user preferences

A direita venezuelana na ofensiva

category venezuela / colombia | a esquerda | opinião / análise author Sunday April 21, 2013 19:53author by Bruno Lima Rocha Report this post to the editors

Os riscos de golpe de Estado seguem sendo reais na Venezuela, incluindo análises midiáticas mais à direita apostando que Nicolás Maduro não irá concluir seu mandato. Para além do chavismo político, as garantias dos direitos adquiridos estão no movimento bolivariano. [English]

venezuela_maduro_capriles.jpg

Nicolás Maduro, presidente eleito da Venezuela, sucessor político indicado por Hugo Chávez, começa seu governo da maneira mais difícil possível. O Conselho Nacional Eleitoral (CNE) proclamou-o chefe do Poder Executivo após totalizar a contagem dos votos em um pleito com a participação de 79,17% dos eleitores. Maduro, à frente do PSUV, obteve 50,75% dos votos (7.563.747) e Henrique Capriles, governador do estado de Miranda representando a Mesa de Unidade Democrática (MUD), recebera 48,97% (7.298.491). Houve elevada abstenção, estando ausente mais de 20% do eleitorado. A novidade é a direita fortalecida, vencendo em sete estados, ao invés de somente em três como nas eleições de dezembro, com Chávez ainda vivo.

A apertada diferença de apenas de 273 mil votos, encoraja a oposição encabeçada pela oligarquia a convocar seu eleitorado a ocupar as ruas e contestar a legitimidade do resultado. O pedido de recontagem é uma forma de pôr em dúvida a transparência de um processo de escrutínio legitimado por órgãos internacionais. Opera como uma manobra para acumulação de forças em dois níveis. Dentro da direita venezuelana, Capriles cria musculatura, legitimando-se como líder inequívoco, sendo a única opção válida para metade do eleitorado do país. Já no confronto com o Palácio Miraflores, afirma poder ser tão duro como seus aliados golpistas de 2002 e 2003. Se puder derrubar o processo eleitoral, causando uma comoção nacional através de recontagem, melhor. Na ausência desta possibilidade, minar a situação agora operando em uma condição nova – a do chavismo sem Chávez -, possibilita uma vitória em referendo revogatório em três anos.

Na arena externa, a margem apertada anima os EUA. O Departamento de Estado, tendo à frente o novo secretário John Kerry, querendo mostrar serviço e obter vitórias político-militares como teve Hillary Clinton, já se antecipou afirmando ver com bons olhos uma recontagem. Que ninguém se assuste com a escalada paulatina de violência de rua e possíveis intentos de fraturas institucionais em governos de estados e prefeituras. O provável é gerarem muita confusão no curto prazo. A meta é essa, tentando impedir Maduro de governar, forçando-o a endurecer com a oposição pela via institucional, através das forças armadas e do aparelho judicial. O procedimento implica em sucessivas comoções nacionais e desabastecimento, fracionamento do PSUV e do alto comando castrense para chegar a criar as condições para um golpe de Estado. Anos difíceis começam.

Bruno Lima Rocha

Related Link: http://estrategiaeanalise.com.br
This page can be viewed in
English Italiano Deutsch
E

Front page

The party is haunting us again

[Colombia] Declaración Constitutiva de Acción Libertaria Estudiantil

Flora Tristán: precursora del feminismo y de la emancipación proletaria

Bil'in - 10 years of persistent joint struggle

In solidarity with the NO TAV struggle

Wave of arrests in Ireland as state tries to break water charges movement

Não se intimidar, não desmobilizar! Toda nossa solidariedade ao companheiro Vicente!

After the election of Syriza in Greece - Power is not in Parliament

[Chile] Movimiento Estudiantil: ¿En dónde debemos enfocar nuestros esfuerzos?

Je ne suis pas Charlie

México en llamas: raíces y perspectivas de una lucha que avanza y la crisis de un sistema político

Sobre la liberación de prisioneros y el restablecimiento de relaciones diplomáticas, por los gobiernos de Cuba y EE.UU.

No to Golden Dawn in Australia!

Abusos y arbitrariedad - retención de JOSÉ A. GUTIÉRREZ, en el bajo Caguán, Caquetá

Could a Revolution Happen in the US?

An Anarchist Communist Reply to ‘Rojava: An Anarcho-Syndicalist Perspective’

Lutar e vencer fora das urnas

In the Rubble of US Imperialism

Elementos da Conjuntura Eleitoral 2014

The experiment of West Kurdistan (Syrian Kurdistan) has proved that people can make changes

[Chile] EL FTEM promueve una serie de “jornadas de debate sindical”

Ukraine: Interview with a Donetsk anarchist

The present confrontation between the Zionist settler colonialist project in Palestine and the indigenous working people

Prisões e mais criminalização marcam o final da Copa do Mundo no Brasil

Venezuela / Colombia | A Esquerda | pt

Tue 31 Mar, 23:30

browse text browse image

Sorry, no stories matched your search, maybe try again with different settings.

imageO legado de Hugo Chávez e os limites da alternativa institucional Mar 23 by Wallace dos Santos de Moraes 0 comments

Para colocar o legado de Chávez no seu lugar é necessário combater algumas teses que não se sustentam. A primeira é propalada por alguns grandes meios de comunicação que teimam em chamá-lo de ditador para baixo e induzir a entendermos que existe uma grande massa de venezuelanos contra o seu governo. Trata-se de conjecturas insustentáveis do ponto de vista factual. O governo Chávez foi o que mais respeitou a Constituição do país e a ampla maioria da população esteve ao seu lado. A segunda tese é defendida pelos chavistas quando afirmam estar em curso na Venezuela uma revolução que seria responsável por estabelecer o “socialismo do século XXI”. Com efeito, de antemão afirmamos que o governo de Chávez não acabou com o capitalismo, nem proporcionou o autogoverno popular. Destarte, não tocou nos principais aspectos da exploração e do absurdo de ser governado por outrem. Assim, já podemos descartar as alusões ao socialismo ou ao poder popular ditas por seus defensores. A Venezuela continua capitalista e com uns governando outros.

imageSobre a Venezuela e ante a morte de Hugo Chávez: Seguir criando Poder Popular!!! Mar 19 by FAU 0 comments

Hoje, o imaginário dos de baixo é mais rico, contém muitas experiências-primas e cruas, e a sua subjetividade é ao mesmo tempo mais complexa. Contém elementos de rebeldia e compreensão geral da injustiça que o rodeia. E assim, por vezes, ganha as ruas. Além disso, sempre resulta mais proveitoso que se esteja participando dos eventos sociais do que esteja em um estado de resignação e alheio ao seu entorno. Como estará o imaginário dos de baixo na Venezuela, quando muito se falou do Poder Popular, quando muito se falou sobre o imperialismo, quando certas formas de participação social têm sido eficazes? O que sabemos é que o quietismo e a resignação não produzem nenhum grau de resistência, a possibilidade está na ação política social real, por mais contraditória e confuso que seja.

imageO legado de Chávez e a encruzilhada bolivariana Mar 09 by Bruno Lima Rocha 0 comments

Fenômenos populares como o da marea roja quando o povo saía a tomar as ruas de Caracas são o termômetro da aceitação e capilaridade das ações sociais do governo Chávez. Qualquer recuo nestas políticas públicas não será aceito pelas maiorias.

imageConsiderações sobre a morte de Hugo Chávez Mar 07 by Bruno Lima Rocha 0 comments

O imaginário coletivo sobre o agora ex-presidente da República Bolivariana da Venezuela se torna o novo desafio para a análise política da América Latina. Pós-chavismo?

imageVenezuela à beira de um ataque de nervos Jan 10 by Bruno Lima Rocha 0 comments

Hugo Chávez em delicado estado de saúde condiciona toda a sociedade venezuelana

more >>
Sorry, no press releases matched your search, maybe try again with different settings.
© 2005-2015 Anarkismo.net. Unless otherwise stated by the author, all content is free for non-commercial reuse, reprint, and rebroadcast, on the net and elsewhere. Opinions are those of the contributors and are not necessarily endorsed by Anarkismo.net. [ Disclaimer | Privacy ]