user preferences

New Events

Brazil/Guyana/Suriname/FGuiana

no event posted in the last week

Gilberto Kassab, o PSD e a nova direita

category brazil/guyana/suriname/fguiana | a esquerda | opinião / análise author Thursday November 08, 2012 21:52author by Bruno Lima Rocha Report this post to the editors

A nova direita: o PSD elege 497 prefeitos tendo apenas um ano de existência.

gilbertokassab.jpg

Do jeito que a coisa vai, não sobrará oposição de direita no Brasil. Tal processo começa no início do segundo semestre de 2005, quando PFL, PSDB e PPS tinham elementos suficientes após o inesquecível depoimento de Duda Mendonça, para tentar colocar o custo do chamado Mensalão no colo de Luiz Inácio.

Recalcitrantes, ninguém quis arriscar a governabilidade e tampouco havia apoio popular para a medida.

Se em 1992 Collor cavou a própria tumba ao convocar o povo brasileiro a defender seu presidente vestindo verde e amarelo em um domingo de sol, dessa vez não houve valente para conclamar uma Marcha por Deus e pela Democracia no Centro de São Paulo. Estava aberta a cunha para o racha dos arenistas da oposição.

Gilberto Kassab, alçado a prefeito após a saída de Serra para disputar o governo estadual, tem trajetória e ascendência semelhante a outro engenheiro paulista de origem árabe, Paulo Maluf.

Uma vez à frente do terceiro maior orçamento público do país, surge no cenário nacional como um operador de primeira grandeza.

Após a vitória de Dilma, o senso de oportunidade fala mais alto, e a lógica de ocupar espaços em qualquer governo promove a ruptura na antiga Frente Liberal. Com o discurso de uma “agenda positiva e de centro”, o Partido Social Democrático cresce vertiginosamente, engolindo antigos correligionários pefelistas, aproximando-se da enorme leva de arenistas, que está no governo da herdeira de Lula.

O PSD elege 497 prefeitos tendo apenas um ano de existência. Nascido em 27 de setembro de 2011, incorpora a sigla das velhas raposas aliadas ao getulismo, socialmente baseadas no latifúndio e nas elites políticas regionais. A atual motivação da legenda em nada faz jus à tradição udenista do extinto PDS e do DEM re-configurado.

O antigo PFL, após a experiência social-liberal, sendo co-governo durante os oito anos de Fernando Henrique (PSDB), deixa o poder perfilando a oposição mais ferrenha, personificada pelo senador catarinense Jorge Bornhausen - ele mesmo, hoje apoiador do partido de Afif e Kassab.

Diante de tal comportamento, a análise realista é a de uma ala conservadora que vê na sobrevivência política sua atividade-fim, e não atividade-meio para levar adiante um conjunto de ideias.

Justiça seja feita, poucos setores oriundos do PDS permanecem fieis às posições tão reacionárias como a UDN, sob liderança de Carlos Lacerda. Se Charles de Gaulle dizia que “o Brasil não é um país sério”, a direita política justifica a crítica, pois não é tão séria assim.

Bruno Lima Rocha

Related Link: http://estrategiaeanalise.com.br
This page can be viewed in
English Italiano Deutsch
E

Brazil/Guyana/Suriname/FGuiana | A Esquerda | pt

Thu 31 Jul, 05:21

browse text browse image

ix_elaopa.jpg imageIX ELAOPA, Encontro Latino Americano de Organizações Populares Autônomas 04:12 Fri 10 Dec by ELAOPA 0 comments

O ELAOPA (Encontro Latino-Americano de Organizações Populares Autônomas) reúne, anualmente, organizações sociais pautadas na luta de classes e na identidade dos povos originais da América Latina, a partir dos seguintes princípios: democracia de base, solidariedade de classe, luta popular e autonomia dos oprimidos e dos povos originários. Autonomia em relação aos partidos políticos, ao Estado e seus governos, às ONGs, às empresas, e a todos aqueles que querem oprimir. O ELAOPA proporciona o espaço para o debate visando a convergência de ações políticas no intuito de criar o Poder Popular.

textEm defesa da autonomia dos movimentos sociais! 16:47 Thu 24 May by Rusga Libertária 0 comments

Passamos hoje um momento de crise dentro dos movimentos sociais onde se discute o governismo de várias entidades e a cooptação destas pelos projetos lulistas. Busca-se alternativas para uma nova organização dos trabalhadores que não seja refém de práticas governistas e partidárias. Essa questão acaba passando dentro do CLTP (talvez um dos movimentos sociais mais fortes em Cuiabá nos últimos dois anos).

imageTrês lições políticas dos protestos no Brasil Jul 07 by Bruno Lima Rocha 0 comments

O Brasil não será como antes, não ao menos em termos de cultura política. Após dez anos de pasmaceira e vinte e um anos sem manifestações massivas, o país se reencontra com a luta política de rua e de massas. Algumas lições foram transmitidas, dentre as quais elenco três.

imageDeixemos todas as bandeiras vermelhas levantadas... Mas as bandeiras rubro-negras exigem respeito! Jul 05 by Rafael Viana da Silva, Bruno Lima Rocha, Felipe Corrêa 0 comments

O que exigimos é respeito e, para isso, um debate franco é o melhor caminho que podemos trilhar. Sem ignorar nossos princípios ideológicos e as experiências históricas relevantes, nas quais cerramos fileiras com outras tradições da esquerda ou fomos traídos, o anarquismo tem um papel importante a cumprir no conjunto mais amplo do socialismo.

imagePartidos de mentirinha e a política do cinismo May 25 by Bruno Lima Rocha 0 comments

O cinismo e a hipocrisia política é parte estruturante do jogo de cenas construído entre legendas sem distinção ideológica ou programática

imageQuando os cardeais do Congresso falam o óbvio May 06 by Bruno Lima Rocha 0 comments

Renan deu a dica, apontando o caminho através da lógica de um cardeal do Congresso acostumado a legislar em causa própria e de seus pares.

imageReforma política e democracia participativa Apr 05 by Bruno Lima Rocha 0 comments

Se a possibilidade de tramitação de projeto lei de iniciativa popular chegar a ser aprovada, podendo incidir em todos os níveis da legislação, então teremos um pequeno avanço concreto na democracia realmente existente

more >>

textEm defesa da autonomia dos movimentos sociais! May 24 Construindo o Fórum do Anarquismo Organizado 0 comments

Passamos hoje um momento de crise dentro dos movimentos sociais onde se discute o governismo de várias entidades e a cooptação destas pelos projetos lulistas. Busca-se alternativas para uma nova organização dos trabalhadores que não seja refém de práticas governistas e partidárias. Essa questão acaba passando dentro do CLTP (talvez um dos movimentos sociais mais fortes em Cuiabá nos últimos dois anos).

© 2005-2014 Anarkismo.net. Unless otherwise stated by the author, all content is free for non-commercial reuse, reprint, and rebroadcast, on the net and elsewhere. Opinions are those of the contributors and are not necessarily endorsed by Anarkismo.net. [ Disclaimer | Privacy ]