user preferences

New Events

Argentina / Uruguai / Paraguai

no event posted in the last week

O que é Ideologia?

category argentina / uruguai / paraguai | movimento anarquista | debate author Tuesday March 17, 2009 21:58author by Federação Anarquista Uruguaia (FAU) Report this post to the editors

Artigo da FAU que conceitua e discute ideologia.

O QUE É IDEOLOGIA?

Federação Anarquista Uruguaia (FAU)

Todo atuar humano, em todas as vastas expressões de sua multiplicidade, pressupõe uma fundamentação ideológica que o sustenta como pensamento e ação. A esta condição inexorável do fazer do homem, não escapa a formulação de qualquer linha política, nem o processamento da prática política concreta. Portanto, é preciso definir a ideologia, que por trás de cada ato humano situa-se e faz compreensível esta ação. Então, isso nos coloca frente à pergunta. O que é ideologia?

Expressando-nos em termos concretos, ainda que totalmente rigorosos, podemos assegurar que a ideologia é uma estrutura conceitual que considera, fundamentalmente, duas finalidades, que vamos referir no político. Por um lado, a ideologia indica um objetivo para a prática política, propõe um modelo social a ser alcançado. Ou seja, que tem um propósito finalista. Não é possível conceber uma prática política revolucionária sem a formulação de uma finalidade. Assim, a ideologia forma parte organicamente, enquanto tal, de toda totalidade social.

Todo movimento que pretende transformar o mundo propõe um objetivo a alcançar, que implica em um modelo social de caráter ideal: uma utopia social, por assim dizer. Ainda aquelas teorias, como a marxista – insistiram que a prática política deve fundamentar-se em um estudo detalhado da realidade, na análise prevalente das chamadas condições objetivas ou reais – não deixam de formular um objetivo. E ainda quando o próprio Marx e seus seguidores procuraram determiná-lo em seus traços gerais, não deixam de constituir um modelo ideal expressado em termos abstratos e, portanto, de caráter utópico.

Podemos afirmar que o socialismo formula como objetivos traços utópicos, na medida em que a sociedade comunista do futuro só pode ser prevista em seus traços mais essenciais e gerais, naquilo que diz respeito a suas características. Contudo, não deixam de ser formulados como objetivos. E o que é mais importante, esta formulação como objetivo da sociedade comunista, condiciona o caráter do processo que as lutas deverão experimentar para seus ganhos. Em outros termos, quando tratamos do tipo de sociedade finalista para a qual nos inclinamos, implicitamente estamos condicionando os meios que vamos empregar para sua concretização. Ninguém pode determinar, seriamente, como objetivo final, a construção de uma sociedade comunista e empregar para isso um método de ação ou uma prática política que sejam próprios do patrimônio ideológico da burguesia.

Por outro lado, a ideologia cumpre com uma segunda finalidade essencial: proporcionar os elementos conceituais que permitam pensar a realidade. Uma ideologia é um sistema de representações, de imagens de idéias e de conceitos. E por que não dizer, que também integram este sistema os mitos. É muito importante não esquecer que o pensamento não é influenciado pelos conceitos e que estes são instrumentos tão concretos como qualquer outro. Assim como é necessário um martelo para pregar um prego, e ele deve ser fabricado, os conceitos são necessários para pensar, e eles devem ser produzidos. Precisamos de ferramentas conceituais para poder pensar.

A história do pensamento humano foi, e continua sendo, um processo de produção de instrumentos conceituais que vêm permitindo a possibilidade de conformar um pensamento científico. Por isso o trabalho dos teóricos socialistas foi inestimável, já que elaboraram e determinaram que fossem utilizados conceitos que permitiram compreender o funcionamento da sociedade capitalista, seus fundamentos, suas contradições, e prever qual será o decurso futuro da sociedade.

Os conceitos possuem uma existência e um papel histórico no seio de uma determinada sociedade. Graças a eles, e por sua influência, é possível aprender a realidade, entendê-la e transformá-la. É vital, então, para a atividade política de qualquer organização revolucionária, não só formular um modelo social finalista em direção ao qual se deve caminhar, mas também conhecer, da maneira mais aprofundada possível, a realidade em que se atua e, com base nisso, realizar sua previsão de futuro. Carecer de alguns destes elementos é cair na grave contradição entre a prática política da organização e o processo histórico em que se atua. É incorrer em um erro que só pode ter como resultado a incoerência, a desintegração ou a contenção do fenômeno revolucionário. Erros deste tipo são: pensar que a realidade do Uruguai de hoje admite a possibilidade de voltar ao passado; supor que, por meio das instituições do sistema social vigente, é possível chegar à sua transformação, ou considerar que há possibilidade de desenvolvimento dentro das fronteiras capitalistas, que permita a superação das atuais dificuldades de caráter político e econômico-social.

A linha política e as formas organizativas da ação revolucionária devem resultar de uma análise da realidade e de uma previsão do futuro. Esta análise é processada por meio do pensamento e da ação em interação dialética. O sistema de representações e conceitos (que possui uma lógica e um rigor próprios), que investiga o porquê e o para quê da realidade social, é o que permite a revisão, e que, por sua vez, condiciona a ação política concreta.

Voltando a nossa primeira afirmação: não é possível pensar nem agir sem ideologia, não há conduta humana aideológica; a ideologia é pensamento e ação. De maneira esquemática, poderíamos dizer que a ideologia é uma estrutura ou sistema de conceitos que permite:

1. A formulação de um objetivo finalista (que deve ser explicado da maneira mais clara possível).
2. A apreensão ou compreensão definida da realidade em que se vive, por meio de sua análise profunda e exaustiva.
3. A previsão mais aproximada possível do futuro desta realidade, de sua transformação, tanto naquilo que seja espontâneo, quanto deliberado. Ou seja, em nosso caso, a ideologia não admite o caráter de espectador interessado e analítico das condições ou transformações espontâneas da realidade, mas nos obriga a pensar voluntariamente, voluntariosamente, no sentido de seu futuro...

* Retirado de Juan Mechoso. Acción Directa Anarquista: una historia de FAU. Montevideo: Recortes, s/d, pp. 223-224.

* Tradução: Felipe Corrêa

This page has not been translated into Nederlands yet.

This page can be viewed in
English Italiano Deutsch
E

Front page

International call for solidarity with the case of Nicolás Neira

1º Congreso de la Federación Anarquista de Rosario (FAR)

María Esther Biscayard de Tello, nuestro homenaje

The party is haunting us again

[Colombia] Declaración Constitutiva de Acción Libertaria Estudiantil

Flora Tristán: precursora del feminismo y de la emancipación proletaria

Bil'in - 10 years of persistent joint struggle

In solidarity with the NO TAV struggle

Wave of arrests in Ireland as state tries to break water charges movement

Não se intimidar, não desmobilizar! Toda nossa solidariedade ao companheiro Vicente!

After the election of Syriza in Greece - Power is not in Parliament

[Chile] Movimiento Estudiantil: ¿En dónde debemos enfocar nuestros esfuerzos?

Je ne suis pas Charlie

México en llamas: raíces y perspectivas de una lucha que avanza y la crisis de un sistema político

Sobre la liberación de prisioneros y el restablecimiento de relaciones diplomáticas, por los gobiernos de Cuba y EE.UU.

No to Golden Dawn in Australia!

Abusos y arbitrariedad - retención de JOSÉ A. GUTIÉRREZ, en el bajo Caguán, Caquetá

Could a Revolution Happen in the US?

An Anarchist Communist Reply to ‘Rojava: An Anarcho-Syndicalist Perspective’

Lutar e vencer fora das urnas

In the Rubble of US Imperialism

Elementos da Conjuntura Eleitoral 2014

The experiment of West Kurdistan (Syrian Kurdistan) has proved that people can make changes

[Chile] EL FTEM promueve una serie de “jornadas de debate sindical”

Argentina / Uruguai / Paraguai | Movimento anarquista | pt

Mon 27 Apr, 01:14

browse text browse image

arton13202075b4.jpg imageFaleceu a companheira Maria Esther Biscayart de Tello 16:32 Sun 05 Apr by Federação Anarquista do Rio de Janeiro 0 comments

Recebemos a triste notícia que ontem, primeiro de abril de 2015, faleceu no Hospital Italiano de La Plata (Argentina) a companheira, mãe da Praça de Maio, Maria Esther Biscayart de Tello, militante libertária e mãe dos companheiros Pablo, Rafael e Marcello Tello, também militantes nos anos 70 da organização anarquista Resistência Libertária (RL).

uruguai_194.jpg image50 anos da Federação Anarquista Uruguaya - Fotos 2 03:39 Sun 12 Nov by Secretaria Nacional do Fórum do Anarquismo Organizado - FAO 0 comments

Fotos do ato de comemoração dos 50 anos de luta, resistência e organização da FEDERAÇÃO ANARQUISTA URUGUAIA - FAU.

uruguai_043.jpg image50 anos da Federação Anarquista Uruguaya - Fotos 1 03:26 Sun 12 Nov by Secretaria Nacional do Fórum do Anarquismo Organizado - FAO 0 comments

Fotos do ato de comemoração dos 50 anos de luta, resistência e organização da FEDERAÇÃO ANARQUISTA URUGUAIA - FAU.

imageIntervenções no I CONCAB Jun 16 by Federação Anarquista Uruguaia (FAU) 0 comments

Duas intervenções da delegação da FAU no I CONCAB

imagePoder, Autogestão e Luta de Classes Jun 03 by Federación Anarquista Uruguaya 2 comments

Artigo de 2004 que discute autogestão a partir de sua definição, gênese e necessidade de aplicação na militância cotidiana. [Castellano]

imageEm Torno da Vigência do Socialismo Libertário Jun 18 by Gerardo Gatti 0 comments

Reflexões de Gerardo Gatti, militante desaparecido da Federação Anarquista Uruguaia (FAU), sobre a atualidade do socialismo libertário.

imageDefinições de um Companheiro Jun 08 by Gerardo Gatti 1 comments

Artigo do militante da FAU, Gerardo Gatti, escrito em 1975, que discute o socialismo libertário. [English]

imageA Organização Política Anarquista e seu Funcionamento May 27 by OSL Argentina 0 comments

Artigo da Organización Socialista Libertária da Argentina refletindo sobre a organização anarquista. [English] [Ελληνικά]

more >>
Sorry, no press releases matched your search, maybe try again with different settings.
© 2005-2015 Anarkismo.net. Unless otherwise stated by the author, all content is free for non-commercial reuse, reprint, and rebroadcast, on the net and elsewhere. Opinions are those of the contributors and are not necessarily endorsed by Anarkismo.net. [ Disclaimer | Privacy ]