user preferences

O onipresente Goldman Sachs

category internacional | economia | opinião / análise author Friday August 17, 2012 04:28author by Núcleo Interdisciplinar de Estudos sobre a Globalização - NIEG Report this post to the editors

Se os bancos são “muito grandes para falir”, o Goldamn Sachs nunca cogitou esta hipótese porque ganhou muito com a falência de outras empresas e, principalmente, de muitos países, sempre estando próximo, seja para emprestar ou para prestar “consultoria”

goldmansachs.jpg

Em setembro do ano passado, o mundo teria ficado estarrecido com a opinião do trader independente Alessio Rastani, que em entrevista à BBC disse que o que importa no ponto de vista dos operadores do jogo é quando aparece uma oportunidade de ganhar dinheiro, seja com “crises” ou não, que ele sonhava com uma recessão assim há três anos.

Além disso, Rastani foi sincero o suficiente para vislumbrar algo que os países se recusam a enxergar, principalmente pelas relações de poder que estão em volta: “Os governos não mandam no mundo, o Goldman Sachs manda no mundo. E o Goldman Sachs não se importa com esse plano de resgate [da Grécia] e nem os grandes fundos”.

Já foi tratado ao longo dos textos produzidos para o Instituto Humanitas Unisinos - IHU sobre o quanto os agentes do capital financeiro circulam por vários setores importantes, dos meios de comunicação às maiores instâncias de poder financeira (Federal Reserv e Banco Central Europeu), com grande destaque para o Goldman Sachs, que apesar de ter ganho muito com a “farsa com o nome de crise” a ponto de liderar um mercado oligopólico de bancos agora ainda mais reduzido, ele continua a agir e ser a referência para que os problemas sejam “resolvidos”.

A frase anterior de Rastani deixa uma verdade curiosa no ar. O Goldman participou como consultor do governo grego e ajudou a maquilar os números do país para que este pudesse ter condições de entrar na Zona do Euro. Apesar disso, a responsabilidade nunca foi repassada a um banco que apostava contra o seu cliente, justamente por ter informações totais de que aquilo não daria certo no futuro. Pelo contrário, o atual presidente do Banco Central Europeu, Mário Draghi, foi presidente do Goldman por muitos anos, e o próprio presidente grego, Karolos Papoulias (Nova Democracia – centro-direita) admite que fará o possível para cumprir com as pendências frente os bancos – muitos deles situados na Alemanha.

Se os bancos são “muito grandes para falir”, o Goldamn Sachs nunca cogitou esta hipótese porque ganhou muito com a falência de outras empresas e, principalmente, de muitos países, sempre estando próximo, seja para emprestar ou para prestar “consultoria”.

Porém, para quem acha que a financeirização está longe do Brasil, cujo mercado possui regras mais rígidas, fica um fato curioso, encontrado no site “Memória Globo”:

“Para auxiliar na renegociação, a equipe da Globopar contou com dois assessores financeiros e dois assessores legais: o Houlihan Lokey Howard & Zukin Capital, um banco de investimentos norte-americano especializado em processos de reestruturação, e a Goldman Sachs, com quem o grupo mantinha uma relação de longa data. A assessoria jurídica foi contratada junto aos escritórios da Debevoise & Plimpton e do Barbosa Müssnich & Aragão” (grifos nossos).

Só para explicar o que é chamado de “financeirização da mídia”, com a abertura do mercado dos meios de comunicação, também como reflexo da aplicação de políticas neoliberais na década de 1980, as empresas de comunicação criaram as holdings para tomar conta das ações destes grupos no mercado financeiro.

No final da década de 1990, com a sequência de “crises” nos países subdesenvolvidos, inclusive no Brasil, o câmbio passou a ser flutuante, com o dólar se desvalorizando ano a ano. As Organizações Globo investiram pesado no mercado de TV fechada e tiveram pouco retorno, necessitando de empréstimo do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social em 1999 para a Globo Cabo.

Em 2002, o mercado ficou temeroso com a eleição de Luiz Inácio Lula da Silva como presidente do país – apesar da “Carta aos Brasileiros” já denotar a coalisão com setores bem distantes do início do Partido dos Trabalhadores. O dólar chegou à casa dos R$ 4,00. As empresas brasileiras, caso das Org. Globo, tinham dívidas em dólares mas a receita era em reais, o que causou sérios problemas, já que passaram a dever quatro vezes mais que antes.

Por conta disso, as Organizações Globo quase perdem o controle sobre a sua principal empresa, a Rede Globo de Televisão, mas conseguiram negociar para que não houvesse intervenção sobre ela, contando com a ajuda do Goldman Sachs para isso. A TV entrou como garantia das dívidas da hoding Globo Participações S.A. e a família Marinho teve que se desfazer de bens extra-mídia (imóveis, etc.) e se afastar ainda mais dos negócios da TV fechada.

Até hoje o maior grupo comunicacional do Brasil, um dos maiores da América Latina e do mundo, tem que tratar com cuidado suas dívidas, renegociando prazos quando possível. O atual momento brasileiro é bem melhor que fora do país, mas a financeirização deste setor pode gerar reflexos num plano futuro.

É bem provável que o onipresente Goldman Sachs continue a prestar consultoria para a Globopar, e para tantas e tantas empresas de grande porte no Brasil, da mesma forma que fez e faz com países mundo afora, cujo sistema de “portas giratórias” o garante nos postos-chave da economia mundial. O que Rastani falou e surpreendeu a apresentadora da BBC parece cada vez mais assustador quando olhamos para a realidade próxima e vemos que realmente um só banco pode mandar e desmandar no mundo.

Núcleo Interdisciplinar de Estudos da Globalização Transnacional e da Cultura do Capitalismo (NIEG)

Related Link: http://estrategiaeanalise.com.br
This page can be viewed in
English Italiano Deutsch
Employees at the Zarfati Garage in Mishur Adumim vote to strike on July 22, 2014. (Photo courtesy of Ma’an workers union)

Front page

Italia - terremoto

Inside the Zimbabwean Uprising

La experiencia de Mujeres Libres: 80 años del surgimiento del feminismo anarquista organizado

Con Lucha Y Organización Fortalecemos La Resistencia

Algunas reflexiones en torno al poder y la institucionalidad a 80 años de la Revolución Española

80 aniversari de la insurrecció obrera i popular i de la revolució social

80 anni fa la rivoluzione comunista libertaria in Spagna

De los comités de defensa al análisis de los órganos de poder

The Coup in Turkey: Tyranny against tyranny does not make freedom

Greve, Piquete, Marcha e Ocupação! Educadores e Estudantes unidos pela Educação!

Making sense of the Brexit tide of reaction and the reality of the racist vote

[Colombia] Ante el acuerdo de cese al fuego bilateral y definitivo entre el gobierno colombiano y las FARC-EP

Coyuntura Política en Venezuela: Crisis, Tendencias y el Desafío de la Independencia de Clase

Orlando means fightback

Palestinian workers in Israel: between scylla and charybdis

A Socialist On City Council: A Look At The Career Of Kshama Sawant

Élargir la lutte et généraliser la grève pour gagner

Carta de Fundação OAZ

[Colombia] Documento de Formación: Análisis de Coyuntura 2015-2016

La NATO contro i Curdi: la Battaglia per A'zaz

Feminists in Ireland Say No To Pegida

Posició de Embat sobre el nou govern de la Generalitat i el procés constituent

A 120 años de su natalicio: la pluma rebelde de Manuel Rojas

Anarkismo.net wishes you all a 2016 of solidarity and resistance

Internacional | Economia | pt

Tue 30 Aug, 02:04

browse text browse image

textDeclaração anarco-comunista sobre a crise econômica mundial e a reunião do G20 13:59 Thu 27 Nov by Anarkismo 0 comments

Declaração internacional anarco-comunista sobre a crise econômica mundial e a reunião do G20, assinado por Alternative Libertaire (França), Federazione dei Comunisti Anarchici (Itália), Melbourne Anarchist Communist Group (Austrália), Zabalaza Anarchist Communist Front (África do Sul), Federação Anarquista do Rio de Janeiro (Brasil), Common Cause (Ontário, Canadá), Unión Socialista Libertária (Peru), Union Communiste Libertaire (Québec, Canadá), Liberty & Solidarity (Reino Unido), Asociación Obrera de Canarias (África) e Anarchistische Föderation Berlin (Alemanha). [Français] [Castellano] [Italiano] [Ελληνικά] [Polska] [Deutsch] [中文] [عَرَبيْ ] [Nederlands] [English]

imageA dimensão estratégica internacional do “golpe” branco sendo aplicado no Brasil Apr 25 by BrunoL 0 comments

23 de abril de 2016, Bruno Lima Rocha

Ao contrário dos argumentos baseados no senso comum, o processo brasileiro de impeachment da presidente Dilma Rousseff, e sua caracterização como um golpe institucional, não formam um fenômeno político essencialmente nacional ou doméstico. Como todas as mudanças de regime ou desestabilizações regionais na América Latina, há uma presença constante, direta ou indireta, de forças oficiais ou oficiosas dos Estados Unidos da América. O senso de humor político aplicado para os momentos mais trágicos nos faz lembrar que: “o risco de golpe de Estado é menor em território soberano dos Estados Unidos porque lá não tem embaixada dos EUA!”.

imageTPP, Aliança do Pacífico e a nova presença dos EUA na América Latina Nov 02 by BrunoL 0 comments

"O passo seguinte da presença comercial da China seria o de projetar uma nova arquitetura financeira mundial e é justamente contra esta possibilidade que se voltam os defensores da 'multilateralidade' pronunciada pelos porta-vozes de EUA e Japão", escreve Bruno Lima Rocha, professor de ciência política e de relações internacionais.

Eis o artigo.

imageTed Cruz e a guinada à direita para os latino-americanos Jul 08 by BrunoL 0 comments

07 de julho de 2015, Bruno Lima Rocha

Os Estados Unidos são um país multicultural, pluriétnico e com uma perigosa sobreposição da questão social (divisão da sociedade em classes) com a segmentação étnico-racial, segundo definição oficial do governo central da superpotência. Embora não tenha passado de tímidas políticas keynesianas, a administração de Barack Obama (democrata), eleito em 2008 e reeleito em 2012, marcou o início de uma possível era pós-racial nos Estados Unidos. Aparentemente, a Era pós-racial marcaria um momento na vida política e no ambiente doméstico da superpotência onde cada grupo étnico formaria sua elite relativa e formas de ascensão social. A reprodução das idéias mais à direita (dentro do espectro político dos EEUU) seria através dos milhões de gestores e proprietários de micro e pequenos negócios étnicos. O conceito tem falhas e incoerências, como afirmo abaixo.

imageEl Confederalìsmo Democrático y la economía colectivista Apr 08 by BrunoL 0 comments

Por Bruno Lima Rocha

Este ensayo es el comienzo de un intento de desarrollar un enfoque libertario de izquierda, hacia un modelo económico, específicamente en relación con un modelo que sea compatible con los partidos políticos del Confederalismo Democrático, también conocido como Municipalismo Libertario. En esta etapa, el objetivo es el desarrollo de un trabajo conjunto de análisis y herramientas de aprendizaje, que deberán lograrse en el marco de la Izquierda Libertaria. Para ello presento este texto relativamente simple para proporcionar nociones accesibles para aquellos que luchan por construir una sociedad basada en Confederalismo Democrático, tomando como base el avance de la revolución social en el Curdistán, proceso social coordinado por el Partido de los Trabajadores del Curdistán (PKK).

imageEUA, Cuba e a projeção geoestratégica Dec 23 by BrunoL 0 comments

A reaproximação progressiva entre Estados Unidos e Cuba foi anunciada na tarde de 4ª, 17 de dezembro, com a solenidade devida. Simultaneamente, o presidente dos EUA Barack Obama e o comandante em chefe (com status de general) Raúl Castro, informaram ao mundo e em especial para a América Latina que as relações entre os dois países passarão por uma distensão progressiva. Vários são os eixos de análise possíveis para discutir o caso. Neste breve texto damos ênfase para a dimensão geopolítica, dentro da projeção dos EUA e suas esferas de influência diretas e indiretas para a América Latina e no Caribe. Também observo, sob um ângulo geoestratégico, a preocupação dos EUA com o aumento da presença de capitais chineses em Cuba e a franca adesão do chefe de Estado cubano a uma linha chinesa pós-Deng Xiao Ping. Reconheço que para a sociedade cubana e a percepção da ilha como espaço de resistência anti-imperialista em nosso continente, o ambiente doméstico dentro da terra de José Martí e a contraparte dos gusanos na interna da direita cubana-estadunidense é mais relevante. Deixo esta análise para outra ocasião, concentrando-me agora no aspecto estratégico para os Estados e não para as forças político-sociais correspondentes.

more >>

textDeclaração anarco-comunista sobre a crise econômica mundial e a reunião do G20 Nov 27 0 comments

Declaração internacional anarco-comunista sobre a crise econômica mundial e a reunião do G20, assinado por Alternative Libertaire (França), Federazione dei Comunisti Anarchici (Itália), Melbourne Anarchist Communist Group (Austrália), Zabalaza Anarchist Communist Front (África do Sul), Federação Anarquista do Rio de Janeiro (Brasil), Common Cause (Ontário, Canadá), Unión Socialista Libertária (Peru), Union Communiste Libertaire (Québec, Canadá), Liberty & Solidarity (Reino Unido), Asociación Obrera de Canarias (África) e Anarchistische Föderation Berlin (Alemanha). [Français] [Castellano] [Italiano] [Ελληνικά] [Polska] [Deutsch] [中文] [عَرَبيْ ] [Nederlands] [English]

© 2005-2016 Anarkismo.net. Unless otherwise stated by the author, all content is free for non-commercial reuse, reprint, and rebroadcast, on the net and elsewhere. Opinions are those of the contributors and are not necessarily endorsed by Anarkismo.net. [ Disclaimer | Privacy ]