user preferences

New Events

Norte da África

no event posted in the last week

A rua egípcia mais forte que as urnas!

category norte da África | community struggles | comunicado de imprensa author Friday December 20, 2013 02:26author by Alternative libertaire - AL Report this post to the editors

O presente texto, traduzido para o português do Brasil, apresenta uma análise feita pelo grupo Alternative Libertarie - AL sobre a questão egípcia.
Propondo como o caminho para o povo egípcio, uma luta que se encaminhe desde as bases, desde a rua, até de modo mais global contra o imperialismo americano e o fascismo religioso que disputam incessantemente o poder. [Français]

morsiout.jpg


A rua egípcia mais forte que as urnas


Dois anos e meio após a derrubada de Hosni Mubarak a rua egípcia volta a falar. Mohamed Morsi foi caçado do poder após um ano de reinado e quatro dias de manifestações, de uma amplitude nunca antes vista na história do país.

Os egípcios e as egípcias recordam ao mundo que uma eleição não é um cheque em branco que da aos representantes o direito a tudo fazer. A democracia real implica um controle dos mandatos pelos eleitores e isto não será nada sem a possibilidade de revogar aqueles que estão no mandato. Nenhuma constituição possibilita o poder aos seus trabalhadores (exceto alguns “referendos revocatórios” à la chavismo): as classes dominantes poderiam ter mais medo da espiral democrática do que de suas despesas. Para além das constituições, para além das leis, para além da “legitimidade democrática” baseada nas eleições, os trabalhadores e trabalhadoras do Egito se reapropriam de seu destino pela mobilização coletiva e revolucionária. Que nossos chefões ocidentais enforquem a “semente”, pois dela se gera as ideias aos trabalhadores e trabalhadoras de todo o mundo!

Entretanto, essa segunda revolução é marcada pela intervenção do exército na derrubada final de Morsi e dos assensos de golpes de Estado. Se os militares não derem uma saída inelutável para retificar o que diz a rua, acarretará uma faceta simbólica desastrosa. Para além do símbolo, os militares são em grande parte um retorno do poder autoritário e um retorno a um regime parecido com aquele que a rua veio a derrubar há dois anos e meio. Detentores de uma grande parte das riquezas do país (35 % do PIB), os militares tem pressa para tomar integralmente o poder político que é a garantia da perenidade de seu império econômico, sem levar em conta os interesses dos trabalhadores e das trabalhadoras.

Alternative Libertaire (AL) apóia os movimentos sociais egípcios assim como com as forças progressistas na batalha contra os islamitas e o exército para fazer nascer no Egito a liberdade, a igualdade social e uma verdade democrática fundada sobre os poderes populares.

Alternative Libertaire (AL)

9 de julho de 2013

Tradução: Marcelo Mazzoni

Related Link: http://www.alternativelibertaire.org/
This page can be viewed in
English Italiano Deutsch
E

Norte da África | Community struggles | Comunicado de imprensa | pt

Wed 30 Jul, 17:09

browse text browse image

Sorry, no stories matched your search, maybe try again with different settings.

imageOs jovens são o povo nas revoluções nos países árabes. Mar 03 by Michel Navarro 0 comments

Quem melhor explica a função da media social nas mobilizações é justamente um ativista blogeiro egípcio que em 2008 foi preso pelo regime, como muitos outros, em decorrência da sua atuação política: “quebramos com a idéia de se escrever e não fazer nada. Não é somente palavra, é palavra e ação. E é isso que preocupa muito". A repressão e brutalidade do governo com esses jovens escritores e documentaristas não foi somente por causa do conteúdo do que escrevem e noticiam. Mas antes de tudo porque praticavam ação direta.

imageMubarak caiu: "o que vem depois?" Feb 16 by Michel Navarro 0 comments

É inegável que "a república mais imperfeita é mil vezes melhor que a monarquia [autarquia, regime militar, etc] mais esclarecida", e que ao menos "o regime democrático eleva as massas a vida pública", como destacou Bakunin. O que deve ser perguntado, contudo, é se uma possível democracia representativa no Egito, em que as elites políticas, dissidentes e constitutivas do antigo regime, alternam-se no poder por meio do voto, mantendo, mesmo que com reformas de cunho popular, uma estrutura que preserve ao máximo as relações de dominação e exploração na sociedade, poderá responder às principais demandas que têm levado as classes populares dos países árabes a ocupar as ruas, enfrentar e derrubar seus títeres.

imageMubarak se vai, o povo fica! Feb 08 by José Antonio Gutiérrez D. 0 comments

O povo norte-africano e árabe converteu-se em um ator político que já não pode ser ignorado. Aconteça o que acontecer, já escreveram a história. [Castellano]

imageOs Levantes Populares nos Países Árabes Feb 07 by Michel Navarro 0 comments

O poder da revolta popular em curso no Egito vem provocando o medo nos poderes ocidentais e em Israel de que a insurreição, que tem levado às ruas quase 2 milhões de pessoas somente no Cairo, capital do país, leve a uma nova alternativa política que abale a ordem geopolítica da região

imageMovimento de massa no Egito: entre a tirania e o imperialismo. Feb 04 by Michel Navarro 0 comments

As milhares de pessoas nas ruas das principais cidades do Egito marchando em mobilizações e protestos, não se juntam apenas para exigir a renúncia do ditador Hosni Mubarak, no poder desde 1981, e a convocação de eleições. Os protestantes, que no dia 1 de fevereiro somavam mais de 1 milhão de pessoas somente na capital do país, Cairo, demandam mudanças estruturais na sociedade egípcia, que há décadas vive sob governos ditatoriais corruptos que têm sequestrado, torturada, intimidado e assassinado opositores para se manterem no poder.

more >>
Sorry, no press releases matched your search, maybe try again with different settings.
© 2005-2014 Anarkismo.net. Unless otherwise stated by the author, all content is free for non-commercial reuse, reprint, and rebroadcast, on the net and elsewhere. Opinions are those of the contributors and are not necessarily endorsed by Anarkismo.net. [ Disclaimer | Privacy ]