user preferences

New Events

Brazil/Guyana/Suriname/FGuiana

no event posted in the last week
Recent articles by Passa Palavra
This author has not submitted any other articles.
Recent Articles about Brazil/Guyana/Suriname/FGuiana Community struggles

Αγροοικολογ^... Dec 02 20 by BRRN

El Terrorismo de Estado en Curitiba (Paraná, Brasil) Dec 19 18 by Colectivo Anarquista Lucha de Classe

Terrorismo de Estado em Curitiba, Brasil Dec 19 18 by Coletivo Anarquista Luta de Classe

Batalha no centro: primeiro grande ato contra a tarifa em São Paulo

category brazil/guyana/suriname/fguiana | community struggles | other libertarian press author Saturday June 08, 2013 03:25author by Passa Palavra Report this post to the editors

Esta foi uma das maiores manifestações realizadas pelo movimento e uma dos mais contundentes.

É difícil calcular quantas pessoas estiveram presente no primeiro grande ato contra o aumento das tarifas do transporte público de São Paulo. Mas estima-se que mais de cinco mil manifestantes atenderam ao chamado do Movimento Passe Livre (MPL), ocuparam as ruas do centro da cidade e bloquearam durante várias horas as principais vias da região. Sem dúvida, é possível dizer que esta foi uma das maiores manifestações realizadas pelo Movimento e uma dos mais contundentes.
foto5.jpg

Como estava combinado, por volta das 17h, centenas de manifestantes já lotavam as escadarias do Teatro Municipal, aquecendo-se com a Fanfarra do M.A.L. (Movimento Autônomo Libertário) e palavras de ordem. Após a concentração, o protesto seguiu para a frente da Prefeitura, onde foram entoadas gritos ao prefeito Fernando Haddad.

— Ei, Haddad, que papelão! Abraça o Maluf e aumenta o busão.

Em seguida, as principais avenidas da cidade foram tomadas. A manifestação passou pela Praça do Patriarca, desceu a Rua São Bento e contornou pelo Vale do Anhangabaú. Do Vale era possível ver uma enorme faixa preparada pelo movimento do Viaduto do Chá: “Se a tarifa não baixar, a cidade vai parar”.
Foi então que se iniciaram os momentos mais tensos da manifestação. Eram quase sete da noite quando ato tomou de assalto a Avenida 23 de Maio, uma das principais vias radiais, que liga o centro da cidade à zona Sul. A ação foi inesperada e por essa razão demorou para que a Polícia Militar adotasse uma estratégia eficiente para dispersar os manifestantes. Neste momento, as catracas alegóricas, feitas de madeira e pneus, foram queimadas e barricadas começaram a ser formadas. Por diversas vezes, pequenos batalhões da polícia tentavam liberar a avenida, mas eram obrigados a recuar frente à resistência do protesto. Alguns minutos depois, o Batalhão de Choque foi acionado e deu início a uma verdadeira batalha campal, que se espalhou por toda a região central.

Depois disso, é difícil descrever o que se passou. Para o bem ou para mal, a ação policial na Avenida 23 de Maio, ao dispersar os manifestantes a esmo, multiplicou as frentes de ação em inúmeros focos. Uma parte dos manifestantes seguiu para o Terminal Bandeira, bem próximo ao local. Outra seguiu para a Prefeitura e para o Terminal Parque Dom Pedro e uma terceira ainda continuou pela Avenida 9 de Julho e subiu para a Avenida Paulista, que foi bloqueada pela primeira vez. Por onde se passava, pelas ruas do centro, era possível ver rastros da manifestação: pichações de protesto, panfletos e pequenas barricadas com lixos e lixeiras. Nos terminais de ônibus, eram realizados catracaços, permitindo que a população tomasse ônibus gratuitamente.
Nas camisetas, faixas e como grito de ordem, os manifestantes lembravam acontecimentos recentes em Porto Alegre, quando um aumento foi revertido por manifestações populares, e as ações na Turquia.

— Acabou o amor em SP. Isso aqui vai virar Porto Alegre.

A polícia articulou então uma enorme operação para impedir que os focos se reunissem e lançou mão de um violento aparato repressivo, atirando bombas de efeito moral e balas de borracha. Pelo menos 30 pessoas foram feridas. Os blocos de manifestantes apareciam por todos os lados; toda a população que andava nas ruas comentava; os programas televisivos nas telas dos bares e da padaria atestavam que o que estava acontecendo era realmente inédito na cidade.

Um dos focos da manifestação, ao fugir da repressão policial, adentrou o Shopping Paulista, causando uma enorme agitação no local. Os manifestantes chegaram a ser acuados na praça de alimentação, onde alguns deles foram presos. Por volta das 21h, o epicentro da luta havia se deslocado para a altura da Avenida Paulista: quase todas as entradas de Metro foram fechadas, viaturas de Batalhão de Choque e dos Bombeiros cortavam a via nos dois sentidos. Às 21h30 ainda havia um foco sendo reprimido em frente ao MASP (Museu de Arte de São Paulo).

Até o momento 15 pessoas estão detidas, mas acompanhadas do advogado do Movimento.

Um novo ato foi convocado para esta sexta-feira (dia 7 de junho), às 17h, com concentração no Largo da Batata, próximo ao metrô Faria Lima.

Related Link: http://passapalavra.info/2013/06/78554

img_3130.jpg

img_3318.jpg

This page can be viewed in
English Italiano Deutsch
George Floyd: one death too many in the “land of the free”
© 2005-2021 Anarkismo.net. Unless otherwise stated by the author, all content is free for non-commercial reuse, reprint, and rebroadcast, on the net and elsewhere. Opinions are those of the contributors and are not necessarily endorsed by Anarkismo.net. [ Disclaimer | Privacy ]