user preferences

A África do Sul na encruzilhada após apartheid

category África austral | a esquerda | opinião / análise author Thursday August 02, 2012 00:02author by Bruno Lima Rocha - Federação Anarquista Gaúcha Report this post to the editors

Nem mesmo Mandela impediu o saque das elites sul-africanas durante a Copa do Mundo de 2010. Os 20% mais ricos ainda controlam 80% do PIB nacional.

mandelacopa.jpg

Após dez dias a trabalho na África do Sul, aproveitando para conversar com militantes de movimentos sociais e de agrupações à esquerda do governo, pude constatar a encruzilhada onde hoje se encontra o país.

Passados quatorze anos de democracia, a república criada em 1948 a partir da unificação das colônias inglesas e territórios “livres” dos bôeres (descendentes dos holandeses) não conseguiu superar a herança do apartheid e o capitalismo racial.

A transição iniciada em 1991 foi concluída em 1994, quando o Congresso Nacional Africano (ANC), ganha eleições gerais. Pouco a pouco, os setores mais sectários, como a direita africâner (branca e racista), assim como o partido zulu Inkhata, foi perdendo espaço. A estrutura de suporte do movimento de Nelson Mandela é junto ao Partido Comunista (SACP) e a Central Sindical (Cosatu).

Com estre tripé, os governos de Mandela, Thato Mbeki e Jacob Zuma consolidaram uma hegemonia política, tornaram-se elite dirigente e projetaram globalmente a maior economia do continente africano. Mas foi só.

Com quatorze anos de exercício da “Revolução Nacional Democrática” (NDR), os dados seguem alarmantes e a realidade desesperadora. Mandela e seus sucessores não mudaram a estrutura da riqueza circulante, e mesmo com a fuga de capitais brancos, os 20% mais ricos ainda controlam 80% do PIB nacional.

Para ter uma ideia do abismo social (remanescente do sistema racial), 70% dos jovens estão desempregados e mais de 19 milhões de crianças vivem abaixo da linha de pobreza.

Ultrapassando os números, o problema é a falta de projeto de câmbio. Apenas uma mostra é a falta de transporte público nas cidades, onde praticamente não existem ônibus circulantes, apenas vans de particulares. O governo da ANC não quis e tampouco conseguiu derrotar os controles destas máfias, deixando a população sem serviço básico.

Como as únicas estruturas políticas e sociais que atravessam toda a população - incluindo os falantes de dez idiomas distintos, além do inglês como língua franca – são as que compõem a Aliança, fica abafado o protesto social.

Em seu lugar, ocorre um duplo discurso, o mesmo ao qual estamos acostumados no Brasil depois de uma década de governo de centro-esquerda.

A encruzilhada após apartheid se encontra na perda de legitimidade e memória coletiva do período da resistência, e a crescente corrupção das elites dirigentes. Estas integraram o país nas fragilidades da economia global; fizeram a Copa de 2010, e sem dividir renda ou poder com as maiorias.

Bruno Lima Rocha

Related Link: http://www.estrategiaeanalise.com.br
This page can be viewed in
English Italiano Deutsch
Employees at the Zarfati Garage in Mishur Adumim vote to strike on July 22, 2014. (Photo courtesy of Ma’an workers union)

África Austral | A Esquerda | pt

Sun 04 Dec, 08:57

browse text browse image

Sorry, no stories matched your search, maybe try again with different settings.

imageMandela e a lição para o Brasil Dec 15 by Bruno Lima Rocha 0 comments

Ao superar o Apartheid, necessariamente o símbolo do território tinha de refletir a nova unidade pluriétnica

Sorry, no press releases matched your search, maybe try again with different settings.
© 2005-2016 Anarkismo.net. Unless otherwise stated by the author, all content is free for non-commercial reuse, reprint, and rebroadcast, on the net and elsewhere. Opinions are those of the contributors and are not necessarily endorsed by Anarkismo.net. [ Disclaimer | Privacy ]