user preferences

A (tortura) Doutrina do Choque

category internacional | imperialismo / guerra | resenha author Saturday May 19, 2012 21:50author by Núcleo Interdisciplinar de Estudos sobre a Globalização - NIEG Report this post to the editors

"A Doutrina do Choque" expõe como o neoliberalismo "geriu" a ditadura de Pinochet.

adoutrinadochoque.jpg

Neste artigo, seguimos com a filmografia utilizada pelo Núcleo Interdisciplinar de Estudos da Globalização Transnacional e da Cultura do Capitalismo (NIEG), considerando a linguagem audiovisual como um veículo de síntese, capaz de expor as bases do pensamento e ação do neoliberalismo em sua forma vulgar. O filme aqui abordado é “A doutrina do choque”, um documentário feito em 2009, baseado no livro da autora e jornalista canadense Naomi Klein, reconhecida mundialmente por seu livro No Logo (a respeito das marcas e da terceirização selvagem do fast fashion dentre outros produtos semi-descartáveis).

O filme mostra a imposição de regimes econômicos neoliberais através do choque coletivo, realizando analogias difíceis de serem assistidas. No início do documentário a escritora faz uma analise do conceito por ela utilizado. Segundo Klein “o estado de choque não é apenas o que acontece conosco quando acontece algo ruim, e sim o que acontece quando perdemos a nossa narrativa, quando perdemos nossa história, quando ficamos desorientados. O que nos mantêm orientados, fora de choque, é a nossa história”.

Nos anos ‘50, estudos promovidos pela CIA, em convênio com instituições psiquiátricas canadenses (forma ao Canadá pois realizar os mesmos testes nos EUA seria ilegal) mostraram que a terapia do choque diminuía a capacidade de raciocino, fazendo com que as pessoas regredissem, ficando impossibilitadas de tomar qualquer atitude. Esta forma científica de tortura foi usada durante guerras (a exemplo das guerras não convencionais do Império contra a América Latina), crises e desastres naturais, operando como demonstração de crueldade sistêmica, amansando resistências de modo a preparar os povos a tolerarem o avanço dos mecanismos para privatizar e desregulamentar bens públicos.

A obra demonstra de forma cabal como as idéias têm conseqüências, sendo o mentor do neoliberalismo, o economista Milton Friedman, o principal responsável pelas “torturas” em escala societária. Este intelectual, formador na Escola de Chicago, é o principal alvo de críticas da escritora Naomi Klein. Não sem razão.

Um dos exemplos dados no documentário é o Chile. O país foi laboratório do neoliberalismo, experiência “bem sucedida”, executando o sistema previdenciário com uma calculadora financeira, operada por ex-alunos de Friedman (daí o apelido de Chicago Boys) e assassinando, matando, desaparecendo, violando, violentando, saqueando e torturando com a outra pata, diretamente comandada pelo general Augusto Pinochet.

Outros exemplos dados no filme, posteriores ao caso do Chile, são a Argentina (na Era Menem, sendo que o desmonte começa quando José Alfredo Martínez de Hoz foi ministro de Economia da ditadura); incluindo-se no rol de exemplos do “choque”, ao governo anti regulador do republicano Ronald Reagan EUA (1981-1988) e da conservadora Margaret Thatcher na Inglaterra (1979-1990).

Esta doutrina (tortura mental, bombardeio midiático, rolo compressor ideológico) econômica produz desemprego, pobreza, aumenta o abismo social, pois concentra o capital nas mãos de corporações e enfraquece o poder estatal. Um dos artifícios da doutrina nefasta é mudar o foco quando as pessoas estão muito concentradas em algumas emergências, com preocupações em defender seus bens. Um cidadão em aflitos fica de olhos vendados e acaba diminuindo seu ponto de vista, apavorando-se da perda do mínimo, termina por entregar tudo (tal como a parábola dos nazistas entrando em Varsóvia, Polônia). Por isso usa-se dos desastres da natureza e de terrorismo psicológico sobre a população. Nestas horas, aproveita-se para “ajudar”, oferecendo convênios, empréstimos (como o do RS junto ao Banco Mundial) e o que parece um “auxílio” torna-se caminho de mão única rumo ao despenhadeiro societário, reforçando as teses de “não há alternativa” e de “pensamento único” pró-mercado. A regra é sempre a mesma, e funciona. Escondem-se as relações causais, oculta-se as premissas de pensamento aplicando equações e modelos matemáticos como tradução de teoremas das ciências sociais e passa a ser “saber técnico” quando na verdade trata-se de disputa por recursos coletivos.

A Doutrina do Choque é documentário essencial para compreender o quanto o neoliberalismo afeta a esfera econômica. O mesmo procedimento faz desta doutrina o principal argumento para legitimar a farsa com nome de crise, enfraquecendo as possibilidades do estabelecimento de uma política voltada para o bem da sociedade.

Núcleo Interdisciplinar de Estudos da Globalização Transnacional e da Cultura do Capitalismo (NIEG)

Related Link: http://www.estrategiaeanalise.com.br

This page has not been translated into Türkçe yet.

This page can be viewed in
English Italiano Deutsch
Employees at the Zarfati Garage in Mishur Adumim vote to strike on July 22, 2014. (Photo courtesy of Ma’an workers union)

Front page

Inside the Zimbabwean Uprising

La experiencia de Mujeres Libres: 80 años del surgimiento del feminismo anarquista organizado

Con Lucha Y Organización Fortalecemos La Resistencia

Algunas reflexiones en torno al poder y la institucionalidad a 80 años de la Revolución Española

80 aniversari de la insurrecció obrera i popular i de la revolució social

80 anni fa la rivoluzione comunista libertaria in Spagna

De los comités de defensa al análisis de los órganos de poder

The Coup in Turkey: Tyranny against tyranny does not make freedom

Greve, Piquete, Marcha e Ocupação! Educadores e Estudantes unidos pela Educação!

Making sense of the Brexit tide of reaction and the reality of the racist vote

[Colombia] Ante el acuerdo de cese al fuego bilateral y definitivo entre el gobierno colombiano y las FARC-EP

Coyuntura Política en Venezuela: Crisis, Tendencias y el Desafío de la Independencia de Clase

Orlando means fightback

Palestinian workers in Israel: between scylla and charybdis

A Socialist On City Council: A Look At The Career Of Kshama Sawant

Élargir la lutte et généraliser la grève pour gagner

Carta de Fundação OAZ

[Colombia] Documento de Formación: Análisis de Coyuntura 2015-2016

La NATO contro i Curdi: la Battaglia per A'zaz

Feminists in Ireland Say No To Pegida

Posició de Embat sobre el nou govern de la Generalitat i el procés constituent

A 120 años de su natalicio: la pluma rebelde de Manuel Rojas

Anarkismo.net wishes you all a 2016 of solidarity and resistance

Migranti e profughi

Internacional | Imperialismo / Guerra | pt

Sat 27 Aug, 21:26

browse text browse image

daf_in_kobane.jpg imageEm Shingal, Kobani e em toda a Rojava, o ISIS é Dehak e o Po 12:22 Fri 10 Oct by Devrimci Anarşist Faaliyet - DAF 0 comments

No Curdistão, o povo está lutando contra o ISIS, a "violência propagada" é gerada pelo capitalismo e pelos Estados que iniciam guerras para seus próprios benefícios. O ISIS, subcontratado dos Estados que buscam o lucro na região, está atacando o povo ao gritar "Estado Islâmico" e "Guerra Santa, a Jihad"! O povo está passando fome e sede, adoecendo, migrando e morrendo. Eles ainda estão lutando nesta batalha pela existência. O povo não está lutando por esquemas e estratégias em torno das mesas de reuniões, nem pelo lucro, mas pela sua liberdade.

textA directiva de retorno instaura o fascismo na Europa 02:26 Thu 19 Jun by Colectivo Luta Social 0 comments

textVI Encontro Latino-americano de Organizações Populares Autônomas 18:53 Thu 17 Jan by Comissão Organizadora do VI ELAOPA 0 comments

Texto base para o VI ELAOPA

imageSíria: O que aconteceu com os curdos nas 'negociações' de Genebra? Feb 08 by José Antonio Gutiérrez D. 0 comments

Na semana passada estava prevista uma reunião em Genebra, no marco das negociações indiretas entre o governo sírio e as facções da 'oposição' armada reunidas no grupo divulgado pelo nome tonitruante de Alto Comitê para as Negociações. O enviado da ONU para a crise síria, Staffan de Mistura, decidiu adiar a reunião para o dia 25 de fevereiro. Curiosamente porém, foi excluído daquela reunião o partido dos curdos, o PYD, o qual, dentre outras coisas, é ator político importantíssimo no futuro da Síria e a única força que combateu em solo contra o 'Estado Islâmico'. É paradoxal que se boicote a participação do PYD, quando a mídia-empresa ocidental tão frequentemente vendeu a imagem dos curdos como os "amigos" do ocidente, cuidando atentamente de esconder os reais objetivos políticos desse movimento, e limitando sua simpatia a uma imagem semierotizada de mulheres jovens armadas com fuzis. [Castellano] [Français] [Italiano]

imagePor uma geoestratégia dos povos – 1 Jan 11 by BrunoL 0 comments

09 de janeiro de 2016, Bruno Lima Rocha

Introdução – Nesta nova série, inicio um conjunto de textos de difusão que visam ganhar a densidade até se tornarem um ensaio posterior. A meta não é necessariamente polemizar de fora para dentro da academia, e sim servir como apoio da frente teórica dentro da corrente para os debates, proposições e perspectivas em termos de política internacional, economia política internacional e relações internacionais. Muitas vezes, diante da impossibilidade teórica, há impossibilidade estratégica, logo, nada se realiza e quase tudo se copia ou mimetiza. A razão desta nova série é aportar uma contribuição para diminuir esta lacuna.

imageA presença dos EUA na América Latina e a mentalidade colonizada da elite brasileira Nov 13 by BrunoL 0 comments

12 de novembro de 2015, Bruno Lima Rocha

"Os jovens nascidos na era da comunicação cibernética estão com menos freios para incorporarem as marcas e a cultura do consumo suntuoso que marcam a vida cotidiana nas metrópoles dos EUA. Isto pode ser tristemente evidenciado observando a presença da juventude de periferias em shopping centers brasileiros, trajando roupas com mímicas e trejeitos estadunidenses", afirma Bruno Lima Rocha, professor de ciência política e de relações internacionais.

Eis o artigo.

imageA encruzilhada do Curdistão socialista Aug 21 by BrunoL 0 comments

Introdução

O advento da primavera árabe e a rebelião sunita contra o governo Assad na Síria oportunizou o exercício de soberania da população curda residindo dentro dos limites deste Estado falido. Em novembro de 2013, isto se concretizou no estabelecimento dos três cantões de Rojava (oeste em curdo), Efrin, Kobane e Cyzire, implicando na construção de uma sociedade de tipo socialista, democrática e feminista. As instâncias de poder são de acesso coletivo, os cargos executivos rotativos e a economia tem base familiar, cooperativada e com experimentos de coletivização.

imageO Irã e o xadrez curdo May 21 by BrunoL 0 comments

20 de maio de 2015, Bruno Lima Rocha

A cidade de Mahabad é conhecida como a capital do Curdistão iraniano, e hoje opera como o epicentro da rebelião popular dos curdos contra a autoridade xiita de Teerã. O Curdistão Leste (Rojhelat) viveu um momento de rebelião após o dia 7 de maio quando uma jovem curda se atirou do 4º andar de um hotel cinco estrelas onde trabalhava como camareira. O motivo do suicídio de Farinaz Xorowanî foi um ato de rebeldia contra agentes da inteligência iraniana (Itlaat) que, ao alegar querer interroga-la tentaram forçar um estupro. O sacrifício da trabalhadora resultou em rebelião franca e aberta, com as tropas anti-distúrbios da província e forças regulares da Guarda Revolucionária do Irã (Pasdaran) usando munição letal no meio da rua. Tal episódio, ao contrário de ser uma raridade, é a norma de convivência entre o regime dos Aiatolás e a esquerda curda. Nos dias posteriores, a polícia política dos aiatolás prendeu mais de 800 militantes sociais curdos, o que certamente irá aumentar a estatística regular de assassinados pelo Estado; cerca de cem ativistas por ano são enforcados pelas leis do fundamentalismo xiita.

more >>
© 2005-2016 Anarkismo.net. Unless otherwise stated by the author, all content is free for non-commercial reuse, reprint, and rebroadcast, on the net and elsewhere. Opinions are those of the contributors and are not necessarily endorsed by Anarkismo.net. [ Disclaimer | Privacy ]