user preferences

New Events

Brazil/Guyana/Suriname/FGuiana

no event posted in the last week

Absurdos sigilos de uma CPMI

category brazil/guyana/suriname/fguiana | economia | opinião / análise author Wednesday May 16, 2012 22:20author by Bruno Lima Rocha - Federação Anarquista Gaúcha Report this post to the editors

A CPMI do Cachoeira pode colocar muita gente rio abaixo.

chargecpicachoeiravejaaroeira.jpg

O Brasil por vezes beira o absurdo. A noção que toda instituição convive com suas imperfeições e idiossincrasias aqui é elevada para a máxima potência. A CPMI de Carlinhos Cachoeira e companhia materializam esta ideia.

Como se sabe, a maior parte dos integrantes da Comissão, pertence de forma pouco ou nada ideológica à base de apoio do governo de Dilma. Talvez por isso, insistam em tentar resguardar sigilo sobre processos correndo em “segredo” de Justiça, selecionar depoimentos, re-escalonar agendas e fazer o possível para centrar o alvo da investigação.

O problema é que, ao menos aparentemente, as ligações privilegiadas do empreendedor goiano atravessam legendas e áreas de investimento. O modus operandi se assemelharia a postura das empresas transnacionais “colaborando” com o processo democrático no Brasil.

Após o desastre de Fernando Collor de Mello na Presidência, as outrora chamadas “multis” deixaram de apostar as fichas em um só concorrente.

Ao contrário dos lacerdistas leais ao seu passado político, as metas econômicas do contraventor superam divisões em termos de partidos, blocos parlamentares e diferentes governadores.

Efetivamente, uma bomba política está sentada no colo do goiano Marconi Perillo(PSDB), mas também do fluminense Sérgio Cabral Filho (ex-tucano e atual peemedebista) e do ex-comunista (hoje no PT), o governador brasiliense Agnelo Queiroz.

Assim, o que poderia ser o golpe derradeiro focado na UDN, e também na revista Veja (como expõe a revista Carta Capital desta semana), ambos adversários de Lula e seu legado, talvez se volte contra parte dos apoiadores do ex-presidente.

Para evitar que isto ocorra, o mais prudente é congelar os efeitos midiáticos de uma investigação que, partindo de evidências de tráfico de influência e conspiração para fins econômicos, implica em holofotes negativos para os detentores de mandato e cargos de confiança arrolados no imbróglio de Cachoeira e as empresas que o “auxiliam”.

Eis o absurdo. Não faz sentido abrir uma Comissão Parlamentar de Inquérito apenas para reproduzir aquilo já apurado pela Polícia Federal. Para piorar, os parlamentares querem abafar conteúdos já “vazados”.

Resta um detalhe cruel. Ainda que o “vazamento”ocorra de forma irregular, pois as investigações corriam sob segredo de Justiça, seria impossível atingir a opinião pública sem que a opinião publicada contivesse trechos legalmente proibidos de circular.

No Brasil, a realidade da política supera qualquer obra de ficção.

Bruno Lima Rocha

Related Link: http://www.estrategiaeanalise.com.br

This page has not been translated into 中文 yet.

This page can be viewed in
English Italiano Deutsch
Zabalaza no.14 Out Now

Brazil/Guyana/Suriname/FGuiana | Economia | pt

Sat 05 Sep, 11:47

browse text browse image

privatizacionaeropuertos.jpg imageEl sector aéreo y el desafío privatizador de Dilma 03:14 Fri 04 Feb by Bruno Lima Rocha 0 comments

Las amenazas de “caos aéreo” y la presión para alcanzar el plan de metas de infraestructura y función operacional de la FIFA para la Copa del Mundo de fútbol, abren margen de consentimientos de las personas para que un proceso privatizador sea puesto en marcha.

imageA nova direita e o objetivo estratégico do impeachment quase inalcançável Aug 30 by BrunoL 0 comments

28 de agosto de 2015, Bruno Lima Rocha

"Há uma evidente confluência de ideias-guia entre os que defendem o impeachment nas ruas (os grupos neoliberais) e os políticos de tradição oligárquica no Congresso Nacional. É por isso que no atual momento o povo perde de todos os lados. Seja pela direita que é governo, com o tucano e Chicago Boy Joaquim Levy à frente da pasta do Ministério da Fazenda (o mais importante dos ministérios); seja pela Agenda Brasil e a “salvação” do governo implicando em abrir mão de quase tudo para manter o mandato; seja pela oposição política formal que sem nenhum pudor apresenta um projeto entreguista de exploração de petróleo como o do senador José Serra (PSDB-SP), e na ponta direita da política, o povo brasileiro corre sério risco se as ideias reacionárias expressas nas ruas de 16 de agosto se tornarem realidade em alguma proporção. Logo, há muito mais em jogo do que a continuidade institucional a qualquer custo", constata Bruno Lima Rocha, professor de ciência política e de relações internacionais.

Eis o artigo.

imageUDN na rua e o pedido de investigação das contas de campanha de Dilma. Mas o empresariado não quer a... Aug 25 by BrunoL 0 comments

24 de agosto de 2015, Bruno Lima Rocha

"Ou o que resta de base social mobilizada ou desembarca de vez do governo e acaba com qualquer resto de duplo discurso como o do tal "apoio crítico" ou toda a esquerda vai pagar um preço alto demais se tudo ruir", escreve Bruno Lima Rocha, professor de de ciência política e de relações internacionais.

Eis o artigo.

imageUDN na rua e o pedido de investigação das contas de campanha de Dilma. Mas o empresariado não quer a... Aug 25 by BrunoL 0 comments

24 de agosto de 2015, Bruno Lima Rocha

"Ou o que resta de base social mobilizada ou desembarca de vez do governo e acaba com qualquer resto de duplo discurso como o do tal "apoio crítico" ou toda a esquerda vai pagar um preço alto demais se tudo ruir", escreve Bruno Lima Rocha, professor de de ciência política e de relações internacionais.

Eis o artigo.

imageQuando o “fogo amigo” está tão à direita como a oposição declarada. Uma semana que culmina com o ato... Aug 16 by BrunoL 0 comments

14 de agosto de 2015, Bruno Lima Rocha

"Talvez a saída para brecar o golpe em andamento venha do andar de cima. O desempate pode sair do que resta de empresariado nacional que, assustado com a Lava Jato e não predisposto a abrir mão de tudo em função de uma ideologização neoliberal inconsequente, pode pender para a governabilidade. Se avançar a CPI do BNDES vão criminalizar o financiamento das empresas estratégicas. Isso é simplesmente o núcleo central de acumulação capitalista no Brasil. Portanto, freá-lo é inviabilizar o país dentro do modo de produção vigente", analisa Bruno Lima Rocha, professor de ciência política e de relações internacionais.

Eis o artigo.

imageA crise política e os limites da democracia liberal como vetor de desenvolvimento soberano no Brasil... Aug 05 by BrunoL 0 comments

04 de agosto de 2015, Bruno Lima Rocha

"Dirceu não abre e nem gagueja na hora do depoimento. Entendo que Dirceu macula e lastima ex-combatentes da ditadura. O ex-Ministro forte de Lula está do lado errado do conflito social, opera com a mentalidade do antigo inimigo de classe, e atua de forma assemelhada a Rodolfo Galimberti brasileiro e vai se comportar do mesmo jeito de sempre; sem entregar ninguém e menos ainda ceder a pressões externas", opina Bruno Lima Rocha, professor de Relações Internacionais.

Eis o artigo.

more >>
Sorry, no press releases matched your search, maybe try again with different settings.
© 2005-2015 Anarkismo.net. Unless otherwise stated by the author, all content is free for non-commercial reuse, reprint, and rebroadcast, on the net and elsewhere. Opinions are those of the contributors and are not necessarily endorsed by Anarkismo.net. [ Disclaimer | Privacy ]