user preferences

New Events

Internacional

no event posted in the last week

Porquê a crise da dívida soberana dos países periféricos?

category internacional | economia | opinião / análise author Saturday July 02, 2011 21:24author by Manuel Baptista - (A título pessoal) Report this post to the editors

[...] o imperialismo dominante está a afundar os seus «aliados», numa tentativa desesperada de evitar que aumente ainda mais o apelo que tem o euro, o qual tem vindo a ser mais e mais preferido internacionalmente em muitos intercâmbios, financeiros e comerciais.


Porquê a crise da dívida soberana dos países periféricos?


O colapso financeiro de 2007 foi devido a uma sobre-exposição dos bancos a activos «tóxicos». Transformou-se - porém - em crise da dívida soberana dos países europeus, por uma conjugação de factores. Um deles será a sujeição canina dos governos e da comissão europeia aos interesses dos grandes grupos económicos e financeiros.

Porém, outra parte -não desprezível- desta crise das dívidas soberanas dos países periféricos do euro foi friamente programada, usando as três maiores agências de notação dos EUA. Com efeito, há indícios de que elas terão sido incentivadas por Washington. Mas mesmo que não houvesse isso, visto que a sua subsistência depende -em última análise- do «estado de saúde do dólar», elas tinham claramente interesse próprio em especular contra as dívidas soberanas dos países da zona euro. Se o dólar continuar a perder terreno a favor do euro (como tem vindo a acontecer desde há um ano!), estes grupos económicos, que são na realidade estas «agências de notação» irão sofrer!

Portanto, o ataque especulativo contra o euro desenvolveu-se de uma forma «colateral», através da chamada crise das dívidas soberanas desses países periféricos.

O imperialismo USA apenas subsiste porque todo o mundo continua a transaccionar em dólares, numa larga percentagem. A queda do Saddam foi decidida por ele ter anunciado que iria converter em euros as suas reservas em dólares e faria daí por diante transacções internacionais na moeda europeia, deixando de aceitar dólares pelo petróleo exportado. Isto foi o despoletar da invasão.

Aquilo que aconteceu na Líbia, tem algumas semelhanças, pois Kaddafhi tinha um plano - o «dinar de ouro» - que ele submeteu aos outros países da UA (União africana): Esta seria a moeda única do continente africano, na qual seriam transaccionados os bens, nomeadamente matérias primas (petróleo, gás, minerais, produção agrícola...). Era uma forte ameaça para americanos, britânicos e franceses. Assim, rapidamente tomaram eles pretexto (insuflaram?) de uma rebelião para tentar derrubar o dirigente líbio... de novo «persona non grata».

Todos os analistas sérios avisam sobre a iminente e inevitável derrocada do dólar. Isso é inevitável no plano histórico, pois os países «BRICS» não irão continuar a transaccionar por muito mais tempo os seus produtos em dólares. A China deu um sinal disso, há cerca de um ano, pois tinha proposto, numa reunião cimeira, a introdução duma unidade padrão, uma espécie de «moeda contabilística internacional», constituída por uma «cesta» das principais moedas. Tratava-se de uma ameaça demasiado directa ao dólar. A proposta foi imediatamente recusada pelos EUA. Mas eles ficaram conscientes que tinham de agir. Se não fizessem nada, viria muito rápida a queda do dólar, com todas as consequências na economia dos EUA!

A estratégia dos EUA, consiste portanto em sabotar o euro, atacando a credibilidade das economias e dos estados periféricos. Assim, eles estão a cercear a base de confiança na «construção europeia» e no euro, ou seja: o imperialismo dominante está a afundar os seus «aliados», numa tentativa desesperada de evitar que aumente ainda mais o apelo que tem o euro, o qual tem vindo a ser mais e mais preferido internacionalmente em muitos intercâmbios, financeiros e comerciais.

This page has not been translated into 中文 yet.

This page can be viewed in
English Italiano Deutsch
E

Front page

The party is haunting us again

[Colombia] Declaración Constitutiva de Acción Libertaria Estudiantil

Flora Tristán: precursora del feminismo y de la emancipación proletaria

Bil'in - 10 years of persistent joint struggle

In solidarity with the NO TAV struggle

Wave of arrests in Ireland as state tries to break water charges movement

Não se intimidar, não desmobilizar! Toda nossa solidariedade ao companheiro Vicente!

After the election of Syriza in Greece - Power is not in Parliament

[Chile] Movimiento Estudiantil: ¿En dónde debemos enfocar nuestros esfuerzos?

Je ne suis pas Charlie

México en llamas: raíces y perspectivas de una lucha que avanza y la crisis de un sistema político

Sobre la liberación de prisioneros y el restablecimiento de relaciones diplomáticas, por los gobiernos de Cuba y EE.UU.

No to Golden Dawn in Australia!

Abusos y arbitrariedad - retención de JOSÉ A. GUTIÉRREZ, en el bajo Caguán, Caquetá

Could a Revolution Happen in the US?

An Anarchist Communist Reply to ‘Rojava: An Anarcho-Syndicalist Perspective’

Lutar e vencer fora das urnas

In the Rubble of US Imperialism

Elementos da Conjuntura Eleitoral 2014

The experiment of West Kurdistan (Syrian Kurdistan) has proved that people can make changes

[Chile] EL FTEM promueve una serie de “jornadas de debate sindical”

Ukraine: Interview with a Donetsk anarchist

The present confrontation between the Zionist settler colonialist project in Palestine and the indigenous working people

Prisões e mais criminalização marcam o final da Copa do Mundo no Brasil

Internacional | Economia | pt

Wed 01 Apr, 13:52

browse text browse image

textDeclaração anarco-comunista sobre a crise econômica mundial e a reunião do G20 13:59 Thu 27 Nov by Anarkismo 0 comments

Declaração internacional anarco-comunista sobre a crise econômica mundial e a reunião do G20, assinado por Alternative Libertaire (França), Federazione dei Comunisti Anarchici (Itália), Melbourne Anarchist Communist Group (Austrália), Zabalaza Anarchist Communist Front (África do Sul), Federação Anarquista do Rio de Janeiro (Brasil), Common Cause (Ontário, Canadá), Unión Socialista Libertária (Peru), Union Communiste Libertaire (Québec, Canadá), Liberty & Solidarity (Reino Unido), Asociación Obrera de Canarias (África) e Anarchistische Föderation Berlin (Alemanha). [Français] [Castellano] [Italiano] [Ελληνικά] [Polska] [Deutsch] [中文] [عَرَبيْ ] [Nederlands] [English]

imageEUA, Cuba e a projeção geoestratégica Dec 23 by BrunoL 0 comments

A reaproximação progressiva entre Estados Unidos e Cuba foi anunciada na tarde de 4ª, 17 de dezembro, com a solenidade devida. Simultaneamente, o presidente dos EUA Barack Obama e o comandante em chefe (com status de general) Raúl Castro, informaram ao mundo e em especial para a América Latina que as relações entre os dois países passarão por uma distensão progressiva. Vários são os eixos de análise possíveis para discutir o caso. Neste breve texto damos ênfase para a dimensão geopolítica, dentro da projeção dos EUA e suas esferas de influência diretas e indiretas para a América Latina e no Caribe. Também observo, sob um ângulo geoestratégico, a preocupação dos EUA com o aumento da presença de capitais chineses em Cuba e a franca adesão do chefe de Estado cubano a uma linha chinesa pós-Deng Xiao Ping. Reconheço que para a sociedade cubana e a percepção da ilha como espaço de resistência anti-imperialista em nosso continente, o ambiente doméstico dentro da terra de José Martí e a contraparte dos gusanos na interna da direita cubana-estadunidense é mais relevante. Deixo esta análise para outra ocasião, concentrando-me agora no aspecto estratégico para os Estados e não para as forças político-sociais correspondentes.

imageNo Curdistão reside a esperança do Oriente Médio e da Ásia Central Dec 01 by BrunoL 0 comments

30 de novembro de 2014, Bruno Lima Rocha

Em tempos de barbaridades promovidas pela atuação do Estado Islâmico do Iraque e do Levante (ISIS), a resistência em Kobane, terceira cidade mais importante dos curdos, localizada na fronteira entre a Síria (ou o que dela resta) e da República da Turquia, reforça a esperança de uma sociedade não sectária e democrática no Oriente Médio, e com influências até a Ásia Central. [Italiano]

imageA cúpula do terror financeiro global Aug 19 by BrunoL 0 comments

Bruno Lima Rocha, 18 de agosto de 2014

O Comitê de Determinações da Associação Internacional de Swaps e Derivativos (ISDA, ver o site dc.isda.org) equivale a uma instância globalizada de classificação de “riscos”, afirmando, por exemplo, se algum país está em default (calote) ou não. Este órgão foi criado em 2009, para tentar impor uma legitimidade a partir dos próprios fraudadores do sistema financeiro mundial. O jornal O Globo, em sua edição de 1º de agosto (página 24, em matéria de Marcio Beck e Rennan Setti) apresenta a informação dos componentes deste Comitê, sem fazer o contraponto do passado recente destes conglomerados do cassino do capital fictício. Bastaria consultar o domínio do Comitê, observar a composição dos membros das Américas e cruzar com informações difundidas pela grande mídia para dar-se conta de que, literalmente, quem está arbitrando o conflito é parte geradora da quebradeira de setembro de 2008.

imageOs Brics e o novo eixo de expansão capitalista Jul 25 by BrunoL 0 comments

A 6ª Reunião de Cúpula dos líderes do bloco de países formado por Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul (Brics) apontou para uma realização e duas certezas.
O fato concreto é da ordem da redistribuição geográfica do capitalismo mundial. Fundar os pilares de um Novo Banco de Desenvolvimento e um Fundo de Contingência é um importante passo para sobrepor a moribunda ordem nascida em Bretton Woods. [Italiano]

imageO onipresente Goldman Sachs Aug 17 by Núcleo Interdisciplinar de Estudos sobre a Globalização 0 comments

Se os bancos são “muito grandes para falir”, o Goldamn Sachs nunca cogitou esta hipótese porque ganhou muito com a falência de outras empresas e, principalmente, de muitos países, sempre estando próximo, seja para emprestar ou para prestar “consultoria”

more >>

textDeclaração anarco-comunista sobre a crise econômica mundial e a reunião do G20 Nov 27 0 comments

Declaração internacional anarco-comunista sobre a crise econômica mundial e a reunião do G20, assinado por Alternative Libertaire (França), Federazione dei Comunisti Anarchici (Itália), Melbourne Anarchist Communist Group (Austrália), Zabalaza Anarchist Communist Front (África do Sul), Federação Anarquista do Rio de Janeiro (Brasil), Common Cause (Ontário, Canadá), Unión Socialista Libertária (Peru), Union Communiste Libertaire (Québec, Canadá), Liberty & Solidarity (Reino Unido), Asociación Obrera de Canarias (África) e Anarchistische Föderation Berlin (Alemanha). [Français] [Castellano] [Italiano] [Ελληνικά] [Polska] [Deutsch] [中文] [عَرَبيْ ] [Nederlands] [English]

© 2005-2015 Anarkismo.net. Unless otherwise stated by the author, all content is free for non-commercial reuse, reprint, and rebroadcast, on the net and elsewhere. Opinions are those of the contributors and are not necessarily endorsed by Anarkismo.net. [ Disclaimer | Privacy ]