user preferences

New Events

Brazil/Guyana/Suriname/FGuiana

no event posted in the last week

São Paulo e a incoerência das alianças

category brazil/guyana/suriname/fguiana | a esquerda | opinião / análise author Sunday October 14, 2012 11:22author by Bruno Lima Rocha Report this post to the editors

A virada das eleições municipais em São Paulo gerou um resultado que de tão parelho, cacifa (e muito) o manancial de votos dos derrotados.

diversidade_e_alianas.jpg

A virada das eleições municipais em São Paulo gerou um resultado que de tão parelho, cacifa (e muito) o manancial de votos dos derrotados. José Serra (PSDB) termina o primeiro turno com 30,75% dos votos, seguido por Fernando Haddad (PT) com 28,98%. Em terceiro lugar o azarão que liderou as “científicas” pesquisas até os últimos dias antes do pleito.

Celso Russomano (PRB) fechou com 21,60%, seguido por Gabriel Chalita (PMDB) com 13,60% dos votos. Para além da aliança com o terceiro e o quarto colocados, sair em busca dos votos do ex-repórter do Aqui e Agora e do correligionário de Michel Temer implica em se aproximar de heranças e caciques políticos outrora rivais.

Recordar é viver e a dança das alianças é sempre incoerente. No segundo turno das eleições estaduais de 1991, o PT quase rachado apoiou Luiz Antônio Fleury Filho, à época ainda herdeiro político de Quércia. O argumento petista era que com Maluf, a PM paulista teria licença para matar indiscriminadamente. Fleury ganhou e a tese se provou furada no dia 2 de outubro de 1992, quando seu governo autorizou o Massacre do Carandiru.

Em 1994 Marta Suplicy e Mário Covas disputaram voto a voto a vaga para o segundo turno das eleições estaduais. Covas superou Marta por apenas 70 mil votos e contou com o apoio da legenda de José Dirceu para enfrentar e vencer Paulo Maluf na corrida ao Palácio dos Bandeirantes. Começava ali a era tucana em São Paulo.

No segundo turno do pleito para a prefeitura paulistana de 2000, a aliança é retomada. O então governador Mário Covas apoiou Marta Suplicy contra Maluf. A ex-ministra do Turismo de Lula derrotou o ex-interventor da ditadura agradecendo publicamente ao rival tucano. A rivalidade PSDB-PT é tão circunstancial como a aliança entre Lula, Paulo Salim e o quercismo.

Três setores tornam-se fundamentais para a segunda volta das eleições paulistanas: o PMDB, ainda vinculado às redes de relações de Quércia; a reserva eleitoral dos fiéis neopentecostais da Igreja Universal do Reino de Deus, rivalizando com o apoio da Assembleia de Deus para Serra; e o sempre presente peso político do malufismo.

Em 2010, a ex-guerrilheira Dilma Rousseff fechou sua chapa para o Planalto baseando-se no tripé acima. Mas, como toda aliança tática e não programática é fluida, tudo está em aberto.

Mesmo que o “bispo” Edir Macedo, o vice-presidente Michel Temer e o nobre deputado federal Paulo Maluf apoiem explicitamente a Fernando Haddad, a transferência de votos baseada nunca é tão direta.

Bruno Lima Rocha

Related Link: http://www.estrategiaeanalise.com.br
This page can be viewed in
English Italiano Deutsch
E

Brazil/Guyana/Suriname/FGuiana | A Esquerda | pt

Thu 24 Jul, 06:29

browse text browse image

ix_elaopa.jpg imageIX ELAOPA, Encontro Latino Americano de Organizações Populares Autônomas 04:12 Fri 10 Dec by ELAOPA 0 comments

O ELAOPA (Encontro Latino-Americano de Organizações Populares Autônomas) reúne, anualmente, organizações sociais pautadas na luta de classes e na identidade dos povos originais da América Latina, a partir dos seguintes princípios: democracia de base, solidariedade de classe, luta popular e autonomia dos oprimidos e dos povos originários. Autonomia em relação aos partidos políticos, ao Estado e seus governos, às ONGs, às empresas, e a todos aqueles que querem oprimir. O ELAOPA proporciona o espaço para o debate visando a convergência de ações políticas no intuito de criar o Poder Popular.

textEm defesa da autonomia dos movimentos sociais! 16:47 Thu 24 May by Rusga Libertária 0 comments

Passamos hoje um momento de crise dentro dos movimentos sociais onde se discute o governismo de várias entidades e a cooptação destas pelos projetos lulistas. Busca-se alternativas para uma nova organização dos trabalhadores que não seja refém de práticas governistas e partidárias. Essa questão acaba passando dentro do CLTP (talvez um dos movimentos sociais mais fortes em Cuiabá nos últimos dois anos).

imageTrês lições políticas dos protestos no Brasil Jul 07 by Bruno Lima Rocha 0 comments

O Brasil não será como antes, não ao menos em termos de cultura política. Após dez anos de pasmaceira e vinte e um anos sem manifestações massivas, o país se reencontra com a luta política de rua e de massas. Algumas lições foram transmitidas, dentre as quais elenco três.

imageDeixemos todas as bandeiras vermelhas levantadas... Mas as bandeiras rubro-negras exigem respeito! Jul 05 by Rafael Viana da Silva, Bruno Lima Rocha, Felipe Corrêa 0 comments

O que exigimos é respeito e, para isso, um debate franco é o melhor caminho que podemos trilhar. Sem ignorar nossos princípios ideológicos e as experiências históricas relevantes, nas quais cerramos fileiras com outras tradições da esquerda ou fomos traídos, o anarquismo tem um papel importante a cumprir no conjunto mais amplo do socialismo.

imagePartidos de mentirinha e a política do cinismo May 25 by Bruno Lima Rocha 0 comments

O cinismo e a hipocrisia política é parte estruturante do jogo de cenas construído entre legendas sem distinção ideológica ou programática

imageQuando os cardeais do Congresso falam o óbvio May 06 by Bruno Lima Rocha 0 comments

Renan deu a dica, apontando o caminho através da lógica de um cardeal do Congresso acostumado a legislar em causa própria e de seus pares.

imageReforma política e democracia participativa Apr 05 by Bruno Lima Rocha 0 comments

Se a possibilidade de tramitação de projeto lei de iniciativa popular chegar a ser aprovada, podendo incidir em todos os níveis da legislação, então teremos um pequeno avanço concreto na democracia realmente existente

more >>

textEm defesa da autonomia dos movimentos sociais! May 24 Construindo o Fórum do Anarquismo Organizado 0 comments

Passamos hoje um momento de crise dentro dos movimentos sociais onde se discute o governismo de várias entidades e a cooptação destas pelos projetos lulistas. Busca-se alternativas para uma nova organização dos trabalhadores que não seja refém de práticas governistas e partidárias. Essa questão acaba passando dentro do CLTP (talvez um dos movimentos sociais mais fortes em Cuiabá nos últimos dois anos).

© 2005-2014 Anarkismo.net. Unless otherwise stated by the author, all content is free for non-commercial reuse, reprint, and rebroadcast, on the net and elsewhere. Opinions are those of the contributors and are not necessarily endorsed by Anarkismo.net. [ Disclaimer | Privacy ]