user preferences

Considerações sobre a morte de Hugo Chávez

category venezuela / colombia | a esquerda | opinião / análise author Thursday March 07, 2013 01:45author by Bruno Lima Rocha Report this post to the editors

O imaginário coletivo sobre o agora ex-presidente da República Bolivariana da Venezuela se torna o novo desafio para a análise política da América Latina. Pós-chavismo?

chavezmural.jpg

Para refletir. A Venezuela se encontra diante de um impasse. Na arena externa, o vice-presidente em exercício, Nicolás Maduro, teve de expulsar dois diplomatas dos Estados Unidos hoje, pouco antes do anúncio do falecimento de Hugo Rafael Chávez Frías. Ou a inteligência do país, auxiliada de fato pelo G2 (serviços de inteligência cubanos), de fato identificaram sondagens nas FFAA (o que ocorre sempre), ou então se tratou de manobra diversionista. Mas a probabilidade de alguma articulação para desestabilizar o país é bem alta.

Pouco depois, foi anunciada a morte de Hugo Chávez. Na semana passada, o baita jornalista Elias Aredes Junior me perguntou exatamente se eu achava que Chávez voltara à sua terra natal para falecer? Entendo que sim. Já terminal, optou por morrer no país e com isso ajudar o condicionamento da sucessão. O problema não reside aí, e sim nas múltiplas possibilidades de cenários no futuro próximo.

A cancha está aberta...

Projetando cenários para a Venezuela pós-Chávez

1) Cabello assume como presidente do Poder Legislativo e Maduro concorre pelo PSUV; já Capriles, pela oposição unificada. Seria uma eleição única, onde o Departamento de Estado e o continente, além dos capitais Ibero-americanos e as petroleiras, estarão presentes.

2) Maduro garante o exercício do Poder Executivo e não transfere no prazo constitucional o poder para o Parlamento. A oposição ameaça não participar do processo. Neste caso, o papel das FFAA é fundamental para a manutenção chavista do poder.

3) O PSUV racha e a oposição também. Este cenário é muito improvável, mas pode vir a ocorrer no campo da oposição, caso a direita não tenha uma eleição agendada para logo. No caso, a cancha fica aberta, inclusive com maior agressividade do Império.

4) Mesmo que Nicolás Maduro saia vencedor das eleições marcadas - o mais provável - abre-se uma segunda rodada no exercício do poder pelo líder chavista. A interna do PSUV está terrível e pode haver racha interno; mas isto seria após uma provável vitória nas urnas.

PSUV no poder

Para concluir a primeira projeção, lembro do populismo na Argentina.

O peronismo sem Perón é diferente do peronismo com Juan Domingo, o que também já não era muita coisa diante das propostas de juventude de esquerda que se somou ao movimento no final dos anos '60. No caso venezuelano, a reprodução da cultura política do país por dentro do PSUV (formado por caudilhos e mesmo politiqueiros reconvertidos, os setores são chamados de direita endógena) é marcante. O problema seria a quebra do pacto.

O PSUV existe em função de Chávez. Na sua ausência, a dimensão ideológica não é tão forte como a conveniência de estar bem com o Executivo. Hoje existem diversos peronismos e existirão diversos chavismos em um par de anos. O mais provável é que, até as próximas eleições, nada venha a ocorrer. Até porque a tendência é que Maduro seja o candidato oficial e vença nas urnas.

Mas se o PSUV perder, dificilmente a direita leva o poder, mesmo que o ganhe nas urnas. Seria também uma quebra de pacto, assim como os rasgos de constitucionalidade se rompem ao não serem convocadas as eleições nos prazos legais. O chavismo sempre se baseou na legalização e constitucionalização do processo, quase sempre deixando como pauta do longuíssimo prazo, ou da terra do nunca, o câmbio social profundo ou o problema da sucessão.

Agora o problema chegou e a balança só pode pender para o processo bolivariano se houver um grau elevado de unidade pelas forças sociais - como rádios comunitárias, o que existe de sindicalismo combativo, movimento indígena, palenqueros (equivale a quilombolas) e o que sobrou da comunidade urbana organizada e mobilizada em Caracas e nos estados vizinhos.

Neste último caso, repousa o controle sobre e das milícias. Se este controle estiver com as lideranças - duvidosas em sua maioria - do PSUV, tudo pode acontecer inclusive durante o provável governo de Maduro. Já se este controle estiver com a parte mais radicalizada dos diversos movimentos bolivarianos, como Tupamaros, Andrés Vive, Comunidades al Mando, Frente Campesina Zamora, entre outro, aí existe alguma chance de câmbio profundo, desde que não se instale um cenário onde as FFAA reprimam diretamente o movimento popular, ao menos não num primeiro momento.

No momento, as urgências dizem respeito ao fato de serem ou não convocadas eleições e se antecipar aos movimentos do Depto de Estado, da mídia palangrista e dos esquálidos. Mas isso é agora; o médio prazo é logo ali, assim que Maduro assumir o poder pelas urnas (de novo).

Bruno Lima Rocha

Related Link: http://estrategiaeanalise.com.br
This page can be viewed in
English Italiano Deutsch
Revista "Socialismo Libertário" num. 2

Latest News

Venezuela / Colombia | A Esquerda | pt

Thu 17 Apr, 09:02

browse text browse image

Sorry, no stories matched your search, maybe try again with different settings.

Press Releases

Sorry, no press releases matched your search, maybe try again with different settings.
© 2005-2014 Anarkismo.net. Unless otherwise stated by the author, all content is free for non-commercial reuse, reprint, and rebroadcast, on the net and elsewhere. Opinions are those of the contributors and are not necessarily endorsed by Anarkismo.net. [ Disclaimer | Privacy ]