user preferences

New Events

Iberia

no event posted in the last week

Upcoming Events

Iberia | History

No upcoming events.
Recent articles by Faro Obreiro
This author has not submitted any other articles.
Recent Articles about Iberia History

A 80 años de Jarama, recordando al internacionalista irlandés Charlie ... Feb 28 17 by José Antonio Gutiérrez D.

1951: Γενική απερ ... Dec 03 15 by Dmitri (republishing)

Η θεωρητικοπ ... Feb 09 14 by Agustin Guillamon

"O que logramos mediante a luita organizada perdeu-se porque a classe obreira deixou de pressionar"

category iberia | history | non-anarchist press author Friday November 23, 2012 21:05author by Faro Obreiro Report this post to the editors

Faro Obreiro entrevista Urbano Medranho, obreiro reformado do estaleiro Vulcano. Participou ativamente no setembro vermelho de 72. Estivo 2 meses escapado polos montes da Lourinha e Baixo Minho. Posteriormente pagou 2 anos de prisom.
urbanomedranho.jpg

Quando se inícia o teu compromisso político?

Entrei em Vulcano em 1961, com 15 anos. Ao mês já participei nas greves de 1961 por melhores salários. Em 1963 entro no PC da mao de Rafael Caride Simom “Lucho” e de Salvador Peres. Participo na fundaçom de CCOO de Vigo. Com 18 anos formo parte do Comité de Empresa, como enlace sindical do Sindicato Vertical.

Vulcano era umha fábrica com longa tradiçom de luita obreira?

Sem dúvida. Quando eu chego ainda soavam os ecos das detençons de toda umha geraçom de sindicalistas vinculados ao anarquismo, mas a militáncia do PC já era hegemónica no quadro de pessoal. Vulcano jogou um papel destacado na fundaçom de CCOO de Vigo, nas assembleias clandestinas da Madroa e Candeám. Em Vulcano, cada ano tínhamos 2 ou 3 semanas de greve para lograr incremento salarial. Foi a minha forja de militante obreiro e comunista.

Como foi a greve do 72?

O detonante foi um conflito laboral em Citroën exigindo semana inglesa, de 44 horas. A direçom responde à greve parcial iniciada sábado 9 de setembro com o despedimento de 9 trabalhadores. Ao dia seguinte realiza-se umha assembleia obreira na Madroa acordando nom voltar ao trabalho até a readmissom. A empresa responde com lock out.

Segunda 11 já estávamos em greve nom só Vulcano, também Barreras, Freire, Santo Domingo, Forjas del Miñor, Ascon, Censa, Álvarez, Reyman, Refrey … a maioria do proletariado viguês. Nos dias seguintes adirem mais empresas, inclusive da comarca. Mais de 30 mil trabalhadoras e trabalhadores em greve. A rua foi determinante com manifestaçons permanentes, saltos e confrontos com os grises. A BPS endurece as suas práticas repressivas. Individuos como Manolito Rivera jogam um papel determinante nas torturas das pessoas detidas.

Nós saíamos de Vulcano em manifestaçom até o Naútico, onde estava a Delegaçom de Trabalho. Fazíamos assembleias e voltávamos em manifestaçom. Polo caminho todo eram paus com a polícia.

Como em Citroën tinha peso o sindicato amarelo, umha parte dos operários nom aderiam. As mulheres lançavam-lhes milho à saída.

A partir do 23 de setembro a greve começa a remitir. Finaliza o dia 27. Nom se lográrom de imediato as principais reivindicaçons, mas a consciência obreira de Vigo mudou e a partir de aí todo foi diferente no melhor sentido.

Como foi a tua detençom e posterior prisom?

Depois da greve somos despedidos 8 trabalhadores de Vulcano. Eu fum acusado pola polícia de responsável da greve. Escapo e o BOE publica ordem de busca e captura. Estou agochado polos montes de Porrinho e Tui durante semanas. Às vezes como em casas da vizinhança e às vezes durmo na casa de um cura, irmao do meu pai, o pároco de Sam Joám de Tabagom. Conto com o apoio de CCOO.

Logo de 2 meses fugido decido entregar-me. Após passar 3 meses na imunda prisom de Vigo -o atual MARCO- em fevereiro de 1973 som transferido para Madrid, para a prisom de Carabanchel. Som julgado no verao polo TOP e condenado a 3 anos de prisom. Passo 2 anos no cárcere: Carabanchel, Corunha e Ponte Vedra.

Em Carabanchel participei no motim contra a deficiente alimentaçom e por melhores condiçons. A comida que nos davam estava literalmente podre. Passamos 12 dias em greve de fame e ganhamos.

À saída de prisom incorporas-te de novo a Vulcano?

Sim, mas custou muito. A empresa nom me queria. Já tinham reincorporado o resto dos despedidos. Tinham-se realizado greves pola readmissom. Eles só me ofertavam trabalhar numha serraria de Vulcano em Redondela, mas eu neguei-me rotundamente e finalmente conseguim voltar para o meu posto de carpinteiro naval.

E a tua militáncia política e sindical?

À saída da prisom solicito contas a CCOO. Sabia que todas as semanas se realizavam coletas para ajudar-me a mim e à minha família, a Tere e os meus filhos maiores, Leo e Abraám. Mas só chegava umha parte do recolhido.

Começo a detetar comportamentos que me desagradam. Constato corrupçom e atitudes oportunistas. Gente como Manel de Barreras ou Porrinho de Vulcano tenhem um trem de vida que nom se podia manter com os seus salários. Denúncio no seio do PC e de CCOO o que vejo, que estám vendendo à classe trabalhadora, renunciando às reivindicaçons obreiras, abandonando o que tanto nos custou ganhar na rua. E respondem-me de forma mui gráfica “Bano, a ti parouse-che o relógio na prisom”.

Posiciono-me ativamente contra o eurocomunismo e participo numha cisom pola esquerda no seio do PC.

Que balanço fas daquela luita, 40 anos depois, e como analisas a atualidade?

Hoje luitamos por reivindicaçons e direitos similares. Melhor dito, por alguns direitos e conquistas que nós já tínhamos atingido em 1972 e posteriormente fôrom perdidas. Estamos pior que na década de 60. As condiçons de trabalho e os salários som piores que quando eu comecei a trabalhar.

Quase todo o que logramos mediante a luita organizada perdeu-se porque a classe obreira deixou de pressionar o patronato e os sindicatos estám vendidos. De facto, nom existe sindicalismo genuinamente de classe, combativo.

Os sindicalistas de hoje, na sua imensa maioria, som tipos que vivem da classe trabalhadora, estám subsidiados polo governo, cobram do erário público, tenhem centos de liberados, luxosas sedes. Só pretendem conciliar, pactuar. Já nom se convocam greves para botar o governo fascista.

This page can be viewed in
English Italiano Deutsch
¿Què està passant a Catalunya?

Front page

Hands off the anarchist movement ! Solidarity with the FAG and the anarchists in Brazil !

URGENTE! Contra A Criminalização, Rodear De Solidariedade Aos Que Lutam!

¡Santiago Maldonado Vive!

Catalunya como oportunidad (para el resto del estado)

La sangre de Llorente, Tumaco: masacre e infamia

Triem Lluitar, El 3 D’octubre Totes I Tots A La Vaga General

¿Què està passant a Catalunya?

Loi travail 2017 : Tout le pouvoir aux patrons !

En Allemagne et ailleurs, la répression ne nous fera pas taire !

El acuerdo en preparacion entre la Union Europea y Libia es un crimen de lesa humanidad

Mourn the Dead, Fight Like Hell for the Living

SAFTU: The tragedy and (hopefully not) the farce

Anarchism, Ethics and Justice: The Michael Schmidt Case

Land, law and decades of devastating douchebaggery

Democracia direta já! Barrar as reformas nas ruas e construir o Poder Popular!

Reseña del libro de José Luis Carretero Miramar “Eduardo Barriobero: Las Luchas de un Jabalí” (Queimada Ediciones, 2017)

Análise da crise política do início da queda do governo Temer

Dès maintenant, passons de la défiance à la résistance sociale !

17 maggio, giornata internazionale contro l’omofobia.

Los Mártires de Chicago: historia de un crimen de clase en la tierra de la “democracia y la libertad”

Strike in Cachoeirinha

(Bielorrusia) ¡Libertad inmediata a nuestro compañero Mikola Dziadok!

DAF’ın Referandum Üzerine Birinci Bildirisi:

Cajamarca, Tolima: consulta popular y disputa por el territorio

© 2005-2017 Anarkismo.net. Unless otherwise stated by the author, all content is free for non-commercial reuse, reprint, and rebroadcast, on the net and elsewhere. Opinions are those of the contributors and are not necessarily endorsed by Anarkismo.net. [ Disclaimer | Privacy ]