoli e non sono necessariamente condivise da Anarkismo.net. [ Disclaimer | Privacy ]