user preferences

New Events

Brazil/Guyana/Suriname/FGuiana

no event posted in the last week

São Paulo e a incoerência das alianças

category brazil/guyana/suriname/fguiana | a esquerda | opinião / análise author Sunday October 14, 2012 11:22author by Bruno Lima Rocha Report this post to the editors

A virada das eleições municipais em São Paulo gerou um resultado que de tão parelho, cacifa (e muito) o manancial de votos dos derrotados.

diversidade_e_alianas.jpg

A virada das eleições municipais em São Paulo gerou um resultado que de tão parelho, cacifa (e muito) o manancial de votos dos derrotados. José Serra (PSDB) termina o primeiro turno com 30,75% dos votos, seguido por Fernando Haddad (PT) com 28,98%. Em terceiro lugar o azarão que liderou as “científicas” pesquisas até os últimos dias antes do pleito.

Celso Russomano (PRB) fechou com 21,60%, seguido por Gabriel Chalita (PMDB) com 13,60% dos votos. Para além da aliança com o terceiro e o quarto colocados, sair em busca dos votos do ex-repórter do Aqui e Agora e do correligionário de Michel Temer implica em se aproximar de heranças e caciques políticos outrora rivais.

Recordar é viver e a dança das alianças é sempre incoerente. No segundo turno das eleições estaduais de 1991, o PT quase rachado apoiou Luiz Antônio Fleury Filho, à época ainda herdeiro político de Quércia. O argumento petista era que com Maluf, a PM paulista teria licença para matar indiscriminadamente. Fleury ganhou e a tese se provou furada no dia 2 de outubro de 1992, quando seu governo autorizou o Massacre do Carandiru.

Em 1994 Marta Suplicy e Mário Covas disputaram voto a voto a vaga para o segundo turno das eleições estaduais. Covas superou Marta por apenas 70 mil votos e contou com o apoio da legenda de José Dirceu para enfrentar e vencer Paulo Maluf na corrida ao Palácio dos Bandeirantes. Começava ali a era tucana em São Paulo.

No segundo turno do pleito para a prefeitura paulistana de 2000, a aliança é retomada. O então governador Mário Covas apoiou Marta Suplicy contra Maluf. A ex-ministra do Turismo de Lula derrotou o ex-interventor da ditadura agradecendo publicamente ao rival tucano. A rivalidade PSDB-PT é tão circunstancial como a aliança entre Lula, Paulo Salim e o quercismo.

Três setores tornam-se fundamentais para a segunda volta das eleições paulistanas: o PMDB, ainda vinculado às redes de relações de Quércia; a reserva eleitoral dos fiéis neopentecostais da Igreja Universal do Reino de Deus, rivalizando com o apoio da Assembleia de Deus para Serra; e o sempre presente peso político do malufismo.

Em 2010, a ex-guerrilheira Dilma Rousseff fechou sua chapa para o Planalto baseando-se no tripé acima. Mas, como toda aliança tática e não programática é fluida, tudo está em aberto.

Mesmo que o “bispo” Edir Macedo, o vice-presidente Michel Temer e o nobre deputado federal Paulo Maluf apoiem explicitamente a Fernando Haddad, a transferência de votos baseada nunca é tão direta.

Bruno Lima Rocha

Related Link: http://www.estrategiaeanalise.com.br
This page can be viewed in
English Italiano Deutsch

Front page

Strike in Cachoeirinha

(Bielorrusia) ¡Libertad inmediata a nuestro compañero Mikola Dziadok!

DAF’ın Referandum Üzerine Birinci Bildirisi:

Cajamarca, Tolima: consulta popular y disputa por el territorio

Statement on the Schmidt Case and Proposed Commission of Inquiry

Aodhan Ó Ríordáin: Playing The Big Man in America

Nós anarquistas saudamos o 8 de março: dia internacional de luta e resistência das mulheres!

Özgürlüğümüz Mücadelemizdedir

IWD 2017: Celebrating a new revolution

Solidarité avec Théo et toutes les victimes des violences policières ! Non à la loi « Sécurité Publique » !

Solidaridad y Defensa de las Comunidades Frente al Avance del Paramilitarismo en el Cauca

A Conservative Threat Offers New Opportunities for Working Class Feminism

De las colectivizaciones al 15M: 80 años de lucha por la autogestión en España

False hope, broken promises: Obama’s belligerent legacy

Primer encuentro feminista Solidaridad – Federación Comunista Libertaria

Devrimci Anarşist Tutsak Umut Fırat Süvarioğulları Açlık Grevinin 39 Gününde

The Fall of Aleppo

Italia - Ricostruire opposizione sociale organizzata dal basso. Costruire un progetto collettivo per l’alternativa libertaria.

Recordando a César Roa, luchador de la caña

Prison Sentence to Managing Editor of Anarchist Meydan Newspaper in Turkey

Liberación de la Uma Kiwe, autonomía y territorio: una mirada libertaria para la comprensión de la lucha nasa

Misunderstanding syndicalism

American Anarchist and Wobbly killed by Turkey while fighting ISIS in Rojava

Devlet Tecavüzdür

Brazil/Guyana/Suriname/FGuiana | A Esquerda | pt

Sun 30 Apr, 11:08

browse text browse image

ix_elaopa.jpg imageIX ELAOPA, Encontro Latino Americano de Organizações Populares Autônomas 04:12 Fri 10 Dec by ELAOPA 0 comments

O ELAOPA (Encontro Latino-Americano de Organizações Populares Autônomas) reúne, anualmente, organizações sociais pautadas na luta de classes e na identidade dos povos originais da América Latina, a partir dos seguintes princípios: democracia de base, solidariedade de classe, luta popular e autonomia dos oprimidos e dos povos originários. Autonomia em relação aos partidos políticos, ao Estado e seus governos, às ONGs, às empresas, e a todos aqueles que querem oprimir. O ELAOPA proporciona o espaço para o debate visando a convergência de ações políticas no intuito de criar o Poder Popular.

textEm defesa da autonomia dos movimentos sociais! 16:47 Thu 24 May by Rusga Libertária 0 comments

Passamos hoje um momento de crise dentro dos movimentos sociais onde se discute o governismo de várias entidades e a cooptação destas pelos projetos lulistas. Busca-se alternativas para uma nova organização dos trabalhadores que não seja refém de práticas governistas e partidárias. Essa questão acaba passando dentro do CLTP (talvez um dos movimentos sociais mais fortes em Cuiabá nos últimos dois anos).

imageAusência de ideologia de câmbio e a base para a guinada à direita Apr 20 by BrunoL 0 comments

É lugar comum ouvir em análises e expressões vindas de todas as camadas da esquerda e da centro-esquerda, algo como “quando este povo vai se levantar indignado”? Além do sentimento de revolta e frustração – totalmente compartilhado por este que escreve – a afirmação também traz elementos de certa condescendência com o governo deposto e algo da perigosa inocência politica. Neste breve texto, tento demonstrar como a categoria ideologia foi desprezada e, por óbvia consequência, a relação com o oligopólio da mídia – em especial com a empresa líder – foi reificada.

imageLulismo, trabalhismo e a possibilidade de reeleição Aug 13 by BrunoL 0 comments

Bruno Lima Rocha, 12 de agosto de 2014

Estamos em pleno ano eleitoral, e no momento em que escrevo estas linhas, tardam menos de dois meses para o pleito. Existe a real possibilidade de reeleição da presidenta Dilma Rousseff (PT) e com isso seria concretizado um feito inédito de dupla reeleição. Dois debates entendem-se como necessários para traçar tanto uma análise do cenário eleitoral como de uma conseqüente crítica por esquerda. O primeiro aborda o cenário eleitoral e as candidaturas oficiais por direita, além do próprio risco de não conseguir emplacar um segundo mandato. O seguinte trata da comparação do espaço político, ocupado pelo lulismo, como uma “continuidade descontínua” do trabalhismo contemporâneo.

imageTrês lições políticas dos protestos no Brasil Jul 07 by Bruno Lima Rocha 0 comments

O Brasil não será como antes, não ao menos em termos de cultura política. Após dez anos de pasmaceira e vinte e um anos sem manifestações massivas, o país se reencontra com a luta política de rua e de massas. Algumas lições foram transmitidas, dentre as quais elenco três.

imageDeixemos todas as bandeiras vermelhas levantadas... Mas as bandeiras rubro-negras exigem respeito! Jul 05 by Rafael Viana da Silva, Bruno Lima Rocha, Felipe Corrêa 0 comments

O que exigimos é respeito e, para isso, um debate franco é o melhor caminho que podemos trilhar. Sem ignorar nossos princípios ideológicos e as experiências históricas relevantes, nas quais cerramos fileiras com outras tradições da esquerda ou fomos traídos, o anarquismo tem um papel importante a cumprir no conjunto mais amplo do socialismo.

imagePartidos de mentirinha e a política do cinismo May 25 by Bruno Lima Rocha 0 comments

O cinismo e a hipocrisia política é parte estruturante do jogo de cenas construído entre legendas sem distinção ideológica ou programática

more >>

textEm defesa da autonomia dos movimentos sociais! May 24 Construindo o Fórum do Anarquismo Organizado 0 comments

Passamos hoje um momento de crise dentro dos movimentos sociais onde se discute o governismo de várias entidades e a cooptação destas pelos projetos lulistas. Busca-se alternativas para uma nova organização dos trabalhadores que não seja refém de práticas governistas e partidárias. Essa questão acaba passando dentro do CLTP (talvez um dos movimentos sociais mais fortes em Cuiabá nos últimos dois anos).

© 2005-2017 Anarkismo.net. Unless otherwise stated by the author, all content is free for non-commercial reuse, reprint, and rebroadcast, on the net and elsewhere. Opinions are those of the contributors and are not necessarily endorsed by Anarkismo.net. [ Disclaimer | Privacy ]