Benutzereinstellungen

Neue Veranstaltungshinweise

Brazil/Guyana/Suriname/FGuiana

Es wurden keine neuen Veranstaltungshinweise in der letzten Woche veröffentlicht

Kommende Veranstaltungen

Brazil/Guyana/Suriname/FGuiana | Miscellaneous

Keine kommenden Veranstaltungen veröffentlicht

A farsa do referendo

category brazil/guyana/suriname/fguiana | miscellaneous | comunicado de imprensa author Dienstag Oktober 11, 2005 17:50author by Federação Anarquista Gaúcha - FAGauthor email fag.poa at terra dot com dot br Report this post to the editors

Dizemos que este referendo é uma farsa. Queremos ter voz, sim. Mas não somos tontos, o governo não quer nossa participação real... Nossa participação conquistamos lutando.


A farsa do referendo

Ninguém mais do que os anarquistas, defendem as formas democráticas de participação política. Aquelas onde o povo participa diretamente das decisões. Considerando a atual conjuntura e a co-relação de forças impostas na sociedade, é possível dizer que um referendo cumpre este papel, o de dar vasão à opinião popular. Porém, este referendo da proibição, lançado pelo governo central, e justo neste momento de crise política, não passa de uma farsa, um engodo.

Neste momento, temos duas CPI’s em curso, as denúncias de corrupção no governo Lula ainda ecoam na sociedade brasileira. Nunca esta administração sofreu pressão tão forte e os índices de rejeição à Lula estão aumentando. Realmente, é uma conjuntura propícia para se tirar o foco das atenções de Brasília. E, quem sabe, fazer uma propaganda positiva, fazendo um referendo e causando a impressão de se estar fazendo democracia, "consultando" o povo.

Qual problema se busca solucionar com a questão posta no referendo? A resposta é unânime, tanto para os defensores do "sim", como para os defensores do "não": a segurança pública. Para se chegar a esta solução, será esta a pergunta certa a se fazer? "Você concorda ou não com a comercialização de armas de fogo no Brasil?". Parece que este questionamento não leva em consideração uma situação desconfortante que encontramos em nosso país, um dos mais desiguais do mundo. Aqui, existem 1.162.164 famílias com renda superior a 22.487 reais por mês, o equivalente a 2,4% da população. Por outro lado, temos 20 milhões de famílias com renda inferior a 520 reais mensais, isso significa 48% da população. Nas universidades brasileiras, encontramos apenas 7,4% dos jovens entre 18 e 24 anos. Neste país, 27 milhões de trabalhadores não possuem cobertura social ou qualquer direito trabalhista (dados extraídos da revista Carta Capital de 21 de setembro de 2005, ano 12, n°360), estão jogados à sorte do trabalho informal. Com condições sociais tão brutalmente desiguais, é fácil identificar as causas da violência no Brasil.

Agora, voltando à pergunta do referendo, ela serve para se chegar à solução do problema da violência? A questão a ser posta deve ser outra, e tem de levar em consideração a situação apresentada acima. 500 milhões de reais sairão dos cofres públicos para financiar esta farsa de democracia, dinheiro que poderia ser usado para reverter os números da nossa desigualdade social.

Várias medidas de maior significado foram tomadas pelo governo central, sem consultar a população:

  • aprovação da reforma da previdência,
  • pagamento da dívida externa,
  • manutenção do superávit primário em níveis elevados além do que pede o próprio FMI,
  • envio de tropas para o Haiti, negociações da ALCA,
  • mais recentemente, a transposição do Rio São Francisco, obra de gigantesco impacto negativo para a região do nordeste brasileiro,
  • aumento do salário mínimo bem abaixo da inflação e que não dá para sustentar um trabalhador por 30 dias, conforme manda a Constituição burguesa.
Na tomada dessas decisões, não fomos consultados. Para elas, nossa opinião não servia. Agora, para se passar por democrático, o governo Lula nos chama a opinar sobre uma questão que pouco ou nada tem a ver com o problema que diz buscar solução.

Por isso tudo, dizemos que este referendo é uma farsa. Queremos ter voz, sim. Mas não somos tontos, o governo não quer nossa participação real. Ou então, não nos colocaria um questionamento tão sem propósito. Nossa participação conquistamos nas ruas, em cada marcha, barricada erguida, greve e ocupação realizada, galpão conquistado e rádio comunitária que vai ao ar.

Nossa participação conquistamos lutando.


Federação Anarquista Gaúcha

Verwandter Link: http://www.fag.rg3.net
author by nestor - Anarkismopublication date Di Okt 11, 2005 21:22author address author phone Report this post to the editors

This statement in English:

Verwandter Link: http://www.anarkismo.net/newswire.php?story_id=1488
author by Alex Sanderpublication date Sa Okt 22, 2005 00:58author email axsander at universia dot com dot brauthor address author phone Report this post to the editors

Esse é o primeiro passo por um país com menos violência. Após o referendo devemos cobrar que a lei seja cumprida e que o tráfico de armas seja efetivamente combatido.
Não aguento a galera do "não" com essas idéias de "faroeste" que cada um deve se defender, porque o governo não dá conta da nossa segurança, com teorias de conspiração de que o governo vai aplicar um golpe de Estado, etc.
Vamos dar nossa contribuição para um país melhor, não vamos ficar parados esperando soluções mágicas!

 
This page can be viewed in
English Italiano Deutsch
Neste 8 de Março, levantamos mais uma vez a nossa voz e os nossos punhos pela vida das mulheres!

Brazil/Guyana/Suriname/FGuiana | Miscellaneous | Comunicado de imprensa | pt

Do 18 Jul, 22:06

browse text browse image

Sorry, no stories matched your search, maybe try again with different settings.

imageContra a Reforma da Previdência, Organizar a Luta desde a Base com Ação Direta Popular e Solidarieda... Mär 23 by Coordenação Anarquista Brasileira 0 comments

No dia 20 de fevereiro de 2019, após meses de especulação do mercado financeiro, chantagem dos grandes empresários e publicidade pesada da mídia corporativista, o governo Bolsonaro entregou na Câmara dos Deputados a tão cobiçada Reforma da Previdência. Finalmente a classe trabalhadora brasileira conheceu qual será o tamanho do ataque que vem pela frente através da caneta dos de cima. Como já era previsível, o projeto de Paulo Guedes é ainda mais duro do que o apresentado por Temer. Essa reforma significa mais retirada de direitos de trabalhadoras e trabalhadores.

imageO Estado policial de ajuste avança, deste vez, contra estudantes e trabalhadores universitários Okt 27 by Coordenação Anarquista Brasileira 0 comments

Na última semana e com mais intensidade no dia de hoje, Polícia Federal, Justiça Eleitoral, Ministério Público Eleitoral e Tribunais Regionais Eleitorais fizeram uma ofensiva contra a liberdade de expressão de norte a sul pelas Universidades brasileiras.

imageA Nova República acabou: a esquerda ainda não ressurgiu e o fascismo de mercado insiste em protagoni... Okt 07 by BrunoL 0 comments

Quem se dedica à análise política do Brasil contemporâneo costuma se debruçar sobre os fatores da crise e a ruptura do pacto de classes que marcou o período lulista. Ao mesmo tempo há certo consenso em afirmar que a “Nova República” acabou e as bases constitucionais de 1988 estão sob um ataque direto. Simultaneamente, a crise de arrecadação dos níveis de governo, da quase falência – forçosa – do aparelho de Estado e o recente (nos últimos três anos) enxugamento das políticas públicas implica uma brutal concentração de renda, aumentando um fosso que já era abissal, embora atenuado pelo período de crescimento econômico sem desenvolvimento.

imageMoro condena Lula, a disputa pela agenda pré-2018 e o múltiplo conflito Jul 24 by BrunoL 0 comments

Introdução deste cenário complexo

O relatório na CCJ terminou reprovado por 40 a 25, com o governo emplacando o substitutivo por placar de 41 a 24. Considerando que o Jaburu trocou 20 membros ao longo da montagem da Comissão para apreciar a denúncia, então está parelha a coisa em plenário. Assim, durante o curto recesso do Congresso nesta segunda quinzena de julho, observamos as manobras de aproximação e afastamento entre Michel Temer e o deputado federal Rodrigo Maia (DEM/RJ). Simultaneamente, o racha da direita aumenta, com a base de Temer apontando as baterias contra a Globo e apoiando, tacitamente, a correta ofensiva da Record. No caminho inverso, o ex-secretário de Segurança de Quércia e Fleury Filho, é o alvo permanente da emissora líder. As razões – ou as possíveis motivações – constam de tese desenvolvida por Luis Nassif, a qual este analista corrobora. O alvo simultâneo do telejornalismo em rede nacional, aborda tanto o ex-presidente Lula e a condenação sem provas cabais por Sérgio Moro, como termina fazendo discurso de apoio às leis regressivas e retirada de direitos através da contrarreforma ou restauração burguesa levadas a cabo no Brasil pós-golpe. São rodadas múltiplas de um cenário que ultrapassa o binarismo.

imageA ex-esquerda caiu por sua derrota ideológica Jan 28 by BrunoL 0 comments

Afirmo de maneira categórica: A ex-esquerda sucumbiu por ignorância ou subestimação do conceito de ideologia e a consequência direta da falsa ideia de hegemonia na sociedade brasileira. Como também afirmo há tempos, chegando ao ponto da exaustão por repetição do conceito, não trato da hegemonia de tipo superficial ou rasteira, quando se entende – de maneira equivocada – “ter hegemonia” a simplesmente impor alguns nomes para certos cargos-chave em instituições importantes dentro de uma sociedade estruturalmente desigual. Isso não é hegemonia, talvez hegemonismo, velho vício das esquerdas encantadas com a tentação autoritária.

more >>
Sorry, no press releases matched your search, maybe try again with different settings.
© 2005-2019 Anarkismo.net. Unless otherwise stated by the author, all content is free for non-commercial reuse, reprint, and rebroadcast, on the net and elsewhere. Opinions are those of the contributors and are not necessarily endorsed by Anarkismo.net. [ Disclaimer | Privacy ]