user preferences

New Events

Internacional

no event posted in the last week

Prêmio Nobel da Guerra

category internacional | imperialismo / guerra | opinião / análise author Wednesday November 11, 2009 23:41author by José Antonio Gutiérrez D. Report this post to the editors

Nunca fui muito bom em matemática, mas o seguinte cálculo é bastante exato. Somam-se 10.000 tropas novas no Afeganistão, violações sistemáticas nas ocupações deste país e do Iraque, silêncio cúmplice diante de dois genocídios, um em Gaza e outro no Sri Lanka (onde ainda há 300.000 seres humanos em campos de concentração), um golpe de Estado em Honduras em que a participação norte-americana foi algo que todos sabiam – mas que ninguém quis denunciar diretamente (ainda que o tiro tenha saído pela culatra) –, sete novas bases militares na Colômbia, e o que temos de resultado? Um prêmio Nobel da “Paz” para o presidente dos E.U.A., Barack Obama. [Castellano]

300_0___20_0_0_0_0_0_17f67e6f80.jpg


Prêmio Nobel da Guerra


Nunca fui muito bom em matemática, mas o seguinte cálculo é bastante exato. Somam-se 10.000 tropas novas no Afeganistão, violações sistemáticas nas ocupações deste país e do Iraque, silêncio cúmplice diante de dois genocídios, um em Gaza e outro no Sri Lanka (onde ainda há 300.000 seres humanos em campos de concentração), um golpe de Estado em Honduras em que a participação norte-americana foi algo que todos sabiam – mas que ninguém quis denunciar diretamente (ainda que o tiro tenha saído pela culatra) –, sete novas bases militares na Colômbia, e o que temos de resultado? Um prêmio Nobel da “Paz” para o presidente dos E.U.A., Barack Obama.

Na realidade, não me tira o sono o que fazem ou deixam de fazer com um prêmio que vale bem pouco, e que o único mérito que se conta para obtê-lo é a estratégia política. É verdade que este prêmio foi recebido por pessoas de incontestável valor como Pérez Esquivel, Rigoberta Menchú, Martin Luther King ou Desmond Tutu. Mas estes casos são, na verdade, bem excepcionais. Na lista encontramos gente como Theodore Roosevelt (1906), que popularizou a fórmula de “dar com uma mão e bater com a outra” ao se referir às relações internacionais dos E.U.A. no início de sua fase imperialista, aplaudiu o assassinato judicial dos Mártires de Chicago em 1886 (pois se atreveram a lutar pela jornada de oito horas) e que se caracterizou pelo tratamento brutal ao movimento operário de sua época.

Woodrow Wilson, outro presidente norte-americano, também recebeu o Nobel da Paz em 1919. Seus méritos? Ter participado da criação da Liga das Nações. Certamente não se levou em consideração os seguintes “detalhes”: foi o presidente que declarou os E.U.A. em guerra durante a Primeira Guerra Mundial, invadiu, durante seu governo, o México de Zapata, Cuba, Haiti, República Dominicana, Nicarágua e o Panamá. Como se isso fosse pouco, foi abertamente racista e defensor das virtudes da escravidão; opôs-se abertamente ao direito dos negros serem estudantes e negou que o sul dos E.U.A. pudesse ter direito a voto. Além disso, se opunha ao direito de votar dos negros em qualquer parte da “terra da liberdade” e estabeleceu nos departamentos federais, sob mando de seu governo, a segregação racial. Não é de se estranhar que, como corroboração ao seu racismo, fez também apologia ao Ku Klux Klan.

Outro dos premiados com o Nobel da “Paz” é ninguém mais ninguém menos que Henry Kissinger (1973) que, como cruel paradoxo, recebeu este prêmio precisamente no mesmo ano em que, como Secretário de Estado dos E.U.A., maquinou a queda de Allende e a ascensão ao poder de Pinochet, que durante 17 anos semeou a morte e o terror em todo o Chile. O prêmio lhe foi outorgado por haver negociado a retirada das tropas yanquis que haviam invadido o Vietnam. Que um personagem sinistro como Kissinger receba o prêmio Nobel da “Paz” é realmente tragicômico e revela o escasso valor deste prêmio: seu prontuário inclui bombardeios massivos no Camboja e no Vietnam, onde milhares de seres humanos foram carbonizados com NAPALM, apoio irrestrito à ditadura de Suharto na Indonésia e apoio militar à sua invasão genocida no Timor Leste, apoio a grupos paramilitares em Angola (UNITA) e Moçambique (RENAMO), alimentando suas ações criminosas que custaram a vida de mais de um milhão de pessoas, apoio ativo às ditaduras do Cone Sul da América Latina e o seu “Plano Condor”, que selou o assassinato covarde, a tortura e o desaparecimento de milhares de militantes de esquerda no Chile, na Argentina, na Bolívia, no Uruguai, no Paraguai e no Brasil. Isso sem mencionar sua assessoria a George W. Bush antes da invasão do Iraque em 2003.

nobel-6Bem, agora, qual é a razão para dar esse reconhecimento a Sua Majestade Obama? Parece que é seu suposto papel para melhorar a cooperação no mundo ou algo assim. Suponho que perdi alguma coisa, já que as benditas bases militares na Colômbia quase nos armam uma área de conflito na América do Sul e avivaram “os ventos de guerra” que sopram entre os Andes e o Amazonas, e nos meteu em uma corrida armamentista que é por demais preocupante. Obama, com essas bases, avivou o fogo do regime de ultra-direita de Uribe, que se encontra manchado pelos seus vínculos com o paramilitarismo genocida. Sua atitude permissiva ante as violações sistemáticas de Israel ao povo palestino tem sido uma constante, e hoje recebemos a notícia que seu governo se opôs ativamente ao informe Goldstone sobre crimes de guerra realizados por Israel na ofensiva de janeiro contra Gaza, realizando numerosas manobras diplomáticas para influir no voto dos membros do Conselho de Direitos Humanos da ONU. Entretanto, essa pressão fracassou e é provável que continue boicotando o estabelecimento da verdade e de alguma medida de reparação a este povo faminto e bombardeado, no Conselho de Segurança da ONU ou em outras instâncias superiores. Que serviço à paz! É necessário falar sobre a sua decisão de continuar com a política de guerra e sua seqüela de violações intermináveis e de danos colaterais contra a população afegã. Se o prêmio é para esforços de “Paz”, há algo que não se enquadra…

Não é por nada que Eyad Bornat, dirigente palestino do Comitê Popular B’ilin [1], que durante anos se opôs à ocupação israelense e à construção do muro do “Apartheid” que divide suas comunidades e as executa como animais, escreveu as seguintes palavras do fundo de seu coração, com dor e ironia:

“Os E.U.A ainda estão no Afeganistão e no Iraque e a Palestina continua sob a ocupação (…), não vimos nenhuma mudança. Por que o comitê não deu esse prêmio para o Bush? Lembro que há nove anos Bush pronunciou um excelente discurso sobre o estabelecimento de um Estado palestino para 2005. Logo após esse discurso, Sharon invadiu a mesquita de Al Aqsa e os E.U.A. invadiram o Iraque. Por que então não deram a esse homem o prêmio, e no lugar disso, a única coisa que recebeu foi uma sapatada? Isto é uma injustiça!

Eu lamento senhor Bush. Você trabalhou duro, durante oito anos, assassinando crianças, lançando guerras e apoiando a ocupação, e ainda assim deram o prêmio a outro homem.” [1]

Somando e subtraindo, parece, o único mérito que restou a esse “bravo pacificador” foi seu discurso grandioso e eloqüente sobre um mundo “sem armas nucleares…” Seja dito de passagem que, até hoje, os E.U.A. não deram o passo de desmantelar nem sequer uma das inumeráveis ogivas nucleares que possuem, as quais no total somam um poder bélico capaz de destruir oito vezes o planeta Terra…

Já não há mais espaço para a vergonha, ainda que Obama, respondendo com as mesmas palavras de Kissinger, recebeu o prêmio com “humildade”. Como a velha canção camponesa “El Diablo en el Paraíso”, que celebrava o “mundo ao inverso”, agora são os senhores da guerra, os imperialistas e os que violam sistematicamente os direitos humanos em nome dos argumentos elásticos da segurança nacional e de guerra contra o terror, os que são confundidos com pombas de paz… As coisas que têm de se ver! Se esta é a paz sistemática capitalista, não é de se estranhar que os compadres parisienses, durante o levantamento do Maio Francês de 1968, escreveram nas paredes de sua cidade que um fim de semana de paz capitalista era infinitamente mais sangrento que um mês de revolução absoluta. Hoje essa afirmação tem mais lucidez e verdade do que nunca.

José Antonio Gutiérrez D.
17 de Outubro, 2009-10-20


Nota
[1] http://www.bilin-ffj.org/index.php?option=com_content&t…mid=1

Tradução: Bruno Domingos Azevedo

This page has not been translated into Other yet.

This page can be viewed in
English Italiano Deutsch
Double Issue 5/6 of Tokologo, the Newsletter of the TAAC, now available

Internacional | Imperialismo / Guerra | pt

Wed 10 Feb, 11:46

browse text browse image

daf_in_kobane.jpg imageEm Shingal, Kobani e em toda a Rojava, o ISIS é Dehak e o Po 11:22 Fri 10 Oct by Devrimci Anarşist Faaliyet - DAF 0 comments

No Curdistão, o povo está lutando contra o ISIS, a "violência propagada" é gerada pelo capitalismo e pelos Estados que iniciam guerras para seus próprios benefícios. O ISIS, subcontratado dos Estados que buscam o lucro na região, está atacando o povo ao gritar "Estado Islâmico" e "Guerra Santa, a Jihad"! O povo está passando fome e sede, adoecendo, migrando e morrendo. Eles ainda estão lutando nesta batalha pela existência. O povo não está lutando por esquemas e estratégias em torno das mesas de reuniões, nem pelo lucro, mas pela sua liberdade.

textA directiva de retorno instaura o fascismo na Europa 01:26 Thu 19 Jun by Colectivo Luta Social 0 comments

textVI Encontro Latino-americano de Organizações Populares Autônomas 18:53 Thu 17 Jan by Comissão Organizadora do VI ELAOPA 0 comments

Texto base para o VI ELAOPA

imageSíria: O que aconteceu com os curdos nas 'negociações' de Genebra? Feb 08 by José Antonio Gutiérrez D. 0 comments

Na semana passada estava prevista uma reunião em Genebra, no marco das negociações indiretas entre o governo sírio e as facções da 'oposição' armada reunidas no grupo divulgado pelo nome tonitruante de Alto Comitê para as Negociações. O enviado da ONU para a crise síria, Staffan de Mistura, decidiu adiar a reunião para o dia 25 de fevereiro. Curiosamente porém, foi excluído daquela reunião o partido dos curdos, o PYD, o qual, dentre outras coisas, é ator político importantíssimo no futuro da Síria e a única força que combateu em solo contra o 'Estado Islâmico'. É paradoxal que se boicote a participação do PYD, quando a mídia-empresa ocidental tão frequentemente vendeu a imagem dos curdos como os "amigos" do ocidente, cuidando atentamente de esconder os reais objetivos políticos desse movimento, e limitando sua simpatia a uma imagem semierotizada de mulheres jovens armadas com fuzis. [Castellano] [Français] [Italiano]

imagePor uma geoestratégia dos povos – 1 Jan 11 by BrunoL 0 comments

09 de janeiro de 2016, Bruno Lima Rocha

Introdução – Nesta nova série, inicio um conjunto de textos de difusão que visam ganhar a densidade até se tornarem um ensaio posterior. A meta não é necessariamente polemizar de fora para dentro da academia, e sim servir como apoio da frente teórica dentro da corrente para os debates, proposições e perspectivas em termos de política internacional, economia política internacional e relações internacionais. Muitas vezes, diante da impossibilidade teórica, há impossibilidade estratégica, logo, nada se realiza e quase tudo se copia ou mimetiza. A razão desta nova série é aportar uma contribuição para diminuir esta lacuna.

imageA presença dos EUA na América Latina e a mentalidade colonizada da elite brasileira Nov 13 by BrunoL 0 comments

12 de novembro de 2015, Bruno Lima Rocha

"Os jovens nascidos na era da comunicação cibernética estão com menos freios para incorporarem as marcas e a cultura do consumo suntuoso que marcam a vida cotidiana nas metrópoles dos EUA. Isto pode ser tristemente evidenciado observando a presença da juventude de periferias em shopping centers brasileiros, trajando roupas com mímicas e trejeitos estadunidenses", afirma Bruno Lima Rocha, professor de ciência política e de relações internacionais.

Eis o artigo.

imageA encruzilhada do Curdistão socialista Aug 21 by BrunoL 0 comments

Introdução

O advento da primavera árabe e a rebelião sunita contra o governo Assad na Síria oportunizou o exercício de soberania da população curda residindo dentro dos limites deste Estado falido. Em novembro de 2013, isto se concretizou no estabelecimento dos três cantões de Rojava (oeste em curdo), Efrin, Kobane e Cyzire, implicando na construção de uma sociedade de tipo socialista, democrática e feminista. As instâncias de poder são de acesso coletivo, os cargos executivos rotativos e a economia tem base familiar, cooperativada e com experimentos de coletivização.

imageO Irã e o xadrez curdo May 21 by BrunoL 0 comments

20 de maio de 2015, Bruno Lima Rocha

A cidade de Mahabad é conhecida como a capital do Curdistão iraniano, e hoje opera como o epicentro da rebelião popular dos curdos contra a autoridade xiita de Teerã. O Curdistão Leste (Rojhelat) viveu um momento de rebelião após o dia 7 de maio quando uma jovem curda se atirou do 4º andar de um hotel cinco estrelas onde trabalhava como camareira. O motivo do suicídio de Farinaz Xorowanî foi um ato de rebeldia contra agentes da inteligência iraniana (Itlaat) que, ao alegar querer interroga-la tentaram forçar um estupro. O sacrifício da trabalhadora resultou em rebelião franca e aberta, com as tropas anti-distúrbios da província e forças regulares da Guarda Revolucionária do Irã (Pasdaran) usando munição letal no meio da rua. Tal episódio, ao contrário de ser uma raridade, é a norma de convivência entre o regime dos Aiatolás e a esquerda curda. Nos dias posteriores, a polícia política dos aiatolás prendeu mais de 800 militantes sociais curdos, o que certamente irá aumentar a estatística regular de assassinados pelo Estado; cerca de cem ativistas por ano são enforcados pelas leis do fundamentalismo xiita.

more >>
© 2005-2016 Anarkismo.net. Unless otherwise stated by the author, all content is free for non-commercial reuse, reprint, and rebroadcast, on the net and elsewhere. Opinions are those of the contributors and are not necessarily endorsed by Anarkismo.net. [ Disclaimer | Privacy ]