user preferences

New Events

Brazil/Guyana/Suriname/FGuiana

no event posted in the last week

O coronelismo eletrônico e a governabilidade

category brazil/guyana/suriname/fguiana | cultura | opinião / análise author Wednesday December 26, 2012 20:56author by Bruno Lima Rocha Report this post to the editors

O conceito de "coronelismo eletrônico"

midia_coroneis.jpg

Este ano encerra com alguns fatos marcantes na política brasileira. Parece que finalmente, Luiz Inácio vira alvo de denúncias materialmente prováveis. Já o STF conclui um julgamento processado por longos sete anos e a ação penal 470 pune e condena aos membros do chamado Mensalão. E, como sempre, cortinas de fumaça tergiversam sobre um tema básico da democracia contemporânea. A liberdade de expressão, comunicação e informação estão asseguradas no Art.220 do Título VIII do Capítulo V da Constituição Federal de 1988. Mas, ao contrário deste artigo, outros estão fora do debate público. Por quê?

Uma das causas é a maioria a compor o famigerado presidencialismo de coalizão. Para os preocupados em ver no Brasil a reprodução da acertada Lei de Meios da Argentina, ou a Lei de Responsabilidade Social no Rádio e TV (Resorte) venezuelana, afirmo não haver motivo algum para o temor. Basta fazer as contas para compreender a razão. Nos anos ’90, a banda Paralamas do Sucesso gravou o hit “Luís Inácio”, onde o refrão dizia haver “300 picaretas com anel de doutor”. Pois, com ou sem picaretagem, o fato é que a mesma maioria da tal da governabilidade conta com proprietários de meios de comunicação em escala regional ou nos estados.

O conceito clássico é o coronelismo eletrônico, assinado pelo professor Venício Lima da UnB. Este acadêmico brasileiro o desenvolve a partir das idéias de Raymundo Faoro e Victor Nunes Leal, onde o mandonismo e os coronéis estaduais são reeditados na forma de controladores de empresas produtoras de bens simbólicos, não por acaso retransmissoras das cabeças de rede e concessionárias de serviço público. A linha editorial destes conglomerados costuma ser bastante promíscua, sendo que os departamentos de jornalismo de algumas afiliadas da empresa líder foram alvo de justa intervenção da matriz no início deste século. Personificam esta triste maioria da máquina eleitoral pós-socialista do PT as relações com a família Sarney e Collor de Mello. Outrora adversárias estas oligarquias hoje são aliadas do partido de governo, e, simultaneamente, donas de meios eletrônicos e impressos.

Como não se imagina uma fração de classe dominante, dublê de elite dirigente e proprietária, vir a legislar contra seus interesses, os opositores do governo de turno não tem o que temer. Assim como a reforma agrária e a urbana, este é um tema tabu e não será tocado por Dilma Rousseff. No momento, bater na mídia privada é apenas uma pauta de ocasião e não é nada programática.

Bruno Lima Rocha

Related Link: http://www.estrategiaeanalise.com.br
This page can be viewed in
English Italiano Deutsch
Issue #3 of the Newsletter of the Tokologo African Anarchist Collective

Brazil/Guyana/Suriname/FGuiana | Cultura | pt

Tue 21 Oct, 21:36

browse text browse image

textBiblioteca Comunitaria Anarquista 00:45 Mon 17 Apr by Coletivo Comunista Anarquista 0 comments

Fundada a Biblioteca Comunitaria Anarquista em Feira de Santana.

publicar04.jpg image[Goiânia] Fotos de ações relacionadas ao 8 de Março 12:25 Tue 28 Mar by RFR 0 comments

Segue fotos das ações realizadas em relação ao dia 8 de Março em Goiânia.

imageDebatendo a política de comunicação pública Apr 12 by Bruno Lima Rocha 0 comments

Paulo Bernardo Silva, ex-dirigente sindical bancário, materializa o conceito de que a política profissional é uma fábrica de traidores de classe. O ministro das Comunicações de Dilma faz justiça a “nobre” estirpe de ACM e Hélio Costa na defesa dos interesses dos capitais à frente da pasta.

imagePolítica e mídia no Brasil: interseções para uma análise histórico-estruturante Mar 05 by Valério Brittos, Bruno Lima Rocha e Thiago Eloy Zaidan 0 comments

Este trabalho condensa alguns momentos da mídia brasileira, relacionando sua plataforma (impressa, radiofônica ou televisiva; analógica ou digital), o salto tecnológico para dominar esta cadeia de valor de bens simbólicos e a relação com a conformação de classe dominante, centrando o eixo de análise na capacidade de (des)regulação do Estado brasileiro. Assim, desenvolve um recorde histórico (sem chegar-se a uma periodização finalizada), no âmbito da Economia Política da Comunicação (EPC), desta forma considerando a apropriação dos recursos comunicacionais no capitalismo, utilizados preferencialmente para sustentação e reprodução do sistema, sendo periféricas as experiências não-hegemônicas desenvolvidas.

imageO Choque de capitalismo, segundo Veja Aug 16 by Bruno Lima Rocha 0 comments

"Veja" se supera, mais uma vez, demonstrando de forma editorializada uma reportagem recheada de fontismos sem fim.

imageMídia e política no país dos absurdos May 20 by Bruno Lima Rocha 0 comments

"Golpistas" e "governistas" exacerbaram suas diferenças a partir do caso Cachoeira.

imageOs impérios do esporte continuam May 18 by Anderson Santos, Dijair Brilhantes e Bruno Lima Rocha 0 comments

A América do Sul está cheia de "Poderosos Chefões"

more >>
Sorry, no press releases matched your search, maybe try again with different settings.
© 2005-2014 Anarkismo.net. Unless otherwise stated by the author, all content is free for non-commercial reuse, reprint, and rebroadcast, on the net and elsewhere. Opinions are those of the contributors and are not necessarily endorsed by Anarkismo.net. [ Disclaimer | Privacy ]