user preferences

O legado de Chávez e a encruzilhada bolivariana

category venezuela / colombia | a esquerda | opinião / análise author Saturday March 09, 2013 03:36author by Bruno Lima Rocha Report this post to the editors

Fenômenos populares como o da marea roja quando o povo saía a tomar as ruas de Caracas são o termômetro da aceitação e capilaridade das ações sociais do governo Chávez. Qualquer recuo nestas políticas públicas não será aceito pelas maiorias.

movilizaciondelpueblovenezolano.jpg

É impossível pensarmos em uma Venezuela após a morte de Hugo Chávez sem compreender que seu legado simbólico balizará tudo. Antes de terem sido postas em prática suas políticas públicas de amparo, conhecidas como missões sociais (como a Boves, Sucre, Miranda e Bolívar), os royalties do petróleo concentravam 80% do PIB em menos de 20% da população. Após treze anos de governo e as camadas mais pobres do país vivem melhor e tornam-se reserva eleitoral perene. Mudou o Estado e a sociedade.

Mudaram o Estado e sociedade através do método chavista, que traz em si a contradição. Aposta na constitucionalidade possível, apesar de haver entrado na política originalmente pela força. A eleição de 1998 transforma em presidente o ex-golpista de fevereiro de 1992 que era herói nacional. Desde então Chávez enfrentou dois golpes de Estado (abril de 2002 e o locaute petroleiro na virada daquele ano) e algumas eleições (quatro presidenciais) e alguns referendos.

Na urna o caudilho falecido venceu quase tudo, sendo que na última conseguiu ganhar sem chegar a tomar posse. Livrou mais de 11pontos do governador do estado de Miranda, Enrique Capriles. Internado em Cuba para tratamento do câncer já quase em estado terminal, seu vice e herdeiro político indicado, Nicolás Maduro, veio a assumir de forma provisória. Agora, mais que nunca, a sobrevida do sucessor implica na difícil coesão do partido chavista (PSUV) e na lealdade dos altos mandos militares. O risco de virada de mesa é real, mas não para logo.

O mais provável é que Maduro cumpra os prazos constitucionais, convoque eleições para presidente e ganhe de forma esmagadora. A oposição, ou as oposições, são uma rara mescla de cadáveres políticos do período oligárquico (conhecido como Pacto de Punto Fijo) e algumas estrelas em ascensão, como o ainda jovem Enrique Capriles, este também envolvido nas conspirações anteriores.

O grave problema para a continuidade do processo bolivariano é a interna chavista. Qualquer pessoa com contatos na base de movimentos sociais, como meios alternativos e comunitários, movimentos indígenas e afros, bairros bravos de Caracas como o 23 de Enero e a zona de Petare, além do pouco de sindicalismo classista que há, sabe o tamanho do abismo ideológico. A liderança política é pouco afeita à democracia interna e dependia basicamente das relações com o Palácio Miraflores, ou junto ao próprio Chávez. Sem o líder carismático, a tendência no médio prazo é a fragmentação. Até Maduro ser reeleito valerá o lema de Unidade e Disciplina. Na metade de seu governo, veremos o que há de organização social para levar adiante o legado de Chávez.

Bruno Lima Rocha

Related Link: http://estrategiaeanalise.com.br
This page can be viewed in
English Italiano Deutsch
E

Front page

The experiment of West Kurdistan (Syrian Kurdistan) has proved that people can make changes

[Chile] EL FTEM promueve una serie de “jornadas de debate sindical”

Ukraine: Interview with a Donetsk anarchist

The present confrontation between the Zionist settler colonialist project in Palestine and the indigenous working people

Prisões e mais criminalização marcam o final da Copa do Mundo no Brasil

An Anarchist Response to a Trotskyist Attack: Review of “An Introduction to Marxism and Anarchism” by Alan Woods (2011)

هەڵوێستی سەربەخۆی جەماوەر لە نێوان داعش و &

Contra a Copa e a Repressão: Somente a Luta e Organização!

Nota Pública de soldariedade e denúncia

Üzüntümüz Öfkemizin Tohumudur

Uruguay, ante la represión y el abuso policial

To vote or not to vote: Should it be a question?

Mayday: Building A New Workers Movement

Anarchist and international solidarity against Russian State repression

Argentina: Atentado y Amenazas contra militantes sociales de la FOB en Rosario, Santa Fe

Réponses anarchistes à la crise écologique

50 оттенков коричневого

A verdadeira face da violência!

The Battle for Burgos

Face à l’antisémitisme, pour l’autodéfense

Reflexiones en torno a los libertarios en Chile y la participación electoral

Mandela, the ANC and the 1994 Breakthrough: Anarchist / syndicalist reflections

Melissa Sepúlveda "Uno de los desafíos más importantes es mostrarnos como una alternativa real"

On Sectarianism

Venezuela / Colombia | A Esquerda | pt

Mon 01 Sep, 19:27

browse text browse image

Sorry, no stories matched your search, maybe try again with different settings.

imageA direita venezuelana na ofensiva Apr 21 by Bruno Lima Rocha 0 comments

Os riscos de golpe de Estado seguem sendo reais na Venezuela, incluindo análises midiáticas mais à direita apostando que Nicolás Maduro não irá concluir seu mandato. Para além do chavismo político, as garantias dos direitos adquiridos estão no movimento bolivariano. [English]

imageO legado de Hugo Chávez e os limites da alternativa institucional Mar 23 by Wallace dos Santos de Moraes 0 comments

Para colocar o legado de Chávez no seu lugar é necessário combater algumas teses que não se sustentam. A primeira é propalada por alguns grandes meios de comunicação que teimam em chamá-lo de ditador para baixo e induzir a entendermos que existe uma grande massa de venezuelanos contra o seu governo. Trata-se de conjecturas insustentáveis do ponto de vista factual. O governo Chávez foi o que mais respeitou a Constituição do país e a ampla maioria da população esteve ao seu lado. A segunda tese é defendida pelos chavistas quando afirmam estar em curso na Venezuela uma revolução que seria responsável por estabelecer o “socialismo do século XXI”. Com efeito, de antemão afirmamos que o governo de Chávez não acabou com o capitalismo, nem proporcionou o autogoverno popular. Destarte, não tocou nos principais aspectos da exploração e do absurdo de ser governado por outrem. Assim, já podemos descartar as alusões ao socialismo ou ao poder popular ditas por seus defensores. A Venezuela continua capitalista e com uns governando outros.

imageSobre a Venezuela e ante a morte de Hugo Chávez: Seguir criando Poder Popular!!! Mar 19 by FAU 0 comments

Hoje, o imaginário dos de baixo é mais rico, contém muitas experiências-primas e cruas, e a sua subjetividade é ao mesmo tempo mais complexa. Contém elementos de rebeldia e compreensão geral da injustiça que o rodeia. E assim, por vezes, ganha as ruas. Além disso, sempre resulta mais proveitoso que se esteja participando dos eventos sociais do que esteja em um estado de resignação e alheio ao seu entorno. Como estará o imaginário dos de baixo na Venezuela, quando muito se falou do Poder Popular, quando muito se falou sobre o imperialismo, quando certas formas de participação social têm sido eficazes? O que sabemos é que o quietismo e a resignação não produzem nenhum grau de resistência, a possibilidade está na ação política social real, por mais contraditória e confuso que seja.

imageConsiderações sobre a morte de Hugo Chávez Mar 07 by Bruno Lima Rocha 0 comments

O imaginário coletivo sobre o agora ex-presidente da República Bolivariana da Venezuela se torna o novo desafio para a análise política da América Latina. Pós-chavismo?

imageVenezuela à beira de um ataque de nervos Jan 10 by Bruno Lima Rocha 0 comments

Hugo Chávez em delicado estado de saúde condiciona toda a sociedade venezuelana

more >>
Sorry, no press releases matched your search, maybe try again with different settings.
© 2005-2014 Anarkismo.net. Unless otherwise stated by the author, all content is free for non-commercial reuse, reprint, and rebroadcast, on the net and elsewhere. Opinions are those of the contributors and are not necessarily endorsed by Anarkismo.net. [ Disclaimer | Privacy ]