Benutzereinstellungen

Neue Veranstaltungshinweise

Brazil/Guyana/Suriname/FGuiana

Es wurden keine neuen Veranstaltungshinweise in der letzten Woche veröffentlicht

Kommende Veranstaltungen

Brazil/Guyana/Suriname/FGuiana | Miscellaneous

Keine kommenden Veranstaltungen veröffentlicht

"A DEFESA" nro 1

category brazil/guyana/suriname/fguiana | miscellaneous | policy statement author Samstag Dezember 05, 2015 07:17author by JORNAL DE APOIO ÀS LUTAS ESTUDANTIS EM SÃO PAULO - COMITÊ DE APOIO LOCALauthor email comitedeapoiolocal at bol dot com dot br Report this post to the editors
A DEFESA Nº1, NOVEMBRO DE 2015
* * PORTA-VOZ DAS OCUPAÇÕES ESCOLARES * *

ESSE INFORMATIVO NÃO PERTENCE A NENHUM PARTIDO, SINDICATO ,ONG OU IGREJA

comitedeapoiolocal@bol.com.br

Importante mencionar que a propagação desse jornal há dias atrás em algumas escolas ocupadas fez os estudantes expulsarem o sindicato APEOESP (chefiado pelo PT) de dentro da ocupação e agora, quando o governador anuncia a "suspensão" da "reorganização" escolar em São Paulo, esses mesmos estudantes afirmam que vão manter as escolas ocupadas e que a luta prossegue, já que sabem qual é a manobra do estado.
Prévia do jornal
Prévia do jornal

114 ESCOLAS OCUPADAS EM SÃO PAULO


PRIORIDADE DO MOMENTO: MANTER E PROPAGAR AS OCUPAÇÕES!!!

Desde o mês de outubro, quando o governador Alckmin (de “direita”), incentivado e autorizado pelos cortes de verbas impostos pelo governo federal (de “esquerda”) anunciou o fechamento de escolas, remoção forçada de estudantes e professores, superlotação e sucateamento ainda maiores da rede de ensino estadual, uma onda de lutas estudantis envolvendo piquetes, passeatas e ocupações vem ocorrendo em várias escolas estaduais; conseguindo apoio até em outros estados do país e também em outros lugares do mundo, como Europa e Oriente Médio. Essa onda de lutas não ocorre por acaso: ela faz parte de todo um esforço da classe trabalhadora e explorada no Brasil e no mundo para enfrentar a ofensiva de miséria imposta por patrões e governantes em nome da crise que eles mesmos criaram. Desta forma, houve um aumento nas greves do funcionalismo, nas greves de caminhoneiros, nas mobilizações de trabalhadores rurais e indígenas, além da greve de professores em São Paulo, a maior desde 1989. Como sempre, os aliados do sistema, que infiltram o movimento para depois entregá-lo para as autoridades em mesas de negociação ou em troca de lucros eleitorais (sindicatos, partidos, ONGs, organizações ditas “estudantis”), já vêm realizando todo um esforço para se apoderar da luta social encabeçada pelos estudantes, ou seja por filhos de trabalhadores e trabalhadores em idade escolar. Vejamos as medidas realizadas pelo inimigo e como poderemos contra-atacar:

A OFENSIVA DO ESTADO:

- Em todos os lugares dizem que o secretário de educação (o secretino) anunciou a “suspensão” do fechamento das escolas. Suspensão não é cancelamento das medidas, mas uma pausa, uma coisa temporária pra ganhar tempo contra os estudantes. Estão fazendo isso para todos desistirem, entrarem no clima de “já ganhou” e encerrarem as ocupações. Enquanto não sair uma resolução ou um decreto cancelando a chamada “Reorganização” das escolas, toda suspensão é armadilha. A imprensa, o governo e os partidos de “esquerda” estão comemorando a tal “suspensão”.

- As Diretorias de Ensino estão passando sigilosamente ordens para diretores e supervisores de ensino fecharem as escolas, impedirem aproximação até de pais, controlarem rigorosamente os portões e entradas e transferirem/cancelarem as atividades de fim de semana.

- Estão espalhando que as ocupações estão sendo feitas por “infiltrados”, pessoas “estranhas”, etc., como forma de denegrir o movimento.

- Foram dadas ordens de transferir na surdina móveis e documentos das escolas que serão fechadas.Muita atenção com isso!!!

- O governador cortou o SARESP nas escolas ocupadas.

A RESISTÊNCIA DAS OCUPAÇÕES
- Chamar a comunidade para dentro das escolas, realizar passeatas e ações de propaganda (whatsapp, redes sociais, panfletagens, cartazes, pinturas em muros) esclarecendo a importância do movimento e do apoio de todos, assim o isolamento é quebrado.

- Unificar as ocupações enviando representantes às outras escolas. Nenhuma confiança em partidos políticos, sindicalistas e entidades que dizem falar em nome dos estudantes. São todos profissionais da política e vão se alimentar do movimento enquanto for interessante para eles como moeda de troca com as autoridades. Contatar as pessoas realmente avançadas (não os conciliadores ou gente disposta a se vender para o Estado) nas ocupações para formar um comitê de luta. As ocupações devem estar interligadas.

- Não confiar em promessas de governantes ou em sentenças de juízes: tudo o que fazem é ganhar tempo contra nós. Só a luta vai trazer resultado.

- Nas escolas que foram despejadas ou desocupadas, entrar de novo! A PM será derrotada pelo cansaço. Aproveitar fins de semana, abertura da escola pelo caseiro, horários de entrada e sempre com visual a caráter (mochila, uniforme ou roupa parecida).

BOICOTE O SARESP!!!!!!
ESTUDANTE: NÃO COMPAREÇA NOS DIAS 24 E 25/11 OU SE COMPARECER, NÃO FAÇA A PROVA(OU FAÇA PARA ERRAR!). PROFESSOR(A): DÊ FALTA MÉDICA OU DOE SANGUE.

comitedeapoiolocal@bol.com.br

APOIO: INICIATIVA REVOLUÇÃO UNIVERSAL revolução_universal@yahoo.com

author by Comitê de Redação - A Defesapublication date Mo Dez 07, 2015 05:06author email comitedeapoiolocal at bol dot com dot brauthor address author phone Report this post to the editors

Agradecimentos a todos que tornaram possível a publicação da edição. Esse jornal tem circulado em várias ocupações e ganhou o apoio de muitos estudantes. É uma iniciativa totalmente da base, independente e protagonista.

Em poucas horas estará aparecendo aqui o número 2, denunciando as manobras do governo de SP contra o movimento.

 
This page can be viewed in
English Italiano Deutsch
George Floyd: one death too many in the “land of the free”

Brazil/Guyana/Suriname/FGuiana | Miscellaneous | pt

Sa 24 Okt, 19:14

browse text browse image

textNovo site do Arquivo Bakunin 01:50 Mi 17 Aug by Arquivo Bakunin 0 comments

Curta a página do Arquivo Bakunin: https://www.facebook.com/Arquivo-Bakunin-1088745281220411/

viacampesina2.jpg imageMulheres Em Ação, Eucalipto No Chão! 07:06 Sa 14 Mär by da redação 0 comments

Na madrugada de 8 para 9 de março mais de 600 mulheres do MST ocupam a fazenda Ana Paula na metade sul do estado do RGS (Brasil) para fazer ação direta contra a monocultura do eucalipto que invade a geografia do pampa. As árvores exóticas do agronegócio derrubadas pelo machado, a foice e o facão, formam os maiores investimentos dos capitais transnacionais que vem ao campo se associar com o latifúndio e se apropriar dos bens naturais para fazer produtos de exportação. As camponesas dispararam luta de massas no marco do dia da mulher trabalhadora para reivindicar sem mediações reforma agrária para produção de alimentos. Aqui entrevistamos duas companheiras libertárias: Lizandra e Gerusa vinculadas aos processos de luta e organização do MST e Via Campesina que nos falam mais dessa última jornada:

textA farsa do referendo 17:50 Di 11 Okt by Federação Anarquista Gaúcha 2 comments

Dizemos que este referendo é uma farsa. Queremos ter voz, sim. Mas não somos tontos, o governo não quer nossa participação real... Nossa participação conquistamos lutando.

imageNo Bananistão dos Parapoliciais_3ª parte Jul 13 by BrunoL 0 comments

Na 1ª parte desta série de ficção não ficcional, abordamos um panorama geral das mazelas da segurança pública sob o regime de democracia liberal capitalista no estado do Arroio de Fevereiro. Na 2ª parte analisamos a periodização histórica dos modelos de exploração e controle da economia política do crime nos territórios segundo o tipo de organização criminosa operando na Região Metropolitana da antiga capital da República do Bananistão. Nesta 3ª parte analisamos o modelo de novos negócios, complementando ou competindo contra o formato anterior, quando clãs familiares se involucram diretamente no negócio de proteção de segurança e extorsão, projeção eleitoral com base em bairros da Zona Oeste da cidade e grilagem de terras públicas, devolutas e de proteção ambiental.

imageNo Bananistão dos Parapoliciais_2ª parte – a macabra fábula do esquema político-criminal-policial no... Jul 06 by BrunoL 0 comments

Na primeira parte desta trama macabra e “ficcional”, fizemos um panorama dos momentos anteriores à consolidação das forças parapoliciais. O século XXI torna complexo o modelo de Estado paralelo ou Estado complementar onde o conceito muda. Podemos marcar três fases no núcleo mais dinâmico da economia política do crime. As fases seriam: o jogo do bicho como operador absoluto; as redes de quadrilhas cujo negócio principal é o narcotráfico, também chamadas de “facções” e que os conglomerados de mídia insistem em chamar de “crime organizado”; por fim, o século XXI apresenta a “novidade” dos parapoliciais, a “evolução” da polícia mineira que existia na Baixada Fluminense e em algumas poucas localidades na zona oeste do Arroio, e se amplia ao ponto de dominar mais de uma centena de comunidades. Vejamos o marco temporal.

imageNo Bananistão dos Parapoliciais 1ª parte – a macabra fábula do esquema político-criminal-policial no... Jul 06 by BrunoL 0 comments

Esta é uma trama macabra. Fábula de horror tropical, tão “real” como os livros de Luiz Eduardo Soares – a Elite da Tropa 1 e 2 – ou os filmes que o hoje, diretor de comédia, José Padilha, (Tropa de Elite 1 e 2) também rodou. José Padilha fez uma telecomédia fantasiosa e patética, a série O Mecanismo 1 e 2, “livremente inspirado” na Republiqueta de Curitiba e na Liga da Não-Justiça. As palavras que seguem estão mais próximas de serem “livremente inspiradas” na triste realidade do estado do Arroio de Fevereiro e da República Deformativa do Bananistão, do que nas obras acima citadas.

imageO desgoverno do condomínio: o Palácio do Planalto virou o Jambalaya do Coiso Mai 18 by BrunoL 0 comments

Tenho de admitir, Bolsonaro é muito bom no que se propõe a fazer: desgoverno, tumulto no país e desinformação na sociedade. Ele é o que é, e sua existência plena é isso mesmo. Nem mais, nem menos, “taóquei!”. Ele e sua prole não se pretendem governantes, o ato de governo é como se fosse um condomínio e, infelizmente, o síndico é o próprio Jair Messias, e não Tim Maia. Nesse condomínio, a maior parte dos subsíndicos se comporta mais como xerifes de galeria do que como habitantes de um mesmo espaço. Ao contrário do que seria esperado, o síndico de discurso autoritário não é centralizador nem tem pulso forte ou mão de ferro. Ninguém pode aparecer mais do que ele e, menos ainda, assumir atos de responsabilidade. Esse síndico não faz nada e não deixa ninguém fazer muito. Não se mete com o tesoureiro, embora lembre a todo o momento que até esse pode ser demitido.

imageMoro, Bolsonaro e as duas pontas da tragédia tropical Apr 27 by BrunoL 0 comments

Sexta-feira, 24 de abril de 2020, o espetáculo dantesco, a versão do século XXI de crônicas políticas nunca escritas pelo genial. Nelson Rodrigues se desenrola diante das câmeras e aparelhos eletrônicos de todo o país. Os dois ícones que se abatem sobre o Brasil desde o início da falência múltipla da Nova República se separam. Por um lado, Sergio Fernando Moro, típico concurseiro carreirista, que se serve do aparelho de Estado para a promoção pessoal, se afasta. Posando de bom moço, confessou apenas uma suposição de crime: pediu pensão para caso sua esposa ficasse viúva com ele à frente do Ministério da Justiça da extrema-direita. Do outro lado da Esplanada, esquentando os motores com um discurso de três infindáveis páginas (das quais ele só se dignou a ler depois de mandar em cana a sogra e a família da esposa, se orgulhar do “filho garanhão do condomínio” e misógino asqueroso, dentre tantas pérolas), Jair Messias Bolsonaro fala de improviso na linguagem da sofrência do sertanojo que despreza o caipira.

more >>

textA farsa do referendo Okt 11 FAG 2 comments

Dizemos que este referendo é uma farsa. Queremos ter voz, sim. Mas não somos tontos, o governo não quer nossa participação real... Nossa participação conquistamos lutando.

© 2005-2020 Anarkismo.net. Unless otherwise stated by the author, all content is free for non-commercial reuse, reprint, and rebroadcast, on the net and elsewhere. Opinions are those of the contributors and are not necessarily endorsed by Anarkismo.net. [ Disclaimer | Privacy ]