Benutzereinstellungen

Neue Veranstaltungshinweise

Brazil/Guyana/Suriname/FGuiana

Es wurden keine neuen Veranstaltungshinweise in der letzten Woche veröffentlicht

Kommende Veranstaltungen

Brazil/Guyana/Suriname/FGuiana | Miscellaneous

Keine kommenden Veranstaltungen veröffentlicht

A farsa do referendo

category brazil/guyana/suriname/fguiana | miscellaneous | comunicado de imprensa author Dienstag Oktober 11, 2005 17:50author by Federação Anarquista Gaúcha - FAGauthor email fag.poa at terra dot com dot br Report this post to the editors

Dizemos que este referendo é uma farsa. Queremos ter voz, sim. Mas não somos tontos, o governo não quer nossa participação real... Nossa participação conquistamos lutando.


A farsa do referendo

Ninguém mais do que os anarquistas, defendem as formas democráticas de participação política. Aquelas onde o povo participa diretamente das decisões. Considerando a atual conjuntura e a co-relação de forças impostas na sociedade, é possível dizer que um referendo cumpre este papel, o de dar vasão à opinião popular. Porém, este referendo da proibição, lançado pelo governo central, e justo neste momento de crise política, não passa de uma farsa, um engodo.

Neste momento, temos duas CPI’s em curso, as denúncias de corrupção no governo Lula ainda ecoam na sociedade brasileira. Nunca esta administração sofreu pressão tão forte e os índices de rejeição à Lula estão aumentando. Realmente, é uma conjuntura propícia para se tirar o foco das atenções de Brasília. E, quem sabe, fazer uma propaganda positiva, fazendo um referendo e causando a impressão de se estar fazendo democracia, "consultando" o povo.

Qual problema se busca solucionar com a questão posta no referendo? A resposta é unânime, tanto para os defensores do "sim", como para os defensores do "não": a segurança pública. Para se chegar a esta solução, será esta a pergunta certa a se fazer? "Você concorda ou não com a comercialização de armas de fogo no Brasil?". Parece que este questionamento não leva em consideração uma situação desconfortante que encontramos em nosso país, um dos mais desiguais do mundo. Aqui, existem 1.162.164 famílias com renda superior a 22.487 reais por mês, o equivalente a 2,4% da população. Por outro lado, temos 20 milhões de famílias com renda inferior a 520 reais mensais, isso significa 48% da população. Nas universidades brasileiras, encontramos apenas 7,4% dos jovens entre 18 e 24 anos. Neste país, 27 milhões de trabalhadores não possuem cobertura social ou qualquer direito trabalhista (dados extraídos da revista Carta Capital de 21 de setembro de 2005, ano 12, n°360), estão jogados à sorte do trabalho informal. Com condições sociais tão brutalmente desiguais, é fácil identificar as causas da violência no Brasil.

Agora, voltando à pergunta do referendo, ela serve para se chegar à solução do problema da violência? A questão a ser posta deve ser outra, e tem de levar em consideração a situação apresentada acima. 500 milhões de reais sairão dos cofres públicos para financiar esta farsa de democracia, dinheiro que poderia ser usado para reverter os números da nossa desigualdade social.

Várias medidas de maior significado foram tomadas pelo governo central, sem consultar a população:

  • aprovação da reforma da previdência,
  • pagamento da dívida externa,
  • manutenção do superávit primário em níveis elevados além do que pede o próprio FMI,
  • envio de tropas para o Haiti, negociações da ALCA,
  • mais recentemente, a transposição do Rio São Francisco, obra de gigantesco impacto negativo para a região do nordeste brasileiro,
  • aumento do salário mínimo bem abaixo da inflação e que não dá para sustentar um trabalhador por 30 dias, conforme manda a Constituição burguesa.
Na tomada dessas decisões, não fomos consultados. Para elas, nossa opinião não servia. Agora, para se passar por democrático, o governo Lula nos chama a opinar sobre uma questão que pouco ou nada tem a ver com o problema que diz buscar solução.

Por isso tudo, dizemos que este referendo é uma farsa. Queremos ter voz, sim. Mas não somos tontos, o governo não quer nossa participação real. Ou então, não nos colocaria um questionamento tão sem propósito. Nossa participação conquistamos nas ruas, em cada marcha, barricada erguida, greve e ocupação realizada, galpão conquistado e rádio comunitária que vai ao ar.

Nossa participação conquistamos lutando.


Federação Anarquista Gaúcha

Verwandter Link: http://www.fag.rg3.net
author by nestor - Anarkismopublication date Di Okt 11, 2005 21:22author address author phone Report this post to the editors

This statement in English:

Verwandter Link: http://www.anarkismo.net/newswire.php?story_id=1488
author by Alex Sanderpublication date Sa Okt 22, 2005 00:58author email axsander at universia dot com dot brauthor address author phone Report this post to the editors

Esse é o primeiro passo por um país com menos violência. Após o referendo devemos cobrar que a lei seja cumprida e que o tráfico de armas seja efetivamente combatido.
Não aguento a galera do "não" com essas idéias de "faroeste" que cada um deve se defender, porque o governo não dá conta da nossa segurança, com teorias de conspiração de que o governo vai aplicar um golpe de Estado, etc.
Vamos dar nossa contribuição para um país melhor, não vamos ficar parados esperando soluções mágicas!

 
This page can be viewed in
English Italiano Deutsch
George Floyd: one death too many in the “land of the free”

Brazil/Guyana/Suriname/FGuiana | Miscellaneous | Comunicado de imprensa | pt

Do 29 Okt, 18:39

browse text browse image

Sorry, no stories matched your search, maybe try again with different settings.

imageNo Bananistão dos Parapoliciais_3ª parte Jul 13 by BrunoL 0 comments

Na 1ª parte desta série de ficção não ficcional, abordamos um panorama geral das mazelas da segurança pública sob o regime de democracia liberal capitalista no estado do Arroio de Fevereiro. Na 2ª parte analisamos a periodização histórica dos modelos de exploração e controle da economia política do crime nos territórios segundo o tipo de organização criminosa operando na Região Metropolitana da antiga capital da República do Bananistão. Nesta 3ª parte analisamos o modelo de novos negócios, complementando ou competindo contra o formato anterior, quando clãs familiares se involucram diretamente no negócio de proteção de segurança e extorsão, projeção eleitoral com base em bairros da Zona Oeste da cidade e grilagem de terras públicas, devolutas e de proteção ambiental.

imageNo Bananistão dos Parapoliciais_2ª parte – a macabra fábula do esquema político-criminal-policial no... Jul 06 by BrunoL 0 comments

Na primeira parte desta trama macabra e “ficcional”, fizemos um panorama dos momentos anteriores à consolidação das forças parapoliciais. O século XXI torna complexo o modelo de Estado paralelo ou Estado complementar onde o conceito muda. Podemos marcar três fases no núcleo mais dinâmico da economia política do crime. As fases seriam: o jogo do bicho como operador absoluto; as redes de quadrilhas cujo negócio principal é o narcotráfico, também chamadas de “facções” e que os conglomerados de mídia insistem em chamar de “crime organizado”; por fim, o século XXI apresenta a “novidade” dos parapoliciais, a “evolução” da polícia mineira que existia na Baixada Fluminense e em algumas poucas localidades na zona oeste do Arroio, e se amplia ao ponto de dominar mais de uma centena de comunidades. Vejamos o marco temporal.

imageNo Bananistão dos Parapoliciais 1ª parte – a macabra fábula do esquema político-criminal-policial no... Jul 06 by BrunoL 0 comments

Esta é uma trama macabra. Fábula de horror tropical, tão “real” como os livros de Luiz Eduardo Soares – a Elite da Tropa 1 e 2 – ou os filmes que o hoje, diretor de comédia, José Padilha, (Tropa de Elite 1 e 2) também rodou. José Padilha fez uma telecomédia fantasiosa e patética, a série O Mecanismo 1 e 2, “livremente inspirado” na Republiqueta de Curitiba e na Liga da Não-Justiça. As palavras que seguem estão mais próximas de serem “livremente inspiradas” na triste realidade do estado do Arroio de Fevereiro e da República Deformativa do Bananistão, do que nas obras acima citadas.

imageO desgoverno do condomínio: o Palácio do Planalto virou o Jambalaya do Coiso Mai 18 by BrunoL 0 comments

Tenho de admitir, Bolsonaro é muito bom no que se propõe a fazer: desgoverno, tumulto no país e desinformação na sociedade. Ele é o que é, e sua existência plena é isso mesmo. Nem mais, nem menos, “taóquei!”. Ele e sua prole não se pretendem governantes, o ato de governo é como se fosse um condomínio e, infelizmente, o síndico é o próprio Jair Messias, e não Tim Maia. Nesse condomínio, a maior parte dos subsíndicos se comporta mais como xerifes de galeria do que como habitantes de um mesmo espaço. Ao contrário do que seria esperado, o síndico de discurso autoritário não é centralizador nem tem pulso forte ou mão de ferro. Ninguém pode aparecer mais do que ele e, menos ainda, assumir atos de responsabilidade. Esse síndico não faz nada e não deixa ninguém fazer muito. Não se mete com o tesoureiro, embora lembre a todo o momento que até esse pode ser demitido.

imageMoro, Bolsonaro e as duas pontas da tragédia tropical Apr 27 by BrunoL 0 comments

Sexta-feira, 24 de abril de 2020, o espetáculo dantesco, a versão do século XXI de crônicas políticas nunca escritas pelo genial. Nelson Rodrigues se desenrola diante das câmeras e aparelhos eletrônicos de todo o país. Os dois ícones que se abatem sobre o Brasil desde o início da falência múltipla da Nova República se separam. Por um lado, Sergio Fernando Moro, típico concurseiro carreirista, que se serve do aparelho de Estado para a promoção pessoal, se afasta. Posando de bom moço, confessou apenas uma suposição de crime: pediu pensão para caso sua esposa ficasse viúva com ele à frente do Ministério da Justiça da extrema-direita. Do outro lado da Esplanada, esquentando os motores com um discurso de três infindáveis páginas (das quais ele só se dignou a ler depois de mandar em cana a sogra e a família da esposa, se orgulhar do “filho garanhão do condomínio” e misógino asqueroso, dentre tantas pérolas), Jair Messias Bolsonaro fala de improviso na linguagem da sofrência do sertanojo que despreza o caipira.

more >>
Sorry, no press releases matched your search, maybe try again with different settings.
© 2005-2020 Anarkismo.net. Unless otherwise stated by the author, all content is free for non-commercial reuse, reprint, and rebroadcast, on the net and elsewhere. Opinions are those of the contributors and are not necessarily endorsed by Anarkismo.net. [ Disclaimer | Privacy ]