user preferences

New Events

Brazil/Guyana/Suriname/FGuiana

no event posted in the last week

Os fins, os meios e as esquerdas na democracia burguesa

category brazil/guyana/suriname/fguiana | a esquerda | opinião / análise author Saturday November 08, 2008 19:16author by BL Rocha - FAGauthor email blrocha at autistici dot org Report this post to the editors

A intenção do artigo é debater um tema clássico da Teoria Política Anarquista. Quem escreve é um militante a mais da Federação Anarquista (FAG), aliada estratégica da Federação Anarquista Uruguaia (FAU). Como o trabalho não passou por avaliação coletiva antes de ser publicado, assinatura de forma individual. Mas, reforço a idéia de que não se trata de “novidade” e menos ainda uma formulação de tipo “livre pensador”. O que trago para ser lido é uma parcela do pensamento político que está no cotidiano de nossas organizações.


Os fins, os meios e as esquerdas na democracia burguesa


A intenção do artigo é debater um tema clássico da Teoria Política Anarquista. Quem escreve é um militante a mais da Federação Anarquista (FAG), aliada estratégica da Federação Anarquista Uruguaia (FAU). Como o trabalho não passou por avaliação coletiva antes de ser publicado, assinatura de forma individual. Mas, reforço a idéia de que não se trata de “novidade” e menos ainda uma formulação de tipo “livre pensador”. O que trago para ser lido é uma parcela do pensamento político que está no cotidiano de nossas organizações.

Para começar, é necessário aportar definições. Que diferença existe entre os fins e os meios? É comum escutarmos uma afirmação do tipo: “os fins justificam os meios”. Não concordo. Os meios são o produto dos fins. Na política, o processo é tão ou mais importante do que as vitórias pontuais. Com a noção de fins que justificam qualquer coisa, a finalidade termina sendo “qualquer coisa”. É tudo menos o processo de câmbio profundo. Esta forma de pensamento simplista, de que tudo serve, acaba por ser uma fábrica de traidores de classe. Para quem pensa que exagero, convido que o leitor faça uma breve pesquisa sobre a trajetória política dos homens e mulheres do PT com algum peso tanto no partido como no governo Lula. Nesta lista, a presença de ex-sindicalistas é larga.

Um bom exemplo de como não mudar a sociedade

Porque estes militantes sindicais, que enfrentaram a ditadura militar brasileira (1964-1985) no final da década de ’70, se deixaram envolver por um projeto político que sequer chega a ser reformista? Como sou militante de uma federação anarquista, entendo que a relação de causa e efeito não é direta e nem pré-determinada. Mas, uma das razões porque líderes sindicais com trajetória política inicial acabaram fortalecendo o neoliberalismo no Brasil, me parece ser óbvia. Esta militância jamais se propôs a organizar um processo de câmbio profundo no país. Mesmo quando alguns deles ainda acreditavam nisso, nunca empregaram as ferramentas necessárias. E nem pensaram de forma estratégica para acumular forças visando uma ruptura com a ordem social vigente. Ou seja, se chegaram a ter intencionalidade revolucionária, desde o começo não contaram com o instrumento necessário para isso.
 
Na tese aprovada em 24 de janeiro de 1979, no IX Congresso dos Trabalhadores Metalúrgicos, Mecânicos e de Material Elétrico do Estado de São Paulo, na cidade de Lins (SP), a disposição de luta se confunde com o instrumento das eleições na democracia burguesa. Como o partido já nasce de massas – de filiação aberta e sem definição político-ideológica – e quer participar da administração do Estado, galgando postos com a competição eleitoral, a radicalidade já nascia morta. Vejam as palavras originais daqueles sindicalistas que convocavam o congresso de fundação do PT (ver: http://www.pt.org.br/pt25anos/anos70/documentos/79_tese...s.pdf):
 
“Não (queremos) um partido eleitoreiro, que simplesmente eleja representantes na Assembléia, Câmara e Senado, mas que, além disso e principalmente (o grifo é meu), seja um partido que funcione do primeiro ao último dia do ano, todos os anos, que organize e mobilize todos os trabalhadores na luta por suas reivindicações e pela construção de uma sociedade justa, sem explorados e exploradores.”
 
Neste caso, se os fins eram: “construção de uma sociedade justa, sem explorados e exploradores”, o meio empregado gerava conflito com a finalidade da organização política. Isso porque, a tendência de uma competição pelo voto dentro das regras burguesas é absorver o esforço militante. E, à medida que se vai ocupando postos nas administrações locais, este partido se torna responsável cada vez mais responsável pela legalidade capitalista. Ou seja, o caminho traçado, “o meio”, está em contra “o fim” traçado por este partido antes mesmo de ser fundado. O outro equívoco é confundir o movimento popular com um partido de massas de tipo eleitoral. Ambas as propostas ocupam o mesmo espaço político e o conflito é inevitável. Daí para a luta interna, entre “políticos” e “massistas” é uma questão de tempo. A decisão de agir “taticamente” dentro do jogo político burguês se revela. É um tiro no pé, um suicídio político.  

A fórmula da traição de classe

Outra vez nos deparamos com o dilema de fins e meios. Entendo que na falta de um objetivo permanente, a estratégia não existirá. Sem estratégia, entramos no reino da tática. A tática marca o momento, a manobra em batalha. A estratégia é definidora da guerra. Se o plano tático e o único que existe, então as atividades vão corresponder apenas ao curto prazo. Bem, a história das lutas sociais nos mostra que a fórmula:
 
política de curto prazo + participação eleitoral + partido de massas = 1º reformismo e 2º traição de classe    
 
Sem a finalidade de câmbio profundo, as parcelas de poder ocupadas serão através do voto e não das ruas. Tomar esta parcela de poder burguês tem um custo alto. A máquina político-partidária cresce, mas quanto mais votos na urna, governos locais e cadeiras no parlamento, quanto menos militantes ficarão na organização de base. Pouco a pouco, a política deixa de ser um fim e passa a ser apenas um meio de sobrevivência e ascensão social.  Para os anarquistas, a organização deve ser uma escola de vida. Na política da ex-esquerda que ajuda e se alia com a direita, a “escola” é de arrivismo.

Não dá para quebrar concreto com uma colher de pau

Compreendo que os fins são produtos dos meios. Portanto, entendo que o Objetivo (o fim) subordina o Método (o meio).  Logo, a Estratégia (o longo prazo) é marcada pela finalidade, pelo objetivo. E, a tática (o curto prazo), é subordinada à estratégia e ao fim. Por isso, não se podem fazer manobras que não sirvam para acumular forças rumo ao Objetivo. Sem os instrumentos políticos necessários, é impossível fazer a construção do processo de câmbio. Não dá para quebrar concreto com uma colher de pau.
 

BL Rocha é politólogo e jornalista, militante de FAG/FAU

Related Link: http://www.vermelhoenegro.org/fag
This page can be viewed in
English Italiano Deutsch
E

Brazil/Guyana/Suriname/FGuiana | A Esquerda | pt

Wed 30 Jul, 09:00

browse text browse image

ix_elaopa.jpg imageIX ELAOPA, Encontro Latino Americano de Organizações Populares Autônomas 04:12 Fri 10 Dec by ELAOPA 0 comments

O ELAOPA (Encontro Latino-Americano de Organizações Populares Autônomas) reúne, anualmente, organizações sociais pautadas na luta de classes e na identidade dos povos originais da América Latina, a partir dos seguintes princípios: democracia de base, solidariedade de classe, luta popular e autonomia dos oprimidos e dos povos originários. Autonomia em relação aos partidos políticos, ao Estado e seus governos, às ONGs, às empresas, e a todos aqueles que querem oprimir. O ELAOPA proporciona o espaço para o debate visando a convergência de ações políticas no intuito de criar o Poder Popular.

textEm defesa da autonomia dos movimentos sociais! 16:47 Thu 24 May by Rusga Libertária 0 comments

Passamos hoje um momento de crise dentro dos movimentos sociais onde se discute o governismo de várias entidades e a cooptação destas pelos projetos lulistas. Busca-se alternativas para uma nova organização dos trabalhadores que não seja refém de práticas governistas e partidárias. Essa questão acaba passando dentro do CLTP (talvez um dos movimentos sociais mais fortes em Cuiabá nos últimos dois anos).

imageTrês lições políticas dos protestos no Brasil Jul 07 by Bruno Lima Rocha 0 comments

O Brasil não será como antes, não ao menos em termos de cultura política. Após dez anos de pasmaceira e vinte e um anos sem manifestações massivas, o país se reencontra com a luta política de rua e de massas. Algumas lições foram transmitidas, dentre as quais elenco três.

imageDeixemos todas as bandeiras vermelhas levantadas... Mas as bandeiras rubro-negras exigem respeito! Jul 05 by Rafael Viana da Silva, Bruno Lima Rocha, Felipe Corrêa 0 comments

O que exigimos é respeito e, para isso, um debate franco é o melhor caminho que podemos trilhar. Sem ignorar nossos princípios ideológicos e as experiências históricas relevantes, nas quais cerramos fileiras com outras tradições da esquerda ou fomos traídos, o anarquismo tem um papel importante a cumprir no conjunto mais amplo do socialismo.

imagePartidos de mentirinha e a política do cinismo May 25 by Bruno Lima Rocha 0 comments

O cinismo e a hipocrisia política é parte estruturante do jogo de cenas construído entre legendas sem distinção ideológica ou programática

imageQuando os cardeais do Congresso falam o óbvio May 06 by Bruno Lima Rocha 0 comments

Renan deu a dica, apontando o caminho através da lógica de um cardeal do Congresso acostumado a legislar em causa própria e de seus pares.

imageReforma política e democracia participativa Apr 05 by Bruno Lima Rocha 0 comments

Se a possibilidade de tramitação de projeto lei de iniciativa popular chegar a ser aprovada, podendo incidir em todos os níveis da legislação, então teremos um pequeno avanço concreto na democracia realmente existente

more >>

textEm defesa da autonomia dos movimentos sociais! May 24 Construindo o Fórum do Anarquismo Organizado 0 comments

Passamos hoje um momento de crise dentro dos movimentos sociais onde se discute o governismo de várias entidades e a cooptação destas pelos projetos lulistas. Busca-se alternativas para uma nova organização dos trabalhadores que não seja refém de práticas governistas e partidárias. Essa questão acaba passando dentro do CLTP (talvez um dos movimentos sociais mais fortes em Cuiabá nos últimos dois anos).

© 2005-2014 Anarkismo.net. Unless otherwise stated by the author, all content is free for non-commercial reuse, reprint, and rebroadcast, on the net and elsewhere. Opinions are those of the contributors and are not necessarily endorsed by Anarkismo.net. [ Disclaimer | Privacy ]