user preferences

New Events

Brazil/Guyana/Suriname/FGuiana

no event posted in the last week

La Izquierda

textLa Venganza de Salem 06:50 May 31 0 comments

textThe Family-Party-State Nexus in Nicaragua 03:06 May 10 0 comments

textHeyday for Nepali Communists 19:48 Jan 10 0 comments

imageRecuerdos en resistencia 20:57 Dec 02 0 comments

textDemocracia virtual 06:28 Nov 22 0 comments

more >>

Eduardo Campos e a base “aliada”

category brazil/guyana/suriname/fguiana | la izquierda | opinión / análisis author Tuesday March 05, 2013 03:20author by Bruno Lima Rocha Report this post to the editors

Aliados de longa data, o governador de Pernambuco Eduardo Campos (PSB) e a presidenta Dilma Rousseff, ex-pedetista hoje na legenda de Luiz Inácio, podem tornar-se opositores em 2014.
eduardo_campos_e_dilma.jpg

Circula pelos meios políticos e na cobertura especializada uma espécie de ante-sala das prévias eleitorais de 2014. Logo após o término do pleito municipal do ano passado, a direção nacional do PSB – aliado de longa data do PT – viu-se diante de uma nova circunstância. As vitórias municipais do partido histórico de Miguel Arraes e a apreciação do governador pernambucano Eduardo Campos poderiam criar condições para reproduzir a corrida eleitoral de 2002. Onze anos atrás quase que a eleição aponta um terceiro candidato como azarão.

À época, o ex-governador do Rio, Anthony Garotinho, correu pelo PSB assim como Ciro Gomes, ex-tucano convertido para posições de centro-esquerda, concorreu pelo PPS com o apoio do PDT e da Força Sindical. O cenário só não ficou mais bagunçado no rumo do “centro” da política, porque com a presença de José Serra, ainda que secundado pela então deputada federal capixaba Rita Camata (PMDB), toda eleição tornou-se tensa e polarizada. Passada uma década e após a ampliação da base aliada através dos custos da tal da governabilidade (por dentro e com rubrica), o governo da ex-guerrilheira encontra-se perto de um início de ruptura interna. Não se trata apenas da naturalizada antecipação de alianças eleitorais e da legítima pretensão de liderança por partidos políticos. O tema de fundo é a ausência de diferenciação programática e, pior, de prática política.

Qualquer estudante de ciência política ou áreas afins deve conhecer uma das bases do jogo de alianças baseado na interação estratégia: “o amigo do meu amigo pode ser meu amigo, o inimigo do meu inimigo pode ser meu amigo e o amigo do meu inimigo pode ser meu inimigo”. O problema na atual “governabilidade” é que quase todos podem ser quase tudo, havendo pouca ou nenhuma diferenciação entre legendas, lideranças e formas de conduta. Neste país, quem ocupa a aliança de situação posiciona-se de forma transitória, tal e como os postos da oposição. Materializa esta análise as migrações partidárias e a criação do PSD, racha do DEM por executor das tradições udenistas e agora a legenda de ocasião da ex-ministra Marina Silva.

Quando todos podem ser “amigos” e quase ninguém quer ser “inimigo”, o cenário político é confuso e esvaziado. É nesta fauna de alianças ocasionais e legendas sem coesão interna que pode aparecer uma “nova” figura de proa, de dentro da base do governo, a exemplo de Eduardo Campos, levando de roldão uma parte considerável da base “aliada”, começando por peemedebistas.

Bruno Lima Rocha

Related Link: http://estrategiaeanalise.com.br
This page can be viewed in
English Italiano Deutsch
Rojava: Mensaje urgente de un compañero anarquista en Afrin

Front page

[Colombia] Perspectivas sobre la primera vuelta de las elecciones presidenciales de Colombia 2018

Call for Solidarity with our Russian Comrades!

8 reasons anarchists are voting Yes to Repeal the hated 8th

Comunicado de CGT sobre la Nakba, 70 años de dolores para el Pueblo Palestino

[ZAD] Les expulsions ont commencé, la zad appelle à se mobiliser

Assassinato Político, Terrorismo de Estado: Marielle Franco, Presente!

La Huelga General del 8 de Marzo, un hito histórico

A intervenção federal no Rio de Janeiro e o xadrez da classe dominante

Halklarla Savaşan Devletler Kaybedecek

Σχετικά με τον εμπρησμό

Ciao, Donato!

[Uruguay] Ante el homicidio de un militante sindical: Marcelo Silvera

[Argentina] Terrorista es el Estado: Comunicado ante el Informe Titulado "RAM"

[Catalunya] Continuisme o ruptura. Sobre les eleccions del 21D

Reconnaissance par Trump de Jérusalem comme capitale d'Israël : de l'huile sur le feu qui brûle la Palestine

Noi comunisti anarchici/libertari nella lotta di classe, nell'Europa del capitale

Luttons contre le harcèlement et toutes les violences patriarcales !

The Old Man and the Coup

Hands off the anarchist movement ! Solidarity with the FAG and the anarchists in Brazil !

URGENTE! Contra A Criminalização, Rodear De Solidariedade Aos Que Lutam!

¡Santiago Maldonado Vive!

Catalunya como oportunidad (para el resto del estado)

La sangre de Llorente, Tumaco: masacre e infamia

Triem Lluitar, El 3 D’octubre Totes I Tots A La Vaga General

© 2005-2018 Anarkismo.net. Unless otherwise stated by the author, all content is free for non-commercial reuse, reprint, and rebroadcast, on the net and elsewhere. Opinions are those of the contributors and are not necessarily endorsed by Anarkismo.net. [ Disclaimer | Privacy ]