user preferences

Considerações sobre a morte de Hugo Chávez

category venezuela / colombia | a esquerda | opinião / análise author Thursday March 07, 2013 01:45author by Bruno Lima Rocha Report this post to the editors

O imaginário coletivo sobre o agora ex-presidente da República Bolivariana da Venezuela se torna o novo desafio para a análise política da América Latina. Pós-chavismo?

chavezmural.jpg

Para refletir. A Venezuela se encontra diante de um impasse. Na arena externa, o vice-presidente em exercício, Nicolás Maduro, teve de expulsar dois diplomatas dos Estados Unidos hoje, pouco antes do anúncio do falecimento de Hugo Rafael Chávez Frías. Ou a inteligência do país, auxiliada de fato pelo G2 (serviços de inteligência cubanos), de fato identificaram sondagens nas FFAA (o que ocorre sempre), ou então se tratou de manobra diversionista. Mas a probabilidade de alguma articulação para desestabilizar o país é bem alta.

Pouco depois, foi anunciada a morte de Hugo Chávez. Na semana passada, o baita jornalista Elias Aredes Junior me perguntou exatamente se eu achava que Chávez voltara à sua terra natal para falecer? Entendo que sim. Já terminal, optou por morrer no país e com isso ajudar o condicionamento da sucessão. O problema não reside aí, e sim nas múltiplas possibilidades de cenários no futuro próximo.

A cancha está aberta...

Projetando cenários para a Venezuela pós-Chávez

1) Cabello assume como presidente do Poder Legislativo e Maduro concorre pelo PSUV; já Capriles, pela oposição unificada. Seria uma eleição única, onde o Departamento de Estado e o continente, além dos capitais Ibero-americanos e as petroleiras, estarão presentes.

2) Maduro garante o exercício do Poder Executivo e não transfere no prazo constitucional o poder para o Parlamento. A oposição ameaça não participar do processo. Neste caso, o papel das FFAA é fundamental para a manutenção chavista do poder.

3) O PSUV racha e a oposição também. Este cenário é muito improvável, mas pode vir a ocorrer no campo da oposição, caso a direita não tenha uma eleição agendada para logo. No caso, a cancha fica aberta, inclusive com maior agressividade do Império.

4) Mesmo que Nicolás Maduro saia vencedor das eleições marcadas - o mais provável - abre-se uma segunda rodada no exercício do poder pelo líder chavista. A interna do PSUV está terrível e pode haver racha interno; mas isto seria após uma provável vitória nas urnas.

PSUV no poder

Para concluir a primeira projeção, lembro do populismo na Argentina.

O peronismo sem Perón é diferente do peronismo com Juan Domingo, o que também já não era muita coisa diante das propostas de juventude de esquerda que se somou ao movimento no final dos anos '60. No caso venezuelano, a reprodução da cultura política do país por dentro do PSUV (formado por caudilhos e mesmo politiqueiros reconvertidos, os setores são chamados de direita endógena) é marcante. O problema seria a quebra do pacto.

O PSUV existe em função de Chávez. Na sua ausência, a dimensão ideológica não é tão forte como a conveniência de estar bem com o Executivo. Hoje existem diversos peronismos e existirão diversos chavismos em um par de anos. O mais provável é que, até as próximas eleições, nada venha a ocorrer. Até porque a tendência é que Maduro seja o candidato oficial e vença nas urnas.

Mas se o PSUV perder, dificilmente a direita leva o poder, mesmo que o ganhe nas urnas. Seria também uma quebra de pacto, assim como os rasgos de constitucionalidade se rompem ao não serem convocadas as eleições nos prazos legais. O chavismo sempre se baseou na legalização e constitucionalização do processo, quase sempre deixando como pauta do longuíssimo prazo, ou da terra do nunca, o câmbio social profundo ou o problema da sucessão.

Agora o problema chegou e a balança só pode pender para o processo bolivariano se houver um grau elevado de unidade pelas forças sociais - como rádios comunitárias, o que existe de sindicalismo combativo, movimento indígena, palenqueros (equivale a quilombolas) e o que sobrou da comunidade urbana organizada e mobilizada em Caracas e nos estados vizinhos.

Neste último caso, repousa o controle sobre e das milícias. Se este controle estiver com as lideranças - duvidosas em sua maioria - do PSUV, tudo pode acontecer inclusive durante o provável governo de Maduro. Já se este controle estiver com a parte mais radicalizada dos diversos movimentos bolivarianos, como Tupamaros, Andrés Vive, Comunidades al Mando, Frente Campesina Zamora, entre outro, aí existe alguma chance de câmbio profundo, desde que não se instale um cenário onde as FFAA reprimam diretamente o movimento popular, ao menos não num primeiro momento.

No momento, as urgências dizem respeito ao fato de serem ou não convocadas eleições e se antecipar aos movimentos do Depto de Estado, da mídia palangrista e dos esquálidos. Mas isso é agora; o médio prazo é logo ali, assim que Maduro assumir o poder pelas urnas (de novo).

Bruno Lima Rocha

Related Link: http://estrategiaeanalise.com.br
This page can be viewed in
English Italiano Deutsch
Issue #3 of the Newsletter of the Tokologo African Anarchist Collective

Front page

Elementos da Conjuntura Eleitoral 2014

The experiment of West Kurdistan (Syrian Kurdistan) has proved that people can make changes

[Chile] EL FTEM promueve una serie de “jornadas de debate sindical”

Ukraine: Interview with a Donetsk anarchist

The present confrontation between the Zionist settler colonialist project in Palestine and the indigenous working people

Prisões e mais criminalização marcam o final da Copa do Mundo no Brasil

An Anarchist Response to a Trotskyist Attack: Review of “An Introduction to Marxism and Anarchism” by Alan Woods (2011)

هەڵوێستی سەربەخۆی جەماوەر لە نێوان داعش و &

Contra a Copa e a Repressão: Somente a Luta e Organização!

Nota Pública de soldariedade e denúncia

Üzüntümüz Öfkemizin Tohumudur

Uruguay, ante la represión y el abuso policial

To vote or not to vote: Should it be a question?

Mayday: Building A New Workers Movement

Anarchist and international solidarity against Russian State repression

Argentina: Atentado y Amenazas contra militantes sociales de la FOB en Rosario, Santa Fe

Réponses anarchistes à la crise écologique

50 оттенков коричневого

A verdadeira face da violência!

The Battle for Burgos

Face à l’antisémitisme, pour l’autodéfense

Reflexiones en torno a los libertarios en Chile y la participación electoral

Mandela, the ANC and the 1994 Breakthrough: Anarchist / syndicalist reflections

Melissa Sepúlveda "Uno de los desafíos más importantes es mostrarnos como una alternativa real"

Venezuela / Colombia | A Esquerda | pt

Mon 22 Sep, 02:11

browse text browse image

Sorry, no stories matched your search, maybe try again with different settings.

imageA direita venezuelana na ofensiva Apr 21 by Bruno Lima Rocha 0 comments

Os riscos de golpe de Estado seguem sendo reais na Venezuela, incluindo análises midiáticas mais à direita apostando que Nicolás Maduro não irá concluir seu mandato. Para além do chavismo político, as garantias dos direitos adquiridos estão no movimento bolivariano. [English]

imageO legado de Hugo Chávez e os limites da alternativa institucional Mar 23 by Wallace dos Santos de Moraes 0 comments

Para colocar o legado de Chávez no seu lugar é necessário combater algumas teses que não se sustentam. A primeira é propalada por alguns grandes meios de comunicação que teimam em chamá-lo de ditador para baixo e induzir a entendermos que existe uma grande massa de venezuelanos contra o seu governo. Trata-se de conjecturas insustentáveis do ponto de vista factual. O governo Chávez foi o que mais respeitou a Constituição do país e a ampla maioria da população esteve ao seu lado. A segunda tese é defendida pelos chavistas quando afirmam estar em curso na Venezuela uma revolução que seria responsável por estabelecer o “socialismo do século XXI”. Com efeito, de antemão afirmamos que o governo de Chávez não acabou com o capitalismo, nem proporcionou o autogoverno popular. Destarte, não tocou nos principais aspectos da exploração e do absurdo de ser governado por outrem. Assim, já podemos descartar as alusões ao socialismo ou ao poder popular ditas por seus defensores. A Venezuela continua capitalista e com uns governando outros.

imageSobre a Venezuela e ante a morte de Hugo Chávez: Seguir criando Poder Popular!!! Mar 19 by FAU 0 comments

Hoje, o imaginário dos de baixo é mais rico, contém muitas experiências-primas e cruas, e a sua subjetividade é ao mesmo tempo mais complexa. Contém elementos de rebeldia e compreensão geral da injustiça que o rodeia. E assim, por vezes, ganha as ruas. Além disso, sempre resulta mais proveitoso que se esteja participando dos eventos sociais do que esteja em um estado de resignação e alheio ao seu entorno. Como estará o imaginário dos de baixo na Venezuela, quando muito se falou do Poder Popular, quando muito se falou sobre o imperialismo, quando certas formas de participação social têm sido eficazes? O que sabemos é que o quietismo e a resignação não produzem nenhum grau de resistência, a possibilidade está na ação política social real, por mais contraditória e confuso que seja.

imageO legado de Chávez e a encruzilhada bolivariana Mar 09 by Bruno Lima Rocha 0 comments

Fenômenos populares como o da marea roja quando o povo saía a tomar as ruas de Caracas são o termômetro da aceitação e capilaridade das ações sociais do governo Chávez. Qualquer recuo nestas políticas públicas não será aceito pelas maiorias.

imageVenezuela à beira de um ataque de nervos Jan 10 by Bruno Lima Rocha 0 comments

Hugo Chávez em delicado estado de saúde condiciona toda a sociedade venezuelana

more >>
Sorry, no press releases matched your search, maybe try again with different settings.
© 2005-2014 Anarkismo.net. Unless otherwise stated by the author, all content is free for non-commercial reuse, reprint, and rebroadcast, on the net and elsewhere. Opinions are those of the contributors and are not necessarily endorsed by Anarkismo.net. [ Disclaimer | Privacy ]