user preferences

New Events

Brazil/Guyana/Suriname/FGuiana

no event posted in the last week

Lula, Dirceu e a cultura de “esquerda”

category brazil/guyana/suriname/fguiana | a esquerda | opinião / análise author Thursday December 27, 2012 21:22author by Bruno Lima Rocha Report this post to the editors

O que estes dois homens fizeram de suas próprias trajetórias? Que cultura política é esta?

lula_dirceu_rindo_primeiro_governo.jpg

No dia 22 de dezembro o ex-ministro José Dirceu de Oliveira Silva recebeu uma colunista da Folha de São Paulo cedo em seu apartamento. Dentre os trechos de conversa reproduzidos pelo jornal dos Frias, me chama a atenção justo o que já fora destacado como editorial da Carta Maior, portal este de apoio crítico ao governo. O ex-guerrilheiro ressalta a falha de seu partido ao não criar “uma comunicação e uma cultura de esquerda no país. Até nos Estados Unidos tem isso, jornais de esquerda, teatro de esquerda, cinema de esquerda. É uma esquerda diferente, deles, mas que é totalmente contra a direita. Aqui no Brasil não temos nada disso.”

Embora esta reflexão seja válida, e justificada, parece outra saída tática. Parodiando nosso poeta maior, vale perguntar: “Só agora José?!” Sim, porque dez anos após a ascensão da maior liderança popular da história do Brasil, chegando ao Planalto através de um pacto de classe assinado na Carta ao Povo Brasileiro, fica difícil crer nisso. Ou a compreensão de cultura do “capa preta maior” não passa de um verniz estético; ou então a geração de dirigentes petistas não entendeu nada do que leu (se leram) do conceito de cultura de classe, operando como norma e código de conduta.

Soa como pastiche imaginar uma produção cultural contestadora em um país onde a melhoria das condições de vida não passou nem perto do aumento da mobilização social. Ao contrário dos demais governos de centro-esquerda da América Latina, aqui a disputa se reduziu à arena política, isolando a luta econômica ao emprego direto e a criação de kits de felicidades para o empresariado nacional. Já na frente ideológica, ocorreu a inversão de papéis. Tal como na obra de George Orwell, a nova elite dirigente da granja se identifica com os antigos inimigos. Por fim, a contradição é tamanha, que nem as boas políticas do Ministério da Cultura, quando dirigido por Gilberto Gil ou Juca Ferreira, jamais receberam orçamento e apoios necessários para seu bom desenvolvimento. Qualquer um que conheça minimamente a escassez de recursos da Teia ou dos Pontos de Cultura concordará com a crítica.

É duro admitir, mas a “cultura” promovida nos últimos dez anos, embora não fosse elitizada, promoveu o “bastantão”. Consumo suntuoso, lixo cultural em larga escala, emprego direto e desmobilização social. Os valores circulando são conservadores, a adesão ao sistema é integral e os setores dominantes nada têm com que se preocupar com Lula, e agora Dilma, à frente do Poder Executivo.

Bruno Lima Rocha

Related Link: http://estrategiaeanalise.com.br
This page can be viewed in
English Italiano Deutsch
E

Brazil/Guyana/Suriname/FGuiana | A Esquerda | pt

Fri 01 Aug, 05:45

browse text browse image

ix_elaopa.jpg imageIX ELAOPA, Encontro Latino Americano de Organizações Populares Autônomas 04:12 Fri 10 Dec by ELAOPA 0 comments

O ELAOPA (Encontro Latino-Americano de Organizações Populares Autônomas) reúne, anualmente, organizações sociais pautadas na luta de classes e na identidade dos povos originais da América Latina, a partir dos seguintes princípios: democracia de base, solidariedade de classe, luta popular e autonomia dos oprimidos e dos povos originários. Autonomia em relação aos partidos políticos, ao Estado e seus governos, às ONGs, às empresas, e a todos aqueles que querem oprimir. O ELAOPA proporciona o espaço para o debate visando a convergência de ações políticas no intuito de criar o Poder Popular.

textEm defesa da autonomia dos movimentos sociais! 16:47 Thu 24 May by Rusga Libertária 0 comments

Passamos hoje um momento de crise dentro dos movimentos sociais onde se discute o governismo de várias entidades e a cooptação destas pelos projetos lulistas. Busca-se alternativas para uma nova organização dos trabalhadores que não seja refém de práticas governistas e partidárias. Essa questão acaba passando dentro do CLTP (talvez um dos movimentos sociais mais fortes em Cuiabá nos últimos dois anos).

imageTrês lições políticas dos protestos no Brasil Jul 07 by Bruno Lima Rocha 0 comments

O Brasil não será como antes, não ao menos em termos de cultura política. Após dez anos de pasmaceira e vinte e um anos sem manifestações massivas, o país se reencontra com a luta política de rua e de massas. Algumas lições foram transmitidas, dentre as quais elenco três.

imageDeixemos todas as bandeiras vermelhas levantadas... Mas as bandeiras rubro-negras exigem respeito! Jul 05 by Rafael Viana da Silva, Bruno Lima Rocha, Felipe Corrêa 0 comments

O que exigimos é respeito e, para isso, um debate franco é o melhor caminho que podemos trilhar. Sem ignorar nossos princípios ideológicos e as experiências históricas relevantes, nas quais cerramos fileiras com outras tradições da esquerda ou fomos traídos, o anarquismo tem um papel importante a cumprir no conjunto mais amplo do socialismo.

imagePartidos de mentirinha e a política do cinismo May 25 by Bruno Lima Rocha 0 comments

O cinismo e a hipocrisia política é parte estruturante do jogo de cenas construído entre legendas sem distinção ideológica ou programática

imageQuando os cardeais do Congresso falam o óbvio May 06 by Bruno Lima Rocha 0 comments

Renan deu a dica, apontando o caminho através da lógica de um cardeal do Congresso acostumado a legislar em causa própria e de seus pares.

imageReforma política e democracia participativa Apr 05 by Bruno Lima Rocha 0 comments

Se a possibilidade de tramitação de projeto lei de iniciativa popular chegar a ser aprovada, podendo incidir em todos os níveis da legislação, então teremos um pequeno avanço concreto na democracia realmente existente

more >>

textEm defesa da autonomia dos movimentos sociais! May 24 Construindo o Fórum do Anarquismo Organizado 0 comments

Passamos hoje um momento de crise dentro dos movimentos sociais onde se discute o governismo de várias entidades e a cooptação destas pelos projetos lulistas. Busca-se alternativas para uma nova organização dos trabalhadores que não seja refém de práticas governistas e partidárias. Essa questão acaba passando dentro do CLTP (talvez um dos movimentos sociais mais fortes em Cuiabá nos últimos dois anos).

© 2005-2014 Anarkismo.net. Unless otherwise stated by the author, all content is free for non-commercial reuse, reprint, and rebroadcast, on the net and elsewhere. Opinions are those of the contributors and are not necessarily endorsed by Anarkismo.net. [ Disclaimer | Privacy ]