user preferences

New Events

Brazil/Guyana/Suriname/FGuiana

no event posted in the last week

“Para avançar é necessária a organização social e a contestação elevada”

category brazil/guyana/suriname/fguiana | community struggles | entrevista author Monday October 29, 2012 21:25author by Alexandre Haubrich Report this post to the editors

Entrevista a Bruno Lima Rocha

No último dia 7 de outubro tivemos eleições municipais em todo o Brasil. As avaliações dos resultados têm sido as mais distintas, de acordo com as perspectivas abordadas. Bruno Lima Rocha, cientista político e professor da Unisinos, jornalista e editor do portal Estratégia & Análise (www.estrategiaeanalise.com.br), falou com exclusividade ao Jornalismo B sobre os resultados gerais e sobre alguns casos específicos, como Porto Alegre, Rio de Janeiro, São Paulo e Salvador.

brunolimarocha.jpg

Jornalismo B – Que partido, na tua avaliação, foi o grande vencedor da eleição, com os resultados de primeiro turno?

Bruno Lima Rocha – Podemos compreender duas legendas vitoriosas. Uma destas, como vem sendo afirmado no lugar comum difundido pelos analistas políticos, foi o PSB. Com importantes vitórias, se cacifa para ser aliado preferencial para a corrida presidencial de 2014, além de ao ameaçar o desembarque do governo, torna-se uma perda (hipotética) mais valiosa. Outro vitorioso, como partido, foi o PSOL. Não que a sigla tenha conseguido reviver o reformismo radical do PT dos anos 80, mas afirma seu espaço como partido de esquerda parlamentar.

E se pensarmos em campos políticos, quem saiu fortalecida: esquerda, direita ou o centro?

Entendo que a direita política é subordinada à direita ideológica. Esta segunda é hegemônica hoje no país, orientando as ações mesmo da centro-esquerda como é o PT atual. Assim, o pensamento mais à direita vem ganhando cada vez mais espaço, criando mitos como o regulacionismo (o elogio das agências de regulação e políticas semelhantes), sempre atenuando o conflito e criando uma “esquerda liberal”, tanto de vocabulário (jargão, léxico) como de práticas.

E a esquerda, como saiu dessa eleição?

A esquerda, que eu considero hoje como sendo eleitoralmente as alianças em torno de PSOL e PSTU, me parece que conseguiu marcar alguma posição, mas ainda assim nada que se compare a uma forte presença reformista como a que tinha o PT nos anos 80. O voto do PSOL cresce muito em cima da garantia de direitos do cidadão e da moralidade pública; já o do PSTU se manteve com alguma estabilidade (e crescimento esporádico) a partir do discurso de classe. Mas, é preciso compreender que o voto reformista implica em uma base social ampla, sendo esta disputada por forças de extrema esquerda ou um movimento popular de avançada. Um exemplo clássico seria a presença de FAU-OPR-ROE no cenário da luta avançada uruguaia de 1971 e a votação correspondente da Frente Ampla (ainda com o programa original). Sem uma mobilização social, o voto reformista disputa apenas através da circulação de ideias mais ou menos conservadoras (como nas Operações da PF e o bandeamento de Protógenes para o PC do B, por exemplo), sendo verificada essa posição na campanha de Freixo (muito boa por sinal, mas dentro do sentido da ordem e da moralidade, da cidadania e não do antagonismo social).

Como avalias a queda de Russomano e a ida de Haddad e Serra para o segundo turno em SP?

Era meio previsível, porque Russomano era uma imagem vinculada ao pior do pior, como a bênção da IURD e o passado do esquema Maluf-Pitta. O ex repórter do Aqui e Agora apanhou de todos os lados e tinha uma queda prevista. O problema de fundo é outro. Como eu não creio na metodologia de pesquisas como indicador de opinião pública, logo eu teria de afirmar primeiro a negativa da questão e depois debater a “queda” em si,

Alguma previsão para o segundo turno em SP?

Vejo como possível a vitória de Haddad no segundo turno em São Paulo, pela obviedade do índice de rejeição de Serra. Mas é triste a constatação de que as bases do malufismo, do quercismo e da Universal definem os votos a favor da centro-esquerda. Por outro lado, estas alianças não são episódicas, revelando-se um padrão da política em São Paulo, ao menos desde 1994 – recordo o apoio crítico do PT a Luiz Antônio Fleury Filho no segundo turno de 1990, com a alegação de que a ROTA sob o comando de Maluf entraria numa escala de repressão sem precedentes. Daí veio o Carandiru sob comando político de Fleury e a aliança revelou-se inócua. Mas, voltando à ocasião de agora, creio que a rejeição de Serra e as alianças bastante heterodoxas vão possibilitar uma arrancada de Haddad. Mas, lembro, o segundo turno em São Paulo vai ser para afiar as garras e esquentar as máquinas eleitorais. Sendo que, a campanha desce para o nível das individualidades, com ataques dessa ordem.

Em Porto Alegre o grande destaque foi a reeleição de Fortunati ou a derrota do PT?

Para mim foi a reeleição do Fortunati. Este que migrou para o PDT em função de busca de mais espaço político, recebeu de bandeja a prefeitura da capital, numa composição originária onde o PDT não fazia parte (eleições municipais de 2004, Fogaça encabeçava a chapa – PPS - e o finado Eliseu Santos – PTB – era seu vice). Na composição de 2008, com Fogaça já no PMDB, Fortunati entra para vice-prefeito. Deu a sorte de ser o prefeito da Copa e ver as antecedências das obras, com muita mídia e agenda positiva. Entendo que ele foi o vencedor, isolando-o de partido e composição de alianças. De acordo com sua projeção, Sebastião Melo pode vir a ter a projeção estadual que tanto anseia. Mas, há que ficar atento para esta votação expressiva. Isto pode gerar uma sensação de carta branca para a prefeitura, gerando assim um avanço no processo de privatização e mercantilização dos espaços públicos da cidade.

Por onde o PT deve começar a analisar os resultados em Porto Alegre? Há uma perda de identidade?

Entendo que o PT vive uma crise profunda, incluindo nesta a presença de um ex-petista histórico (Fortunati) no governo que começara com Fogaça. A perda de identidade é fruto do oportunismo (senso de oportunidade movido pelo pragmatismo a todo custo) que vem das alianças em nível federal e são reproduzidas pelo governo Tarso. O PT caminha a passos largos para tornar-se uma legenda como o PSOE espanhol. E esta constatação não deve ser vista como um elogio político.

A queda de Manuela explica-se apenas pelo crescimento de Fortunati ou houve tropeços durante a campanha?

Manuela não se diferenciava em quase nada da campanha e do governo de Fortunati, a começar pelo seu vice (Tessaro) e sua sigla aliada (o PSD, que no RS é formado por ex-PTBs, assim como o PPS daqui é formado por peemedebistas). Como PC do B, PDT, PTB e PT são co-governo no estado e no país, fica muito difícil diferenciar-se. Talvez o maior acerto foi bater duro em Fortunati, mas deveriam bater mais, caso tivessem imagens e provas contundentes.

No Rio de Janeiro, que elementos principais explicam a votação tão expressiva de Eduardo Paes? E a candidatura de Marcelo Freixo, que importância teve?

Freixo reorganiza a centro-esquerda no Rio, trazendo de volta uma longa tradição política que se viu esvaziada pela herança política do PDT nos dois governos de Brizola e depois na trágica política de alianças do PT fluminense (com Garotinho e depois com Sergio Alencar). Eduardo Paes ganha pela euforia da Cidade com as UPPs e o pesado volume de investimentos no Rio. Não quero ser leviano, mas deveria ser observada com rigor a votação na Zona Oeste do Rio, zona onde há elevada presença de “milícias” (para-policiais). Mas, ainda com o possível cabresto, a votação do ex-genro de Cesar Maia (Paes) ultrapassa explicações monocausais.

O PSOL ganhou sua primeira prefeitura, teve um resultado expressivo no RJ e vai para o segundo turno em Macapá e Belém, com boas perspectivas em Belém. O aparente crescimento do partido é consistente?

Sim, me parece consistente embora não classista, mas sim cidadão e republicano. Falta organização social mais combativa para gerar o reflexo eleitoral que o PSOL espera. O voto reformista é retroalimentado pela contestação social radicalizada, e esta hoje quase inexiste. Já o discurso cidadão implica em indignar-se, mas não na polarização social.

O PT, no Nordeste, não venceu em primeiro turno em nenhuma capital e vai ao segundo turno em apenas três: Salvador, João Pessoa e Fortaleza. Como explicar esse quadro em uma região onde o partido, especialmente através de Lula, vinha avançando tanto nos últimos anos?

Talvez pelo crescimento do PSB e a aceitação conceitual de que o voto não é tão facilmente assim transferível. Temos de recordar que nas eleições municipais de 2008, Lula ainda era presidente e surfava numa aceitação impressionante.

Como vês a situação do segundo turno em Salvador, com o ACM Neto chegando à frente contra uma grande coalizão em torno do candidato do PT, Pellegrino?

Pode reeditar um clássico da política, onde o carlismo tenta se ressuscitar, embora esteja presente com os anéis em torno de Geddel Vieira Lima e Cesar Borges. Mas, repito que a partir da reeleição de Lula, a polarização tende a desaparecer, forçando o oportunismo elevado, a exemplo da criação do PSD.

De que forma os principais resultados dessas eleições podem influenciar nas disputas de 2014?

Vejo o caso de São Paulo como emblemático. Não podemos afirmar que sejam as prévias de 2014, mas sim um espaço onde as partes vão afiar as garras e testar as políticas de alianças. O apoio de Paulinho da Força Sindical (PDT) a candidatura de Serra pode antecipar uma série de problemas com esta legenda, por exemplo. Salvador também opera como um afiador de garras. Mas a eleição municipal tem particularidades e não se transfere como experiência absoluta para o pleito federal.

Com toda sua complexidade e suas contradições, até que ponto podemos dizer que processo eleitoral brasileiro é verdadeiramente democrático?

O processo eleitoral é democrático no sentido da democracia representativa. Neste caso, não há conflito conceitual. Mas, a ausência de debates estruturais de consistência, posiciona este processo eleitoral bem distante de uma democracia de tipo substantiva, com plebiscitos por exemplo. Uma democracia plena implicaria em que as decisões fundamentais de uma sociedade passassem pela vontade direta das maiorias, como, por exemplo, através de plebiscitos.

Qual o nível de importância de um processo eleitoral dentro do todo da ação política?

A ação política que se baseia na disputa eleitoral tem neste processo a viabilidade ou não de seus projetos de poder. Já para o debate político de fundo, este formato de eleições pouco ou nada contribui para isso. Para avançar na política é necessária a organização social e a contestação elevada.

Publicado em a edição número 47 (2ª metade de outubro de 2012) de a publicação impressa quinzenal "Jornalismo B"

Related Link: http://www.jornalismob.wordpress.com
This page can be viewed in
English Italiano Deutsch

Brazil/Guyana/Suriname/FGuiana | Community struggles | pt

Sun 23 Nov, 22:59

browse text browse image

saogabriel.jpg imageDe Yeda a Tarso reforma agrária segue sendo caso de polícia em São Gabriel. 17:00 Mon 07 Oct by Federação Anarquista Gaúcha 0 comments

Localizado à mais de 80 kms de qualquer centro urbano, cravado na divisa dos municípios de Santa Maria e São Gabriel, o assentamento Madre Terra é uma pequena ilha da agricultura familiar rodeada de latifúndio e monocultura por todos os lados, onde algumas dezenas de famílias extremamente pobres lutam para ganhar a vida plantando arroz orgânico e produzindo diversos outros alimentos mesmo à contragosto dos governos e do agronegócio. Esse assentamento foi criado pelo Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (INCRA) em 2009. Porém, de lá pra cá, se passaram quatro anos e nada do que foi planejado e prometido por parte do órgão à essas famílias foi realizado.

cumbe.jpg imageNota de solidariedade aos lutadores e lutadoras da comunidade do Cumbe Aracati – Ceará 18:13 Thu 05 Sep by Organização Resistência Libertária 0 comments

Nós, da Organização Resistência Libertária [ORL], integrante da Coordenação Anarquista Brasileira (CAB), prestamos nosso total apoio e solidariedade em virtude do despejo violento sofrido por vinte sete famílias pertencentes à Comunidade do Cumbe, localizada a 12km da cidade de Aracati, litoral leste do Ceará. A comunidade do Cumbe, formada por pescadoras/es, marisqueiras/os e trabalhadoras/es em geral, como prova de resistência da luta pela vida e da manutenção integral de seus territórios, ocupava desde o dia 10 de março de 2013 uma antiga fazenda/viveiro de camarão que se encontrava desativada desde 2004.

http://www.anarkismo.net/attachments/jun2013/template_opinio_anarquista.gif imageTomar as ruas por uma agenda contra a direita e o governismo 14:33 Tue 25 Jun by Federação Anarquista Gaúcha 0 comments

A larga noite das lutas de 17 de junho mudou a conjuntura brasileira e redimensionou os protestos sociais. A mobilização massiva de cerca de 1 milhão de manifestantes em dezenas de capitais e cidades do país e do mundo não acontecia em nossa história política desde o Fora Collor em 1992. Há um antes e um depois que põe na cena nacional um novo sujeito histórico coletivo que é catalisador de uma poderosa força social nas ruas. [Castellano] [Italiano]

320709_142593575844419_2108682953_n.jpg imageResistir até a tarifa sumir! 17:50 Wed 19 Jun by Coletivo Anarquista Bandeira Negra 0 comments

O país está sendo tomado por mobilizações na luta pelo transporte público. No início dessa semana, manifestações gigantescas tomaram Belo Horizonte, Rio de Janeiro, São Paulo e dezenas de outras cidades. O Congresso em Brasília foi ocupado por manifestantes, assim como a Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro. Até agora, Porto Alegre, Goiânia, Natal, Recife e outras cidades já conquistaram a redução da tarifa, mas a perspectiva de vitória é grande em várias outras cidades. [English] [Français] [Italiano]

28b5acabpeq_2.jpg imageA Luta contra o aumento das passagens e o Anarquismo 17:13 Wed 19 Jun by Coordenação Anarquista Brasileira 0 comments

Nesse primeiro semestre houve diversas mobilizações de norte a sul do Brasil que enfrentaram a reação conservadora dos governos, do aparelho repressivo e da mídia. Desde as lutas em defesa do transporte público nas capitais, passando pelas greves nos canteiros de obras do PAC, até a resistência indígena dos povos originários, todas essa lutas foram alvos da criminalização do protesto que segue em curso no país sede da Copa do Mundo. Vivemos um dos momentos mais agudos da luta de classes no Brasil. O capital internacional avança diariamente a passos largos, explorando os trabalhadores e as trabalhadoras na busca do lucro. [Italiano]

525372_512556785457735_1557154194_n.jpg imageLutar contra a Tarifa! 02:34 Fri 05 Apr by Federação Anarquista Gaúcha 0 comments

"Pra favorecer uma experiência de lutas que deve unir e organizar os setores populares, nenhum partido tem o direito e a autoridade de se colocar por cima, interferir em causa própria na expressão pública do movimento social, negociar nas costas da vontade popular. A relação de forças das ruas, dos piquetes, das ocupações e das marchas é que marca o caminho.
Tática apartidária pra luta social, não anti-partido e tampouco apolítica."

textAumento da tarifa em Joinville: um novo final de ano e a mesma história 01:40 Mon 07 Jan by Coletivo Anarquista Bandeira Negra 0 comments

Os finais de ano são marcados por festividades cristãs e dedicadas a alimentar a sociedade de consumo. Mas em Joinville, desde 2010, o final de ano passou a ter uma nova característica, já que as empresas Gidion e Transtusa aproveitam o momento para pedir ao prefeito o aumento da tarifa do transporte coletivo

lutta.jpg imageQuando morar é um privilégio: Ocupar e Resistir é um Direito! 01:16 Wed 25 Apr by Rusga Libertária 0 comments

O Estado de Mato Grosso nos últimos 10 anos destacou-se na mídia nacional como um grande produtor da monocultura da soja e da cana-de-açúcar, exportando sua produção para outros Estados e países. Por detrás de toda essa “grande produção” temos práticas de trabalho escravo e assassinatos decorrentes à invasão de pequenas propriedades para o aumento da área de plantio e gerando uma enorme destruição ambiental nessas regiões. Esse mesmo plantio serve somente para a exportação aos países de primeiro mundo e fábricas de rações destinadas ao gado de corte que no Estado vem beneficiando a poucos que concentram imensas fortunas em suas mãos. Na capital passamos pela desenfreada corrida pelas obras da Copa de 2014, o governo estadual tem destinado uma enorme quantidade da verba pública para obras faraônicas que privilegiam uma elite e expulsam os pobres para áreas cada vez mais distantes, dificultando inclusive a entrada desses em determinadas regiões da cidade.

eldorado.jpg imageComunicado sobre o Abril Vermelho 02:00 Thu 19 Apr by Federação Anarquista Gaúcha 0 comments

17 de abril de 1996. Massacre de Eldorado dos Carajás. A repressão da policia do Pará a uma marcha de trabalhadores sem-terra deixa 19 mortos e 67 feridos.

canaa.jpg imageManifesto dos Movimentos Sociais em solidariedade ao assentamento Canaã 02:43 Thu 05 Apr by Federação Anarquista Gaúcha 0 comments

Os movimentos sociais vem a público manifestar seu apoio e solidariedade aos moradores do Assentamento Canaã.

more >>

imageCenário pós-eleitoral – as marchas de 15 de novembro e o epicentro da política brasileira em São Pau... Nov 20 by BrunoL 0 comments

O debate a respeito do cenário pós-eleitoral, ao contrário do que muitos esperavam, não se atenuou. Aumenta a intensidade dos protestos por direita, e, ao mesmo tempo, abre-se todo um leque de possibilidades para colocar o governo reeleito contra a parede, diminuindo ainda mais sua estreita margem de manobra. Podemos identificar quatro possibilidades dentro do cenário complexo onde se realizam arenas simultâneas de embate.

São estes:

imageAnálise inicial das eleições nacionais no primeiro turno Oct 06 by BrunoL 0 comments

05 de outubro de 2014 Bruno Lima Rocha

Dilma Rousseff (PT) teve cerca de 41,60% dos votos, seguida por Aécio Neves (PSDB) com 33,56% dos votos e Marina Silva (PSB) com 21,32% dos votos. Este é o quadro aproximado após a quase totalidade das urnas apuradas. Podemos chegar a distintas conclusões do processo. Antes cabe um retrato imediato acompanhado por uma narrativa dos dias prévios do primeiro turno.

imageA Copa do Mundo e o poder de agendamento – 2 Jul 03 by BrunoL 0 comments

No artigo anterior desta série abordei as relações evidentes entre futebol e política eleitoral. Neste texto, observamos o agendamento do evento anunciado superando a capacidade da ação de massas e as convocatórias de protestos através dos Comitês Populares da Copa e grupos afins.

imageLa ira de la élite contra el gobierno que organiza para ella la Copa del Mundo Jul 03 by BrunoL 0 comments

Por Dijair Brilhante y Bruno Lima Rocha*

Escrito después del debut del equipo nacional de Brasil y antes del final de la primera fase

La Copa del Mundo de la FIFA es considerada uno de los mayores eventos deportivos del mundo. No es de extrañar que los mandos de la institución comandada por Blatter siga haciendo cientos de demandas al país que acoge los juegos. En la práctica, los derechos fundamentales acaban de ser suspendidos, en el país donde hay un gobierno "de izquierda". Más de lo mismo en el país tropical. [Italiano] [English]

imageA Copa do Mundo e o poder de agendamento – 1 Jun 27 by BrunoL 0 comments

25 de junho de 2014, Bruno Lima Rocha

O tema das relações entre futebol e política é real, necessitando de um debate pautado pela análise rigorosa. Em 2014, esta correlação também se encontra presente, tendo começado pelas manifestações de 2013 durante a Copa das Confederações; passando pelo clima de pânico instaurado com o slogan: “imagina na Copa?”; e materializado em dois campos de ação simultâneos ocorrendo durante a competição. No presente artigo analisamos a tabelinha entre mídia e política e no seguinte, a ação de massas.

more >>

imageDe Yeda a Tarso reforma agrária segue sendo caso de polícia em São Gabriel. Oct 07 FAG 0 comments

Localizado à mais de 80 kms de qualquer centro urbano, cravado na divisa dos municípios de Santa Maria e São Gabriel, o assentamento Madre Terra é uma pequena ilha da agricultura familiar rodeada de latifúndio e monocultura por todos os lados, onde algumas dezenas de famílias extremamente pobres lutam para ganhar a vida plantando arroz orgânico e produzindo diversos outros alimentos mesmo à contragosto dos governos e do agronegócio. Esse assentamento foi criado pelo Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (INCRA) em 2009. Porém, de lá pra cá, se passaram quatro anos e nada do que foi planejado e prometido por parte do órgão à essas famílias foi realizado.

imageNota de solidariedade aos lutadores e lutadoras da comunidade do Cumbe Aracati – Ceará Sep 05 ORL-CAB 0 comments

Nós, da Organização Resistência Libertária [ORL], integrante da Coordenação Anarquista Brasileira (CAB), prestamos nosso total apoio e solidariedade em virtude do despejo violento sofrido por vinte sete famílias pertencentes à Comunidade do Cumbe, localizada a 12km da cidade de Aracati, litoral leste do Ceará. A comunidade do Cumbe, formada por pescadoras/es, marisqueiras/os e trabalhadoras/es em geral, como prova de resistência da luta pela vida e da manutenção integral de seus territórios, ocupava desde o dia 10 de março de 2013 uma antiga fazenda/viveiro de camarão que se encontrava desativada desde 2004.

imageTomar as ruas por uma agenda contra a direita e o governismo Jun 25 Integrante da Coordenação Anarquista Brasileira (CAB) 0 comments

A larga noite das lutas de 17 de junho mudou a conjuntura brasileira e redimensionou os protestos sociais. A mobilização massiva de cerca de 1 milhão de manifestantes em dezenas de capitais e cidades do país e do mundo não acontecia em nossa história política desde o Fora Collor em 1992. Há um antes e um depois que põe na cena nacional um novo sujeito histórico coletivo que é catalisador de uma poderosa força social nas ruas. [Castellano] [Italiano]

imageResistir até a tarifa sumir! Jun 19 Integrante da Coordenação Anarquista Brasileira (CAB) 0 comments

O país está sendo tomado por mobilizações na luta pelo transporte público. No início dessa semana, manifestações gigantescas tomaram Belo Horizonte, Rio de Janeiro, São Paulo e dezenas de outras cidades. O Congresso em Brasília foi ocupado por manifestantes, assim como a Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro. Até agora, Porto Alegre, Goiânia, Natal, Recife e outras cidades já conquistaram a redução da tarifa, mas a perspectiva de vitória é grande em várias outras cidades. [English] [Français] [Italiano]

imageA Luta contra o aumento das passagens e o Anarquismo Jun 19 CAB 0 comments

Nesse primeiro semestre houve diversas mobilizações de norte a sul do Brasil que enfrentaram a reação conservadora dos governos, do aparelho repressivo e da mídia. Desde as lutas em defesa do transporte público nas capitais, passando pelas greves nos canteiros de obras do PAC, até a resistência indígena dos povos originários, todas essa lutas foram alvos da criminalização do protesto que segue em curso no país sede da Copa do Mundo. Vivemos um dos momentos mais agudos da luta de classes no Brasil. O capital internacional avança diariamente a passos largos, explorando os trabalhadores e as trabalhadoras na busca do lucro. [Italiano]

more >>
© 2005-2014 Anarkismo.net. Unless otherwise stated by the author, all content is free for non-commercial reuse, reprint, and rebroadcast, on the net and elsewhere. Opinions are those of the contributors and are not necessarily endorsed by Anarkismo.net. [ Disclaimer | Privacy ]