user preferences

New Events

Internacional

no event posted in the last week
Recent articles by Bruno Lima Rocha

imageO médico e a doença - rentismo e chantagem política 0 comments

imageMandela e a lição para o Brasil 0 comments

imageThe rise of Russia in the international system 0 comments

Recent Articles about Internacional Imperialismo / Guerra

Entrevista com a Comandante do YPG Oct 20 14 by Ersin Çaksu

Aλληλεγγύη στ&#... Oct 19 14 by Σύμπραξη για τον Αναρχικό Κομμουνισμό

Αλληλεγγύη σ ... Oct 17 14 by Ελευθεριακή Πρωτοβουλία Θεσσαλονίκης

A encruzilhada venezuelana e a hegemonia latino-americana

category internacional | imperialismo / guerra | opinião / análise author Friday March 15, 2013 21:24author by Bruno Lima Rocha Report this post to the editors

A verdade dura e crua é que, sem a pressão da Venezuela, o Brasil teria aceitado os planos da Área de Livre Comércio para as Américas (ALCA) e, fatalmente, seríamos sócios minoritários dos EUA na aliança.

mercosurcristinadilmachavezmujica1.jpg

Hugo Chávez faleceu e deixa uma pesada herança política, além de um sucessor indicado pelo líder carismático. Existe alguma semelhança na política venezuelana e a história recente da transição brasileira, que culmina no padrão Macunaíma. Aqui como lá, o vice-presidente toma posse sem que o presidente houvesse feito. Tal vice, José Ribamar Sarney, era do partido da ditadura (primeiro ARENA e depois da reorganização partidária de Golbery, PDS) e compunha chapa com um moderado líder da oposição oficial, Tancredo Neves. Em eleição indireta, a caserna se retirara de cena, embora tenha exercido tutela sobre o mandato tampão que ficara por 5 anos e cujo político maranhense ainda manda no Senado. Ou seja, dentro dos arranjos de transição e traumas políticos.

Já na Venezuela, a eleição de 1998 trazia como vitorioso o ex-golpista de fevereiro de 1992. O militar passa a preso político e, após dois anos de reclusão, sai do xadrez transformado em herói nacional. Desde então, Chávez enfrentou dois golpes de Estado (abril de 2002 e o locaute petroleiro na virada daquele ano) e algumas eleições, incluindo referendos de reformas constitucionais. O caudilho falecido venceu quase todas, sendo que na última, consegue ganhar sem chegar a tomar posse. Internado em Cuba para tratamento de câncer, seu vice, Nicolás Maduro, assumiu de forma provisória, a partir da hegemonia total do chavismo dentro dos poderes do país. Indicado pelo comandante, Maduro torna-se inquestionável, sendo fortalecido pelos novos oficiais-generais, militares profissionais politizados e colegas de turma do falecido tenente-coronel pára-quedista, e que se mostraram leais quando do putsch de 2002. Agora, mais que nunca, sua sobrevida implica na coesão do partido chavista (PSUV) e nesta lealdade dos altos mandos militares. O risco de virada de mesa, embora real, nos próximos meses parece improvável. Ao contrário do que se imaginava na primeira década do século XX, o ciclo de golpes é sempre presente na América Latina.

O paradigma dos golpes de Estado – pela via da legalidade, ou alegação da mesma - está em alta na América Latina, com ênfase na gestão de Hillary Clinton à frente do Departamento de Estado no primeiro governo do democrata Barack Obama. No país alvo do genocídio americano do século XIX não foi diferente. Em 22 de junho de 2012 o então presidente eleito do Paraguai, o ex-bispo Fernando Lugo, foi destituído através de um golpe branco dado pelo parlamento. Votado de forma célere e com pouco ou nenhum direito a defesa, o presidente foi retirado do cargo, afastando a possibilidade de reforma agrária e abrindo o país para instalação de tropas terrestres estadunidenses. O Mercosul, de forma justa e apropriada, suspendeu o Paraguai do bloco, em função do golpe apoiado pelos líderes dos poderes constituídos. E se houver algo semelhante na Venezuela?

Menos de um ano depois e a encruzilhada se encontra lá; país rico e governado pelo ex-tenente coronel pára-quedista, ex-golpista, Hugo Chávez. Se o vice-presidente eleito, Nicolás Maduro, assumir o Executivo de vez a partir da morte de seu líder e não convocar novas eleições presidenciais, todo o Continente estará diante de um impasse da democracia formal e pode pender a balança. Isto é pouco provável, mas o risco sempre é remanente. Já no caso destas eleições ocorrerem, a direita latino-americana, a oligarquia esquálida venezuelana e o Império apostarão todas as suas fichas no combate sistemático das políticas do chavismo (sem Chávez) e do processo bolivariano. A derrota nas urnas da direita de lá é provável, assim como o inevitável desgaste da gestão de Maduro à frente de um PSUV rachado e com disputa de protagonismo com o Brasil na região. E este é outro problema. Para os rumos do Continente, é melhor que o país de Bolívar se mantenha na ofensiva diplomática; graças a este movimento latino-americanista, o maior Estado da região não pôde conceder em demasia para o Império.

A verdade dura e crua é que, sem a pressão da Venezuela, o Brasil teria aceitado os planos da Área de Livre Comércio para as Américas (ALCA) e, fatalmente, seríamos sócios minoritários dos EUA na aliança. Basta recordar novembro de 2005 e a visita de Bush Jr a Montevidéu e São Paulo para lembrar-se dos ocorridos durante e após a Cumbre das Américas em Mar Del Plata. A tendência era um tratado unilateral assinado pela Casa Branca com o governo do uruguaio de Tabaré Vásquez e o prosseguimento das tratativas para o mercado comum integrado ao Império. A política externa agressiva da Venezuela e o pesado investimento no resgate de cadeias produtivas exauridas, tal como o vidro e os pneumáticos no Uruguai, deixara sem espaços para uma integração subordinada. A arena continua aberta e a encruzilhada venezuelana reposiciona toda a América Latina.

Bruno Lima Rocha

Related Link: http://estrategiaeanalise.com.br
This page can be viewed in
English Italiano Deutsch
Verso lo sciopero generale e sociale nel mondo del lavoro, nei territori, nelle piazze

Internacional | Imperialismo / Guerra | pt

Sat 25 Oct, 09:28

browse text browse image

daf_in_kobane.jpg imageEm Shingal, Kobani e em toda a Rojava, o ISIS é Dehak e o Po 12:22 Fri 10 Oct by Devrimci Anarşist Faaliyet - DAF 0 comments

No Curdistão, o povo está lutando contra o ISIS, a "violência propagada" é gerada pelo capitalismo e pelos Estados que iniciam guerras para seus próprios benefícios. O ISIS, subcontratado dos Estados que buscam o lucro na região, está atacando o povo ao gritar "Estado Islâmico" e "Guerra Santa, a Jihad"! O povo está passando fome e sede, adoecendo, migrando e morrendo. Eles ainda estão lutando nesta batalha pela existência. O povo não está lutando por esquemas e estratégias em torno das mesas de reuniões, nem pelo lucro, mas pela sua liberdade.

textA directiva de retorno instaura o fascismo na Europa 02:26 Thu 19 Jun by Colectivo Luta Social 0 comments

textVI Encontro Latino-americano de Organizações Populares Autônomas 18:53 Thu 17 Jan by Comissão Organizadora do VI ELAOPA 0 comments

Texto base para o VI ELAOPA

imageSolidariedade à resistência popular e feminina Curda Oct 15 by Federação Anarquista do Rio de Janeiro (FARJ) 0 comments

A guerra civil na Síria trouxe novos elementos para a conjuntura da região curda. Inspirados em diversas tradições populares de resistência, um setor significativo dos curdos participa de uma experiência que deve ser olhada com atenção por todos os setores revolucionários.
[English]

imageA Aliança do Pacífico e o mito do livre-comércio Jun 02 by Bruno Lima Rocha 0 comments

Os quatro presidentes da nova versão, agora minimalista, da moribunda ALCA, sub-projeto do Império para as Américas

imageEditorial do Caderno Luta Social Nº5 ( Jan. 2010) Jan 16 by Colectivo Luta Social (Portugal) 1 comments

Já se pode baixar em Caderno Luta social Nº5

imagePrêmio Nobel da Guerra Nov 11 by José Antonio Gutiérrez D. 0 comments

Nunca fui muito bom em matemática, mas o seguinte cálculo é bastante exato. Somam-se 10.000 tropas novas no Afeganistão, violações sistemáticas nas ocupações deste país e do Iraque, silêncio cúmplice diante de dois genocídios, um em Gaza e outro no Sri Lanka (onde ainda há 300.000 seres humanos em campos de concentração), um golpe de Estado em Honduras em que a participação norte-americana foi algo que todos sabiam – mas que ninguém quis denunciar diretamente (ainda que o tiro tenha saído pela culatra) –, sete novas bases militares na Colômbia, e o que temos de resultado? Um prêmio Nobel da “Paz” para o presidente dos E.U.A., Barack Obama. [Castellano]

imageUm problema mundial chamado NATO Oct 08 by «Esquerda Desalinhada» 0 comments

A movimentação contra a NATO, para ser eficaz e genuina, terá de ter duas metas:
• Deve incidir sobre o encerramento da NATO, única forma de resolver o problema e criar um ambiente global de paz;
• Deverá unir todos os povos ameaçados pela sua existência, quer integrantes dos países-membros, quer das nações actualmente vítimas das suas intervenções, quer daqueles que se poderão situar na sua linha de mira para actuações próximas

more >>
© 2005-2014 Anarkismo.net. Unless otherwise stated by the author, all content is free for non-commercial reuse, reprint, and rebroadcast, on the net and elsewhere. Opinions are those of the contributors and are not necessarily endorsed by Anarkismo.net. [ Disclaimer | Privacy ]