user preferences

New Events

Brazil/Guyana/Suriname/FGuiana

no event posted in the last week

Limites da Política de Participação Social

category brazil/guyana/suriname/fguiana | economia | opinião / análise author Thursday May 29, 2014 20:11author by BrunoL - 1 of Anarkismo Editorial Groupauthor email blimarocha at gmail dot com Report this post to the editors

Chegou tarde a Política Nacional de Participação Social (PNPS), instituída em 26 de maio pela presidente Dilma Rousseff. Não me refiro ao fato da formalização de mais canais de participação surja após os protestos de 2013, mas sim depois de uma década de desorganização das estruturas do movimento popular do brasileiro. Eis o contraste.

O país vem aumentando os canais formais para participar das decisões de governo e, por consequência, das políticas públicas necessárias para diminuir a desigualdade. Já as formas de pressão tornam-se diluídas com a incapacidade de acumulação de forças pela base da pirâmide social.

A Constituição Federal de 1988 abriu o caminho para nosso exemplo síntese na disputa entre interesse público e apropriação privada de recursos. O Sistema Único de Saúde seria o modelo a ser seguido em áreas afins caso as resoluções de seus conselhos fossem acompanhadas da devida dotação orçamentária, sem passar este recurso por contingenciamentos. O mesmo vale para a educação, direito ao usufruto das cidades e metrópoles, resíduos sólidos, igualdade étnico-racial, gênero, criança e adolescente, meio ambiente, agricultura familiar e seguridade social.

Nestas frentes da vida em sociedade, temos excelência em legislação e reprovamos na execução. Assim, no lugar de orçamento conforme preceito constitucional, os brasileiros convivem com crueldades como o famigerado fator previdenciário, a Desvinculação de Recursos da União (DRU) e a infame rolagem da dívida pública que consome 42% do orçamento aprovado para 2014!

Diante desses números, qualquer política de participação de tipo colaborativo é um placebo para a fúria acumulativa do capital financeiro e seus amigos do peito, operando por dentro do aparelho de Estado. Uma PNPS levada às últimas consequências deveria ter representantes da sociedade civil (e não das associações de agentes econômicos) presentes em órgãos como o Comitê de Política Monetária (Copom), cujos oito componentes decidem sobre os parâmetros de nossas vidas.

O debate complementar é o da qualidade desta representação. Se fosse boa e comprometida com os direitos das maiorias, a representação sindical em conselhos como o do FAT e da Previdência não admitiria que estas verbas fossem desviadas de sua atividade-fim.

Toda iniciativa que aproxime a vontade da maioria com a capacidade de execução é positiva para a democracia direta. Mas, a história dos direitos prova que a pressão popular é muito mais efetiva do que a participação subordinada.

This page can be viewed in
English Italiano Deutsch
E

Brazil/Guyana/Suriname/FGuiana | Economia | pt

Wed 30 Jul, 19:11

browse text browse image

privatizacionaeropuertos.jpg imageEl sector aéreo y el desafío privatizador de Dilma 03:14 Fri 04 Feb by Bruno Lima Rocha 0 comments

Las amenazas de “caos aéreo” y la presión para alcanzar el plan de metas de infraestructura y función operacional de la FIFA para la Copa del Mundo de fútbol, abren margen de consentimientos de las personas para que un proceso privatizador sea puesto en marcha.

imageA falácia do Banco Central independente Jul 18 by BrunoL 0 comments

16 de julho de 2014, Bruno Lima Rocha

Um dos temas de fato proibidos para os candidatos favoritos na próxima eleição presidencial é a subordinação do Banco Central (BC) à vontade política dos eleitores. A cartilha neoliberal defende a “independência” da autoridade monetária, de modo que esta não seja “politizada”. Este absurdo conceitual até poderia ser considerado esdrúxulo caso não fosse tão perigoso. Tornar independente da vontade soberana - ainda que exercida de forma indireta - o centro nervoso dos recursos coletivos é como condicionar a capacidade de governo a um gesto de obediência ao sujeito oculto e onipresente chamado de “mercado”.

imageA disputa do Estado e a corrida eleitoral Jul 12 by BrunoL 0 comments

10 de julho de 2014, Bruno Lima Rocha

Com o início da campanha eleitoral, a análise política vinculada aos interesses majoritários tem de identificar o centro nervoso do manejo dos recursos coletivos. É ali que se que se atinge a base da pirâmide social brasileira.

imageO medo e a manipulação da participação popular Jun 13 by BrunoL 0 comments

As semanas antes da Copa vêm sendo marcadas pelo protagonismo popular brasileiro. Temos greve de metroviários, rodoviários, professores, movimentos em defesa da moradia e a visibilidade dos Comitês Populares da Copa.

imageO poder mundial do capital financeiro – os efeitos no Brasil - 2 Jun 11 by BrunoL 0 comments

No quarto artigo da série, continuo o debate a respeito do capital financeiro e sua ação dentro da economia brasileira. Ressalto que a crítica se apresenta sobre os elementos de continuidade da era FHC perpetuados no período Lula-Dilma (iniciada em 2003). Reconheço que para o padrão mundial do capitalismo o Brasil tem regras relativamente mais duras e um sistema financeiro comparativamente mais estável, mas é só. Os dados a seguir, do faturamento dos bancos em 2013, são da consultoria Economática e foram obtidos no G1, Folha e Estadão.

imageO poder mundial do capital financeiro – os efeitos no Brasil – segunda quinzena de maio 2014 Jun 09 by BrunoL 0 comments

Dando sequência na série, desta vez vemos parte dos efeitos visíveis da lógica rentista no país. Rentistas são os que vivem de renda fixa, de dividendos, de aplicações e não do trabalho direto, mesmo que explorando mais valia sobre a força de trabalho dos demais. No Brasil, o capital financeiro opera por dentro do orçamento do Estado, taxando o valor da riqueza e consumindo o volume de impostos recolhidos pela União.

more >>
Sorry, no press releases matched your search, maybe try again with different settings.
© 2005-2014 Anarkismo.net. Unless otherwise stated by the author, all content is free for non-commercial reuse, reprint, and rebroadcast, on the net and elsewhere. Opinions are those of the contributors and are not necessarily endorsed by Anarkismo.net. [ Disclaimer | Privacy ]